Printer Friendly

APTIDAO E ATIVIDADE FISICA RELACIONADOS A SAUDE DE ADOLESCENTES ENTRE 11 A 14 ANOS/Fitness and physical activity related to health of adolescents between 11 and 14 years old.

INTRODUCAO

Com o continuo surgimento de inovacoes tecnologicas a pratica de atividades fisicas torna-se cada vez menor, consequentemente a preocupacao com a alimentacao e a propria saude acaba sendo negligenciada.

Dessa forma os adultos tornam-se cada vez mais ausentes na vida dos adolescentes, alem de desde cedo incentivalos a conviver com maus habitos alimentares e criarem atitudes que incentivam o sedentarismo, como por exemplo, as diversas horas que passam sentados em frente de aparelhos eletronicos como: a televisao, o computador e ate mesmo o celular.

Com o passar do tempo os adolescentes dedicam ainda mais tempo aos seus aparelhos eletronicos, tudo para estarem conectados a grande fonte de informacoes, que e a internet e suas redes sociais.

Essa situacao deve ser analisada sob um aspecto mais direto, pois; adolescentes inativos possuem uma alta probabilidade de se tornarem adultos sedentarios. O sedentarismo e um fator a ser considerado, porque transforma a sociedade em um ambiente repleto de pessoas doentes, que nao possuem niveis consideraveis de aptidao e atividade fisica, alem de possuirem maus habitos alimentares.

Muitos autores ja escreveram artigos baseados neste problema, Alves e colaboradores (2005) por exemplo, afirmam que se faz necessario dar importancia a criacao de habitos saudaveis para os adolescentes, porque se os adolescentes sao fisicamente ativos, a probabilidade de se tornarem adultos sedentarios e menor.

Dessa forma mostra-se relevante realizar estudos sobre a melhora da aptidao fisica, que e a maneira como se realiza as tarefas do dia a dia ou em emergencias sem ficar fadigado, ou seja, possuir um bom grau de aptidao fisica para conseguir realizar as tarefas recebidas com mais vigor.

Alem de enfatizar a importancia e os efeitos de uma alimentacao balanceada e de boa qualidade para a melhora da saude e qualidade de vida para os adolescentes da atualidade.

A partir desses dados, formulou-se este projeto que tem como foco analisar a relacao entre os niveis de aptidao e atividade fisica a saude de adolescentes com idade entre 11 a 14 anos, tendo o intuito de perceber quais os meios necessarios para a compreensao de maneiras eficazes no aumento dos niveis de aptidao e atividades fisicas em prol do aumento da saude e da qualidade de vida.

Neste estudo sera abordado uma avaliacao, com base nos pressupostos teoricos; protocolos de metodologia reconhecidos; uma analise de dados e resultados; alem das consideracoes finais.

Pressupostos Teoricos

A aptidao fisica pode ser definida de diversas maneiras, ate mesmo porque ela se subdivide em duas definicoes distintas que devem ser enfatizadas, estas sao a aptidao fisica relacionada a capacidade de movimento e a aptidao fisica relacionada a saude (Araujo, 2000).

A definicao mais utilizada para a aptidao fisica relacionada ao movimento trabalha desde a forma com que executamos as tarefas encontradas em nosso dia a dia, ate a capacidade que possuimos para executalas.

Entretanto a definicao de aptidao fisica relacionada a saude traz como foco principal a prevencao de doencas e a promocao da saude.

De acordo com Araujo (2000, p.46), "aptidoes fisicas relacionada a saude sao as [...] potencialidades associadas a pequenos riscos de desenvolvimento prematuro de doencas associadas [...] a inatividade fisica".

Com as diferencas encontradas em suas definicoes, surgem definicoes simples, de cunho popular; porem, estas se tornam vagas e geram problematicas em torno do real significado de aptidao fisica e as confundem com o conceito de atividade fisica.

Por isso diversos autores trazem definicoes mais completas com o intuito de distinguir esta ambiguidade entre conceitos, nao permitindo assim confundir o conceito de aptidao fisica com o conceito de atividade fisica.

Dessa forma Barbanti (1990, p.12), aborda o conceito de aptidao fisica como: um estado dinamico de energia e vitalidade que permite a cada um nao apenas realizar as tarefas diarias, as ocupacoes ativas das horas de lazer e enfrentar emergencias imprevisiveis sem fadiga excessiva, mas tambem ajuda a evitar doencas hipocineticas, enquanto funcionamento no pico da capacidade intelectual e sentindo uma alegria de viver.

Enquanto o conceito de atividade fisica abordado por Araujo e Araujo (2000, p.194) define atividade fisica como, "[...] qualquer movimento corporal com gasto energetico acima dos niveis de repouso, incluindo as atividades diarias, como se banhar, vestir-se [...]".

Em alguns artigos e trabalhos desenvolvidos em prol da avaliacao da aptidao fisica e da atividade fisica, alguns autores preocupam-se em diferenciar estes conceitos, de maneira a deixar claro que apesar de ambos influenciarem na melhora da qualidade de vida, ha uma enorme diferenca em seus conceitos.

Visando diferenciar estes dois conceitos em suas pesquisas, Guedes e colaboradores (2002, p.13) afirmam que, a atividade fisica define-se como processo estreitamente identificado com processos comportamentais, enquanto aptidao fisica caracteriza-se como produto voltado ao dimensionamento das capacidades para a realizacao do trabalho muscular.

Para concluir as definicoes gerais de aptidao fisica, principalmente a que esta relacionada a saude, deve-se ao menos citar quais sao seus componentes, pois sem eles nao ha como mensurar os niveis de aptidao fisica de uma pessoa.

De acordo com Araujo (2000), estes componentes sao: "capacidade cardiorrespiratoria, composicao corporal, forca e flexibilidade".

Camilo (2016), conclui sua pesquisa relatando que, quanto mais ativo o individuo for, mais aptidao fisica ele tera.

Muitos autores afirmam que a aptidao fisica e um marcador importante na saude dos adolescentes, porem; para que se possa confirmar realmente esta afirmacao, se faz necessario compreender a definicao de saude primeiramente.

Segundo Segre e Ferraz (1997, p. 539), "a Organizacao Mundial da Saude (OMS) define saude nao apenas como ausencia de doenca, mas como a situacao de perfeito bem-estar fisico, metal e social".

Porem muitos autores afirmam que esta definicao torna-se vaga, pois em muitos casos a definicao de "perfeito bem-estar" gera uma utopia se comparada a outras vivencias, definindo-se assim pelas vivencias proprias de cada individuo.

Por este motivo Bouchard (1990 apud Pitanga, 2002) define saude como: uma condicao humana com dimensoes fisica, social e psicologica, cada uma caracterizada por polos positivo e negativo. A saude fisica positiva estaria associada com a capacidade de apreciar a vida e de resistir aos desafios do cotidiano, enquanto a saude negativa estaria associada a morbidade, e no extremo, com a mortalidade.

A saude quando relacionada a adolescencia torna-se um fator preocupante, pois a adolescencia e a fase de transicao entre a infancia e a fase adulta, sendo caracterizada pelas mudancas no desenvolvimento fisico, mental e [...] social (Eisenstein, 2005).

A adolescencia e uma fase do desenvolvimento humano que se situa entre a infancia e o periodo adulto; ela ocorre aproximadamente dos 10 aos 21 anos, e e nela que a maior parte das mudancas fisicas e psicologicas ocorre, tornando-a entao uma fase de dificil sociabilidade (Ramos, 1999).

"Por causa dessas dificuldades de sociabilidade e de maus habitos de atividade fisica adquiridos nesta fase da vida, faz-se necessario o desenvolvimento de incentivos esportivos nesse grupo etario" (Alves e colaboradores, 2005, p.294).

Pois sao atraves desses incentivos que ocorre a melhora dos niveis de aptidao fisica em adolescentes, melhorando a influencia das transformacoes fisiologicas e anatomicas, "decorrentes das descargas hormonais que sao aumentadas com a chegada da puberdade, fazendo com que os adolescentes sofram influencias positivas, geradas pela quantidade de atividade fisica habitual" (Farias e colaboradores, 2010, p.103).

Muitos autores e estudiosos ja afirmam de diversas maneiras os fatores positivos que se obtem ao realizar atividades fisicas regulares em conjunto com uma alimentacao balanceada; entretanto com o aumento das doencas causadas pelo sedentarismo e alimentacao ao estilo fast-food, tornou-se necessario se preocupar e avaliar os reais niveis de aptidao e atividades fisicas que estao relacionadas a saude e seus fatores adversos, pois sao atraves deles que se tornam possivel diagnosticar e descrever como realmente esta a saude fisica dos adolescentes de hoje em dia.

Como Guedes e Guedes (1995, p.35) ja afirmavam, "as acoes intervencionistas de cunho preventivo nessas idades, se faz necessario, pois se entrarem em um processo de maior acumulo de gordura corporal estara prognosticando adultos com excessiva quantidade de gordura", criando assim um quadro clinico de pessoas que se enquadram nos casos de sedentarismo, doentes cronicos, e tudo por possuirem baixo grau de aptidao fisica e maus habitos alimentares.

MATERIAIS E METODOS

O projeto foi submetido ao Comite de Etica em Pesquisa da Universidade da Regiao de Joinville (Univille). Recebeu o numero de parecer 1. 958.710.

A pesquisa caracteriza-se de campo, a qual consiste no levantamento de dados atraves de questionarios e testes, alem da observacao de fatos tal como ocorrem espontaneamente na coleta de dados e no registro destes. A pesquisa foi realizada na Escola Municipal de Ensino Basico Prefeito Henrique Liebl, situada na Cidade de Rio Negrinho-SC, com adolescentes que frequentam o ensino regular, com idade entre 11 e 14 anos, de ambos os sexos, com uma amostra igual a 72 individuos.

Utilizou-se como protocolos para aplicabilidade dessa pesquisa, uma anamnese, que "e o procedimento inicial com objetivo investigativo que traz informacoes adicionais e fundamentais sobre os alunos" (Molinari, 2012, p. 203).

Esta foi constituida por dois questionarios, sendo um deles o Questionario Internacional de Atividade Fisica-IPAQ em sua versao longa, que consiste em detectar o nivel de atividade fisica do individuo avaliado, para entao classifica-los: em sedentario, insuficientemente ativo A, insuficientemente ativo B, ativo e muito ativo.

Alem do questionario de triagem nutricional do IBGE, que tem como intuito identificar o perfil alimenticio da amostra, seus habitos alimentares, alem de identificar se possuem ou nao alguma restricao alimentar.

Os demais instrumentos de pesquisa utilizados neste trabalho foram os protocolos para: a avaliacao do Indice de Massa Corporal-IMC e das pregas cutaneas; e a avaliacao dos niveis de aptidao fisica (como os testes de sentar e alcancar com o banco de Wells, teste intermediario de abdominais, e do teste de 9 minutos).

O procedimento inicial para o desenvolvimento do projeto foi a apresentacao da pesquisa, e a entrega dos Termos de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), para que seus responsaveis estivessem conscientes de sua participacao atraves dele.

Posteriormente houve a aplicacao dos questionarios, sendo que o primeiro a ser aplicado foi o Questionario Internacional de Atividade Fisica-IPAQ em sua versao longa, onde se encontram 27 questoes falando sobre a quantidade de atividade fisica realizada na ultima semana, estas questoes estao divididas em cinco secoes distintas sobre as formas de realizar atividades fisicas (no trabalho; como meio de transporte, em casa; como recreacao, esporte, exercicio e lazer; alem de calcular o tempo gasto sentado); e importante especificar que para este projeto foram abordadas as secoes encontradas entre dois e cinco.

O segundo questionario foi uma triagem nutricional que tem como finalidade identificar o perfil alimenticio da amostra, como por exemplo, habitos e atitudes alimentares, restricao alimentar, alem de contribuir com o diagnostico de transtornos alimentares (anorexia, bulimia e compulsao alimentar).

Em seguida foram realizadas as coletas dos dados antropometricos (peso, estatura e pregas cutaneas), tendo como intuito de caracterizar a composicao corporal dos adolescentes pesquisados. Logo depois de ter estes dados coletados, houve os calculos para a obtencao do IMC; e do percentual de gordura obtido atraves das coletas das pregas cutaneas.

Logo apos foram aplicados os testes para avaliacao da aptidao fisica (flexibilidade, resistencia muscular e resistencia aerobica), estes eram: teste de sentar e alcancar no banco de Wells: onde cada participante deveria estar descalco, para entao sentar-se de frente para a caixa, tendo suas pernas estendidas e unidas, colocando uma das maos sobre a outra e elevam os bracos a vertical.

Para em seguida inclinar o corpo para frente e alcancar com as pontas dos dedos das maos tao longe quanto possivel sobre a regua graduada, sem flexionar os joelhos e sem utilizar movimentos de balancos.

Vale ressaltar que cada adolescente teve duas tentativas, sendo que foi registrado apenas o melhor resultado entre as duas execucoes com anotacao em uma casa decimal; teste intermediario de abdominais: onde os adolescentes deveriam estar posicionados em decubito dorsal, com os joelhos flexionados a 45[degrees], mantendo os bracos cruzados sobre o torax.

Ao sinal da avaliadora o aluno iniciava os movimentos de flexao do tronco ate tocar com os cotovelos nas coxas, retornando a posicao inicial.

Para validar este teste o aluno deveria realizar o maior numero de repeticoes completas em 1 minuto; sendo que o resultado foi expresso pelo numero de movimentos completos realizados neste tempo; teste de 9 minutos: os participantes foram separados em dois grupos, para a aplicacao do teste, onde estes deveriam correr o maior tempo possivel, evitando piques de corrida, embora pudessem caminhar eventualmente quando se sentissem cansados e/ou com algum desconforto.

A avaliadora informava aos alunos a passagem do tempo, eles so pararam de correr, quando escutaram o soar do apito, indicando o final do teste. Vale ressaltar que foi calculado a distancia percorrida no perimetro que foi estabelecido.

Apos toda a aplicacao pratica do presente estudo, todos os dados que haviam sidos coletados, foram anotados em uma planilha de dados e posteriormente tabulados em um banco de dados na planilha Excel for Windows, utilizando como estatistica descritiva a media e o desvio padrao.

Para enfim aplicar, o teste Shapiro Wilk, e o teste t- de Student para amostras independentes (adotando nivel de significancia p?0,05).

E importante ressaltar que utilizou-se tambem a matriz do coeficiente de Pearson para correlacionar as variaveis investigadas e o coeficiente de determinacao, adotando Anova One Way (com nivel de significancia p?0,05).

RESULTADOS E DISCUSSAO

Os resultados a seguir revelam os niveis de aptidao e atividade fisica relacionados a saude de adolescentes entre 11 a 14 anos, estes foram obtidos atraves do: Questionario Internacional de Atividade Fisica-IPAQ, questionario de triagem nutricional, teste de sentar e alcancar no banco de Wells, teste intermediario de abdominais e teste de resistencia aerobica de 9 minutos. Procurou-se com sua apresentacao, responder a seguinte questao da pesquisa: Qual a relacao entre os niveis de aptidao e atividade fisica associada a saude de adolescentes com idade entre 11 a 14 anos?

Para o desenvolvimento desta pesquisa, contou-se com a participacao de 72 individuos, sendo 40 individuos do sexo masculino, e 32 individuos do sexo feminino, com idade entre 11 a 14 anos. Verificou-se que a media de idade foi de 12,4 anos, tendo como desvio padrao 1,1; sendo a minima de idade 11 anos e a maxima 14.

A coleta de dados iniciou-se com a aplicacao dos questionarios, e da coleta dos dados antropometricos; onde tinha-se o intuito de realizar uma caracterizacao da amostra mais especifica, verificando tambem as variaveis como peso e estatura.

Atraves desta analise obteve-se como peso medio 47,7 quilos, tendo como desvio padrao 10,1; sendo que a estatura media foi de 1,55 metros, com desvio padrao igual a 0,07. As especificacoes completas da caracterizacao da amostra se encontram na tabela 1.

Apos a coleta dos dados citados na tabela 1 (n=72), deu-se inicio a aplicacao dos testes para a analise do grau de aptidao fisica (distancia percorrida no teste de resistencia aerobica, quantidade de repeticoes adquiridas no teste de resistencia muscular localizada, e quantidade de centimetros alcancados no teste de flexibilidade), que estes adolescentes possuiam.

Para que mais tarde estes resultados fossem correlacionados com as variaveis coletadas atraves da avaliacao antropometrica, (idade, peso, estatura, prega tricipital, prega subescapular, indice de massa muscular e o percentual de gordura).

A analise geral desses dados em busca de uma correlacao entre os resultados dos 72 participantes da pesquisa, sao apresentados na tabela 2.

Analisando a tabela 2 (n=72), pode-se perceber que nao houve correlacao alguma entre as variaveis antropometricas e os resultados dos testes de aptidao fisica, quando o grupo de participantes sao analisados em conjunto.

Por este motivo; iniciou-se a analise separada dos individuos, sendo que estes foram separados em grupos correspondentes aos resultados obtidos atraves do questionario do IPAQ (o qual determinava qual era o nivel de atividade fisica de cada participante).

O primeiro grupo a ser analisado foi o dos participantes sedentarios. Seus resultados foram expressos na tabela 3.

Observando a tabela 3, pode-se afirmar que as variaveis da antropometria /aptidao fisica gerou correlacao negativa entre os testes de distancia percorrida, abdominal e para as variaveis investigadas, nos individuos sedentarios (n=3). Para o mesmo grupo a flexibilidade se tornou positiva nas variaveis tricipital (r=0,91; [r.sub.2]= 83%), subescapular (r= 0,82; [r.sub.2]= 67%) e percentual de gordura (r=0,92; [r.sub.2]= 84%).

No estudo feito por Silva e colaboradores (2009), onde mais de 150 alunos das escolas de ensino fundamental da cidade de Maringa (PR), com faixa etaria entre 10 a 15 anos, foram submetidos a uma pesquisa que teve como objetivo verificar os fatores de risco de doencas cardiovasculares nesse grupo. Tambem obteve-se um resultado semelhante ao da nossa pesquisa analisando grupos como este, onde boa parte das criancas com peso ideal (n= 63%), conseguiu resultados normais no teste de abdominal. Alem de obter valores favoraveis no teste de flexibilidade, mesmo estando acima do seu peso normal (n= 12%), ou serem consideradas sedentarias.

A analise dos resultados obtidos no grupo insuficientemente ativo A (n=5), demostrou significancia positiva apenas nas variaveis de idade quando relacionada com a distancia percorrida (r=0,73; [r.sub.2]= 52%); e na estatura quando relacionada com a distancia percorrida (r=0,80; [r.sub.2]= 64%), e o teste abdominal (r=0,69; [r.sub.2]= 48%); conforme a tabela 4.

Na tabela 4 verifica-se que a correlacao entre a estatura, distancia percorrida e o abdominal e de dificil explicacao; ja que em todos os testes onde estas variaveis sao analisadas, geralmente nao se tem uma correlacao positiva.

Porem, na variavel idade; ha diversos estudos que mostram a diversidade de resultados positivos, quando correlacionada com a aptidao cardiorrespiratoria. No presente estudo acredita-se que este resultado provem da seguinte hipotese: quanto mais novo o individuo, maior sua aptidao para a distancia percorrida.

Entretanto; esta afirmacao nao se consolidou na pesquisa realizada por Ignacio (2015), onde 49 criancas, com faixa etaria entre 8 a 10 anos, obtiveram um resultado negativo, quanto a correlacao da idade com a resistencia aerobica (p=0,12).

A observacao dos resultados obtidos no grupo insuficientemente ativo B (n=10), nao demostrou graus de significancia, conforme a tabela 5.

Observa-se na tabela 5, que a nao correlacao entre as variaveis se deu atraves dos diferentes estilos de vida dos participantes desse grupo. Pois, suas avaliacoes antropometricas e triagens nutricionais variavam muito entre si, sendo que estes eram iguais apenas na inatividade fisica semanal.

Ja que nesse grupo os participantes praticam 10 minutos continuos de atividade fisica por semana, porem; ainda nao podem ser classificados como ativos.

Com relacao ao grupo de adolescentes ativos A (n=7), encontrou-se correlacao negativa no teste de resistencia aerobica quando correlacionada com as variaveis subescapular (r= -0,51; [r.sup.2]= 26%), IMC (r= -0,54; [r.sup.2]= 28%). Isto aconteceu no teste abdominal quando correlacionada as variaveis tricipitais (r= -0,56; [r.sup.2]= 31%); e no percentual de gordura (r= -0,65; [r.sup.2]= 42%). Entretanto; houve uma correlacao positiva no teste de flexibilidade, segundo a tabela 6.

As correlacoes apresentadas na tabela 6, mostra que quanto mais negativo for o valor das pregas cutaneas, IMC e percentual de gordura; melhor sera seu grau de flexibilidade.

Pois, de acordo com Guedes e Guedes (1995) "individuos com valores mais baixos de adiposidade em geral apresentam niveis de aptidao fisica superior".

A observacao dos resultados obtidos no grupo ativo B (n=19), nao demostrou graus de significancia, conforme a tabela 7.

Discutindo sobre os resultados apresentados na tabela 7, ficou constatado que assim como ocorreu no grupo insuficientemente ativo B (apresentado na tabela 5), nao houve correlacao entre as variaveis analisadas. Pois; suas avaliacoes antropometricas e triagens nutricionais variavam muito entre si, sendo que estes eram iguais apenas no grau de atividades fisicas semanais.

Sendo que os participantes deste grupo afirmavam praticar atividades fisicas moderadas e/ou caminhadas, com uma frequencia [greater than or equal to] 5 dias/semana e [greater than or equal to] 30 minutos/sessao.

Com relacao ao grupo ativo C (n=5), pode-se perceber uma correlacao negativa no teste de resistencia aerobica quando correlacionada com a variavel idade (r= -0,53; [r.sup.2]= 27%).

Isto aconteceu no teste abdominal quando correlacionada com as variaveis idade (r= -0,96; [r.sup.2]= 91%); peso (r= -0,54; [r.sup.2]= 29%); e na estatura (r= -0,80; [r.sup.2]= 64%); entretanto, houve uma correlacao positiva no teste de flexibilidade, segundo a tabela 8.

A correlacao negativa entre o peso e o numero de repeticoes realizadas no teste maximo de abdominal em um minuto, que esta apresentada na tabela 8, mostra que quando maior o peso de uma pessoa, maior sera a dificuldade de ela realizar determinados exercicios para os musculos abdominais. Pois, de acordo com Rezende e colaboradores (2006), os individuos, que estao no quadro de sobrepeso, geralmente possuem medidas de circunferencia abdominal elevada.

Quando foi realizada a analise do grupo muito ativos (n=23), esperavamos que houvesse muita correlacao neste grupo, ja que estes sao individuos que praticam diversos tipos de atividades fisicas em uma semana.

Porem, o resultado foi totalmente ao contrario do esperado, obtendo um grau pouco significativo de correlacao, como podemos observar na tabela 9.

Pode-se afirmar que este resultado nada positivo para este grupo deu-se por alguns fatores primordiais para o real comprometimento pela pesquisa, por parte dos adolescentes. Pois; eles podem ter: omitido informacoes pertinentes a sua realidade diaria de exercicios fisicos (como frequencia e duracao), uma alimentacao inadequada, nao dado o seu apice fisico no teste de resistencia e /ou ter assinalado informacoes de forma errada em seu IPAQ.

Os resultados obtidos neste estudo demonstraram que, embora nao houvesse correlacoes significativas em todas as variaveis avaliadas, dois desses grupos tiveram resultados importantes (sedentarios e ativos A). O que serve de incentivo a todos os adolescentes que participaram e/ou terao acesso a esta pesquisa. Pois; mostra que so o interesse e a persistencia em busca de uma vida mais saudavel, pode fazer com que uma pessoa mude seus habitos, de forma rapida e eficaz.

Apos a aplicacao desta pesquisa, houve uma palestra com os adolescentes para a apresentacao dos resultados obtidos, alem de uma discussao sobre como eles poderiam mudar estes resultados, em busca de uma qualidade de vida melhor.

CONCLUSAO

Este estudo teve como foco os niveis de aptidao e atividade fisica relacionados a saude de adolescentes entre 11 a 14 anos.

Por meio desta pesquisa pode-se ressaltar os efeitos que o sedentarismo causa na aptidao fisica, saude e na qualidade de vida dos adolescentes.

Sendo que estes efeitos nao sao relacionados apenas com a inatividade fisica em si, mas com a obtencao de maus habitos alimentares e aumento do risco de doencas hipocineticas.

Comprovou-se tambem que se um individuo realizar exercicios fisicos moderados e/ou intensos, pelo menos tres vezes na semana, melhora suas aptidoes cardiorrespiratorias, cardiovasculares, alem de diversos beneficios fisicos, psicologicos e sociais.

Dessa forma sugere-se que mais estudos sejam realizados com foco na area da saude para esta faixa etaria, pois, a maneira de execucao dos testes por parte dos adolescentes foi mudando, a partir dos estimulos e incentivos dados a eles. O que comprova, que muitas vezes a influencia dos adultos, tem um reflexo enorme na qualidade de vida desse publico.

Por este motivo, recomenda-se tambem o incentivo da intervencao do profissional de Educacao Fisica em projetos voltados para a saude, aptidao fisica e iniciacao esportiva nesta faixa etaria. Entende-se que, justamente nesta fase, os adolescentes podem ser altamente influenciados em relacao ao desenvolvimento fisico, moral e social.

REFERENCIAS

1-Alves, J. G. B.; e colaboradores. Pratica de esportes durante a adolescencia e atividade fisica de lazer na vida adulta. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 11. Num. 5. p. 291-294. 2005.

2-Araujo, C.G.S. Teste de esforco e prescricao de exercicio. 5a edicao. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter. 2000. p.46.

3-Araujo, D. S. M. S.; Araujo, C. G. S. Aptidao fisica, saude e qualidade de vida relacionada a saude em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Sao Paulo. Vol. 6. Num. 5. p.194-203. 2000.

4-Barbanti, V. J. Aptidao Fisica: Um convite a saude. Sao Paulo: Manole, 1990, p.12.

5-Camilo, I. B. O teste de sentar e alcancar como avaliacao de flexibilidade em escolares do ensino fundamental da rede publica de um municipio da regiao central de Rondonia. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano. Vol. 6. Num. 1. p.64-75. 2016.

6-Eisenstein, E. Adolescencia: Definicoes, conceitos e criterios. Revista de Adolescencia e Saude. Vol. 2. Num. 2. p.6-7. 2005.

7-Farias, E. S.; e colaboradores. Efeito da atividade fisica programada sobre a aptidao fisica em escolares adolescentes. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Florianopolis. Vol. 12. Num. 2. p.98-105. 2010.

8-Guedes, D. P.; e colaboradores. Atividade fisica habitual e aptidao fisica relacionada a saude em adolescentes. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Brasilia: Vol. 10. Num. 1. p.13-21. 2002.

9-Guedes, D. P.; Guedes, J. E. R. Pinto. Aptidao fisica relacionada a saude de criancas e adolescentes: Avaliacao referenciada por criterio. Revista Brasileira de Atividade Fisica e Saude. Vol. 1. Num. 2. p.27-38. 1995.

10-Ignacio, M. C. Habilidades motoras fundamentais e aptidao fisica relacionada a saude em criancas: Um estudo descritivo e associativo. Monografia de Graduacao em Educacao Fisica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2015.

11-Molinari, G. Avaliacao postural. In Machado, A. F.; Abad, C. C. C. Manual de avaliacao fisica. 2a edicao. Sao Paulo. Icone. 2012. cap. 8. p. 203.

12-Ramos, A. T. Atividade Fisica - diabeticos, gestantes, idosos, criancas e obesos. 2a edicao. Rio de Janeiro. Sprint. 1999.

13-Rezende, F. A. C.; e colaboradores. Indice de Massa Corporal e Circunferencia Abdominal: Associacao com Fatores de Risco Cardiovascular. Revista Brasileira de Cardiologia. Vol. 87. Num. 6. p.728-734. 2006.

14-Segre, M.; Ferraz, F. C. O conceito de saude. Revista de Saude Publica. Vol. 31. Num. 5. p.538-542. 1997.

15-Silva, J. E. F.; e colaboradores. Obesidade e sedentarismo como fatores de risco para doencas cardiovasculares em criancas e adolescentes de escolas publicas de Maringa-PR. Revista de Saude e Pesquisa. Vol. 2. Num. 1. p. 41-51. 2009.

Recebido para publicacao 21/08/2018

Aceito em 25/06/2019

Daiane Zawadzki (1), Nivea de Freitas Figueiredo Stiegler (1) Fabricio Faitarone Brasilino (1)

(1-)Universidade da Regiao de Joinville-(UNIVILLE), Campus Sao Bento do Sul-SC, Brasil.
Tabela 1 - Caracterizacao amostral de adolescentes entre 11 a 14 anos.

Variaveis    Total             Masculino           Feminino
             n= 72             n= 40               n= 32
            [??][+ or -]SD     [??][+ or -]SD      [??][+ or -]SD

Idade      12,4 [+ or -] 1,1   12,4 [+ or -] 1,1   12,4 [+ or -] 1,0
Peso       47,7 [+ or -] 10,1  46,7 [+ or -] 10,7  49,0 [+ or -] 9,2
Estatura    1,55 [+ or -] 0,07  1,55 [+ or -] 0,1   1,55 [+ or -] 0,1

Legenda: [??]= media, SD= desvio padrao da media.

Tabela 2 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes entre 11 a 14 anos.

                                    Dist percorrida
             Antropometria/aptidao  r                [r.sup.2]

             Idade                  0,13             1,7%
             Peso                   0,09             0,8%
             Estatura               0,08             0,7%
Total  n=72  Triciptal              0,01             0,0%
             sub esc                0,02             0,0%
             IMC                    0,08             0,6%
             %G                     0,01             0,0%

             Abdominal             Flexibi  idade
             r          [r.sup.2]  r        [r.sup.2]

              0,07      0,5%       0,14     2,1%
             -0,07      0,5%       0,14     1,9%
              0,14      1,9%       0,05     0,3%
Total  n=72  -0,21      4,4%       0,15     2,2%
             -0,16      2,6%       0,19     3,6%
             -0,19      3,6%       0,18     3,1%
             -0,27      7,3%       0,21     4,2

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sub.2]=
coeficiente de determinacao.

Tabela 3 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) sedentarios.

                                        Dist per  corrida    Abdo
                 Antropometria/aptidao  r         [r.sub.2]  r

                 Idade                  -0,87     75,0%      -0,831
                 Peso                   -0,89     78,6%      -0,853
                 Estatura               -0,68     45,7%      -0,625
Sedentario  n=3  Triciptal              -0,87     75,0%      -0,898
                 sub esc                -0,94     89,3%      -0,965
                 IMC                    -0,99     97,7%      -0,976

                  minal       Flexibi  lidade
                  [r.sub.2]   r        [r.sub.2]

                  69,0%       0,10      1,0%
                  72,8%       0,14      2,1%
                  39,1%      -0,20      4,1%
Sedentario  n=3   80,6%       0,91     83,2%
                  93,1%       0,82     67,0%
                  95,2%       0,45     20,7%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sub.2] =
coeficiente de determinacao.

Tabela 4 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Insuficiente Ativo A.

                                            Dist percorrida
                    Antropometria/aptidao   r                [r.sup.2]

                    Idade                   0,73             52,7%
                    Peso                    0,15              2,2%
                    Estatura                0,80             64,4%
Insuficiente  n=5   Triciptal               0,00              0,0%
Ativo A             sub esc                -0,15              2,2%
                    IMC                    -0,39             15,4%
                    %G                     -0,25              6,1%

                     Abdominal             Flexibi  lidade
                     r          [r.sup.2]  r        [r.sup.2]

                     0,56       30,9%      0,40     16,2%
                     0,25        6,1%     -0,04      0,1%
                     0,69       48,0%      0,04      0,2%
Insuficiente  n=5    0,15        2,1%      0,14      2,0%
Ativo A             -0,06        0,3%     -0,46     21,3%
                    -0,23        5,3%     -0,04      0,2%
                    -0,10        1,0%     -0,30      8,8%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao.

Tabela 5 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Insuficiente Ativo B.

                                           Dist percorrida
                    Antropometria/aptidao  r                [r.sup.2]

                    Idade                  0,30              9,0%
                    Peso                   0,26              7,0%
                    Estatura               0,37             13,5%
Insuficiente  n=10  Triciptal              0,09              0,9%
Ativo B             sub esc                0,14              2,0%
                    IMC                    0,20              3,9%
                    %G                     0,02              0,0%

                     Abdorninal             Flexibilidade
                     r           [r.sup.2]  r              [r.sup.2]

                     0,32        10,1%      0,15            2,2%
                    -0,25         6,4%      0,43           18,2%
                     0,06         0,4%      0,53           28,4%
Insuficiente  n=10  -0,49        23,9%      0,39           15,5%
Ativo B             -0,47        22,2%      0,55           30,7%
                    -0,44        19,4%      0,28            7,8%
                    -0,55        30,7%      0,39           15,2%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao.

Tabela 6 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Ativo A.

                                     Dist percorrida
              Antropometria/aptidao  r                [r.sup.2]

              Idade                   0,29             8,7%
              Peso                   -0,23             5,4%
              Estatura                0,32            10,0%
Ativo A  n=7  Triciptal              -0,31             9,9%
              sub esc                -0,51            26,0%
              IMC                    -0,54            28,8%
              %G                     -0,47            22,1%

              Abdominal              Flexibilidade
              r          [r.sup.2]   r              [r.sup.2]

               0,66      43,0%       -0,21            4,3%
              -0,39      15,2%        0,54           29,1%
              -0,11       1,1%       -0,18            3,3%
Ativo A  n=7  -0,56      31,2%        0,76           57,4%
              -0,43      18,9%        0,83           69,7%
              -0,39      15,4%        0,81           65,7%
              -0,65      42,1%        0,65           42,2%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao

Tabela 7 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Ativo B.

                                      Dist percorrida
               Antropometria/aptidao  r       [r.sup.2]

               Idade                   0,22    4,9%
               Peso                   -0,16    2,7%
               Estatura                0,11    1,2%
Ativo B  n=19  Triciptal              -0,02    0,0%
               sub esc                -0,38   14,1%
               IMC                    -0,25    6,1%
               %G                     -0,28    8,1%

                Abdominal          Flexibilidade
                r      [r.sup.2]   r        r (2)

                0,19    3,5%         0,34   11,3%
                0,21    4,2%         0,04    0,2%
                0,47   21,9%        -0,09    0,7%
Ativo B  n=19   0,19    3,8%        -0,32   10,4%
                0,11    1,2%         0,09    0,8%
                0,01    0,0%         0,11    1,2%
                0,12    1,3%        -0,06    0,4%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao.

Tabela 8 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Ativo C.

                                     Dist percorrida
              Antropometria/aptidao  r        [r.sup.2]

              Idade                  -0,53    27,6%
              Peso                    0,03     0,1%
              Estatura               -0,43    18,4%
Ativo C  n=5  Triciptal               0,13     1,6%
              sub esc                 0,37    13,9%
              IMC                     0,30     9,2%

              Abdominal             Flexibi  lidade
              r          [r.sup.2]  r        [r.sup.2]

              -0,96      91,8%      -0,06     0,4%
              -0,54      29,2%       0,64    41,1%
              -0,80      64,2%       0,27     7,4%
Ativo C  n=5  -0,17       3,0%       0,81    65,5%
              -0,19       3,8%       0,86    74,3%
              -0,26       6,7%       0,65    42,7%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao.

Tabela 9 - Correlacao entre as variaveis antropometricas e os testes de
aptidao fisica de adolescentes (...) Muito Ativo B.

                                          Dist percorrida
                   Antropometria/aptidao  r       [r.sup.2]

                   Idade                   0,08   0,6%
                   Peso                    0,17   2,8%
                   Estatura               -0,06   0,3%
Muito Ativo  n=23  Triciptal              -0,06   0,4%
B                  sub esc                 0,13   1,7%
                   IMC                     0,21   4,4%
                   %G                      0,06   0,3%

                   Abdominal             Flexibilidade
                   r          [r.sup.2]  r              [r.sup.2]

                   -0,25       6,4%      0,07           0,5%
                   -0,25       6,2%      0,05           0,3%
                    0,03       0,1%      0,04           0,1%
Muito Ativo  n=23  -0,52      27,2%      0,03           0,1%
B                  -0,35      12,4%      0,05           0,3%
                   -0,34      11,9%      0,09           0,9%
                   -0,52      26,6%      0,05           0,3%

Legenda: r = coeficiente de correlacao de Pearson; [r.sup.2] =
coeficiente de determinacao.
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Zawadzki, Daiane; de Freitas Figueiredo Stiegler, Nivea; Brasilino, Fabricio Faitarone
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:May 1, 2019
Words:6382
Previous Article:DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCICIO FISICO SOBRE OS ASPECTOS PSICOLOGICOS EM ATLETAS PARAPLEGICOS/Different intensities of physical exercise on...
Next Article:EFEITO DO DESCANSO ATIVO NO TREINAMENTO DE CIRCUITO SOBRE A COMPOSICAO CORPORAL DE ADULTOS/Effect of the active rest in the circuit training on the...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters