Printer Friendly

ANALISE DO PERFIL ANTROPOMETRICO E NIVEL DE ATIVIDADE FISICA DE ALUNOS DE 6a E 7a SERIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVA CAMPINA.

INTRODUCAO

A obesidade e caracterizada pelo acumulo de gordura corporal acima dos niveis adequados para saude, e pode desencadear diversos processos patologicos, entre eles hipertensao, diabetes tipo II, doencas cardiovasculares e alguns tipos de cancer (OMS, 1998).

Atualmente a obesidade se tornou uma epidemia mundial, estando presente tanto em paises desenvolvidos quanto em paises em desenvolvimento (Gonzalez e colaboradores, 2008).

Nos Estados Unidos a situacao e seria: a alimentacao desregrada e a vida sedentaria contribuem para aproximadamente 300.000 mortes por ano (Ades, Kerbauy, 2002).

Nos paises da America, a obesidade vem aumentando, para ambos os generos (OMS, 1998).

A estimativa da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) em 2008 era que a obesidade estava presente em 32% da populacao brasileira.

A obesidade distribui-se de forma bastante peculiar pelas diversas regioes brasileiras. Observam-se no Nordeste valores modestos de prevalencia, e nas regioes Sul e Sudeste, mais ricas e desenvolvidas, valores proximos aos obtidos pelas estatisticas americanas (Kuschnir e colaboradores, 2010).

Os fatores que poderiam explicar este crescente aumento do numero de individuos obesos parecem estar mais relacionados as mudancas no estilo de vida e aos habitos alimentares.

Devido a facilidade para se obter alimentos, e o padrao de vida esta cada vez mais sedentario, as pessoas comem cada vez mais e se exercitam menos, levando a um superavit calorico e favorecendo a obesidade nas pessoas predispostas geneticamente, tornando-se entao numa ameaca que cresce como uma gigantesca onda, que ameaca a saude publica (Repetto, Rizzolli, Bonato, 2003).

Tornando-se um problema que tem acometido cada vez mais a populacao mais jovem, a prevalencia de excesso de peso em adolescentes e criancas brasileiras de 6 a 18 anos de idade triplicou nos ultimos anos (Barreto e colaboradores, 2011) sendo preocupante porque caracteriza um dos fatores de risco para sua manutencao, com sequelas na vida adulta (Barreto e colaboradores, 2011).

Em estudo realizado por Vespasiano e colaboradores, (2013) com uma amostra de 200 adolescentes, constatou que cerca de 50% dos voluntarios de ambas as escolas eram irregularmente ativos.

Segundo Salve (2006) uma dieta saudavel e a pratica da atividade fisica sao fundamentais para manter ou reduzir o peso corporal, provoca importantes modificacoes na composicao corporal e na massa magra (Tiene, Vespasiano, 2012).

Sendo assim um importante fator no controle do sobrepeso/obesidade em criancas e adolescentes (Farias e colaboradores, 2009) pode ser considerada uma boa estrategia em saude publica, em virtude da economia direta que poderia ser alcancada com o combate do sedentarismo (Pardini e colaboradores, 2001).

Assim, o objetivo deste estudo foi comparar o perfil antropometrico e o nivel de atividade fisica dos alunos da 6a e 7a series do ensino fundamental da rede publica do municipio de Nova Campina-SP.

MATERIAIS E METODOS

Este estudo trata-se de uma pesquisa observacional, transversal, seguindo protocolos ja estudados e validados para o publico especifico do estudo.

A populacao alvo deste estudo abrangeu 120 estudantes com idade entre 12 a 15 anos de idade, matriculados e frequentando regularmente o segundo semestre do ensino fundamental no ano de 2011, das Escolas Ary Antunes de Moura e Humberto Morais Vasconcelos da rede pubica de ensino na cidade de Nova Campina-SP.

A selecao dos voluntarios consistiu em entrevista realizada nas proprias escolas e apos a explicacao do projeto, os responsaveis pelos voluntarios assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Os criterios de exclusao foram: alunos ausentes no dia da coleta de dados e alunos cujos responsaveis nao autorizaram a participacao no projeto.

Todos os procedimentos metodologicos foram realizados respeitando a Declaracao de Helsinque da Associacao Medica Mundial (2008).

Para avaliacao do nivel de atividade fisica utilizou-se os niveis de classificacao de acordo com o IPAQ--versao curta (International Physical Activity Questionaire), validado para estudos em criancas e adolescentes por Pardini (2001) que foi explicado aos voluntarios a forma de como responder o mesmo, a fim de auxiliar os mesmos durante a coleta de dados.

Segundo Vespasiano, Dias, Correa (2012) o IPAQ e uma ferramenta com baixo custo financeiro, de boa aplicabilidade e aceitacao para verificar os niveis de atividade fisica em diversas faixas etarias e populacoes diferenciadas.

Foi medida a massa corporal dos voluntarios por meio de uma balanca analogica atestada pelo Inmetro da marca Filizola e um estadiometro acoplado a balanca precisao de 0,1 cm. Os alunos foram pesados em uma unica medicao, em pe na balanca com as costas retas de frente para o medidor da balanca. As pernas e os calcanhares deviam estar unidos, bracos ao longo do corpo e olhando para frente. Os mesmos se encontraram descalcos e com roupas leves para nao afetar a mensuracao da massa corporal.

Para a afericao da estatura, os escolares se encontraram em pe, descalcos, com os calcanhares unidos, costas retas e com os bracos estendidos ao longo do corpo e olhando para frente. A medida foi coletada com o estudante em apneia, apos uma respiracao profunda (Costa, 2001).

O indice de massa corporal foi calculado dividindo a massa corporal em quilogramas pela estatura em metro elevada ao quadrado.

As circunferencias da cintura e do quadril foram mensuradas utilizando uma fita metrica de 200 cm e variacao de 0,1 cm. A medida da cintura foi efetuada no ponto medio entre o rebordo costal da ultima costela e a crista-iliaca (Costa, 2001).

A composicao corporal foi determinada por meio da tecnica da espessura das dobras cutaneas, sendo consideradas as dobras tricipital (TR) e panturrilha medial (PM). Foram coletadas tres medidas de cada ponto anatomico pre-estabelecido no lado direito do corpo, para registro de valor medio. As medidas foram realizadas com um adipometro cientifico da marca Lange[R]. A composicao corporal foi estimada pela equacao de Slaughter (Slaughter e colaboradores, 1988).

Analise Estatistica

Apos verificacao do teste de normalidade, foi aplicado o tratamento estatistico Kruskal-Wallis e o nivel de significancia adotado foi de p< 0,05.

RESULTADOS E DISCUSSOES

Em relacao a classificacao do IMC nao foi encontrada diferenca entre as escolas (p=0,814). E possivel observar que em ambas as escolas ha uma grande quantidade de alunos com IMC considerado abaixo do peso.

Ja o percentual de gordura foi maior na escola Ary (p=0,000). O nivel de atividade fisica nao foi diferente entre as escolas analisadas (p=0,766). Porem a maioria dos alunos de ambas as escolas sao considerados ativos.

Os resultados encontrados relativos as variaveis antropometricas estao descritos na tabela 1.

Entre os avaliados 3 (2,5) apresentaram baixo peso, 28 (23,3) estavam com sobrepeso e 89 (74,1) com peso normal.

Entre os 60 adolescentes do sexo masculino 12 (20) foram classificados como portadores de sobrepeso, enquanto 2 (3,3) dos entrevistados apresentaram baixo peso.

Em relacao aos 60 adolescentes do sexo feminino de sobrepeso foi de 16 (26,6), baixo peso 1 (1,6).

Referentes ao nivel de atividade 46 (38,3) estudantes foram classificados como insuficientemente ativos 57 (47,5) como ativos, 17 (14,1) como muito ativos, e nao houve indice de sedentarismo.

A tabela 4 indica o risco de complicacoes metabolicas decorrente do acumulo de gordura abdominal, sendo que 108 (90 %) da amostra encontra-se no padrao normal, 10 (8,3%) encontra-se com risco aumentado e 2 (1,6 %) como risco muito aumentado

Como pode ser visto atraves dos dados apresentados nas tabelas, a maior parte dos adolescentes esta na faixa de normalidade.

Entretanto um baixo indice dos adolescentes apresenta-se com excesso de peso, exposto na tabela 2, traduzindo 28 (23,3%) com sobrepeso. Os dados da pesquisa foram comparados com resultados de outros autores.

Estudos realizados em algumas cidades brasileiras indicam que o sobrepeso e a obesidade ja atingem 30% ou mais das criancas e adolescentes, como em Recife, alcancando 35% dos escolares avaliados (Balaban, Silva, 2001).

Em estudo realizado por Rezende e colaboradores, (2008) em uma escola da rede publica de Anapolis, com uma amostra de 346 alunos, com a faixa etaria de 7 a 14 anos, constatou que 19,9% apresentou peso acima do ideal, sendo 42 (12,21%), apresentavam obesidade.

Garcia e colaboradores, (2003) em pesquisa feita com uma amostra de 1.178 criancas e adolescentes de 5a a 8a serie da zona urbana de Cianorte, constatou que 24,3 % da amostra investigada eram considerados obesos.

Neste estudo o excesso de peso verificado foi maior entre o sexo feminino. As diferencas entre o indice de sobrepeso em ambos os sexos nao foram expressivas. Diferente de estudo realizado por Conti e colaboradores, (2005) detectou-se em 18,9 das meninas sobrepeso e obesidade, classificacao que entre os meninos mostrou-se praticamente duplicada 44,2 %.

No entanto os indice de IMC pode variar, cabe lembrar que o valor elevado de indice de massa corporal (IMC) nao representa necessariamente obesidade, caracterizada pelo excesso de gordura corporal.

Podem refletir as alteracoes na composicao corporal relacionada tanto ao aumento de massa magra quanto da massa gorda, caracteristicas da puberdade (Conti e colaboradores, 2005).

O baixo indice de sobrepeso se comparado com outros estudos, pode ser explicado pelo alto indice de atividade fisica exposto na tabela 2, fator que pode estar atrelado com aspectos socioeconomicos.

Segundo Anjos e Muller (2006) a renda e a nutricao estao relacionadas, no entanto que a renda pode determinar o estado nutricional de uma populacao, uma menor renda pode indicar pessoas menos nutridas, maior renda pessoas com bom estado nutricional.

O presente trabalho nao realizou pesquisa direcionada ao nivel socioeconomico dos adolescentes estudados, mas baseandose nos dados demograficos da cidade de Nova Campina, pode-se deduzir que o estilo de vida, como acesso aos meios de comunicacao como video games, computadores, como tambem a utilizacao excessiva aos meios de transporte para locomocao dentro da propria cidade, e mais restrita se comparada com cidades grandes.

Fator que possivelmente explique o indice de atividade fisica, grande porcentagem dos adolescentes estudados sao considerados ativos, pois andam mais tempo a pe, tem mais acesso a espacos livres e seguros para pratica de atividades. A pratica regular de exercicio fisico e associada a inumeros beneficios para a saude e a qualidade de vida (Araujo, Araujo, 2003).

A Tabela 3, mostra que 57 (47,5 %) e 17 (14,1 %) muito ativos, fator que refletiu no indice de eutrofia. A avaliacao do nivel de atividade fisica dos alunos foi feita atraves do questionario IPAQ- versao curta. As perguntas do questionario estao relacionadas as atividades realizadas na ultima semana anterior a aplicacao do questionario.

Os alunos foram classificados de acordo com a orientacao do proprio IPAQ, que divide e conceitua as categorias em: Sedentario--Nao realiza nenhuma atividade fisica por pelo menos10 minutos continuos durante a semana; Insuficientemente Ativo--Consiste em classificar os individuos que praticam atividades fisicas por pelo menos 10 minutos continuos por semana, porem de maneira insuficiente para ser classificado como ativos. Ativo--Cumpre as seguintes recomendacoes: a) atividade fisica vigorosa-- [greater than or equal to] 3 dias/semana e [greater than or equal to] 20 minutos/sessao; b) moderada ou caminhada - [greater than or equal to] 5 dias/semana e [greater than or equal to] 30 minutos/sessao; c) qualquer atividade somada: [greater than or equal to] 5 dias/semana e [greater than or equal to] 150 min/semana; Muito Ativo--Cumpre as seguintes recomendacoes: a) vigorosa- [greater than or equal to] 5 dias/semana e [greater than or equal to] 30 min/sessao; b) vigorosa - [greater than or equal to] 3 dias/semana e [greater than or equal to] 20 min/sessao + moderada e ou caminhada [greater than or equal to] 5 dias/semana e [greater than or equal to] 30 min/sessao (Silva e colaboradores, 2007).

O percentual de insuficientemente ativos foi superior entre as meninas sendo 30 (50%), e 16 (26,6%) meninos, fator que estar relacionado os resultados do IMC da tabela 2.

Nao houve indice de sedentarismo, diferente de estudos realizados em cidades brasileiras que tem exposto altos indices preocupantes de sedentarismo entre criancas e adolescentes.

Em estudo realizado por Oehlschlaeger e colaboradores, (2004) na cidade de Pelotas no Rio Grande do Sul, com uma amostra de 960 adolescentes, constatou que 39% dos adolescentes entrevistados eram considerados sedentarios.

Em estudo realizado por Silva e Malina (2000) no municipio de Niteroi, com uma amostra de 325 alunos (123 meninos e 202 meninas com idade de 14 e 15 anos), da rede publica de ensino, apos avaliacao do nivel de atividade fisica dos alunos os valores do mesmo classificaram 85 % dos meninos e 94 % das meninas como sedentarias.

Segundo Lazzoli (1998) a disponibilidade de tecnologia, o aumento da inseguranca e a progressiva reducao dos espacos livres nos centros urbanos (onde vive a maior parte das criancas brasileiras) reduzem as oportunidades de lazer e de uma vida fisicamente ativa, favorecendo atividades sedentarias, como: assistir a televisao, jogar video game se utilizar computadores.

A tabela 3 mostra a classificacao do percentual de gordura da amostra estudada e riscos de complicacoes metabolicas associadas a obesidade em funcao da circunferencia da cintura.

Pode observar em relacao a circunferencia da cintura que 108 (90%) esta no padrao normal, 10 (8,3%) com risco aumentado, e 2 (1,6%) com risco muito aumentado.

A circunferencia da cintura (CC) tem sido apontada como a medida antropometrica melhor correlacionada a quantidade de tecido adiposo visceral (Vianna, Silva, Gomes, 2008).

O excesso de gordura abdominal representa maior risco do que o excesso de gordura corporal por si so. (Ministerio da Saude, 2006).

Em estudo realizado por Souza e colaboradores, (2003) constatou que houve uma maior prevalencia de hipertensao, diabetes e dislipidemia nos individuos obesos e ou aqueles com excesso de gordura abdominal.

A concentracao de gordura no abdomen pode elevar o risco de doencas isquemicas cardiacas e diabetes, em maiores proporcoes do que a concentracao elevada nas regioes perifericas (Salve, 2006).

Na tabela observamos que 1(0,8%) esta percentual de gordura baixo, 42 (35%) esta no nivel otimo, 32(26,6%) esta moderadamente alto, 27(22,5%) alto e 18 (15%) muito alto, sendo superior novamente no sexo feminino 44 (73,3%) esta entre padrao moderadamente alto a muito alto.

Os dados das tabelas de composicao corporal estao interligadas aos dados de atividade fisica, resultando o nivel de eutrofia e percentual de gordura apropriado ha uma vida ativa, e um indice elevado de sobrepeso a indices insatisfatorios de atividade fisica.

Dentro das limitacoes inerentes a um estudo transversal e com base na metodologia empregada e resultados obtidos no presente trabalho, constatou-se uma prevalencia de sobrepeso de 10% para o sexo masculino e de 13% para o feminino, podendo concluir-se que a variabilidade dos valores medida foi semelhante nos dois sexos.

Como constatado que a atividade fisica esta diretamente ligada a manutencao do peso, ha necessidade de programas de prevencao, com intervencao essencial no ambito escolar, segundo o Ministerio da Saude a escola tem papel importante na formacao de diversos valores e comportamentos, dentre estes, os que dizem respeito a nutricao e atividade fisica.

CONCLUSAO

Conclui-se que o aumento de sobrepeso esta associado ao sedentarismo. A intervencao na infancia e adolescencia e fundamental, evitando problemas na vida adulta.

Neste estudo consta que os adolescentes ativos, praticantes de atividade fisica, possuem um padrao antropometrico significativamente favoravel se comparado com os inativos.

REFERENCIAS

(1)--Ades, L.; Kerbauy, R.R. Obesidade: Realidades e Indagacoes. Psicol. USP. Vol. 13. Num.1. 2002.

(2)--Anjos, L.; Muller, E.C. Prevalencia da Desnutricao e Obesidade em Escolares do Ensino Fundamental do Municipio de VitoriaES Dada a Condicao Socioeconomica. Revista Digital. Buenos Aires. Ano 11. Num. 95. 2006.

(3)--Araujo, D.S.M.S.; Araujo, C.G.S. Autopercepcao e Insatisfacao com Peso Corporal. Arq Bras Cardiol. Vol. 80. p 235-42. 2003.

(4)--Balaban G.; Silva G.A. Prevalencia de Sobrepeso em Criancas e Adolescentes de uma Escola da Rede Privada de Recife. J Pediatr. Vol. 77. p.96-100. 2001.

(5)--Barreto, A. D. C.; Costa, M. C. D.; Bleil, R. A. T.; Osaku, N.; Ruiz, F. S.Estado Nutricional de Adolescentes Atendidos em uma Unidade de Referencia para Adolescentes no Municipio de Cascavel, Estado do Parana, Brasil. Epidemiol. Serv. Saude. Vol. 20. Num. 3. p355-361. 2011.

(6)--Conti, M. A.; Frutuoso, M. F. P.; Gambardella, A. M. D. Excesso de Peso e Insatisfacao Corporal em Adolescentes. Rev. Nutr. Vol. 18. Num. 4. p.491-497. 2005.

(7)--Declaracao de Helsinque. Principios Eticos para Pesquisa Medica Envolvendo Seres Humanos. DoH/Out2008. Disponivel em: <http://www.institutoissadecardiologia.com.br/d ocs/diversos/Declaration_Helsinki_Seoul_2008 .pdf>

(8)--Farias, E.S.; Paula, F.; Carvalho, W.R.G.; Goncalves, E.M.; Baldin, A.D.; Guerra-Junior, G. Efeito da Atividade Fisica Programada Sobre a Composicao Corporal em Escolares Adolescentes. J. Pediatr. Vol. 85. Num.1. 2009.

(9)--Garcia, A. F.; Oliveira, A. A. B.; Oliveira, E. R. N.; Landi, D. Obesidade em Criancas e Adolescentes do Ensino Fundamental de 5 a a 8a Series, da Zona Urbana de Cianorte-PR. Rev. da Educacao Fisica/UEM. Vol. 14. Num. 2. p. 57-63. 2003.

(10)--Gonzalez, A. R. P. A.; Lira, G. C. S.; Castro, T. E. C. Formas de Tratamento do Sobrepeso ou Obesidade Utilizada por Estudantes do Ensino Medio de Uma Escola Publica de Salvador, Bahia. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Sao Paulo. Vol. 2. Num. 11. p.446-466. 2008. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/106/104>

(11)--Kuschnir, M. C. C.; Carneiro, J. R. I.; Ribeiro, M. G.; Calazans, M.L.; Mello, M.; Braga, C.; Correia, S. A Saude de Adolescentes e Jovens: Competencias e Habilidades. Disponivel em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/multi media/adolescente/textos_comp/tc_06.html >

(12)--Lazzoli, J.K; Nobrega, A.C.L; Carvalho, T; Oliveira, M.A.B.; Teixeira, J.A.C.; Leitao, M.B.; Leite, N.; Meyer, F.; Drummond, F.A.; Pessoa, M.S.V.; Rezende, L.; Rose, E.H.; Barbosa, S.T.; Magni, J.R.T.; Nahas, R.M.; Michels, G.; Matsudo, V. Atividade Fisica e Saude na Infancia e Adolescencia. Rev. Bras Med Esporte. Vol. 4. Num. 4. 1998.

(13)--Ministerio da Saude. Obesidade. Cadernos de Atencao Basica, n. 12 Serie A. Normas e Manuais Tecnicos. 2006. Disponivel em: <http://www.saude.gov.br/bvs>

(14)--Oehlschlaeger, M. H. K.; Pinheiro, R. T.; Horta, B.; Gelatti, C.; San'tana, P. Prevalencia e Fatores Associados ao Sedentarismo em Adolescentes de Area Urbana. Rev. Saude Publica. Vol. 38. Num. 2 p. 157- 63. 2004.

(15)--Pardini, R.; Matsudo, S.; Araujo, T.; Matsudo, V.; Andrade, E.; Braggion, G.; Andrade, D.; Oliveira, L.; Figueira, A.; Raso, V. Validacao do Questionario Internacional de Nivel de Atividade Fisica (IPAQ--versao 6): Estudo Piloto em Adultos Jovens Brasileiro. Rev. Bras. Cien. e Mov. Vol. 9. Num. 3. p. 45-51. 2001.

(16)--Repetto, G.; Rizzolli, J.; Bonatto, C. Prevalencia, Riscos e Solucoes na Obesidade e Sobrepeso. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. Vol. 47. Num. 6. 2003.

(17)--Rezende, V.A.; Alves, A.P.P.; Castro, L.P.T.; Pontieri, F.M. Prevalencia de Sobrepeso e Obesidade em Alunos de uma Escola da Rede Publica de Anapolis. Anuario da Producao de Iniciacao Cientifica Discente. V. XI. Num. 12. p. 203-213. 2008.

(18)--Rosenbaum, M.; Leibel, R.L. The Physiology of Body Weight Regulation: Relevance to the Etiology of Obesity in Children. Pediatrics. Vol. 101. Num. 3. p.525-39. 1998.

(19)--Salve, M. G. C. Obesidade e Peso Corporal: Riscos Consequencias Movimento e Percepcao. Espirito Santo de Pinhal. Vol. 6. Num. 8. 2006.

(20)--Silva, G.S.F.; Bergamaschine, R.; Rosa, M.; Melo, C.; Miranda, R.; Filho, M.B.; Silva, R. C. R.; Malina, R. M. Nivel de Atividade Fisica em Adolescentes do Municipio de Niteroi, Rio de Janeiro. Brasil. Cad. Saude Publica. Vol. 16. Num. 4. p.1091-1097. 2000.

(21)--Slaughter, M.H.; Lohman, T.G.; Boileau, R.A.; Horswill, C.A.; Stillmam, R.J.; VAN Loan, M.D.; Bemben, D.A. Skinfold Equations for Estimation of Body Fatness in Children and Youth. Human Biology. Vol. 60. Num. 5. p. 709-723. 1988.

(22)--Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Programa Nacional de prevencao e epidemiologia. 2008. Disponivel em: <www.cardiol.br/epidemio.htm>

(23)--Terres, N. G.; Pinheiro, R. T.; Horta, B. L.; Pinheiro, K. A. T.; Horta, L. L. Prevalencia e Fatores Associados ao Sobrepeso e a Obesidade em Adolescentes. Rev. Saude Publica. Vol. 40. Num. 4. p. 627-33. 2006.

(24)--Tiene, D.C.F.; Vespasiano, B.S. Treinamento Aerobio: Perspectivas sobre Intensidades Voltadas ao Emagrecimento em Adolescentes. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Sao Paulo. Vol. 6. Num. 32. p.116-122. 2012. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/199/257>

(25)--Vespasiano, B.S.; Mella, A.; Montebelo, M.I.L.; Cesar, M.C. Comparacao da Composicao Corporal e do Nivel de Atividade Fisica de Alunos do Ensino Medio entre Uma Escola Publica e uma Particular de Itapeva-SP. Conexoes. Vol. 11. Num. 2. p. 31-59. 2013.

(26)--Vespasiano, B.S.; Dias, R.; Correa, D.A. A utilizacao do Questionario Internacional de Atividade Fisica (IPAQ) Como Ferramenta Diagnostica do Nivel de Aptidao Fisica: Uma Revisao no Brasil. Saude Rev. Vol. 12. Num. 32. p. 49-54. 2012.

(27)--Vianna, M. V. A.; Silva, I. A. S.; Gomes, L. M. A Correlacao entre o Nivel de Circunferencia de Cintura e o Grau de Atividade Fisica. Revista de Educacao Fisica. Vol. 142. p.42-49. 2008.

(28)--World Health Organization Obesity: Preventing and Managing the Global Epidemic. Report of a WHO Consultation on Obesity. Geneva. WHO. 1998.

Joelma Lirane Pontes da Mota [1], Andressa Mella Pinheiro [2], Ricardo Alexandre Rodrigues Santa Cruz [3], Bruno de Souza Vespasiano [3], Marcelo de Castro Cesar [3]

[1]--Faculdades de Ciencias Sociais e Agrarias de Itapeva--FAIT.

[2]--Faculdade Politec--UNIESP.

[3]--Universidade Metodista de Piracicaba--UNIMEP.

Recebido para publicacao em 05/03/2014

Aceito em 19/08/2014
Tabela 1--Valores descritivos das medidas antropometricas dos
estudantes do sexo masculino

n = 60               Valor    Valor    Media        DP
                     minimo   maximo

Idade                  12       15      13     [+ or -] 2,1
Massa corporal         29       86     57,5    [+ or -] 40,3
Estatura              1,36     1,77    1,56    [+ or -] 0,3
IMC                   15,3     33,1    24,2    [+ or -] 12,6
Cintura                58      109     83,5    [+ or -] 36,1
Panturrilha medial     6        26      16     [+ or -] 14,1
Tricipital             5       32,3    18,6    [+ or -] 19,3

Legenda: DP= Desvio Padrao.

Tabela 2--Valores descritivos das medidas antropometricas
dos estudantes do sexo feminino

n = 60               Valor    Valor    Media        DP
                     minimo   maximo

Idade                  12       14      13     1,4 [+ or -]
Massa corporal        33,6     77,9    55,75   31,3 [+ or -]
Estatura              1,4      1,67    1,53    0,1 [+ or -]
IMC                   15,4     28,9    22,15   9,5 [+ or -]
Cintura                56       98      77     29,6 [+ or -]
Panturrilha medial     11       25      18     9,8 [+ or -]
Tricipital             10      34,3    22,15   17,1 [+ or -]

Legenda: DP= Desvio Padrao.

Tabela 3--Distribuicao do estado nutricional com base no IMC
e nivel de atividade fisica dos adolescentes do ensino
fundamental das escolas da rede publica e privada da cidade
de Nova Campina/SP.

Variaveis                       Meninos   Meninas   % (valor)

            Abaixo do peso         2         1         2,5
IMC         Normal                46        43        74,1
            Acima do peso         12        16        23,3

            Sedentario            --
Atividade   Insuficientemente     16        30        38,3
fisica      Ativo
            Ativo                 31        26        47,5
            Muito Ativo           13         4        14,1

Tabela 4--Classificacao do percentual de gordura da amostra
estudada e Riscos de complicacoes metabolicas associadas a
obesidade em funcao da circunferencia da cintura por sexo
(Slaughter, 1988).

Variaveis                     Meninos   Meninas   % (valor)

              Muito baixo       --        --         --
              Baixo              1        --         0,8
% gordura     Otimo             26        16         35
              Moderadamente     11        21        26,6
              alto
              Alto              10        17        22,5
              Muito alto        12         6         15

              Normal            58        50         90
Riscos        Aumentado          1         9         8,3
metabolicos   Muito              1         1         1,6
              aumentado

IMC--Ary

Baixo peso       10
Normal           14
Acima peso        5

Note: Table made from pie chart.

IMC--Humberto

Baixo peso       13
Normal           15
Acima peso        3

Note: Table made from pie chart.
COPYRIGHT 2015 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:da Mota, Joelma Lirane Pontes; Pinheiro, Andressa Mella; Santa Cruz, Ricardo Alexandre Rodrigues; Ve
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Geographic Code:0DEVE
Date:Mar 1, 2015
Words:3950
Previous Article:AMPLIACAO DO FATOR DE IMPACTO NA BASE MIAR.
Next Article:ANALISE COMPARATIVA DO CONSUMO ALIMENTAR HABITUAL E AOS FINAIS DE SEMANA DE PACIENTES DE UMA CLINICA DE NUTRICAO DE SAO PAULO.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters