Printer Friendly

ANALISE DE CONHECIMENTOS E HABITOS DE HIDRATACAO DE CORREDORES DE RUA NO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO.

INTRODUCAO

A corrida e uma das atividades fisicas mais populares do mundo e apresenta um crescimento consideravel ao longo dos ultimos 40 anos (Hespanhol Junior e colaboradores, 2012).

A corrida de rua, tambem chamada de corrida rustica e pedestrianismo, tomou impulso no Brasil em meados da decada de 1990, consolidando-se como a modalidade esportiva e pratica cultural urbana que mais tem evoluido em numero de participantes e eventos realizados (Morales e colaboradores, 2013).

Revela-se como um esporte acessivel, que nao exige alto investimento e nem habilidade especifica, porem deve ser orientada por um profissional capacitado (Salgado e Mikahil, 2006).

A corrida, incorporada ao cotidiano dos centros urbanos, e facilitada por nao depender de equipes, adversarios ou locais especificos, porem, esta suscetivel as condicoes ambientais (Maia e colaboradores, 2015).

No municipio do Rio de Janeiro ha diversos locais para a pratica, alem de existirem provas de corrida de rua durante todo o ano. No entanto, o clima e quente na maior parte do ano, predominando condicoes de alto estresse termico. Isso eleva os riscos de desidratacao (Castro e colaboradores, 2013; Marins, 1996).

Um adequado estado de hidratacao e importante para os praticantes de corrida de rua, tanto para um melhor desempenho esportivo, quanto para prevencao de disturbios causados pelo calor (Maia e colaboradores, 2015).

Alguns sinais e sintomas da desidratacao sao visiveis pelo aumento da tensao fisiologica e o esforco percebido na execucao da mesma tarefa (ACSM, 2007).

Dessa forma, a reidratacao como processo de recuperacao do volume hidrico corporal normalmente se faz necessaria e apesar da existencia de recomendacoes em relacao a hidratacao, percebe-se uma lacuna quanto ao conhecimento dessas diretrizes por praticantes de atividade fisica regulares (Graciano e colaboradores, 2015).

Alguns estudos verificaram o conhecimento e as praticas de hidratacao em praticantes de musculacao (Adam e colaboradores, 2013), em atletas de futebol de base (Ferreira e colaboradores, 2009), em atletas de mountain bike (Cruz e colaboradores, 2009), em caratecas (Brito e colaboradores, 2006) e em judocas (Brito e Marins, 2005).

Entretanto, informacoes sobre o conhecimento da importancia e os habitos de hidratacao em praticantes recreacionais de corrida de rua de 5 e 10 km nao estao bem esclarecidos na literatura.

Observa-se que a desidratacao, alem de ocasionar queda de rendimento, muitas vezes propicia agravos a saude do esportista (Tomporowski e colaboradores, 2007).

Nesse sentido, verificar o conhecimento sobre os habitos e as praticas de hidratacao dos corredores de rua e importante para um adequado planejamento da reposicao hidrica durante treinamentos e competicoes.

Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi verificar o conhecimento e habitos de hidratacao de corredores recreacionais de rua de 5 a 10 km do municipio do Rio de Janeiro.

MATERIAIS E METODOS

Amostra

A presente pesquisa apresenta caracteristicas de estudo descritivo e de corte transversal do tipo Survey. O estudo foi realizado no segundo semestre de 2015. Inicialmente, foram convidados a participar do estudo 48 praticantes de corrida de rua de ambos os sexos que treinam no municipio do Rio de Janeiro.

O estudo adotou como criterios de inclusao ter 18 anos de idade ou mais; praticar corrida na rua pelo menos 3 vezes por semana; ter um volume de treino semanal compreendido entre 15 e 32 km; correr com carater recreacional; ter participado de uma prova entre 5 e 10 km ou ter realizado um treino continuo com volume entre 5 e 10 km no ultimo mes. Foram excluidos da amostra os sujeitos que nao responderam corretamente ao questionario ou faltaram ao dia da coleta de dados.

Todos os participantes do estudo assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para a participacao em pesquisas envolvendo seres humanos, de acordo com as normas da resolucao no 466/2012, do Conselho Nacional de Saude. A presente pesquisa foi aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa do Hospital Universitario Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ) (numero do parecer: 642.491).

Procedimento de coleta de dados

A coleta de dados ocorreu por intermedio de um questionario adaptado das pesquisas de Castro e colaboradores (2013) e Cruz e colaboradores (2009), o qual foi aplicado de forma transversal e respondido individualmente pelos participantes do estudo. Os corredores foram abordados na rua, nos bairros de Copacabana, Aterro do Flamengo, Maracana, Estacio e Madureira.

Apos uma breve explicacao sobre a pesquisa, receberam o questionario impresso fixado a uma prancheta. O pesquisador permaneceu no local durante o preenchimento dos questionarios, o que durou em media 10 minutos, recolhendo-os apos o termino.

O questionario foi composto por questoes abertas, fechadas e mistas e identificacao de sexo e idade. As perguntas abordaram os seguintes topicos: caracteristicas do treinamento; habitos de hidratacao; e conhecimentos sobre a hidratacao.

Analise de dados

Os dados foram analisados pelo pacote estatistico IBM SPSS Statistics 20 for Windows e apresentados de forma descritiva com a utilizacao de media, desvio padrao, valores minimos e maximos e frequencias absolutas e relativas.

RESULTADOS

Participaram do estudo 28 pessoas, sendo 64,3% homens e 35,7% mulheres. A tabela 1 apresenta a descricao das caracteristicas da amostra por sexo e idade.

A descricao das caracteristicas da pratica de corrida de rua da amostra e apresentada na tabela 2. A maioria dos corredores pratica corrida entre 7 e 12 meses, com frequencia de 3 vezes por semana, na zona norte do Rio de Janeiro, sem a orientacao de um profissional de Educacao Fisica.

Alem disso, grande parte da amostra ja apresentou sinais e sintomas relacionados a desidratacao ou hiponatremia e nao tem o costume de pesar-se antes e apos o treinamento e/ou competicao.

Os conhecimentos sobre hidratacao da amostra estao representados na tabela 3. A maioria dos participantes da pesquisa nao tem ideia de quando deve ser feita a hidratacao.

Daqueles que buscaram ou ja tiveram alguma informacao sobre qual e a melhor maneira de se hidratar, procuraram a orientacao de um profissional de Educacao Fisica.

Grande parte dos sujeitos da amostra nunca ouviu falar em hiponatremia e acreditam que a hidratacao e importante porque repoe os liquidos perdidos durante a pratica da corrida.

A tabela 4 apresenta os habitos de hidratacao da amostra. Observou-se que a maioria dos corredores da amostra costuma se hidratar apos o treinamento ou competicao e acredita que a hidratacao e importante independente da estacao do ano.

Ao hidratar-se, grande parte dos corredores costuma ingerir liquidos moderadamente gelados e todos tem o costume de beber agua para se hidratar, sendo o isotonico a segunda solucao liquida mais utilizada para reidratacao.

DISCUSSAO

A partir do questionario adotado para o presente estudo, observou-se que os conhecimentos sobre hidratacao dos corredores de rua da amostra sao baixos, considerando que 42,8% dos sujeitos nao tem ideia de como deve ser feita a hidratacao.

Contudo, 100% da amostra utiliza a agua como agente reidratante. Resultados similares foram encontrados por Adam e colaboradores (2013), Ferreira e colaboradores (2009) e por Cruz e colaboradores (2009), ao avaliarem, respectivamente, praticantes de musculacao, atletas de futebol e ciclistas.

De acordo com Carvalho e Mara (2010), a agua e suficiente para repor a perda hidrica, sendo prematuro recomendar a ingestao de algo alem de agua pura em exercicios que duram menos do que 1 hora, como costuma ser o caso das corridas de 5 km.

Quanto a sensacao de sede como indicador para iniciar o processo de hidratacao, 71,4% da amostra assinalaram que a ingestao de liquidos deve ser feita antes da sensacao de sede. Dos ciclistas de mountain bike avaliados por Cruz e colaboradores (2009), 84,65% tambem assinalaram esta opcao, assim como 63% dos atletas de futebol de categoria de base avaliados por Ferreira e colaboradores (2009).

Em contrapartida, Noakes e Speedy (2006) advertem que, embora a tao disseminada pratica de beber agua a despeito da sensacao de sede possa prevenir a ocorrencia de desidratacao, grandes entradas de fluidos hipotonicos, associadas as perdas substanciais de sodio durante a corrida, podem levar a hiponatremia.

A maior parte da amostra do presente estudo (82,1%) desconhece a hiponatremia, a qual se caracteriza por um quadro de nivel de sodio sanguineo muito baixo, que pode ser gerado pelo consumo excessivo de agua sem ingestao de sodio antes, durante ou apos o esforco fisico (ACSM e colaboradores, 2007; Montain e colaboradores, 2006). Isto e preocupante, pois essa rapida queda de sodio corporal pode causar cefaleia, fraqueza, desorientacao, dores, vomito, maos e pes inchados, fadiga excessiva, confusao e desorientacao devido a encefalopatia progressiva, estupor, respiracao ofegante devido a edema pulmonar, convulsao, coma, parada respiratoria e obito (ACSM, 2007; Shephard, 2011).

No que se refere a frequencia e volume de hidratacao, 28,6% dos entrevistados responderam que devem beber 0,25 L a cada 15 min de exercicio, o que vai ao encontro das proposicoes da Spanish Federation of Sports Medicine (2008) e do American College of Sports Medicine (2007).

Esses resultados diferem dos achados em um estudo com ciclistas (Cruz e colaboradores, 2009), em que 72,28% da amostra assinalou a opcao 0,25 L a cada 15 min de exercicio.

Todavia, a frequencia e volume de hidratacao devem ser analisados com cautela e precisam estar relacionados ao tipo de liquido, a duracao da pratica, temperatura e umidade ambientes, dentre outros fatores (Machado-Moreira e colaboradores, 2006). Isso demonstra a importancia de estabelecer orientacoes de qualidade para o grupo avaliado, posto que 10,7% da amostra ainda desconhece a importancia de se hidratar.

Nota-se uma carencia de orientacoes adequadas sobre hidratacao aos corredores de rua, pois se tornou evidente o consumo de bebidas improprias a pratica esportiva, como refrigerantes (10,7%) e cerveja (10,7%).

Achados semelhantes foram encontrados por Cruz e colaboradores (2009) e Brito e colaboradores (2006). O consumo de bebidas gasosas durante o exercicio tende a causar desconforto gastrointestinal (Brito e Marins, 2005), alem de possuirem elevada quantidade de carboidrato e alta concentracao de fosfato e cafeina, cujo potencial diuretico pode ser negativo para a reposicao dos fluidos corporais (Hausen e colaboradores, 2013).

Em relacao a cerveja, apesar de ser comumente consumida apos a atividade fisica recreativa (Castro e colaboradores, 2014; Hausen e colaboradores, 2013) e ate por atletas (Brito e Marins, 2005; Cruz e colaboradores, 2009), apresenta diversos riscos e prejudica a recuperacao (Parr e colaboradores, 2014; Shirreffs e Maughan, 1997), pois o alcool utiliza glicogenio muscular e hepatico, entre outras substancias, para ser metabolizado (ACSM, 1997).

Em adicao, afeta a velocidade de reacao, coordenacao oculo-manual, diminui forca, velocidade, resistencia muscular e resistencia cardiovascular (Shirreffs e Maughan, 1997).

No presente estudo, a hidratacao dos individuos ocorre predominantemente apos os treinos (87%) e competicoes (86,7%). Todavia, 10,7% quase nunca e 17,9% nunca se hidratam no treino. Tal fato pode estar associado a maior acessibilidade aos liquidos apos os treinos e provas, em tendas de equipe ou material proprio. Isso pode estar relacionado a presenca dos postos de hidratacao nas provas, uma vez que a Confederacao Brasileira de Atletismo (2016) estabelece que agua e isotonico devem ser fornecidos gratuitamente para todos os participantes no percurso e na area de chegada.

Com isso, as provas tendem a ser um periodo mais acessivel para hidratacao quando comparadas ao treino. Todavia, o treino deve reproduzir condicoes semelhantes as da competicao (Marins e Ferreira, 2005).

A ingestao de liquidos durante a competicao, sem que haja o habito de hidratar-se durante os treinos, pode comprometer o desempenho devido a um possivel desconforto gastrico, podendo induzir quadros de vomitos ou dores abdominais (Marins, 1998).

A tecnica de pesagem corporal para calculo da perda hidrica parece nao ser muito usada, pois a maior parte da amostra (82,1%) afirmou nao utilizar, o que pode estar relacionado a falta de conhecimento e/ou equipamento. Em estudo com caratecas (Brito e colaboradores, 2006), um percentual similar (79,26%) nunca ou quase nunca se pesam antes dos treinamentos ou competicoes. No entanto, o controle do peso corporal e uma das formas mais praticas de analisar o grau de hidratacao, pois, estima a quantidade de agua perdida e o volume que deve ser reposto (Marins e Ferreira, 2005).

Uma vestimenta inadequada pode trazer problemas referentes a dissipacao do calor, representando um estresse termico maior para o individuo (Marins e Ferreira, 2005).

Observa-se, que a maioria da amostra (92,9%) do presente estudo se preocupa com a vestimenta, com enfase no tipo de tecido, seguida pela quantidade e pela cor do tecido, respectivamente.

Cruz e colaboradores (2009) encontraram dados semelhantes em ciclistas de mountain bike, os quais tambem estao bastante suscetiveis a temperatura e umidade do ar outdoor. No presente estudo, 39,3% da amostra se preocupam com a hidratacao apenas no verao, enquanto 60,7% acreditam que a hidratacao e necessaria independente da estacao do ano.

Cruz e colaboradores (2009) verificaram que 20,8% dos ciclistas pesquisados se preocupam mais no verao; para 77,2%, independe da estacao. Estes resultados condizem com o esperado, uma vez que a preocupacao com a hidratacao deve ser constante, pois no inverno, mesmo com a temperatura tendendo a ser mais baixa, a ingestao liquida insuficiente, associada a perda de suor durante o exercicio, pode causar desidratacao (Marins e Ferreira, 2005).

Verificou-se que 53,6% dos corredores de rua recreacionais nao buscaram informacoes quanto a melhor maneira de se hidratar.

Dos que buscaram informacoes (46,4%), a maioria escolheu um profissional de Educacao Fisica (61,5%)--apesar de 64,3% da amostra correr sem orientacao profissional--, seguido do nutricionista (38,5%).

Na pesquisa de Cruz e colaboradores (2009), 71,29% ja teve informacoes sobre qual a melhor forma de se hidratar, sendo obtidas por meio de revistas (34,16%), nutricionista (30,69%), treinador (22,77%) e livros (22,77%), o que contrasta com a amostra deste estudo. Em contrapartida, em um estudo (Ferreira e colaboradores, 2009) com futebolistas da categoria de base, 77,3% receberam informacoes sobre a melhor maneira de hidratar-se com o preparador fisico (63,9%), seguido de medicos (21,3%) e livros/revistas (10,2%).

Dentre sinais e sintomas ja manifestados pela amostra durante treinos e provas, a caibra foi a mais comum (81,3%), seguida de sede intensa (31,3%) e da sensacao de perda de forca (25%).

Alucinacao, coma e perda momentanea da consciencia, considerados problemas extremos relacionados a desidratacao (Marins e Ferreira, 2005), nao foram mencionados. No estudo de Cruz e colaboradores (2009) com 202 ciclistas de mountain bike (29,8 [+ o -] 9,4 anos) que participaram de competicoes, os principais sintomas decorrentes de um consumo de liquido inadequado foram: sensacao de perda de forca (68,8%) e caimbras (54,9%).

Segundo Marins e Ferreira (2005), todos os problemas apresentados poderiam ser evitados se fossem tracadas estrategias de hidratacao, tanto em relacao a periodicidade, quantidade e solutos adequados, se necessario.

No presente estudo, o metodo consistiu na aplicacao de um questionario, uma unica vez, no grupo investigado. Isso pode ser considerado uma limitacao do estudo devido a possibilidade de haver vies de memoria nas respostas.

CONCLUSAO

Diante do exposto, pode-se concluir que os corredores recreacionais de rua de 5 a 10 km do municipio do Rio de Janeiro participantes do presente estudo nao apresentaram conhecimentos nem habitos de hidratacao suficientes para evitar os efeitos deleterios da desidratacao, como caibras e sede intensa, ou do excesso de hidratacao, a hiponatremia.

Dessa forma, e importante a orientacao de um profissional de Educacao Fisica e demais profissionais da saude sobre a hidratacao e treinamento.

Recomendam-se, para futuras investigacoes, aplicar estudos longitudinais sobre hidratacao em corredores de rua recreacionais com e sem orientacao de um profissional de Educacao Fisica.

REFERENCIAS

1-Adam, B.O.; Fanelli, C.; Souza, E.S.; Stulbach, T.E.; Monomi, P.Y. Conhecimento nutricional de praticantes de musculacao de uma academia da cidade de Sao Paulo. Brazilian Journal of Sports Nutrition. Vol. 2. Num. 2. p. 24-36. 2013.

2-American College of Sports Medicine. Posicionamento oficial: o uso do alcool nos esportes. Rev Bras Med Esporte. Vol. 3. Num. 3. p. 89-91. 1997.

3-American College of Sports Medicine; Sawka, M.N.; Burke, L.M.; Eichner, E.R.; Maughan, R.J.; Montain, S.J.; Stachenfeld, N.S. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and fluid replacement. Medicine & Science in Sports and Exercise. Vol. 39. Num. 2. p. 377-390. 2007.

4-Brito, C.J.; Marins, J.C.B. Caracterizacao das praticas sobre hidratacao em atletas da modalidade de judo no estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 13. Num. 2. p. 59-74. 2005.

5-Brito, I.S.S.; Brito, C.J.; Fabrini, S.P.; Marins, J.C.B. Caracterizacao das praticas de hidratacao em karatecas do estado de Minas Gerais. Fitness & Performance Journal. Vol. 5. Num. 1. p. 24-30. 2006.

6-Carvalho, T.; Mara, L.S. Hidratacao e nutricao no esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num. 2. p. 144-148. 2010.

7-Castro, J.B.P.; Carvalho, M.C.V.S.; Ferreira, F.R.; Prado, S.D. Educacao Fisica, Nutricao e... bebidas alcoolicas! Um paradoxo para o campo biomedico e um elemento de distincao social. Demetra: Alimentacao, Nutricao & Saude. Vol. 9, Num. 4. p. 881-892. 2014.

8-Castro, P.H.C.; Freitas, J.V.; Santos, J.P.N.R.; Cruz, R.; Werneck, F.Z.; Santos, A.; Bastos, L.L.A.G. Caracterizacao do conhecimento e dos habitos de hidratacao de jovens atletas de atletismo. Colecao Pesquisa em Educacao Fisica. Vol. 12. Num. 3. p. 51-58. 2013.

9-Confederacao Brasileira de Atletismo. Reconhecimento e homologacao de corridas de rua. 2016. [acesso em 9/05/015]. Disponivel em: <http://www.cbat.org.br/normas/Norma07.pdf>

10-Cruz, M.A.E.; Cabral, C.A.C.; Marins, J.C.B. Nivel de conhecimento e habitos de hidratacao dos atletas de mountain bike. Fitness & Performance Journal. Vol. 8. Num. 2. p. 79-89. 2009.

11-Ferreira, F.G.; Altoe, J.L.; Silva, R.P.; Tsai, L.P.; Fernandes, A.A.; Brito, C.J.; Marins, J.C.B. Nivel de conhecimento e praticas de hidratacao em atletas de futebol de categoria de base. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 11, Num. 2. p. 202-209. 2009.

12-Graciano, L.C.; Ferreira, F.G.; Chiapeta, S.M.S.V.; Scolforo, L.B.; Segheto, W. Nivel de conhecimento e pratica de hidratacao em praticantes de atividade fisica em academia. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 8. Num. 45. p. 146-155. 2014. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/447/414>

13-Hausen, M.R.; Cordeiro, R.G.; Guttierres, A.P.M. Aspectos relevantes sobre a hidratacao no esporte e na atividade fisica. Revista Hospital Universitario Pedro Ernesto. Vol. 12. Num. 4. p. 47-58. 2013.

14-Hespanhol Junior, L.C.; Costa, L.O.P.; Carvalho, A.C.A.; Lopes, A.D. Perfil das caracteristicas do treinamento e associacao com lesoes musculoesqueleticas previas em corredores recreacionais: um estudo transversal. Brazilian Journal of Physical Therapy. Vol. 16. Num. 1. p. 46-53. 2012.

15-Machado-Moreira, C.A.; Vimieiro-Gomes, A.C.; Silami-Garcia, E.; Rodrigues, L.O.C. Hidratacao durante o exercicio: a sede e suficiente? Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 6. p. 405-409. 2006.

16-Maia, E.C.; Costa, H.A.; Castro Filha, J.G.L.; Oliveira Junior, M.N.S. Estado de hidratacao de atletas em corrida de rua de 15 km sob elevado estresse termico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Num. 3. p. 187-191. 2015.

17-Marins, J.C.B. Exercicio fisico e calor: implicacoes fisiologicas e procedimentos de hidratacao. Revista Brasileira de Atividade Fisica e Saude. Vol. 1. Num. 3. p. 26-38. 1996.

18-Marins, J.C.B. Homeostase hidrica corporal em condicoes de repouso e durante o exercicio fisico. Revista Brasileira de Atividade Fisica e Saude. Vol. 3. Num. 2. p. 58-72. 1998.

19-Marins, J.C.B.; Ferreira, F.G. Nivel de conhecimento dos atletas universitarios da UFV sobre hidratacao. Fitness & Performance Journal. Vol. 4. Num. 3. p. 175-187. 2005.

20-Montain, S.J.; Cheuvront, S.N.; Sawka, M.N. Exercise associated hyponatraemia: quantitative analysis to understand the aetiology. British Journal of Sports Medicine. Vol. 40. Num. 2. p. 98-105. 2006.

21-Morales, A.P.; Maciel, R.N.; Jorge, F.S.; Areas Neto, N.T.; Cordeiro, D.C.; Viana, M.A.S.; Oliveira, C.J.L. Alteracoes dos niveis sericos de creatinina, acido urico, creatina kinase e da taxa de filtracao glomerular em corredores de "rua". Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 15. Num. 1. p. 71-81. 2013.

22-Noakes, T.D.; Speedy, D.B. Case proven: exercise associated hyponatraemia is due to overdrinking. So why did it take 20 years before the original evidence was accepted? British Journal of Sports Medicine. Vol. 40. Num. 7. p. 567-572. 2006.

23-Parr, E.B.; Camera, D.M.; Areta, J.L.; Burke, L.M.; Phillips, S.M.; Hawley, J.A.; Coffey, V.G. Alcohol ingestion impairs maximal post-exercise rates of myofibrillar protein synthesis following a single bout of concurrent training. PLoS One. Vol. 9. Num. 2. p. e88384. 2014.

24-Salgado, J.V.V.; Mikahil, M.P.T.C. Corrida de rua: analise do crescimento do numero de provas e de praticantes. Conexoes. Vol. 4. Num. 1. p. 90-99. 2006.

25-Shephard, R.J. Suppression of information on the prevalence and prevention of exercise-associated hyponatremia. British Journal of Sports Medicine. Vol. 45. Num. 15. p. 1238-1242. 2011.

26-Shirreffs, S.M.; Maughan, R.J. Restoration of fluid balance after exercise-induced dehydration: effects of alcohol consumption. Journal of Applied Physiology. Vol. 83. p. 1152-1158. 1997.

27-Spanish Federation of Sports Medicine. Consensus on drinks for the sportsman: composition and guidelines of replacement of liquids. Archivos de Medicina del Deporte. Vol. 25. Num.126. p. 245-258. 2008.

28-Tomporowski, P.D.; Beasman, K.; Ganio, M.S.; Cureton, K. Effects of dehydration and fluid ingestion on cognition. International Journal of Sports Medicine. Vol. 28. Num. 10. p. 891-986. 2007.

Juliana Brandao Pinto de Castro (1), Rodrigo Gomes de Souza Vale (1,2) Flavio Chame (1), Hugo Seixas Pinto Azevedo Benittez (1) Jurandir Baptista da Silva (1), Rodolfo de Alkmim Moreira Nunes (1) Rafael da Silva Mattos (1)

(1-) Programa de Pos-Graduacao em Ciencias do Exercicio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

(2-) Universidade Estacio de Sa, Cabo Frio-RJ, Brasil.

E-mail de todos os autores:

julianabrandaoflp@hotmail.com

rodrigovale@globo.com

fatochame@yahoo.com

hugobenittezpersonal@gmail.com

profjurandirsilva@hotmail.com

rodolfoalkmim@gmail.com

profmattos2010@gmail.com

Endereco para correspondencia:

Juliana Brandao Pinto de Castro

Rua Sao Francisco Xavier, 524, Pavilhao Joao

Lira Filho, 9[grados] andar, Bloco F, sala 9134, Maracana, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

CEP: 20550-900.

Recebido para publicacao 16/07/2017

Aceito em 02/12/2017
Tabela 1 - Caracteristicas da amostra por sexo e idade.

                          Media [+ o -] DP       Minimo        Maximo

Homens (n=18)            38,06 [+ o -] 13,39       19            72
Mulheres (n=10)          34,00 [+ o -] 6,55        21            46

Legenda: DP: desvio padrao.

Tabela 2 - Caracteristicas da amostra relativas a corrida de rua.

                                         n                %

Ha quanto tempo voce
pratica a corrida como
lazer?
  < 2 meses                              0                0
  Entre 2 e 6 meses                      4             14,3
  Entre 7 e 11 meses                     8             28,6
  Entre 1 e 2 anos                       6             21,4
  Entre 2,1 e 5 anos                     5             17,9
  Entre 5,1 e 10 anos                    1              3,6
  >10 anos                               4             14,3
Por semana, quantas
vezes voce pratica a
corrida?
  3 dias                                17             60,7
  4 dias                                 7               25
  5 dias                                 1              3,6
  6 dias                                 2              7,1
  7 dias                                 1              3,6
Voce tem um local
habitual de treino?
  Zona Norte                            13             46,4
  Zona Sul                               7               25
  Zona Oeste                             3             10,7
  Sem local habitual                     5             17,9
O seu treinamento e
orientado por um
profissional formado
em Educacao Fisica?
  Sim                                   10             35,7
  Nao                                   18             64,3
Voce se preocupa com
a vestimenta utilizada
durante o treinamento?
  Nao                                    2              7,1
  Sim, me preocupo
  com: (*)
    Cor                                  8             28,6
    Tipo de tecido                      24             85,7
    Quantidade de tecido                12             42,9
Voce tem o costume de
pesar-se antes e apos
o treinamento e/ou
competicao?
  Frequentemente                         1              3,6
  As vezes                               3             10,7
  Raramente                              1              3,6
  Nao                                   23             82,1
No treinamento/competicao,
voce ja apresentou algum
dos sinais ou
sintomas a seguir?
  Nao                                    0                0
  Sim (qual/quais
  foram?) (*)
    Sede intensa                         9             31,3
    Caibras                             23             81,3
    Sensacao de perda                    7               25
    de forca
    Interrupcao da atividade             4             12,5
    Dor de cabeca                        2              6,3
    Fadiga generalizada                  4             12,5
    Dificuldade de                       4             12,5
    concentracao
    Palidez                              2              6,3

Legenda: (*) Questao com mais de uma opcao de resposta.

Tabela 3 - Conhecimento da amostra sobre a hidratacao.

                                         n             %

Como voce acha que
deve ser feita a
hidratacao?
  Beber 1 L de uma so vez                1             3,6
  Beber 0,5 L para cada 30               3            10,7
  minutos
  Beber 0,25 L para cada 15              8            28,6
  minutos
  Quando sentir sede                     4            14,3
  Nao tenho ideia                       12            42,8
Voce ja buscou ou teve
alguma orientacao sobre
qual e a melhor maneira
de se hidratar?
  Nao                                   15            53,6
  Sim                                   13            46,4
Qual(is) foi/foram a(s)
fonte(s) da orientacao? (*)
  Nutricionista                         11            38,5
  Medico                                 4            15,4
  Fisioterapeuta                         0               0
  Profissional de                       17            61,5
  Educacao Fisica
  Internet                               6            23,1
  Pais/amigos                            6            23,1
  Livro                                  4            15,4
  Revista                                4            15,4
Voce ja ouviu falar em
hyponatremia?
  Nao                                   23            82,1
  Sim, mas nao sei o                     4            14,3
  que e
  Sim, hiponatremia e                    1             3,6
A hidratacao e
importante porque: (*)
  Melhora o desempenho                   9            32,1
  Repoe liquidos                        24            85,7
  Ajuda na recuperacao                  10            35,7
  do treino/competicao
Nao sei                                  3            10,7

Legenda: (*) Questao com mais de uma opcao de resposta.

Tabela 4 - Habitos de hidratacao da amostra.

                                    n            %

Voce tem o costume de
hidratar-se durante:
  a) O Treinamento
    Nunca                           5           17,9
    Quase nunca                     3           10,7
    As vezes                        8           28,6
    Sempre                         12           42,8
  b) A competicao
    Nunca                           0              0
    Quase nunca                     0              0
    As vezes                       11             40
    Sempre                         17             60
Quando voce se hidrata,
seu costume e: (*)
  a) No Treinamento
    Antes                          22           78,3
    Durante                        17           60,9
    Apos                           24             87
  b) Na competicao
    Antes                          21           73,3
    Durante                        21           73,3
    Apos                           24           86,7
A preocupacao com a
necessidade de
hidratar-se e mais
frequente:
  No verao                         11           39,3
  No inverno                        0              0
  Independente da                  17           60,7
  estacao
  Nao me preocupo                   0              0
Quando voce se hidrata,
a temperatura do liquido
costuma ser:
  Extremamente gelado               5           17,9
  Moderadamente gelado             16           57,1
  Temperatura ambiente              6           21,4
  Sem resposta                      1            3,6
Qual o tipo de solucao
liquida que voce utiliza
para hidratar-se? (*)
  Agua                             28            100
  Refrigerante                      3           10,7
  Isotonico                        11           39,3
  Refresco                          4           14,3
  Cerveja                           3           10,7
  Cafe                              0              0
  Suco natural                      3           10,7

Legenda: (*) Questao com mais de uma opcao de resposta.
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Castro, Juliana Brandao Pinto; Vale, Rodrigo Gomes de Souza; Chame, Flavio; Benittez, Hugo Seixas
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:May 1, 2018
Words:4891
Previous Article:COMPORTAMENTO DA FREQUENCIA CARDIACA E DA SATURACAO DE OXIGENIO DURANTE UM COMBATE SIMULADO DE JIU-JITSU EM PARTICIPANTES ACIMA DE 30 ANOS DE IDADE.
Next Article:COMPARISON OF ENERGY EXPENDITURE AND OTHER METABOLIC PARAMETERS IN TWO FITNESS ACADEMY TRAINING ACTIVITIES: JUMP CLASS TRAINING AND JUMP-CIRCUIT...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |