Printer Friendly

ANALISE DA POTABILIDADE DE AGUA DE CHAFARIZES DE DOIS BAIRROS DO MUNICIPIO DE FORTALEZA, CEARA.

1 Introducao

A agua e um elemento essencial a manutencao da vida no planeta Terra (BACCI; PATACA, 2008). No que tange a especie humana, a agua constitui mais de 60% do organismo, sendo devido a isso, depois da necessidade vital de oxigenio, a agua, e o elemento mais requerido pelo corpo humano (SERAFIM et al., 2004).

Algumas patologias que acometem os seres humanos estao relacionadas a qualidade da agua, dentre elas, podem ser citadas como exemplo: hepatite A e E, colera, febre tifoide, doencas entericas e diarreicas causadas por bacterias, parasitas e virus (ANA, 2013). De acordo a Organizacao Mundial de Saude (OMS) citada por Baptista Neto et al., (2008), a agua contaminada e responsavel por 80% das doencas em paises em processo de desenvolvimento, como o Brasil.

As doencas acarretadas pela agua podem ser classificadas como doencas de origem hidrica e doencas de transmissao hidrica, as primeiras sao geradas por substancias organicas ou inorganicas presentes na agua em concentracoes superiores aos padroes para consumo humano, enquanto, as doencas de transmissao hidrica, a agua atua como condutor do agente infeccioso como, por exemplo, micro-organismos patogenicos (BAPTISTA NETO et al., 2008; TORTORA et al., 2017).

Uma forma perigosa de poluicao da agua ocorre quando fezes humanas ou de outros animais sao introduzidas em seu abastecimento. Muitas doencas sao transmitidas pela via oralfecal, em que o contaminante e disseminado pela a agua e ingerido. O Centro de Controle e Prevencao de Doencas (CDC) estima que as doencas transmitidas pela agua no mundo sejam responsaveis por mais de 2 milhoes de mortes a cada ano, principalmente entre criancas com menos de cinco anos (TORTORA et al., 2017).

A ausencia de infraestrutura de saneamento basico compromete o bem-estar e a saude da populacao (SANTOS; SOUZA, 2014). No Brasil, 85,4% dos domicilios brasileiros sao atendidos pela rede geral de abastecimento de agua, quanto ao acesso a rede coletora de esgoto 65,3% dos domicilios dispoem deste servico (IBGE, 2016).

Ja no que se refere ao Estado do Ceara, a Companhia de Agua e Esgoto do Ceara CAGECE relata que abastece 151 municipios, com indice de cobertura de abastecimento de 98,16% em todo o Estado e chegando a uma cobertura de abastecimento de 98,64% em Fortaleza, a capital. Sobre o esgotamento sanitario, a CAGECE ainda informa que o indice de cobertura no Estado e na Capital chega a 40,11% e 57,10%, respectivamente (CEARA, 2016). Mesmo com acesso a agua tratada ainda se observa chafarizes em pleno uso em Fortaleza (LEMOS, 2013).

Chafariz e uma obra de alvenaria, constituida por um compartimento para acumulo de agua e outro para a distribuicao de agua por intermedio de torneiras (BRASIL, 2007). Historicamente, os chafarizes surgem para atender a demanda por agua da populacao, em especial a periferica, sendo implantados pelo poder publico e acarretando conforto aos bairros mais populosos das cidades; entretanto, esse modelo de abastecimento publico, desde seu surgimento, permite acesso a agua sem tratamento (NUNES NETO, 2014).

Antes do acesso a agua tratada, chafarizes e pocos artesianos eram as unicas fontes de abastecimento publico em alguns bairros cearenses. Em Fortaleza, o primeiro chafariz data de 1813, construido no terreno de propriedade de Joao da Silva Feijo, no lugar a que veio se chamar de Prainha, nas proximidades do porto (NOBRE, 1978). Em anos mais recentes, sao relatados 218 chafarizes publicos dos quais apenas 32,11% encontra-se em uso (LEMOS, 2013), possivelmente este numero tenha diminuido apos monitoramentos da prefeitura, seja por falta de manutencao de alguns equipamentos ou pela qualidade de agua inadequada.

Haja vista a utilizacao de certos chafarizes, observou-se que alguns residentes de certos bairros da capital, como, Lagoa Redonda e Curio em Fortaleza-CE, ainda utilizam chafarizes como fonte de agua alternativa. Acredita-se que esta pratica ainda ocorre porque, segundo alguns moradores dos bairros em questao, a preferencia pela agua de chafarizes e devido a ausencia do sabor de cloro, substancia com finalidade desinfetante que e utilizada em estacoes de tratamento de agua. Fato semelhante ocorre em Ji-Parana no Estado de Rondonia, onde a populacao por considerar desagradaveis as caracteristicas organolepticas (turbidez, cor e gosto) de aguas distribuidas por estacoes de tratamento preferem o consumo de aguas subterraneas provenientes de pocos (HELBE, 2010).

No geral, aguas subterraneas sao consideradas de excelentes qualidades quimicas e fisicas podendo ser consumidas sem necessidade de tratamento previo, porem quando sofrem contaminacoes colocam em risco a saude da populacao (HIRATA, 2003), desta forma aguas provenientes de fontes subterraneas que sao utilizadas para abastecimento humano, como e o caso de chafarizes necessitam de monitoramento constante da qualidade.

Dentro desse contexto e devido a escassez de publicacoes recentes, o presente trabalho objetivou analisar a potabilidade da agua de chafarizes dos bairros Lagoa Redonda e Curio (Regional VI), municipio de Fortaleza-CE.

2 Material e Metodos

Foram selecionadas amostras de agua de oito chafarizes em pleno funcionamento na Regional VI do municipio de Fortaleza-CE, sendo seis amostras do bairro Lagoa Redonda e duas amostras do bairro Curio (Figura 1).

As amostras coletadas foram no ano de 2015 e analisadas no laboratorio da Superintendencia Estadual do Meio Ambiente--Fort/CE--SEMACE, seguindo a metodologia do Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater (APHA et al., 2005) e os resultados obtidos comparados com os limites preconizados pela Portaria No 2914, de 12 de dezembro de 2011 do Ministerio da Saude, que dispoe sobre os padroes de potabilidade da agua para consumo humano, bem como os procedimentos de controle e vigilancia da qualidade da agua. Os parametros fisico-quimicos e os metodos utilizados para estes encontram-se na Tabela 1.

Os aspectos bacteriologicos foram avaliados quanto a presenca ou ausencia de Escherichia coli atraves da tecnica de tubos multiplos utilizando o meio A-1, este teste da- se em uma unica etapa em series de cinco tubos. As inoculacoes foram realizadas em 3 series de 5 tubos, sendo na 1a serie inoculada 10 mL da amostra em cada tubo, na 2 serie 1 mL da amostra e na 3a serie 1 mL do diluido, este consiste na diluicao de 10 mL da amostra em 90 mL de agua de diluicao, desta maneira 1 mL do diluido consiste em 0,1 mL da amostra ([10.sup.-1]). Apos as inoculacoes, as amostras foram para incubadora a 35 [+ or -] 0,5[degrees]C, durante 3 horas e posteriormente levadas para um banhomaria a 44,5 [+ or -] 0,2[degrees]C durante 21 horas, sendo os resultados lidos apos 24 horas apos a semeadura. O resultado positivo para Escherichia coli e considerado a partir da formacao de gas no tubo de Durham e o Numero Mais Provavel (NMP) por 100 mL que expressa a densidade de Escherichia coli foi obtido atraves da tabela com indice de NPM e limites de confianca de 95% indicada para inoculacoes de volumes 10 mL, 1 mL e 0,1 mL (APHA et al., 2005).

3 Resultados e Discussao

3.1 Analises Fisico-quimicas

Os resultados das analises das amostras dos oito chafarizes encontram-se na tabela 2, estes resultados sao comparados com os padroes de potabilidade estabelecidos pela Portaria No 2.914, de 12 de dezembro de 2011 do Ministerio da Saude.

As amostras dos chafarizes 2, 5 e 8 (37,5%) apresentaram pHs abaixo do padrao estabelecido pela Portaria, tais valores indicam que as aguas desses chafarizes estao mais acidas que o recomendado. O potencial hidrogenionico (pH) e a expressao da condicao de acidez ou alcalinidade de um meio (SILVA; OLIVEIRA, 2001). Segundo Von Sperling (2014), o pH da agua nao e capaz de causar danos a saude publica, abrindo excecao para valores extremamente acidos ou alcalinos, podendo causar irritacao na pele ou olhos. Este autor complementa afirmando que o pH da agua pode ter origem natural sendo proveniente da dissolucao de rochas ou absorcao de gases atmosfericos, ou origem antropogenica a partir de despejos domesticos ou industriais.

Embora, nenhuma das amostras de chafarizes apresentaram-se em desacordo quanto ao parametro fisico cor (tabela 1), este e um importante parametro a ser analisado, uma vez que a cor da agua pode ter origem natural resultante da decomposicao de acidos humicos e fulvicos e de ions dissolvidos de ferro e manganes (POHLING et al., 2005) ou antropogenica proveniente de residuos industriais e esgotos domesticos (VON SPERLING, 2014). E possivel determinar tanto a cor verdadeira como a cor aparente da agua para abastecimento. Para a determinacao da cor verdadeira e necessario que a amostra antes passe por processo de centrifugacao para remocao de particulas em suspensao, ja para a cor aparente esse procedimento nao se faz necessario uma vez as particulas em suspensao fazem parte do valor da cor aparente (BRASIL, 2006).

Para a turbidez, todas as amostras analisadas estao dentro do padrao de potabilidade estabelecido. Tal parametro e a medida do grau de dificuldade a passagem da luz atraves da agua. O grau de dificuldade e gerado pela presenca de materiais em suspensao na agua (BRASIL, 2006).

A alcalinidade de uma agua e a medida de sua capacidade de tamponacao de acidos e equivalentes (SILVA; OLIVEIRA, 2001). Em aguas naturais, a alcalinidade e oriunda da presenca de ions de hidroxidos, carbonatos e bicarbonato (POHLING, 2009). A alcalinidade em concentracoes moderadas nao confere nenhum dano a saude, sendo que valores elevados apenas conferem sabor desagradavel agua, desta maneira a importancia da determinacao da alcalinidade esta relacionada aos processos de tratamento da agua (PEREIRA et al., 2010). Uma vez que nao representa riscos a saude, a Portaria 2914/2011 nao estabelece padrao de potabilidade para tal parametro.

Quanto a dureza da agua, as amostras dos chafarizes 1, 7 e 8 apresentaram valores menores que 50 mg/L, desta forma sao consideradas moles ou brandas, enquanto as demais amostras estao incluidas em aguas de durezas moderadas (50-150 mg/L de CaC[O.sub.3]) de acordo com a classificacao de Brasil (2014a). Quanto a esse parametro de potabilidade as amostras se mostraram proprias para consumo, pois estao em acordo com o limite maximo de 500 mg/L, estabelecido pela Portaria do Ministerio da Saude. A dureza da agua esta associada principalmente a presenca de calcio ([Ca.sup.+2]) e magnesio ([Mg.sup.+2]) e em menor de grau de influencia, ferro ([Fe.sup.+2]), manganes ([Mn.sup.+2]), estroncio ([Sr.sup.+2]) e aluminio ([Al.sup.+3]) (BRASIL, 2014a). Segundo Von Sperling (1996 apud ABDALLA et al., 2010), durezas elevadas conferem sabor desagradavel agua e efeitos laxativos.

As concentracoes de calcio (3,21 a 11,22 mg de [Ca.sup.2+] /L) e magnesio (5,83 a 20,42 mg [Mg.sup.2+]/L) encontradas nas aguas dos chafarizes estao dentro da faixa comumente encontrada em aguas subterraneas, que segundo Pohling, (2009) variam respectivamente, de 2 a 200 mg [Ca.sup.2+/]L e de 1 a 40 mg [Mg.sup.2+]/L. O Ministerio da Saude por meio de sua Portaria nao estabelece valor maximo para concentracao destes cations, mas a determinacao desses elementos se faz importante uma vez que e sao constituintes da dureza.

As principais fontes de calcio sao minerais como dolomitas e gipsitas. Doencas como calculos renais e hipercalcemia podem ser provocadas por elevadores teores de calcio na agua (BECKER, 2008).

O magnesio, por sua vez, desempenha importantes papeis no corpo humano, tanto que e indicado em tratamentos de casos de obesidade, disfuncoes intestinais, doencas de figado e vesicula. Quando encontrado em altas concentracoes na agua, o Mg2+ e responsavel por sabor amargo, tanto que concentracoes acima de 125 mg Mg2+ possuem efeitos diureticos e laxativos (POHLING, 2009).

As concentracoes de cloreto (34,29 a 124,5 mg de [Cl.sup.-/]L) e sodio (35,9 a 109,1 mg de [Na.sup.+]/ L) tambem encontram-se dentro da normalidade (Tabela 1). Em aguas doces, o ion [Cl.sup.-] pode ter origem natural ou ser resultante da acao antropogenica no caso desta a partir das disposicoes inadequadas de esgoto domestico ou efluente industrial (BECKER, 2008).

O sodio ([Na.sup.+]), por sua vez, esta presente em todas as aguas naturais. Em aguas superficiais, mesmos as que recebem efluentes, os teores de [Na.sup.+] estao abaixo de 50 mg/L, ja em aguas subterraneas frequentemente sao encontrados valores acima de 50 mg/L. Elevados teores de [Na.sup.+] podem ser resultantes de despejos de esgotos domesticos, efluentes industrias ou intrusao de aguas marinhas em regioes litoraneas (CETESB, 2009). Das amostras analisadas 75% apresentaram teores de [Na.sup.+] acima de 50 mg/L de acordo com valores estimados pela CETESB para aguas subterraneas.

O potassio apresentou variacao entre 4,7 a 11,8 mg de [K.sup.+/]L (Tabela 1), e embora o Ministerio da Saude nao estabelece limites para teores deste cation, normalmente, em aguas naturais sao encontrados teores de K+ abaixo de 10 mg/L, estando, assim, o chafariz 2 acima do valor normalmente encontrado. Em aguas subterraneas o potassio (K+) e proveniente da dissolucao de minerais, decomposicao de plantas e fertilizantes agricolas (BECKER, 2008).

Quanto aos parametros amonia e nitrito, todas as amostras apresentaram-se em acordo com os limites maximos de 1,5 mg/L e 1,0 mg/L estabelecidos pela Portaria no 2914, respectivamente. Ja quanto ao parametro nitrato, cujo valor limite permitido e de 10 mg/L, os chafarizes 2 e 5 apresentaram valores de nitrato acima do permitido. Bouchard et al., (1992 apud FREITAS et al., 2001), relata que a presenca de nitrato em aguas de abastecimento causa danos a saude publica, pois tal composto quimico induz a metemoglobinemia, e a formacao de nitrosamina carcinogenica.

A amonia, nitrito e nitrato sao algumas das formas em que o nitrogenio pode ser encontrado em aguas naturais. Em aguas subterraneas, a amonia e encontrada em baixos teores. A desaminacao de compostos contendo nitrogenio organico e hidrolise da ureia sao as principais fontes de amonia. O nitrito e um estado intermediario de oxidacao entre a amonia e o nitrato. O nitrogenio na forma de nitrato e comumente encontrado em baixos teores em aguas superficiais, ja em aguas subterraneas pode chegar a altos teores (SILVA; OLIVEIRA, 2001).

Teores elevados de nitrato tambem foram encontrados por Silva Neto et al., (2010) em pesquisa sobre as caracteristicas fisico-quimicas de aguas subterraneas de quatro bairros da cidade de Fortaleza, Ceara. Os resultados da pesquisa revelaram que os pocos em estudo, apresentaram teores de nitrato variando de 1 a 45 mg/L N-NO3-, sendo que 40 % das amostras estavam acima do recomendado.

De acordo com Von Sperling (2014) a forma predominante do nitrogenio encontrada no corpo d'agua pode indicar o estagio da poluicao, de maneira que a predominancia de amonia indica que a poluicao e recente, ja a forma de nitrato e indicativo de poluicao antiga. Logo, os chafarizes 2 e 5 (25% das amostras) indicam apresentar uma poluicao antiga, bem como, com base na literatura a presenca de nitrato em aguas subterraneas pode ser oriunda da infiltracao e oxidacao de esgotos originarios de fossas septicas (POHLING, 2009).

A condutividade eletrica expressa a capacidade da agua em conduz corrente eletrica e esta relacionada com a quantidade de material ionico dissolvido na agua (POHLING et al., 2005). Nenhum valor maximo e preconizado para esse parametro, porem a determinacao do mesmo se faz importante por estar correlacionado com os valores de solidos totais dissolvidos.

Quanto ao parametro ferro todas as amostras estao dentro do padrao de potabilidade uma vez que todas apresentam teores abaixo de 0,3 mg/L. O ferro e um elemento comumente encontrado em aguas subterraneas, normalmente em teores abaixo de 0,3 mg/L (KEMERICH et al, 2012). Aguas com altos teores de ferro apresentam sabor desagradavel, causam manchas em tecidos entre outros prejuizos (RICHTER; AZEVEDO NETTO, 1991 apud LOPES, 2014).

As amostras de chafarizes apresentaram niveis abaixo de 250 mg/L para o sulfato, que e o valor maximo preconizado pelo Ministerio da Saude. Em aguas naturais, este composto, e proveniente da dissolucao de solos e rochas e tambem oxidacao do sulfeto que podera se reduzir a sulfato. Em agua para consumo, altos teores de sulfato provocam efeito laxativo (CETESB, 2009).

Os teores de solidos totais dissolvidos (STD) das amostras variaram de 124,6 a 316 bem inferior ao valor maximo estipulado para consumo que e de 1000 mg/L. STD e resultante da soma de compostos ionicos, sais e compostos organicos dissolvidos na agua. Os valores de STD tem correlacao direta com a condutividade eletrica (TUNDISI; MATSUMURA TUNDISI, 2008 apud MARQUES et al., 2015).

3.2 Analise Bacteriologica

No que tange, a analise bacteriologica, a Portaria No 2.914/2011 determina que a agua para consumo humano esteja ausente de Escherichia coli em 100 mL da amostra. Os chafarizes 3, 4, 6, 7 e 8, totalizando 62,5% das amostras (tabela 3) apresentaram resultados positivos para Escherichia coli, uma especie de bacteria pertencente ao grupo coliforme termotolerante e que e utilizada para identificacao de contaminacao de um corpo d'agua por esgotos domesticos, uma vez que tais micro-organismos sao abundantes em fezes humanas e animais (TORTORA et al., 2017).

Devido as baixas concentracoes de micro-organismos patogenicos em amostras d'agua, dificultando assim sua deteccao, se tornou conveniente a utilizacao dos chamados organismos indicadores de contaminacao fecal, entre estes esta Escherichia coli. Tais organismos indicadores nao sao predominantemente causadores de doencas, mas pelo fato de serem eficazes na identificacao de contaminacao fecal e nestas poderem estar presentes micro- organismos patogenicos originarios do trato gastrointestinal aqueles organismos indicadores sao satisfatoriamente utilizados em analise bacteriologica da agua com fins de potabilidade (VON SPERLING, 2014).

O resultado positivo para a presenca de Escherichia coli nos chafarizes ja mencionados, possivelmente, e influenciado pelo precario saneamento basico que dispoem os bairros Lagoa Redonda e Curio, obrigando os moradores a utilizar fossas rudimentares construidas nos quintais. E recomendada que a construcao de pocos ou qualquer outra especie de captacao de agua proveniente de lencol freatico respeite a distancia minima de 15 metros de fossas rudimentares (BRASIL, 2014b). Durante as coletas, foi constatado que esta recomendacao nao foi cumprida, existindo ate residencias a menos de 5 metros de alguns chafarizes (Figura 2).

Pereira et al., (2009) em avaliacao da qualidade bacteriologica das aguas subterraneas nos bairros da Barra do Ceara, Cristo Redentor e Pirambu, Fortaleza--CE, identificaram que 31% das amostras analisadas estavam contaminadas por coliformes termotolerantes. Segundo os autores, a area em estudo e considerada com alto indice de saneamento basico, mas apesar disso ainda podese observar alguns locais com esgotos a ceu aberto, o que colabora para a contaminacao da agua subterranea.

4 Consideracoes Finais

As analises fisico-quimicas apontam que somente o chafariz 1 esta em conformidade com os padroes de potabilidade, uma vez que os chafarizes 2 e 5 estao improprios para consumo humano devido a elevada concentracao de nitrato e juntamente com o chafariz 8 apresentaram pH abaixo do recomendado, j a o consumo de aguas dos chafarizes 3, 4, 6, 7 e 8 se tornam inadequados devido a presenca de Escherichia coli, desta maneira a utilizacao da agua de tais chafarizes pode acarretar danos a saude das populacoes dos bairros Curio e Lagoa Redonda. O nao cumprimento da recomendacao da distancia minima requerida entre fontes de captacao provenientes de lencol freatico e fossas rudimentares e uma potencial causa da contaminacao dos chafarizes estudados.

Considerando-se os resultados, o presente estudo fornece um alerta aos servicos de abastecimento de agua, esgotamento sanitario e de vigilancia em saude, visando estimular um estudo de implementacao de controle mais constante na analise das aguas dos chafarizes da zona urbana da cidade de Fortaleza, bem como de prevencao de doencas de transmissao e de origem hidrica e para melhoria das condicoes e qualidade de vida das comunidades abrangidas por esses chafarizes.

5 Referencias

ABDALLA, K. V. P.; CAVALCANTE, P. R. S.; COSTA NETO, J. P.; BARBIERI, R.; MESQUITA NETO, M. C. de. Avaliacao da dureza e das concentracoes de calcio e magnesio em aguas subterraneas da zona urbana e rural do municipio de Rosario-MA. In: CONGRESSO

BRASILEIRO DE AGUAS SUBTERRANEAS, 16., ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POCOS, 17., Sao Luis. Anais... Sao Luis: ABAS, 2010. p. 1- 11.

AGENCIA NACIONAL DE AGUAS- ANA. MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE. Programa das Nacoes Unidas para o Meio Ambiente. Cuidando das aguas: solucoes para melhorar a qualidade dos recursos hidricos. 2.ed. Brasilia: ANA, 2013.

APHA/AWWA/WEF. Standard methods for the examination of water and wastewater. 21. ed. Washington: American Public Health Association, 2005.

BACCI, D. de La. C; PATACA, E. M. Educacao para a agua. Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 22, n. 63, p. 211- 226, 2008.

BAPTISTA NETO, J. A.; WALLNER-KERSANACH, M.; PATCHINEELAM, S. M. Poluicao Marinha. 1.ed. Rio de Janeiro: Interciencia, 2008.

BECKER, H. Controle analitico de aguas. Fortaleza--CE, Versao 4. 2008, p. 46.

BRASIL. Ministerio da Saude. Fundacao Nacional de Saude. Manual de controle da qualidade da agua para tecnicos que trabalham em ETAS. Ministerio da Saude, Fundacao Nacional de Saude. Brasilia: Funasa, 2014a .112p.

--. Ministerio da Saude. Fundacao Nacional de Saude. Manual de orientacoes tecnicas para elaboracao de propostas para o programa de melhorias sanitarias domiciliares. Brasilia: Funasa, 2014b. 44p.

--. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude. Portaria no 2914 de 12 de dezembro de 2011. Dispoe sobre os procedimentos de controle e de vigilancia da qualidade da agua para consumo humano e seu padrao de potabilidade. Diario Oficial da Uniao, Secao 1, p. 266, 16 dez. 2011.

--. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude. Manual de orientacao para cadastramento das diversas formas de bastecimento de agua para consumo humano. Brasilia: Ministerio da Saude, 2007. 40 p.--(Serie A. Normas e Manuais Tecnicos).

--. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude. Vigilancia e controle da qualidade da agua para consumo humano. Brasilia: Ministerio da Saude, 2006. 212p.

CEARA. INDICES DE COBERTURA. Disponivel em: http: //www.cagece.com.br/numeros/ indice- de- cobertura. Acesso: 03 de abr. de 2016.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SAO PAULO--CETESB. Qualidade das aguas interiores no Estado de Sao Paulo. Serie de relatorios--Apendice A: Significado ambiental e sanitario das variaveis de qualidade das aguas e dos sedimentos e metodologias analiticas e de amostragem. Sao Paulo: CETESB, 2009.

FREITAS, M. B.; BRILHANTE, O. M.; ALMEIDA, L. M. Importancia da analise de agua para a saude publica em duas regioes do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e aluminio. Cad. Saude Publica, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 651-660, 2001.

HELBE, A. F. Analise da qualidade das aguas subterraneas no perimetro urbano de JiParana/ RO -BRASIL. 2011. 110 f. Monografia (Bacharelado em Engenharia Ambiental) Universidade Federal de Rondonia, Ji- Parana. 2011.

HIRATA, R. Recursos hidricos. In: Decifrando a terra. TEIXEIRA, W.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. 2. ed. Reimpressao, Sao Paulo: Oficinas de textos, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA--IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios: sintese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 108p.

KEMERICH, P. D. C.; SILVA, J. L. S.; BARROS, G.; BORBA, W. F.; UCKER, F. E.; FOLETTO, C. V. Caracterizacao quimica da agua subterranea em area ocupada por cemiterio: uso da tecnica de espectrometria de fluorescencia de raios-X por energia dispersiva (EDXRF). Revista Ambiente & Agua, Taubate, v.7, n.3, p.166-182, 2012.

LEMOS, E. C. L. Analise integrada dos efeitos da expansao urbana nas aguas subterraneas no municipio de Fortaleza- CE. 2013. 199 f. Tese (Doutorado em Geociencias)-- Universidade Estadual de Pernambuco, Recife--PE, 2013.

LOPES, B. V. Eficiencia de coagulantes na remocao de diferentes concentracoes de ferro e manganes para ETA Terras Baixas. 2014. 51 f. Trabalho de conclusao de curso (Bacharelado em Engenharia Ambiental)--Universidade Federal de Pelotas, Pelotas--RS, 2014.

MARQUES, P.C.M.N.; SILVA, E.R.M. da; BARBOSA, I.C.da C. SOUZA, E C. de; SILVA, A do. S. Determinacao de turbidez, solidos totais dissolvidos e condutividade eletrica da agua de pocos artesianos no municipio de Ananindeua--PA. In: ENCONTRO DE PROFISSIONAIS DA QUIMICA DA AMAZONIA: ATUACAO DOS PROFISSIONAIS DA QUIMICA FRENTE AOS DESAFIOS ATUAIS, 14., 2015, Amazonia.p.572-777.

NOBRE, G. S. Joao da Silva Feijo: um naturalista no Ceara. Fortaleza: GRECEL, 1978.

NUNES NETO, F. A. Entre fontes, chafarizes e o dique: a introducao do sistema de abastecimento de agua em Salvador. Revista FSA, Teresina, v. 11, n. 4, p. 134-157, 2014.

PEREIRA, S.; CAVALCANTE, N.I.; GOMES, M. da C. R.; GOMES, DF. Qualidade Bacteriologica das Aguas Subterraneas nos Bairros da Barra do Ceara, Cristo Redentor e Pirambu, Fortaleza/Ceara. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE SUBTERRANEO, 1., Sao Paulo. Anais... Sao Paulo: ABAS, 2009. p. 16.

PEREIRA, S.de F.P. C.; COSTA, A.de C.; CARDOSO, E. do S C.; CORREA, M. do S.S.; ALVES, D.T.V.; MIRANDA, R.G.; OLIVEIRA, G.R.F. de. Condicoes de Potabilidade da Agua Consumida pela Populacao de Abaetetuba- Para. REA--Revista de estudos ambientais (Online), Blumenau, v.12, n.1, p.50-62, 2010.

POHLING, R. Reacoes quimicas na analise de agua. Fortaleza: Editora Arte Visual, 2009. POHLING, R.; FERREIRA, R. de L. U. de C.; FARIAS, M. K. Metodos de procedimentos laboratoriais--Metodos analiticos para agua e ar aplicados na Semace. Fortaleza, 2005.

SANTOS, S. O. dos. SOUZA, A.C. Panorama do Saneamento Basico no Municipio de Itabuna (Bahia) de 2000 a 2010. In: SEMANA DE ECONOMIA DA UESB, 13., Vitoria da Conquista. Anais ... Vitoria da Conquista: UESB, 2014. p. 19.

SERAFIM, A. L.; VIEIRA, E. L.; L, I. L. A importancia da agua no organismo humano. Revista Eletronica Vidya, Santa Maria, v. 24, n. 41, p.147-157, 2004.

SILVA, F. J.; ARAUJO, A. L.; SOUZA, R. O. Aguas subterraneas no Ceara--pocos instalados e salinidade. Rev. Tecnol. Fortaleza, v. 28, n. 2, p. 136-159, 2007.

SILVA NETO, R. C. da; CAVALCANTE, I. N.; GOMES, M. da C. R.; SOARES, F. R.; MATTA, M.A. da S. Caracteristicas fisico-quimicas das aguas subterraneas nos Bairros Aerolandia, Engenheiro Luciano Cavalcante, Jardim das Oliveiras e Cidade dos Funcionarios, Fortaleza-Ceara. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE AGUAS SUBTERRANEAS, 16., ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADOS DE POCOS, 17., Sao Luis. Anais... Sao Luis: ABAS, 2010. p. 13.

SILVA, S.A.; OLIVEIRA, R. de. Manual de analises fisico-quimicas de aguas de abastecimento e residuarias. Campina Grande, Paraiba: O Autor, 2001.

TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C L. Microbiologia. 12. ed. Ed. Artmed. 2017.

VON SPERLING, M. Introducao a qualidade das aguas e ao tratamento de esgotos. 4. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

Antonia Diana Alves BEZERRA (1), Elcivania Rodrigues NOGUEIRA (1), Francisco Gabriel Dias Mota ARAUJO (1), Maira Gadelha Alves BRANDAO (1,2), Bruno Edson CHAVES (1) & Lydia Dayanne Maia PANTOJA (1) *

(1) Universidade Estadual do Ceara, Fortaleza, Ceara, Brasil.

(2) Superintendencia Estadual do Meio Ambiente, Fortaleza, Ceara, Brasil.

* Autor para correspondencia: lydia.pantoja@uece.br

DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.119

Caption: Figura 1. Mapa destacando a localizacao dos chafarizes analisados.

Caption: Figura 2. Proximidade do chafariz a residencias que ainda utilizam fossas rudimentares. Fonte: Os autores.
Tabela 1. Parametros analisados, metodos e unidades de leitura.

Parametro                     Metodo               Unidade de Leitura

pH                   Metodo potenciometrico,               --
                  utilizando um phmetro de banca
                     modelo Orion Star A211.

Cor                  Metodo colorimetrico em       Unidade Hazen (uH).
                       espectrofotometro no
                  comprimento de onda de 455 nm.

Turbidez          Medida por um turbidimetro de    Unidade de turbidez
                    banca da marca HACH 2100Q,            (UT).
                        atraves do metodo
                          nefelometrico.

Alcalinidade         Metodo titulometrico. A       Miligrama por litro
                  titulacao foi realizada com a          (mg/L)
                  solucao de [H.sub.2]S[O.sub.4]
                   (acido sulfurico a 0,02N) na
                   presenca de indicador misto.

Dureza             Metodo titulometrico do EDTA    Miligrama por litro
                     na presenca do indicador            (mg/L)
                      metalocromio Negro de
                           Eriocromo T.

Calcio             Metodo titulometrico do EDTA    Miligrama por litro
                     na presenca do indicador            (mg/l)
                            murexida.

Magnesio          Obtidos a partir da diferenca    Miligrama por litro
                     entre dureza e o calcio.            (mg/L)

Cloretos            Obtidos por titulacao pelo     Miligrama por litro
                  metodo argentometrico (Metodo          (mg/L)
                    de Mohr). A titulacao foi
                  realizada com a solucao padrao
                       de nitrato de prata
                    (AgN[O.sub.3]) 0,0141N na
                      presenca do indicador
                  ([K.sub.2]G[O.sub.4]) cromato
                           de potassio.

Sodio               Obtidos por fotometria de      Miligrama por litro
                  chama, utilizando um fotometro         (mg/L)
                     de chama modelo Digimed.

Potassio            Obtidos por fotometria de      Miligrama por litro
                  chama, utilizando um fotometro         (mg/L)
                     de chama modelo Digimed.

Nitrito              Metodo colorimetrico em       Miligrama por litro
                       espectrofotometro no              (mg/L)
                  comprimento de onda 507 nm. O
                      reagente utilizado foi
                       Nitriver 3 Nitrite.

Nitrato              Metodo colorimetrico em       Miligrama por litro
                       espectrofotometro no              (mg/L)
                  comprimento de onda 400 nm. O
                      reagente utilizado foi
                       Nitraver 5 Nitrate.

Amonia               Metodo colorimetrico em       Miligrama por litro
                       espectrofotometro no              (mg/L)
                  comprimento de onda 425 nm. O
                     reagente utilizado foi o
                       reativo de Nessler.

Ferro                Metodo colorimetrico em       Miligrama por litro
                       espectrofotometro no              (mg/L)
                  comprimento de onda 510 nm. O
                     reagente utilizado foi o
                      Ferrover Iron Reagent.

Sulfato              Metodo colorimetrico em       Miligrama por litro
                       espectrofotometro no              (mg/L)
                  comprimento de onda 450 nm. O
                     reagente utilizado foi o
                   Sulfaver (Sulfate Reagent).

Condutividade       Metodo condutivimetrico. O        Microsiemens
                    equipamento usado foi uma          ([micro]S).
                    sonda multiparametrica da
                           marca HQ40d.

Solidos Totais         Utilizacao de sonda         Miligrama por litro
Dissolvidos          multiparametrica HQ40d.             (mg/L)

Nota: Para os testes de cor, nitrito, nitrato, amonia, ferro, sulfato
foi utilizado o espectrofotometro DR 5000, este ja informa o resultado
em concentracao mg/L, uma vez que equacoes armazenadas no programa do
equipamento realizam a conversao dos valores de absorbancia em valores
de concentracao.

Tabela 2. Resultados dos parametros fisico/quimicos analisados frente
as amostras de agua de chafarizes da Regional VI, Fortaleza/Ce, com
indicacao do valor maximo permitido pela Portaria N. 2.914/2011.

                                           Chafarizes
       Parametros
                               1         2         3         4

pH                            6,5       4,8       6,3       7,6
Cor (uH)                      <LD       6,0       <LD       <LD
Turbidez (UT)                0,86      0,53      0,24      0,44
Alcalinidade (mg/L)           52        4,0       50        128
Dureza                        34        82        80        58
Calcio (mg/L)                4,01      7,21      11,22     3,21
Magnesio (mg/L)              5,83      15,55     12,64     12,15
Cloretos (mg/L)              49,23     124,5     123,5     26,12
Sodio (mg/L)                  75       92,9      109,1     68,5
Potassio (mg/L)               4,7      11,8       4,3       6,0
Nitrito (mg/L)               0,004     0,054     0,003     0,004
Nitrato (mg/L)                5,3      18,4       8,5       1,1
Amonia (mg/L NH3)             <LD       0,6       <LD       <LD
Condutividade ([micro]S)      426       678       671       375
Ferro (mg/L)                 0,06      0,02      0,01      0,01
Sulfato (mg/L)                43        9,0       18        30
Solidos Totais               195,7      316       313      174,9
  Dissolvidos (mg/L)

                                          Chafarizes
       Parametros
                               5         6         7         8

pH                            5,4       7,3       7,2       5,8
Cor (uH)                      <LD       <LD        1        <LD
Turbidez (UT)                0,25      0,60      0,27      0,12
Alcalinidade (mg/L)           16        184       54        10
Dureza                        104       82        42        48
Calcio (mg/L)                8,02      8,02      4,81      6,41
Magnesio (mg/L)              20,42     15,07     7,29      7,77
Cloretos (mg/L)              110,5     34,29     40,19     63,30
Sodio (mg/L)                 64,8      86,3      35,9      44,7
Potassio (mg/L)               8,6       8,8       6,5       2,7
Nitrito (mg/L)               0,003     0,003     0,004     0,004
Nitrato (mg/L)                12        1,3       1,9       3,5
Amonia (mg/L NH3)             <LD       <LD       <LD       <LD
Condutividade ([micro]S)      542       505       261       310
Ferro (mg/L)                  <LD       <LD      0,02      0,02
Sulfato (mg/L)                <LD       43        1,0       <LD
Solidos Totais                258       240      124,6      149
  Dissolvidos (mg/L)

       Parametros           Valor Maximo

pH                            6,0-9,5
Cor (uH)                         15
Turbidez (UT)                    5
Alcalinidade (mg/L)              --
Dureza                          500
Calcio (mg/L)                    --
Magnesio (mg/L)                  --
Cloretos (mg/L)                 250
Sodio (mg/L)                    200
Potassio (mg/L)                  --
Nitrito (mg/L)                   1
Nitrato (mg/L)                   10
Amonia (mg/L NH3)               1,5
Condutividade ([micro]S)         --
Ferro (mg/L)                    0,3
Sulfato (mg/L)                  250
Solidos Totais                  1000
  Dissolvidos (mg/L)

Legenda: < LD = menor que limite de deteccao; Aus= ausente; -- = limite
maximo nao estabelecido pela Portaria 2914/2011.

Tabela 3. Resultados dos parametros bacteriologicos frente as amostras
de agua de chafarizes da Regional VI, Fortaleza/Ce, com indicacao do
valor maximo permitido pela Portaria N. 2.914/2011.

Parametro                    Chafarizes

               1      2     3    4      5     6    7    8   Valor maximo

Escherichia  Zero   Zero   50   500   Zero   23   70    2   Ausencia em
coli                                                          100 mL
COPYRIGHT 2017 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Bezerra, Antonia Diana Alves; Nogueira, Elcivania Rodrigues; Araujo, Francisco Gabriel Dias Mota; Br
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Jul 1, 2017
Words:5381
Previous Article:COMPREENSAO DOS ADOLESCENTES SOBRE A PREVENCAO E TRANSMISSAO DAS INFECCOES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS EM ESCOLAS DO MUNICIPIO DE PRESIDENTE MEDICI,...
Next Article:CONTAMINACAO AMBIENTAL POR OVOS DE Ancylostoma spp. E Toxocara spp. EM AREAS DE SEIS PRACAS PUBLICAS DO MUNICIPIO DE VALENCA, ESTADO DO RIO DE...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters