Printer Friendly

A terceira idade e o lazer: analise das producoes brasileiras nas Ciencias Humanas e Sociais que relacionaram seus objetos ao lazer de idosos (1994-2015).

The third age and leisure: analysis of the Brazilian Productions in the Human and Social sciences that related their objects to the leisure of the elderly (1994-2015)

Introducao

A partir de 1988, com a promulgacao da Constituicao Federal Brasileira, o lazer se tornou um direito assegurado a todos os cidadaos, como forma de promocao social. Para alem das questoes gerais presentes na Carta Magna em que populacoes minoritarias passaram a ter direitos, ao tratar dos idosos, verifica-se que as deliberacoes sobre os deveres do Estado em relacao a este publico foram especificadas na Politica Nacional do Idoso (Lei n. 8.842, 1994) e no Estatuto do Idoso (Lei n. 10.741, 2003). Tais politicas visam a efetivacao dos direitos humanos da pessoa idosa.

Segundo o Ministerio da Justica e da Cidadania (2017), esses documentos legais destacam em suas concepcoes a obrigatoriedade da familia, da comunidade, da sociedade e do poder publico em

[...] assegurar a pessoa idosa, com absoluta prioridade, a efetivacao do direito a vida, a saude, a alimentacao, a educacao, a cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, a cidadania, a liberdade, a dignidade, ao respeito, a nao discriminacao e a convivencia familiar e comunitaria (Ministerio da Justica e da Cidadania, 2017).

Mesmo sendo o lazer para a populacao idosa um direito previsto em lei, nem sempre as iniciativas publicas garantem sua efetivacao. Segundo Poltronieri, Costa e Soares (2015, p. 7), "[...] o Estado protelou, como forma de parceria, a responsabilidade do enfrentamento das expressoes da questao social para a familia e para sociedade civil". Assim, o que se tem observado e a realizacao de investimentos publicos em previdencia, assistencia e saude da pessoa idosa, em detrimento de suas necessidades sociais, como educacao, cultura e lazer.

O envelhecimento populacional brasileiro (1) tem sido um assunto recorrente no contexto politico e economico atual (2). Entretanto, "[...] as iniciativas implantadas ate o momento nao sao capazes de garantir uma protecao social adequada a pessoa idosa" (Poltronieri et al., 2015, p. 11), quica o desenvolvimento de suas multiplas potencialidades por meio do lazer.

Acredita-se que as producoes cientificas acompanham, em certa medida, interesses sociais mais amplos, uma vez que a curiosidade humana e historica e socialmente construida de acordo com as demandas presentes (Freire, 1996). Assim, diante do aumento da expectativa de vida, o processo de envelhecimento tem sido alvo de interesse academico. Mas como tem sido estudada a interseccao entre lazer e terceira idade?

Visando compreender esta questao, este trabalho tem como objetivo o mapeamento e a analise qualitativa das producoes cientificas brasileiras nas Ciencias Humanas e Sociais que estudaram a relacao entre lazer e terceira idade. Para tanto, foram adotados os pressupostos das pesquisas sobre o 'estado da arte' aliados as consideracoes metodologicas da analise de conteudo.

Com a realizacao deste trabalho pretende-se contribuir para o desenvolvimento de novas investigacoes sobre o lazer de idosos, ao indicar caminhos e as principais estrategias teoricas e metodologicas que vem sendo utilizadas nesta area tematica (Mancini & Sampaio, 2006).

Metodologia

Esta investigacao se caracteriza como um estudo do 'estado da arte' e visa conhecer o que vem sendo produzido e divulgado nos periodicos brasileiros das Ciencias Humanas e Sociais sobre o lazer de idosos.

De acordo com Ferreira (2002), as pesquisas denominadas 'estado da arte'--ou 'estado do conhecimento' --sao bibliograficas, de carater inventariante e descritivo, e objetivam mapear e discutir uma determinada producao academica, "[...] tentando responder que aspectos e dimensoes vem sendo destacados e privilegiados em diferentes epocas e lugares, de que formas e em que condicoes tem sido produzidas" (Ferreira, 2002, p. 258). De maneira analoga, Mancini e Sampaio (2006), que as caracterizam como analise e sintese de informacoes cientificas ja produzidas, entendem que as revisoes de literatura permitem sumariar o conhecimento existente sobre o assunto de interesse. Os resultados deste tipo de estudo subsidiam novas pesquisas e servem como "[...] fonte de alimentacao e retroalimentacao do saber" (Teixeira, 2006, p. 60) (3).

De acordo com Ferreira (2002), o estudo do 'estado da arte' e fragmentado em dois momentos: no primeiro, ocorre a quantificacao e a identificacao dos dados bibliograficos, visando o mapeamento da publicacao em dado periodo, local e area de producao; no segundo, o pesquisador devera inventariar a producao, observando as escolhas teoricas e metodologicas adotadas.

Visando contemplar as questoes apontadas nos referentes acima, os seguintes aspectos foram investigados: ano das publicacoes, numero de publicacoes por ano e projecao linear, localizacao geografica, filiacao institucional dos autores e coautores, os periodicos onde os artigos foram publicados e as disciplinas relacionadas. Este primeiro estagio da analise permitiu situar o meio em que os estudos sobre lazer de idosos tem sido desenvolvidos e divulgados.

Para detalhar as informacoes cientificas e as opcoes teoricas e metodologicas das producoes aqui analisadas, os direcionamentos metodologicos para o segundo momento dos estudos do 'estado da arte' foram complementados com tecnicas de tratamento de dados da analise de conteudo--que consistem em um conjunto de procedimentos para a analise de comunicacoes "[...] visando a obter, por procedimentos sistematicos e objetivos de descricao do conteudo das mensagens, indicadores (quantitativos ou nao) que permitem a inferencia de conhecimentos relativos as condicoes de producao/recepcao (variaveis inferidas) destas mensagens" (Bardin, 2011, p. 48).

Desta forma, as tres etapas da analise de conteudo foram aliadas aos encaminhamentos das pesquisas de EA, a saber: pre-analise, exploracao do material e tratamento dos resultados, inferencias e interpretacoes.

Na pre-analise, fase que corresponde a organizacao do material empirico, foram escolhidos os documentos, elencados os objetivos e elaborados os indicadores que fundamentaram a analise. A constituicao do conjunto documental obedeceu aos seguintes criterios, a saber: a) acesso as producoes a partir das bases de dados frequentemente utilizadas no Brasil--Scientific Eletronic Library Online (Scielo, 2017) e Portal de Periodicos CAPES/MEC (2017); b) os artigos e ensaios foram publicados em revistas academicas das Ciencias Humanas e Sociais entre janeiro de 1994 e dezembro de 2015--baliza temporal que corresponde a promulgacao da Lei n. 8.842 (1994), que dispoe sobre a Politica Nacional do Idoso, e as mais recentes pesquisas disponibilizadas nas bases pesquisadas; c) os indicadores para a consulta nas referidas bases foram 1) 'lazer idosos', 2) 'lazer terceira idade' e 3) 'lazer velhos', com variacoes de busca para o genero feminino. Com base nestes preceitos, seguem os resultados desta primeira etapa de organizacao do corpus (Tabela 1).

A partir das compreensoes e impressoes emergidas das leituras flutuantes realizadas durante o levantamento, foi possivel perceber, pela busca dos termos indexados, que esta tematica tem sido objeto de diversas pesquisas da area das Ciencias da Saude. Entretanto, as reflexoes das Ciencias Humanas e Sociais tem sido comparativamente mais discretas (Tabela 2).

Visando a objetivacao desta pesquisa, seguiu-se para um outro recorte documental: foram elencados para analise somente os artigos e ensaios das Ciencias Humanas e Sociais, publicados em lingua portuguesa, que relacionaram seu objeto ao lazer na maturidade. Este procedimento contou com a verificacao de todos os titulos e, em especial, os resumos--por apresentarem os elementos essenciais de um trabalho de carater cientifico (6). Dessa maneira, o conjunto documental foi composto por oito producoes academicas.

Entao, seguiu-se para o segundo polo cronologico da AD: a exploracao do material. Neste momento os dados brutos foram sistematizados por meio da codificacao. Com este procedimento, definiu-se como criterio que as unidades de registro (UR)--o "[...] segmento o conteudo considerado unidade base, visando a categorizacao e a contagem frequencial" (Bardin, 2011, p. 134)--seriam as tematicas emergentes mais frequentes; e que as unidades de contexto (UC), que servem de aporte para a compreensao das UR, seriam os contextos proximos as unidades registradas. Definidas as UR e UC, seguiu-se para a terceira etapa da analise de conteudo, onde foi realizada a categorizacao.

Para a realizacao deste procedimento, as producoes foram classificadas em A1, A2 e assim sucessivamente ate A8. Esta sistematizacao, para a montagem dos quadros-resumo (7), teve os seguintes parametros organizacionais: autores, ano de publicacao, revista e area tematica/disciplina, vinculacao institucional, estados e regioes geograficas nas quais as Universidades estao localizadas.

Em seguida, levando em consideracao o criterio adotado as UR, foi elencado como referentes a analise o que cada uma das producoes tinha em comum, a saber: a) os procedimentos metodologicos adotados (subcategorias: abordagem ao problema, procedimentos tecnicos, coleta de dados e analise e interpretacao dos dados); e b) referenciais teoricos utilizados (subcategorias: lazer e terceira idade/idosos/velhos).

Resultados e discussao

Com base nos referenciais teoricos e metodologicos adotados para o estudo do 'estado da arte' das publicacoes brasileiras que relacionam seus objetos ao lazer de idosos, encontrou-se um total de oito producoes publicadas (Tabela 3).

Observou-se, pelas datas de publicacao, que as pesquisas que trabalham o lazer na terceira idade nao estao diretamente relacionadas com as politicas nacionais voltadas a pessoa idosa, uma vez que a publicacao das leis nao contribuiu para o incremento da producao. Mesmo o direito ao lazer sendo assegurado desde 1988 a todos os cidadaos brasileiros e de haver deliberacoes especificas para a populacao idosa datadas de 1994 e 2003, foi somente em 2005 e 2008 que foram publicados os primeiros trabalhos sobre lazer de idosos nas Ciencias Humanas e Sociais. Pela periodicidade dos estudos, nota-se que esta tematica ainda nao e representativa nestas areas do conhecimento, mantendo uma estabilidade no numero de producoes ao longo dos anos.

Acredita-se que a marginalizacao deste tema tenha relacao com uma serie de preconceitos da sociedade atual, que teve sua formacao voltada para o trabalho e que, por essa razao, tende a condenar o lazer como um momento de improdutividade e os idosos como improdutivos (Marcellino, 2012). Soma-se a isto uma tendencia teorica de observar os fenomenos do lazer em oposicao ao trabalho, o que exclui aqueles que nao estao economicamente ativos, como aposentados e donas de casa. Para Elias e Dunning (1985), a oposicao entre trabalho e lazer seria fruto de uma tradicao sociologica que priorizava aspectos economicos (8) e considerava "[...] as atividades de lazer como um mero acessorio do trabalho" (Elias & Dunning, 1985, p. 106).

Foi tambem analisada a tendencia de producoes na area (Figura 1). Por meio da previsao linear e possivel afirmar que as pesquisas que relacionam seus objetos ao lazer de idosos seguira modesto: media de uma publicacao a cada 1,25 anos. Entretanto, acredita-se que o contexto politico e economico brasileiro atual e as potenciais novas formas de velhice derivadas de reformas previdenciarias e trabalhistas possam incentivar novos estudos sobre o processo de envelhecimento. Entretanto, isto nao garantira o estudo do lazer na terceira idade.

A Tabela 4 apresenta a vinculacao institucional dos estudiosos envolvidos nas producoes cientificas aqui analisadas. A organizacao desta Tabela teve como referencia as regioes geograficas e os estados nos quais as universidades envolvidas na pesquisa estao situadas.

Como e possivel observar, a maioria dos artigos publicados foi escrita por pesquisadores da regiao Sudeste (75%). Isto evidencia que existem mais publicacoes oriundas da regiao onde ha maior numero de instituicoes de ensino superior (9). Para alem da estrutura institucional, ha tambem a necessidade de interesse dos pesquisadores a tematica. Neste sentido, acredita-se que os pesquisadores do Sudeste do Brasil estao mais preocupados com interseccao entre lazer e terceira idade em comparacao as demais regioes (10). Por conseguinte, percebe-se tambem a predominancia de pesquisadores oriundos de Sao Paulo (50%). Acreditase haver neste estado e nesta regiao um ambiente institucional, e quem sabe cultural, que privilegia certos temas em detrimento de outros.

Em relacao as Instituicoes de Ensino Superior, as publicacoes sao oriundas tanto de universidades publicas quanto privadas. Entre estas, destaca-se a Universidade de Sao Paulo (USP), que teve pesquisadores envolvidos em 25% dos trabalhos aqui analisados.

A Tabela 5 apresenta as revistas academicas das Ciencias Humanas e Sociais que vem publicando artigos sobre lazer de idosos, bem como sua area tematica/disciplina.

E possivel observar a predominancia de publicacoes nas revistas de Turismo (37,5%) e de Psicologia (37,5%), em relacao as demais areas tematicas/disciplinas (25%). Estas informacoes permitem observar como ainda sao incipientes as pesquisas nas Ciencias Humanas e Sociais que problematizam este objeto. Entende-se, desta maneira, que ha uma lacuna nos estudos sobre a interseccao entre lazer e terceira idade nas mais diversas disciplinas que compoem as grandes areas aqui analisadas.

As tematicas de investigacao tambem demonstram que ainda ha muito a avancar nas pesquisas sobre o lazer de idosos (Tabela 6).

Ao analisar os objetivos das producoes que tem como objeto o lazer na maturidade e possivel perceber que a abordagem predominante trata o lazer em uma perspectiva turistica e a terceira idade como potencial publico consumidor. Nota-se ainda influencia das Ciencias da Saude nas producoes A5 e A8, com aplicacao de testes e questionarios da area. Acredita-se que isto tenha relacao com a disciplina na qual as pesquisas se desenvolveram. De acordo com Gil (2008, p. 3), "[...] a Psicologia, a despeito de apresentar algumas caracteristicas que a aproximam das ciencias naturais, constitui tambem uma ciencia social".

Em relacao a estrutura cientifica das producoes, as categorias para a analise coadunam com os resultados de estudo de Sousa, Gabriel, Antunes, Oliveira Junior e Freitas Junior (2016). Assim, verificou-se a abordagem ao problema, os procedimentos tecnicos, a coleta de dados e a analise e interpretacao dos dados. Para Sousa et al. (2016, p. 618), "[...] entende-se que o apontamento destas informacoes e relevante para o direcionamento de pesquisas posteriores, ajudando os pesquisadores na construcao do conhecimento".

Em relacao a 'abordagem do problema', dos oito artigos analisados apenas tres a indicaram no corpo do texto. Destes, dois se identificaram como qualitativos e um como quantitativo. Ao todo, 50% dos trabalhos adotaram uma perspectiva de analise qualitativa. Diante disto, entende-se que nao ha uma predominancia na forma de tratamento deste problema na perspectiva das Ciencias Humanas e Sociais.

Existe um debate nestas areas sobre a forma de compreender o objeto investigado. Segundo Gil (2008, p. 5), "[...] os fatos sociais dificilmente podem ser tratados como coisas, pois sao produzidos por seres que sentem, pensam, agem e reagem, sendo capazes, portanto, de orientar a situacao de diferentes maneiras". Entretanto, Gil (2008) afirma que o problema da quantificacao nesta area do conhecimento e menos critico do que aparenta--desde que sejam ultrapassados os referentes positivistas.

Em relacao a subcategoria 'procedimentos tecnicos', das oito producoes analisadas apenas uma nao explicita claramente esta escolha metodologica. Acredita-se que o procedimento tecnico adotado tenha sido a observacao participante, visto que e um relato de experiencia. Foram tambem identificados os seguintes procedimentos tecnicos: questionario (03); analise de dados e entrevista por telefone (01); entrevista de Historia Oral (01), etnografia e entrevistas (01); e testes quantitativos (01). Observa-se a predominancia dos questionarios como procedimento tecnico para o trabalho com idosos, entretanto, indaga-se se este instrumento, mesmo que misto, daria conta da complexidade dos fenomenos da velhice (11).

A categoria 'coleta de dados' explicitou quais foram as fontes para as pesquisas. Dos oito artigos analisados, apenas em um nao foi possivel identificar com clareza qual foi o material empirico analisado. Entre as tecnicas apontadas, constatou-se que as pesquisas relacionadas ao lazer de idosos tem priorizado a producao de suas fontes por meio de questionarios e entrevistas.

No tocante a subcategoria 'analise e interpretacao de dados', dos oito textos analisados apenas dois nao informaram diretamente como foi realizada a interpretacao empirica. A analise de conteudo tematica foi utilizada como instrumento interpretativo em dois trabalhos; em igual medida foram adotadas tecnicas estatisticas. Foram ainda empregadas concepcoes especificas de analise adotadas pela Historia Oral, bem como analises descritivas e analises por modelo de regressao linear univariada e regressao linear multipla. Isto posto, e possivel afirmar que nao existe um metodo analitico preponderante na investigacao do lazer de idosos, antes uma adequacao de metodologias de analise de acordo com a area do saber e a abordagem ao problema.

Dando prosseguimento, avancou-se para a analise dos conceitos de Lazer e de Terceira Idade/Idosos/Velhos apontados com clareza no corpo dos trabalhos. Para Sousa et al. (2016, p. 618), "[...] a estrutura conceitual e uma das mais importantes categorias dentre as diversas que estruturam uma producao cientifica [...]", isto porque "[...] o estabelecimento desse marco teorico, ou sistema conceitual, [...] e fundamental para que o problema assuma o significado cientifico" (Gil, 2008, p. 49).

Dos artigos aqui analisados, 50% discutiram teoricamente o conceito de lazer, definindo-o a partir dos referenciais da Tabela 6.

A partir da analise do referencial teorico utilizado para a definicao de lazer e possivel perceber duas posturas distintas: uma que o conceitua a partir de referenciais da Sociologia, Filosofia, Educacao e Educacao Fisica (A1 e A7) (12); e outra pautada em referentes das Ciencias da Saude, com destaque para a medicina (A5 e A8).

E importante ponderar sobre os trabalhos que nao discutiram teoricamente o conceito de lazer. De acordo com Gil (2008), as teorias sao fundamentais no processo de investigacao nas Ciencias Humanas e Sociais, pois sao elas que possibilitam uma definicao conceitual adequada. A ausencia de uma apresentacao clara do que se entende por lazer, alem de ser um problema de ordem teorico-metodologica, pode estar relacionado ao que Magnani (2012) escreveu. Segundo este autor, e "[...] justamente pelo fato de ser um tema tao familiar, [que] termina sendo alvo de consideracoes que raramente ultrapassam o senso comum" (Magnani, 2012, p. vii).

Ao trabalhar com os problemas do lazer faz-se necessario direciona-lo teoricamente, explicitando os pressupostos adotados para sua compreensao. Como existem diversas concepcoes, abordagens diferentes a nocao de acordo com a area do conhecimento, e importante que o pesquisador se mantenha atento, pois, conforme escreveu Marcellino (2012, p. 8), "[...] o uso indiscriminado e impreciso da palavra, englobando conceitos diferentes, e ate mesmo conflitantes, fundamenta a necessidade de tentar precisa-lo, no sentido de orientar discussoes que contribuiam para o seu entendimento e significado na vida cotidiana de todos nos".

A apropriacao e a popularizacao de alguns termos podem levar o pesquisador a cometer ingenuidades teoricas. Assim como ocorre com o conceito de lazer, questoes relativas ao envelhecimento sao bastante presentes na sociedade atual. Acredita-se que, por este motivo, 62,5% dos trabalhos analisados nao apresentaram nenhuma definicao sobre terceira idade, idosos ou velhos (13). Eventualmente estes silencios demonstram como tem sido concebida a populacao idosa: uma categoria ja dada e conhecida, como se os seres humanos nao estivessem em constante processo de transformacao.

Os trabalhos que definiram o que e a populacao idosa adotaram os referentes da Tabela 7.

A partir destas producoes e possivel observar que ainda nao existe o predominio de uma ou outra corrente teorica. Cada artigo utilizou como pressuposto leituras mais proximas a abordagem realizada ao objeto. No artigo A1, a escolha do referente tem relacao a construcao do problema pelo vies dos processos de aprendizagem humana; no A3, a conceituacao se deu a partir da perspectiva de teoricos que pensam os fenomenos da velhice em relacao ao turismo; e a producao A7--em que melhor e definido o conceito de terceira idade--utilizou de referenciais interdisciplinares.

Outros trabalhos definiram a populacao investigada apenas pela idade: acima de 60 anos--encerrando ai a conceituacao. Entretanto, a terceira idade possui caracteristicas especificas. Nao existe um idoso padrao que determina o que e ser velho. Existem diversas formas de velhice. A definicao pela faixa etaria desconsidera processos sociais mais amplos que a pessoa idosa ja experienciou--uma vez que a compreensao de mundo de um idoso e relativa aos periodos anteriores de sua vivencia.

Consideracoes finais

Enquanto dever da familia, da comunidade, da sociedade e do poder publico, o lazer da populacao idosa e assegurado por lei, mas a garantia a este direito nao se efetiva adequadamente. A predilecao de outras pautas em detrimento das da terceira idade tambem tem ocorrido no meio academico, visto que foram encontradas nas bases de dados Scielo e Portal de Periodicos CAPES/MEC apenas oito producoes brasileiras nas Ciencias Humanas e Sociais que relacionaram os seus objetos ao lazer de idosos, entre os anos de 1994 e 2015.

Entre as producoes analisadas foi possivel observar que os pesquisadores interessados no lazer da terceira idade sao predominantemente da regiao Sudeste, especialmente de Sao Paulo. Regioes como Centro-Oeste e Nordeste ainda nao possuem pesquisas publicadas disponiveis nas bases de dados consultadas. Isto evidencia a invisibilidade desta tematica e tambem demonstra o quanto ainda sera preciso avancar nestes estudos, contribuindo para novas interpretacoes dos fenomenos do lazer na velhice. Acredita-se que a escassez de producoes das Ciencias Humanas e Sociais tendo como objeto de estudo o lazer na maturidade se relacione com uma preterita tradicao sociologica e historica, que considerava o lazer uma atividade social menor, de pequena importancia, ao mesmo tempo em que se preocupava com a historia economica e politica dos "grandes homens" em detrimento das 'minorias', como a populacao idosa.

As revistas que mais publicaram sobre o lazer de idosos foram as de Turismo e Psicologia. Sendo as Ciencias Humanas e Sociais, juntas, compostas de 22 disciplinas (Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior [Capes], 2017), entende-se que ainda ha um longo caminho no que diz respeito a compreensao das praticas de lazer pela terceira idade por diferentes prismas. Acredita-se que, no Brasil, com o aumento da expectativa de vida e consequente reforma no sistema previdenciario, havera o incremento de pesquisas em outras disciplinas, a partir da necessidade de novos olhares a velhice, incluindo sua relacao com o lazer.

Sobre as possibilidades de abordagem ao objeto, predomina o estudo do lazer como turismo e a terceira idade enquanto publico consumidor. No que diz respeito a estrutura metodologica, foi possivel observar, no que concerne a perspectiva de analise, que nao ha discrepancia numerica entre trabalhos quantitativos e qualitativos. Entre os procedimentos tecnicos adotados, nota-se o predominio dos questionarios como instrumentos de pesquisa. Em relacao ao procedimento de analise, nao existe um metodo analitico predominante na investigacao do lazer de idosos.

Com este mapeamento e analise das producoes sobre lazer de idosos nas Ciencias Humanas e Sociais foi possivel concluir que a preocupacao dos autores em relacao a conceituacao teorica das categorias lazer e terceira idade e pequena. Acredita-se que esta imprecisao teorica esta relacionada a familiaridade com as tematicas. A terceira idade, por vezes, e compreendida como uma categoria social dada, como se os seres humanos nao fossem produtos e produtores dos processos historicos. De maneira analoga, o lazer, "[...] justamente pelo fato de ser um tema tao familiar, termina sendo alvo de consideracoes que raramente ultrapassam o senso comum" (Marcellino, 2012, p. vii). Neste sentido, destaca-se a necessidade de que as futuras producoes contemplem esta lacuna, tomando um maior cuidado teorico em relacao a definicao destas nocoes, para que seja possivel minimizar entendimentos genericos, e muitas vezes preconceituosos, sobre o lazer e a terceira idade.

Doi: 10.4025/actascihumansoc.v41i1.40055

Received on October 17, 2018.

Accepted on December 5, 2018.

Referencias

Bacha, M. L., & Vianna, N. W. H. (2008). Entendendo as atitudes da terceira idade das classes A e B de Sao Paulo em relacao ao turismo. Turismo em Analise, 19(3), 370-387. Doi: 10.11606/issn.1984-4867.v19i3p370-387

Bardin, L. (2011). Analise de conteudo. Sao Paulo, SP: Edicoes 70.

Brenner, A. K., Dayrell, J., & Carrano, P. (2008) Culturas do lazer e do tempo livre dos jovens brasileiros. In H. W. Abramo & P. P. M. Branco (Org.), Retratos da juventude brasileira: analises de uma pesquisa nacional. Sao Paulo, SP: Fundacao Perseu Abramo.

Camargo, L. O. (1998). Educacao para o lazer. Sao Paulo, SP: Moderna.

Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior [CAPES]. (2017). Tabela Areas do

Conhecimento. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/documentos/documentos_diversos_ 2017/TabelaAreasConhecimento_072012_atualizada_2017_v2.pdf

Dumazedier, J. (1973). Lazer e Cultura Popular. Sao Paulo, SP: Perspectiva.

Dumazedier, J. (1980). Valores e conteudos culturais do lazer. Sao Paulo, SP: Sesc.

Elias, N., & Dunning, E. (1985). A busca da excitacao. Lisboa, PT: Difel.

Erbolato, R. M. P. L. (2006). Relacoes sociais na velhice. In E. V. Freitas, L. PY, L., F. A. X. Cancado, J. Doll, & M. L. Gorzoni. Tratado de Geriatria e Gerontologia (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.

Ferreira, N. S. A. (2002). As pesquisas denominadas 'Estado da Arte'. Educacao & Sociedade, XXIII(79), 257-272. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessarios a pratica educativa. Sao Paulo, SP: Paz e Terra.

Gaspari, J. C., & Schwartz, G. M. (2005). O idoso e a ressignificacao emocional do lazer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(1), 69-76. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v21n1/a10v21n1.pdf

Gastal, S. A., Possamai, A. P., & Negrine, A. S. (2010). A viagem e a memoria do idoso: um estudo na regiao da Serra Gaucha. Turismo em Analise, 21(01), 89-109. Doi: 10.11606/issn.1984-4867.v21i1p89-109

Gil, A. C. (2008). Metodos e tecnicas de pesquisa social. Sao Paulo, SP: Atlas.

Giubilei, S. (1993). Uma pedagogia para o idoso. A Terceira Idade, 5(7), 10-14.

Guimaraes, R. M. (2006). O envelhecimento: um processo pessoal? In E. V. Freitas, L. PY, L., F. A. X. Cancado, J. Doll, & M. L. Gorzoni. Tratado de Geriatria e Gerontologia (2a ed.) Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.

Kanashiro, M. M., & Yassuda, M. S. (2011). Estudo da adaptacao e aplicabilidade do questionario perfil de Adelaide em idosos de uma comunidade Nipo-brasileira. Psicologia: Reflexao e Critica, 24(2), 245-253. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/prc/v24n2/05.pdf

Lei n. 10.741 de 1 de outubro de 2003. (2003). Estatuto do Idoso. Brasilia: DF. Recuperado de http://www2. senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70326/672768.pdf

Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. (1994). Politica Nacional do Idoso. Brasilia: DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8842.htm

Lopes, M. E. P. S. (2012). A velhice no seculo XXI: a vida feliz e ainda ativa na melhor idade. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 34(1), 7-30. Doi: 10.4025/actascihumansoc.v34i1.16197

Lopes, R. G. C. (2007). Imagem e auto-imagem: da homogeneidade da velhice para a heterogeneidade das vivencias. In A. L. Neri (Org.), Idosos no Brasil: vivencias, desafios e expectativas na terceira idade. Sao Paulo, SP: Editora Fundacao Perseu Abramo.

Magnani, J. G. C. (2012). Prefacio a 2a edicao. In N. C. Marcellino. Estudos do Lazer: uma introducao. Campinas, SP: Autores Associados.

Mancini, M. C., & Sampaio, R. F. (2006). Quando o objeto de estudo e a literatura: estudos de revisao. Revista Brasileira de Fisioterapia, 10(04), 361-472. Doi: 10.1590/S1413-35552006000400001

Marcellino, N. C. (1987). Lazer e educacao. Campinas, SP: Papirus.

Marcellino, N. C. (1990). Lazer e educacao (2a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Marcellino, N. C. (2000). Estudos do lazer: uma introducao (2a ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Marcellino, N. C. (2000). Mirando la educacion desde la recreacion. Recreando, 16, 2-6.

Marcellino, N. C. (2007). Lazer e Cultura. Campinas, SP: Autores Associados.

Marcellino, N. C. (2008). Politicas de lazer: mercadores ou educadores? Os cinicos bobos da corte. In N. C. Marcellino (Org.), Politicas publicas de lazer. Campinas, SP: Alinea.

Marcellino, N. C. (2012). Estudos do lazer: uma introducao (5a ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

McPherson, B. Envelhecimento populacional e lazer. In SESC/WLRA. Lazer numa sociedade globalizada. Sao Paulo, SP: Sesc, 2000.

Melo, V. A. (2010). Contribuicoes da Historia para o estudo do lazer. In V. A. Melo (Org.), Lazer: olhares multidisciplinares. Rio de Janeiro, RJ: Alinea.

Ministerio da Justica e Cidadania. (2017). Pessoa Idosa. Recuperado de http://www.sdh.gov.br/assuntos/ pessoa-idosa/programas/politica-nacional-do-idoso-e-o-estatuto-do-idoso

Miranda, G. M. D., Mendes, A. C. G., & Silva, A. L. A. (2016). O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequencias sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(3), 507519. Doi: 10.1590/1809-98232016019.150140

Motta, A. B. (2006). Visao antropologica do envelhecimento. In E. V. Freitas, L. PY, L., F. A. X. Cancado, J. Doll, & M. L. Gorzoni. Tratado de Geriatria e Gerontologia (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.

Mundo Vestibular. (2017). Recuperado de http://www.mundovestibular.com.br/articles/17489/1/40-dosestudantes-de-ensino- superior-sao-da-regiao-sudeste/Paacutegina1.html

Oliveira, E. M., Silva, H. S., Lopes, A., Cachioni, M., Falcao, D. V. S., Bastitoni, S. S. T., ... Yassuda, M. S. (2015). Atividades Avancadas de Vida Diaria (AAVD) e desempenho cognitivo entre idosos. Psico-USF, 20(01), 109-120. Doi: 10.1590/1413-82712015200110

Paixao Jr., C. M., & Reichenheim, M. E. (2005). Uma revisao sobre instrumentos de avaliacao do estado funcional do idoso. Cadernos de Saude Publica, 21(1), 7-19. Recuperado de http://www.scielo.br/ pdf/csp/v21n1/02.pdf

Pinto, M. R., & Pereira, D. R. M. (2015). Investigando o consumo de lazer por idosos. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 4(1), 15-31. Recuperado de http://www.podiumreview.org.br/ojs/index. php/rgesporte/article/view/101/pdf

Poltronieri, C. F., Costa, J. S., & Soares, N. (2015). Politicas publicas a pessoa idosa: uma breve discussao da protecao social. In Anais do 1 Congresso Internacional de Politica Social e Servico Social: Desafios Contemporaneos. Recuperado de http://www.uel.br/pos/mestradoservicosocial/congresso/anais/ Trabalhos/eixo1/oral/35_politicas_publicas....pdf

Portal de Periodicos CAPES/MEC (2017). Recuperado de http://www.periodicos.capes.gov.br/

Projeto de Lei n. 4.302, de 24 novembro de 1998 (1998). Transformado na Lei Ordinaria no 13.429, de 31 de marco de 2017. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/discursos-e-notastaquigraficas/discursos- em-destaque/pl-4-302-1998-terceirizacao/pl-4-302-de-1998-terceirizacao

Proposta de Emenda a Constituicao (PEC, 287) (2016). Altera os arts. 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituicao, para dispor sobre a seguridade social, estabelece regras de transicao e da outras providencias. Recuperado de https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao? idProposicao=2119881

Reuben, D. B., Laliberte, L., Hiris, J., & Mor, V. (1990). A hierarchical exercise scale to measure function at the Advanced Activities of Daily Living (AADL) level. Journal of American Geriatric Society, 38(8), 855-861. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2387949

Sant'Anna, P. R., Zotes, L. P., Barone, F. M., & Marabet, D. (2009). Pesquisa de mercado aplicada a pequenos empreendimentos: centro de lazer para a terceira idade no estado do Rio de Janeiro. RAP, 43(04), 945-977. Doi: 10.1590/S0034-76122009000400009

Schwartz, G. M. & Silva, R. L. (1999). Lazer, turismo, ecologia: Contribuicoes para uma nova atitude. Em Universidade Estadual do Oeste do Parana (Org.), Anais do Encontro Nacional de Recreacao e Lazer (p. 418-422). Foz do Iguacu, PR: Unioeste.

Schwartz, G. M. (2003). O conteudo virtual do lazer: contemporizando Dumazedier. Licere-Revista do Programa de Pos-graduacao interdisciplinar e Estudos do lazer, 6(2), 23-31.

Scientific Eletronic Library Online (Scielo) (2017). Recuperado de http://www.scielo.br/

Sena, M., Gonzalez, J., Avila, M. (2007). Turismo da terceira idade: analises e perspectivas. Caderno Virtual de Turismo, 7(1), 78-87. Recuperado de http://www.mobilizadores.org.br/wpcontent/uploads/2014/05/texto- 5363c74306718.pdf.

Sousa, D. P., Gabriel, B. J., Antunes, A. C., Oliveira Junior, C. R., & Freitas Junior, M. A. (2016). As producoes do periodico Pensar a Pratica que relacionaram os seus objetos as politicas publicas de esporte e lazer (1998-2015). Pensar a Pratica, 19(3), 612-626. Doi: 10.5216/rpp.v19i3.41141

Taschner, G. B. (2000). Lazer, Cultura e Consumo. Revista de Administracao de Empresas, 40(4), 38-47. Doi: 10.1590/S0034-75902000000400004

Teixeira, C. R. (2006). O 'Estado da Arte': a concepcao de avaliacao educacional veiculada na producao academica do Programa de Pos-Graduacao em Educacao: Curriculo (1975-2000). Cadernos de PosGraduacao --Educacao, 5(1), 59-66. Recuperado de http://periodicos.uninove.br/index.php?journal =cadernosdepos&page=article&op=view&path%5B%5D=1845&path%5B%5D=1444

Unger, L. S., & Kernan, J. B. (1983). On the Meaning of Leisure: an investigation of some determinants of the subjective experience. Journal of Consumer Research, 9(4), 381-392. Recuperado de https://www.jstor. org/stable/2488788

Werneck, C. (2000) Lazer, trabalho e educacao: relacoes historicas, questoes contemporaneas. Belo Horizonte, MG: UFMG.

(1) De acordo com Miranda, Mendes e Silva (2016), as estimativas populacionais realizadas com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica apontam que em 2040 a populacao idosa representara 23,8% do total nacional, apresentado uma razao de 153 idosos para cada 100 jovens. No ultimo censo realizado, em 2010, as pessoas de 60 anos ou mais constituiam 10,8% da populacao do pais.

(2) Durante a realizacao desta pesquisa estavam tramitando em ambito nacional a Proposta de Emenda a Constituicao (PEC 287, 2016) e o Projeto de Lei 4.302 (1998).

(3) A compreensao do estado de conhecimento sobre um determinado tema, no tempo e no espaco, e fundamental no processo de evolucao da ciencia, pois, ao ordenar o conjunto de informacoes e resultados ja obtidos, possibilita a indicacao das diferentes perspectivas adotadas, alem de possiveis contradicoes e lacunas (Ferreira, 2002).

(4) A expressiva diferenca entre os resultados tem relacao com os mecanismos de busca de uma e outra base de dados. No Portal de Periodicos CAPES/MEC aparecem tambem nos resultados aqueles trabalhos que tenham citado ao longo do texto, pelo menos uma vez, cada uma das palavras-chave pesquisadas.

(5) E importante destacar que o mesmo artigo pode estar nas tres categorias, caso tenha como palavras-chave os referidos termos indexados.

(6) Segundo Gil (2008, p. 187), em um resumo deve constar "[...] uma apresentacao concisa do conteudo do trabalho, envolvendo: objetivo, metodos, principais resultados e conclusoes".

(7) Termo adotado por Teixeira (2006) quando de uma sistematizacao geral dos dados para posterior analise.

(8) Segundo os autores, a epoca da redacao de A Busca da excitacao eram frequentes "[...] explicacoes dos fatos de lazer como formas de 'recuperacao do trabalho' e 'descontracao da fadiga da vida diaria'" (Elias & Dunning, 1985, p. 127, grifo do autor).

(9) De acordo com Mundo Vestibular (2017), site especializado neste tipo de concurso, mais de 40% dos estudantes do ensino superior encontram-se na regiao Sudeste.

(10) Regiao Sul: 12,5% e regiao Norte: 12,5%. Centro-Oeste e Nordeste ainda nao possuem pesquisadores do lazer de idosos nas Ciencias Humanas e Sociais que tiveram seus artigos disponibilizados nas bases de dados consultadas.

(11) A despeito das cinco vantagens do questionario como instrumento de pesquisa apresentados por Gil (2008)--atingir grande numero de pessoas; menores gastos com pessoal; garantia de anonimato dos participantes, que o respondem quando julgarem mais conveniente; nao expor os colaboradores a influencia do pesquisador -, existem seis desvantagens, a saber: nao inclui no universo pesquisado a opiniao dos nao alfabetizados; impossibilita auxilio ao respondente quando este nao entende adequadamente as orientacoes e perguntas; dificulta o conhecimento sobre as circunstancias em que foi respondido--o que pode interferir na analise das respostas; nem sempre os questionarios sao devolvidos ou respondidos corretamente, implicando em alteracoes na amostra pesquisada; exige um numero limitado de questoes, a fim de que os colaboradores o respondam adequadamente na integra; e "[...] proporciona resultados bastante criticos em relacao a objetividade, pois os itens podem ter significado diferente para casa sujeito pesquisado" (Gil, 2008, p. 122).

(12) Afirmacao realizada com base na formacao academica dos autores citados.

(13) Entre estes, dois artigos (A5 e A8) trabalharam com o fenomeno do envelhecimento nao conceituando a populacao idosa que passa por este processo. Portanto, nao foram considerados para a analise dos referenciais adotados.

Ana Flavia Braun Vieira * e Miguel Archanjo de Freitas Junior

Programa Stricto Sensu em Ciencias Sociais Aplicadas. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Avenida Carlos Cavalcanti, 4748, 84030-900, Ponta Grossa, Parana, Brasil. * Autor para correspondencia: ana.braun@yahoo.com.br

Leyenda: Figura 1. Artigos academicos sobre lazer de idosos no Brasil--Previsao Linear. Fonte: Os autores.
Tabela 1. Resultado preliminar--artigos revisados por pares (4).

Base de Dados   Lazer Idosos   Lazer Terceira Idade   Lazer Velhos

Scielo              110                 13                 11
CAPES/MEC           353                242                176

Fonte: Os autores.

Tabela 2. Trabalhos academicos das Ciencias Humanas e Sociais
tendo como termos indexados lazer idosos', 'lazer terceira idade'
e 'lazer velhos' (5).

Base de Dados   Lazer Idosos   Lazer Terceira Idade   Lazer Velhos

Scielo               06                 02                 01
CAPES/MEC            67                149                 88

Fonte: Os autores.

Tabela 3. Artigos revisados por pares disponiveis para consulta no
Scielo e Portal de Periodico Capes que relacionaram seus objetos de
estudo ao lazer de idosos (1994 a 2015).

Referencia                                  Artigo

Gaspari e Schwartz (2005)                     A1
Bacha e Vianna (2008)                         A2
Sant'Anna Zotes, Barone e Marabet (2009)      A3
Gastal, Possamai e Negrine (2010)             A4
Kanashiro e Yassuda (2011)                    A5
Lopes (2012)                                  A6
Pinto e Pereira (2015)                        A7
Oliveira et al. (2015)                        A8

Fonte: Os autores.

Tabela 4. Vinculacao regional e institucional dos pesquisadores.

Artigo   Regiao    Estado

A1       Sudeste   Sao Paulo

A2       Sudeste   Sao Paulo

A3       Sudeste   Rio de Janeiro

A4       Sul       Rio Grande do Sul

A5       Sudeste   Sao Paulo

A6       Norte     Acre

A7       Sudeste   Minas Gerais

A8       Sudeste   Sao Paulo

Artigo   Universidade(s) Envolvida(s)

A1       Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

A2       Universidade Presbiteriana Mackenzie; Universidade
         Ibirapuera

A3       Universidade do Grande Rio; Universidade Federal
         Fluminense; Escola Brasileira de Administracao Publica
         e de Empresas/FGV

A4       Universidade de Caxias do Sul

A5       Universidade de Sao Paulo

A6       Universidade Federal do Acre

A7       Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais; Fundacao
         Joao Pinheiro

A8       Universidade Estadual de Campinas; Universidade de Sao Paulo

Fonte: Os autores.

Tabela 4. As revistas academicas, bem como subarea tematica/
disciplina, que publicaram sobre lazer de idosos.

Artigo   Revista                Area Tematica/Disciplina

A1       Psicologia: Teoria e   Psicologia
         Pesquisa

A2       Revista Turismo em     Turismo e areas afins
         Analise

A3       Revista de             Administracao e Desenvolvimento;
         Administracao          Administracao Publica; Ciencias
         Publica                Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas;
                                Estudos Organizacionais; Gestao
                                Social; Movimentos Sociais; Politica
                                Publica.

A4       Revista Turismo em     Turismo e areas afins
         Analise

A5       Psicologia: Reflexao   Psicologia
         & Critica

A6       Acta Scientiarum       Administracao; Antropologia; Ciencia
         Human and Social       Politica; Ciencias Sociais; Economia;
         Sciences               Educacao; Filosofia e Educacao;
                                Filosofia Politica; Geografia;
                                Historia; Historia e Filosofia;
                                Historia Economica; Historia da
                                Educacao; Filosofia; Linguistica;
                                Literatura e Linguistica; Psicologia;
                                Filosofia da Ciencia.

A7       Podium Sport,          Gestao do Esporte, do Lazer e do
         Leisure and Tourism    Turismo
         Review

A8       Psico-USF              Psicologia

Fonte: Os autores.

Tabela 5. Objetivos gerais dos artigos que trabalharam o
lazer de idosos.

Artigo   Objetivo

A1       Identificar aspectos emocionais na percepcao de idosos,
         durante vivencias no lazer

A2       Entender as atitudes em relacao ao turismo por individuos da
         terceira idade, residentes em Sao Paulo, atraves da
         identificacao de suas caracteristicas do consumo de turismo
         como lazer

A3       Investigar os principais aspectos mercadologicos para o
         estabelecimento de um negocio voltado para o lazer de idosos

A4       Descrever os resultados de pesquisa com idosos, partir de
         relatos de experiencias de viagens e lazer na juventude

A5       Adaptar e analisar a aplicabilidade do questionario Perfil
         de Atividades de Adelaide (PAA) no Brasil e caracterizar a
         frequencia e perfil de atividades de idosos pertencentes a
         cultura japonesa que praticam lazer

A6       Abordar a importancia das atividades pedagogicas, de
         leitura, fisicas, recreativas e de lazer para a qualidade de
         vida na terceira idade, apontando as transformacoes que
         ocorrem com o processo de envelhecimento e algumas
         possibilidades de se buscar o equilibrio entre as
         potencialidades e as limitacoes do idoso, por meio de uma
         vida sempre ativa

A7       Investigar como as experiencias de consumo nas atividades de
         lazer por individuos da terceira idade interagem com o
         sistema cultural e simbolico envolvido no fluxo da vida
         social cotidiana.

A8       Investigar a associacao entre Atividades Avancadas de Vida
         Diaria (AAVD) [lazer] e o desempenho cognitivo entre idosos
         participantes do estudo FIBRA em Ermelino Matarazzo, Sao
         Paulo

Fonte: Os autores.

Tabela 6. Conceito de lazer.

Artigos   Conceito de Lazer

A1        Marcellino (1990, 2000), Dumazedier (1980), Camargo (1998),
          Schwartz (1999, 2003)

A5        Paixao e Reichenheim (2005), Reuben et al. (1990)

A7        Brenner, Dayrell e Carrano (2008), Dumazedier (1973),
          Marcellino (1987, 2000, 2007, 2008), Melo (2010), Taschner
          (2000), Unger e Kernan (1983), Werneck (2000)

A8        Reuben et al. (1990)

Fonte: Os autores.

Tabela 7. Conceito de Terceira Idade, Idoso e Velho.

Artigos   Conceitos de Terceira Idade Idoso e Velho

A1        Giubilei (1993)

A3        Sena et al. (2007), McPherson (2000)

A7        Erbolato (2006), Guimaraes (2006), Lopes (2007);
          Motta (2006)

Fonte: Os autores.
COPYRIGHT 2019 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:CIENCIAS SOCIAIS
Author:Flavia Braun Vieira, Ana; Archanjo de Freitas, Miguel, Jr.
Publication:Acta Scientiarum. Human and Social Sciences (UEM)
Date:Jan 1, 2019
Words:7375
Previous Article:Frieza burguesa: apontamentos para uma teoria da formacao da subjetividade moderna.
Next Article:Mulheres, estudo, trabalho e relacoes sociais de sexo.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters