Printer Friendly

A study on the creative process and performance of the artist Kika Carvalho at the urban site of Vitoria, Brazil/Um estudo sobre o processo criativo e atuacao da artista Kika Carvalho no espaco urbano da cidade de Vitoria/ES.

Introducao

No passado, os centros urbanos e as ruas das cidades eram por excelencia os lugares de encontros, da diversidade de classes, das trocas de ideias, da moradia, trabalho e vivencia. Hoje, a constituicao dos espacos fora invertida, outras centralidades surgiram, a cidade a ceu aberto nao e mais um lugar tao praticado e habitado, tem sobretudo de uma vida diurna mais pulgente, esvaziando-se no periodo noturno, perdendo o dialogo com o espaco estabelecido no passado recente (Sitte, 1992).

A pesquisa consiste no estudo de estrategias de ocupacao estetica do centro de Vitoria, a partir da producao da artista e estudante de Artes Plasticas da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES) Kika Carvalho. Kika e uma das artistas mais atuantes no cenario urbano de Vitoria, dessa forma a investigacao do seu processo de producao e dos locais de atuacao se fazem necessarios para o entendimento a respeito da atuacao do grafite na cidade de Vitoria.

Toda a pesquisa esta baseada nos preceitos da Critica Genetica, uma linha de estudos voltada para o processo de criacao, entendendo esse processo como peca fundamental para a compreensao do produto final da artista. Foram utilizadas tambem como metodo de pesquisa o trabalho em campo e entrevistas com a grafiteira Kika Carvalho, alem de pesquisas bibliograficas sobre o grafite.

1. O grafite e sua relacao com a cidade

Atualmente o grafite faz parte da realidade das grandes cidades do Brasil e em outros paises do globo, se torna cada vez mais raro a existencia de ruas e bairros onde nao ha presenca de desenhos grafitados ou pichacoes. e uma forma de apropriacao do espaco urbano, e de criar com essa apropriacao um dialogo com seus habitantes atraves de imagens que nem sempre sao compreendidas pelo publico geral [...] "figuras presentes no inconsciente coletivo das pessoas, para que elas as reconhecam, apropriando-se delas com suas interpretacoes, fazendo-as refletir a respeito da espontaneidade e a poesia disponivel a todos." (Gitahy, 2006).

Apesar do intenso numero de imagens que atualmente povoam as cidades contemporaneas, e comum que as imagens grafitadas causem ressonancia, gerem comentarios de forma individual, coletiva e em maiores instancias entre o governo e midia. Essa ressonancia ressignifica o trabalho e gera um processo de negociacao entre a obra e o publico. Segundo Freitas como cada transeunte lera a cada imagem fixada nas paredes depende de um contexto, de um momento historico, de um grupo social, de suas proprias experiencias individuais, mas tambem do sentido ideologico vigente e ainda da vivencia do agora daquele sujeito que contempla e interage com a obra (Freitas apud Bakhtin, 2000).

A institucionalizacao do grafite vem ocorrendo de forma frequente, ele esta presente em campanhas publicitarias, projetos do governo Federal, estadual e Municipal e ocupa cada vez mais espacos institucionais de arte como museus e galerias publicas ou privadas e tambem gera cada vez mais discursoes no meio academico, mas apesar de sua crescente institucionalizacao ele continua ativo no cenario urbano como uma arte democratica, descomprometida com questoes artisticas, sua natureza e efemera abordando temas polemicos como politica, sociedade e economia e tambem temas descomprometidos como amor e humor, sem comprometimento com a ideia de consumo, rivalizando com a publicidade o mesmo espaco na cidade.

2. O grafite na cidade de Vitoria/ES

Pelas ruas da cidade de Vitoria e inegavel a presenca cada vez mais significativa do grafite, seja em forma de desenhos elaborados, desenhos simples ou bombs (grafite rapido e ilegal geralmente feito a noite), e possivel acompanhar e evolucao estetica dos grafiteiros acompanhando o desenvolvimento de seus registros pela cidade e testemunhar o nascimento de novos grafiteiros que passam a integrar as crews (grupo de grafiteiros) ja existentes, fundam novas crews ou atua individualmente.

Entre os espacos grafitados na cidade e comum a presenca de varios trabalhos em espacos de passagem, como as principais vias rodoviarias da cidade, a avenida Nossa Senhora da Penha e a avenida Marechal Campos e Avenida Vitoria, os bairros mais grafitados da cidade e o bairro de classe media Jardim da Penha e tambem o bairro Centro, em Jardim da Penha ha uma cultura do grafite presente no bairro a muitos anos, inclusive ha na regiao grupos de grafiteiros que disputam entre si os muros do bairro.

Varias crews atuam na cidade, entre elas o Mutantes crew, Os Irreverentes, Levi Casado crew, Coletivo DasMina, LDM-1998 (ano em que foi criado), Os Urbanistas, GDT crew e um dos grupos mais antigos e respeitados do estado o BCL (Batalhando Contra a Lei) crew. O integrante de uma crew ou grupo podem atuar apenas nela como pode fazer parte de mais de um coletivo. E comum o combate por territorios entre as crews e tambem disputa por reconhecimento entre os proprios grafiteiros, geralmente os mais respeitados sao aquele que desenvolvem trabalhos mais "vandal" ou seja trabalhos ilegais, sao os grafiteiros que atuam frequentemente na marginalidade.

Como acontece em outros estados do Brasil, aqui o grafite vem sendo apropriado pelo estado, prefeitura, empresas privadas e museus e galerias, mas apesar de muitos grafiteiros realizarem trabalhos encomendados por esses orgaos eles ainda assim atuam ilegalmente nas ruas, segundo a artista Kika Carvalho oque diferencia um trabalho do outro e a essencia: "[...] o trabalho autorizado eu chamo de mural, faco uma pintura de mural e nao um graffiti, os dois sao semelhantes na estetica mas a essencia e outra, o graffiti e marginal, o que e autorizado nao e mais graffiti [...]" (Carvalho, 2014)

No bairro Centro o grafite e presente em quase todas as ruas e avenidas, o principal motivo da macica presenca de grafites no bairro e o numero elevado de imoveis abandonados, o que facilita a acao dos grafiteiros pois nao ha fiscalizacao em imoveis nessas condicoes e tambem o intenso fluxo de pessoas e veiculos no Centro, o que promove a visualizacao do trabalho por um numero maior de pessoas. Existe tambem um desejo de gerar uma mudanca na paisagem do bairro, apesar do intenso trafego de pessoas e do sitio historico presente na regiao (no Centro estao localizadas as edificacoes mais antigas da cidade) o bairro sofre com o descaso do poder publico, edificios tombados estao em situacao de abandono, o bairro sofre com a sujeira e com a acao de criminosos, assaltos a mao armada sao comuns na regiao.

3. O Processo criativo da grafiteira Kika Carvalho

Carvalho e estudante de Artes Visuais na UFES e passou a desenvolver grafites apos um curso sobre a tecnica do grafite ministrado no Centro de Referencia da Juventude--CRJ em Vitoria no ano de 2009, desde de entao Kika vem grafitando na cidade de Vitoria e cidades vizinhas sempre que tem a oportunidade, ja fez parte do coletivo Levi Casado Crew e atualmente atua no coletivo Toryba junto com Natanael Souza e Cesar Pimentel e tambem no coletivo DasMina, mas a parte da ligacao com os coletivos, a artista costuma trabalhar de forma independente pela cidade, segundo Kika "[...]Pinto em grupo tambem por questao de seguranca, mas tambem pinto sozinha por necessidade de suprir a vontade de pintar mesmo que nao tenha ninguem pra acompanhar [...]" (Carvalho, 2014)

Ao ser abordada sobre a questao da pichacao e a diferenciacao que ocorre no Brasil entre picho e grafite, Kika nao considera que ha uma diferenca entre eles, pelo menos nao uma diferencia em essencia e intencao do ato, para ela "[...]Eu reconheco que o pixo (com X) e um movimento especifico de uma regiao, assim como o xarpi ... mas de modo geral vejo tudo como graffiti. Nao faco essa separacao [...]" (Carvalho, 2014)

Nos trabalhos de Kika e comum a presenca da imagem feminina (Figura 1 e Figura 2), consiste uma um busto de uma jovem garota desenhada em um estilo que lembra os mangas (historias em quadrinhos japonesas). Alem do busto feminino, Kika realiza diversos bombs e tags (assinatura do nome ou apelido do grafiteiro) por toda a cidade, geralmente quando o trabalho e marginal e nao ha tempo habil para realizar uma imagem mais elaborada (por ser marginal o trabalho precisa ser rapido a fim de evitar a abordagem policial). Kika e diversos grafiteiros fazem escritas nas paredes com suas respectivas bombs ou tags (Figura 3), por serem de execucao rapida.

Alem da producao marginal Kika produz murais encomendados pelo estado e pela iniciativa privada e tambem trabalha em espacos com previa autorizacao (figura 4), um exemplo de encomenda foi o mural decorativo de uma loja de comercializacao de tintas em Vitoria/ES, na ocasiao diversos grafiteiros foram contratados para desenvolver um mural de cores intensas afim de promover o material comercializado pela loja.

O espaco onde se insere o trabalho de Carvalho exerce influencias sobre a artista, segundo ela nao e sempre possivel voce grafitar uma tag ou um bomb e nem mesmo as imagens as quais voce esta acostumada, e preciso ter um pouco de sensibilidade. Um exemplo disso foi em uma vila de pescadores na regiao da grande Vitoria onde a artista havia se programado para grafitar uma imagem profana, na ocasiao ela foi sensibilizada pela religiosidade da comunidade e resolveu grafitar uma imagem semelhante as imagens sagradas da religiao catolica.

Em espacos de passagem como ruas e avenidas movimentadas da cidade de Vitoria, e comum avistar algum trabalho da artista, segundo ela os espacos de maior movimentacao de pessoas e veiculos promove uma maior visibilidade aos trabalhos cumprindo assim com um dos objetivos da grafiteira que e fazer o seu trabalho ser visto.

Diferentemente da maioria dos grafiteiros atuantes na cidade de Vitoria, Kika conserva um maior cuidado com seus documentos de processo (Figura 5 e Figura 6), com os rascunhos e desenhos que podem vir a ser referencias para futuros grafites ou para futuras telas, Carvalho conserva-os em cadernos e pastas onde sao consultados quando e pertinente. Observando esses documentos e notoria a diferenciacao do traco da artista com o passar dos anos apesar da figura do busto feminino ter se mantido. Esse cuidado com os documentos de processo so foi observado, entre os grafiteiros universitarios ou ja formados, e possivel que a vivencia universitaria tenha contribuido para essa conservacao dos documentos de processo.

No ano de 2013, Carvalho teve sua primeira exposicao individual que aconteceu no MUCAME- Museu Capixaba do Negro localizado no bairro centro, na ocasiao Kika expos diversas telas com a estetica do grafite onde questionava o papel da mulher na sociedade contemporanea. Paralelamente ao trabalho institucional e ao grafite marginal a artista desenvolve intervencoes urbanas com stick (adesivos) em formato de caixao onde protesta sobre a violencia contra a mulher, chamando a atencao para esse crime comum no estado do Espirito Santo considerado pelo Instituto Sangari o estado brasileiro onde mais mulheres sao mortas vitimas de violencia domestica.

[FIGURE 1 OMITTED]

[FIGURE 2 OMITTED]

[FIGURE 3 OMITTED]

[FIGURE 4 OMITTED]

[FIGURE 5 OMITTED]

[FIGURE 6 OMITTED]

Atualmente Kika Carvalho foi convidada a desenvolver trabalhos no Chile, Peru e em Sao Paulo, o convite partiu de grafiteiros estrangeiros que se interessaram pelo trabalho da artista, esse intercambio entre grafiteiros ocorre de forma independente, nao ha interferencia do estado ou da iniciativa privada, diferente de alguns movimentos artisticos que sem mantem dependente de financiamento, o grafite se mantem de forma marginal, com recursos proprios de cada representante.

No estado do Espirito Santo principalmente na cidade de Vitoria, Kika Carvalho e uma das poucas mulheres que realizam grafite e desenvolve um trabalho consistente que gradualmente esta ganhando respeito de grafiteiros e crews nacionais e internacionais.

Conclusao

A partir do breve estudo realizado podemos concluir que o grafite no Brasil ja e uma atividade disseminada entre a populacao, o estado e os meios de comunicacao, gradualmente os grafiteiros vem conquistando o respeito e reconhecimento da sociedade brasileira.

No Espirito Santo, o grafite esta em ascensao, ha um numero elevado de coletivos que se dedicam a pintar a cidade e que recebem o reconhecimento de outras crews espalhadas pelo Brasil e outros paises, ja houve intercambios entre grupos do estado com coletivos de paises como Venezuela, Peru, Chile e Italia, e uma atividade em forte desenvolvimento que vem conquistando o respeito admiracao da sociedade, o proprio poder publico estatal promove cursos e oficinas sobre a tecnica do grafite.

Entre os representantes do grafite na cidade de Vitoria, Kika e uma das artistas de maior popularidade e reconhecimento, ela e a unica grafiteira local em atividade constante. Seu grande numero de imagens, tags e bombs grafitados pela cidade sao os responsaveis pela sua popularidade e seu reconhecimento como uma das principais representantes do grafite no estado.

Com a intensa producao de grafites da cidade de Vitoria e em cidades vizinhas, e possivel que o Espirito Santo torne-se um futuro polo do grafite brasileiro.

Referencias

BH, Grafite em movimento. (2009) O vocabulario do Graffiti. Disponivel em < URL: http:// gembh.wordpress.com/2009/05/21/205/> acessado em 20 de jan. 2014.

Carvalho, Kika (2014). O Grafite no estado do Espirito Santo. 2014. Entrevista concedida a Mariana de Araujo Reis Lima, Vitoria, 10 jan. 2014.

Freitas, Maria T.A. (2000) "Vigotsky e Bakhtin Piscologia e Educacao: Um Intertexto." In: Bakhtin. Sao Paulo: Editora Atioca, 2000.

Gitahy, Celso. (sd) Graffiti: da transgressao ao circuito oficial de arte. Disponivel em <URL: http://www.itaucultural.org.br/biblioteca/ download/celso_gitahy.pdf>acessado em 19 de jan. 2014.

Sitte, C. A (1992) construcao das cidades segundo seus principios artisticos. Sao Paulo: Editora Atica.

Artigo completo submetido a 26 de janeiro e aprovado a 31 de janeiro de 2014.

MARIANA DE ARAUJO REIS LIMA, Brasil, artista plastica, pesquisadora, professora. Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Espirito Santo (UFES) e Mestranda em Artes pelo Programa de Pos-graduacao em Artes da Universidade Federal do Espirito Santo (PPGA/UFES)

AFILIACAO: Universidade Federal do Espirito Santo, Centro de Artes, Programa de Pos-graduacao em Artes. Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras|Vitoria--ES--CEP 29075-910. E-mail: mar_reis@yahoo.com.br
COPYRIGHT 2014 Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:De Araujo Reis Lima, Mariana
Publication:CROMA
Date:Jul 1, 2014
Words:2302
Previous Article:Links between art, place and community in "Temporal" of Stephan Doitschinoff/Vinculos entre arte, lugar e comunidade no projeto Temporal de Stephan...
Next Article:Nature on fire: reflections on art and ecology in the work of Frans Krajcberg/Natureza em chamas: reflexoes sobre arte e ecologia na obra de Frans...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters