Printer Friendly

A mirror, a reflection! Education for sustainability as subsidy for a conscious decision making of the business management/Um espelho, um reflexo! A educacao para a sustentabilidade como subsidio para uma tomada de decisao consciente do administrador/Un espejo, un reflejo! Educacion para la sostenibilidad como subsidio para la toma de una decision consciente del administrador de negocio.

1 INTRODUCAO

Em um universo de possibilidades, pode-se dizer que mudar comportamentos, e a forma de ver o mundo e as pessoas, com base na conscientizacao, despontam como fatores essenciais para modificar os atuais padroes de producao e consumo. Afinal, sem a busca por novos direcionamentos corre-se o risco de acelerar o que deveria ser freado, sob pena de a sociedade nao contar com recursos que estao chegando ao limite (FOLADORI, 2005). Isso se justifica por causa das consequencias do modelo de desenvolvimento essencialmente economico e tecnologico vivenciado ate o momento. Assim, mudar os padroes dominantes de producao e consumo requer um processo de decisao mais responsavel.

No entanto, para que uma nova visao possa emergir na sociedade, como forma alternativa ao que vem sendo ate entao considerado, e necessario que haja um processo de mudanca na responsabilidade tanto de produtores quanto de consumidores, tendo em vista que a pratica do consumo provoca impactos na sociedade, na economia e no ambiente. Isso sugere que ser responsavel em uma sociedade etica e se preocupar com o coletivo e focar em beneficios mais globais de seus impactos (SILVA; MENK, 2012). E nesse cenario que se multiplicam movimentos em busca do equilibrio entre o crescimento economico, a protecao ambiental e a justica social, afinal, uma sociedade capitalista nao cogita estagnar-se.

Para Scotto, Carvalho e Guimaraes (2009), o caminho mais seguro para sociedades plenamente sustentaveis nao esta exclusivamente em uma gestao mais racional do meio ambiente. A sustentabilidade, antes de tudo, envolve indagacao sobre modos de existencia, formas de vida e relacoes sociais. Segundo Robinson (2004), a sustentabilidade e uma questao de comportamento humano e negociacao acerca do futuro, em condicoes de contingencias profundas e incertas. Assim, surge a busca por indagacoes e respostas mais adequadas, pela conscientizacao e mudanca de comportamento, pela compreensao e disseminacao de novas praticas, pelo incentivo ao respeito a vida, dentre tantas outras necessidades. Nesse cenario, a educacao atua como elemento fundamental.

Sob o ponto de vista de mudancas nos comportamentos, segundo Silva e Gomez (2010), principalmente aqueles voltados ao consumo, a educacao surge como um agente de transformacao no estimulo ao direcionamento de um individuo ao papel de consumidor-cidadao, que pode assumir uma visao de maior consciencia ao incorporar novas responsabilidades. Essa consciencia pode ser verificada em niveis (SILVA; MENK, 2012) e relacionar-se diretamente com o processo de tomada de decisao individual. Tomar decisao significa realizar escolhas. Para Santos e Montimer (2001, p. 103), "uma decisao responsavel e caracterizada por uma explicita consciencia dos valores que a orientou". Portanto, se esta estiver relacionada com a sustentabilidade, uma perspectiva etica e coletiva e facilitada.

Levando em consideracao os niveis de consciencia tanto no comportamento como na tomada de decisao, bem como a possibilidade de melhor posicionamento na sociedade, entende-se que as mudancas cotidianas tambem podem ser verificadas no ambiente empresarial, com os individuos conscientes de sua responsabilidade como tomadores de decisao. Para Stubbs e Cocklin (2008), muitas empresas estao inserindo elementos de sustentabilidade em suas praticas de negocios. A tendencia e que este cenario se intensifique por varios motivos: exigencia legal, influencia da midia, pressao do consumidor, dentre outros. Em sintonia com essa realidade, considera-se que assuntos relacionados a sustentabilidade necessitam ser incluidos no curriculo dos cursos da area de negocios como um estimulo a formacao de gestores mais conscientes.

Nesse sentido, torna-se imprescindivel que os novos gestores compreendam e incorporem maior responsabilidade em seus comportamentos em relacao a sociedade, como consumidores e profissionais. Apesar dessa nocao, atualmente o processo educacional desses tomadores de decisao parece nao considerar os aspectos da sustentabilidade. Com isso, Amorim e Custodio (2010) mencionam que a ausencia de disciplinas, de professores, e ainda de uma visao socioambiental nas Instituicoes de Ensino Superior (IES) que oferecem os cursos de administracao, faz que os discentes tenham menos possibilidades de articular uma visao ampla sobre a participacao e intervencao direta das empresas privadas frente as questoes socioambientais.

Alem disso, verifica-se o elevado numero de estudantes de graduacao na area de administracao, bem como a multiplicacao dos cursos no ultimo decenio, que atualmente representam 11.800 cursos espalhados pelo pais, levando em conta apenas administracao geral (INEP, 2011). Segundo dados do Censo da Educacao Superior de 2009, esses cursos sao os que concentram o maior numero de alunos, totalizando 1.102.579, sendo 874.076 matriculados no ensino presencial e 228.503 matriculados no ensino a distancia (INEP, 2010). Estes numeros alertam nao somente para a formacao profissional nas IES, mas tambem para a formacao de um cidadao etico e responsavel. Assim, eleva-se a importancia de inserir os pressupostos da sustentabilidade na formacao em administracao.

Parte-se do pressuposto que a EpS nos cursos de administracao atua como subsidio relevante para uma tomada de decisao consciente por parte do individuo, no papel de futuro gestor. Dessa forma, o presente estudo tem por objetivo compreender como a EpS pode contribuir para um processo de tomada de decisao consciente dos alunos do curso de administracao. Para tanto, na fase inicial, identificou-se o perfil de consumo de alunos na cidade de Recife-PE, cujo resultado quantitativo pode demonstrar comportamentos positivos ou negativos com relacao a pratica do consumo consciente, de acordo com os parametros definidos nesta pesquisa.

A partir desse perfil de consumo, buscou-se demonstrar como a educacao pode atuar como um agente de transformacao (em caso negativo) ou de intensificacao (em caso positivo) sobre as decisoes de escolha individuais. Dessa forma, a EpS como espelho, ao estimular um reflexo de comportamento etico, tem um papel fundamental na intensificacao de um lento processo de conscientizacao, acelerando, entao, a passagem de um pensamento individual para uma preocupacao coletiva, resultante deste reflexo. Assim, um comportamento mais etico nas escolhas de consumo pode refletir-se nas decisoes dos gestores de uma empresa. Para melhor compreensao do artigo, o mesmo possui quatro partes alem desta introdutoria, visando demonstrar as contribuicoes da pesquisa e estimular mais reflexoes.

2 DISCUSSAO TEORICA

Esta secao apresenta as discussoes teoricas pertinentes a este estudo e fornecem o embasamento necessario as analises posteriores.

2.1 A SUSTENTABILIDADE E A EDUCACAO

O aumento dos problemas socioambientais nas ultimas decadas, em conjunto com a constatacao de irreversibilidade de inumeros danos ambientais, tem causado discussoes sobre a busca por mudancas. Para Boff (2012), e generalizada a percepcao de que o planeta encontra-se em um estado que nao pode continuar, devido ao acelerado processo de degradacao e escassez de recursos. Assim, a sustentabilidade e reconhecida como uma questao-chave para a sociedade do seculo XXI (KOMIYAMA; TAKEUCHI, 2006), pois procura unir a equidade social, o desenvolvimento economico e a conservacao do meio ambiente no chamado Triple Bottom Line (ELKINGTON, 2001).

A definicao mais utilizada para Desenvolvimento Sustentavel (DS) e a do Relatorio Brundtland, de 1987, documento criado pela Comissao Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento que relaciona desenvolvimento social e economico a preservacao do meio ambiente, de modo que a disponibilidade dos recursos esteja garantida as futuras geracoes (WCED, 1987). Desde entao, o termo comecou a ganhar popularidade e a ser alvo de discussoes e criticas, abrigando contradicoes e interesses. No entanto, segundo Fergus e Rowney (2005) surgem alguns questionamentos: o DS e uma epistemologia inclusiva fundada na etica e no valor real? Esta, incorporada as culturas, traz vantagens para as organizacoes ou se tornou um slogan usado na linguagem dos negocios, sem qualquer significado real?

Essa discussao tambem e apresentada por Lele (1991), que indica, sob uma perspectiva critica, as contradicoes inerentes a tematica, bem como os debates ja realizados. A nocao de sustentabilidade se difundiu como 'Desenvolvimento Sustentavel', e a separacao dos conceitos de sustentabilidade e desenvolvimento deu origem a diversas outras expressoes, como sociedade sustentavel, empresa sustentavel, gestao sustentavel, entre outras, fomentando "a nocao de que nao somente o desenvolvimento deve ser sustentavel, mas todas as acoes humanas" (SILVA; REIS; AMANCIO, 2011, p. 151). Dessa forma, neste trabalho sera adotado o termo 'sustentabilidade' por representar uma esfera mais ampla em relacao ao desenvolvimento propriamente dito.

Todavia, no auge da busca pelo progresso economico a todo custo, alguns autores (ELKINTON, 2001; JACOBI, 2008; LELE, 1991) indicam que a sustentabilidade apresenta uma grande contradicao, pois ela e o capitalismo sao incompativeis. "Essa e uma contradicao de base que pode inviabilizar a ideia de um desenvolvimento sustentavel. Tenta-se conciliar dois termos inconciliaveis" (JACOBI, 2008, p. 52). Para superar tal contradicao e fundamental que o ser humano reconheca a importancia do seu papel como cidadao mais consciente e agente de mudancas. Nesse processo de formular uma nova mentalidade, a educacao possui um papel fundamental, especificamente a educacao para o consumo como um elemento-chave na conscientizacao da populacao (GOMES, 2006).

Para Gadotti (2010), o conceito de sustentabilidade possui um excelente componente educacional, pois a preservacao do ambiente depende de consciencia ecologica, e esta depende da educacao. Considerando que "a educacao e uma forma de intervencao no mundo" (FREIRE, 2009, p. 98) e que a sustentabilidade esta emergindo como uma das metas mais importantes a serem alcancadas globalmente, a educacao representa o melhor caminho para obter uma mudanca na sociedade--apesar de se tratar de uma transformacao a longo prazo. Corroborando, Pereira et al. (2007) indicam que a educacao surge como uma proposta voltada para a conscientizacao de que existe uma relacao de dependencia entre individuo e ambiente.

Com o objetivo de integrar os valores da sustentabilidade a aprendizagem, o periodo de 2004 a 2015 foi declarado pela Organizacao das Nacoes Unidas para a Educacao, a Ciencia e a Cultura (Unesco) como a Decada da Educacao para o Desenvolvimento Sustentavel, o que proporcionou maior conhecimento sobre o assunto e despertou atencao mundial para a causa. Dessa forma, a educacao deve ser vista nao so como um direito humano fundamental, mas tambem como um potencial promotor de valores e atitudes capazes de gerar praticas sustentaveis que auxiliem na conscientizacao dos estudantes em seu papel como cidadaos.

Para Gottlieb et al. (2011), a EpS tem como essencia reconhecer que as questoes ambientais, sociais e economicas estao inevitavelmente entrelacadas, sendo necessario trata-las de forma mais holistica. Assim, essa educacao vai alem da disseminacao de conhecimentos sobre meio ambiente, pois busca sensibilizar e estimular a reflexao critica sobre os estilos de vida atuais e suas consequencias, considerando a realidade social e economica em que esta inserida. Silva e Correa (2012) corroboram ao afirmarem que a sustentabilidade representa uma nova forma de pensamento e, para que isso possa ser replicado, a EpS possui um papel fundamental devido ao seu carater de sensibilizacao e estimulo a busca de solucoes para os problemas da sociedade.

Outro avanco importante consta no documento da Conferencia das Nacoes Unidas sobre Desenvolvimento Sustentavel, a Rio+20, em seu capitulo 234, no qual se recomenda que as instituicoes de ensino adotem boas praticas de gestao ambiental em seus campi e em suas comunidades, contando com ativa participacao de estudantes, professores e parceiros locais, bem como que ministrem conteudos sobre DS como um componente transversal nas disciplinas (ONU, 2012). Assim, a sustentabilidade devera ser inserida no curriculo academico de todas as suas universidades. Em consequencia, foram estabelecidas diretrizes curriculares nacionais para a educacao ambiental, em nivel basico e superior, por meio da Resolucao no. 2, de 15 de junho de 2012, do Conselho Nacional de Educacao CNE (DOU, 2012).

2.1.1 A sustentabilidade e a formacao em administracao

Na busca por mudancas efetivas rumo a uma sociedade mais sustentavel e necessario que se trabalhe no ambito da educacao em todos os niveis de ensino. Em relacao a educacao superior, a Association of University Leader for a Sustainable Future (ULSF, 1990) afirma que nesse nivel de ensino e reconhecida a necessidade de se refletir sobre o fato de a humanidade estar afetando o meio ambiente como nunca antes na historia, causando consequencias potencialmente devastadoras aos ecossistemas naturais e aos seres humanos. As universidades "precisam reconhecer que possuem um papel muito importante na busca de um futuro global mais sustentavel, incorporando esse objetivo na formacao dos futuros profissionais" (JACOBI; RAUFFLET; ARRUDA, 2011, p. 28).

Alem de aprimorar o aprendizado e o desenvolvimento intelectual, os cursos superiores devem estar sintonizados com demandas emergentes da sociedade, a fim de contribuir para uma melhor qualidade de vida (PARDINI; SANTOS, 2008). Para Marcomin e Silva (2009), a capacidade humana de deter a crescente degradacao ambiental e instaurar a sustentabilidade dependera cada vez mais da visao e da consciencia dos futuros profissionais formados no ensino superior. Na ultima decada houve um grande aumento de modulos, cursos e programas que possuem relacao com a sustentabilidade em todo o ensino superior, mais especificamente no ensino da administracao (JACOBI; RAUFFLET; ARRUDA, 2011).

Esse crescimento reflete a necessidade de incluir o conceito nos curriculos das escolas de negocios, com o intuito de criar as condicoes necessarias para educar uma nova geracao de trabalhadores qualificados, gestores e empresarios para o progresso sustentavel (PALMA; OLIVEIRA; VIACAVA, 2011). Assim sendo, devido a sua relacao com todas as areas, a transversalidade e recomendada para a inclusao da sustentabilidade na formacao de administradores. Soma-se a isto a importancia da utilizacao de metodos construtivistas de ensino-aprendizagem em detrimento ao funcionalismo predominante na area.

As escolas de Administracao representam um dos pontos de partida mais importantes para mudar a realidade, tendo em vista que nelas ocorre a difusao do conhecimento socioambiental e de valores, assim como a sensibilizacao dos individuos, futuros gestores e executivos (PINHEIRO et al., 2011). Nesse sentido, os cursos devem desempenhar um papel de formacao oferecendo aos estudantes uma visao alem do utilitarismo, alinhada com a inclusao dos pressupostos da sustentabilidade em suas decisoes gerenciais. Considerando sua importancia na sociedade, os administradores tem um papel relevante na transformacao da consciencia ambiental, pois suas acoes podem se refletir em mudanca de valores e comportamentos sociais.

O fato de que "as empresas sao as principais responsaveis pelo esgotamento dos recursos naturais, pois utilizam os insumos na producao de bens" (AMORIM; CUSTODIO, 2010, p. 15). Alem disso, por ser o administrador considerado um dos profissionais que mais causam impactos ambientais ao decidir o que produzir, quando, quanto e com quais recursos (BARBIERI; SILVA, 2010), a insercao da sustentabilidade em sua formacao possibilita que os gestores, por meio do conhecimento e da conscientizacao adquiridos durante o curso, passem a inclui-la em seus planos de gestao. Assim, para Goncalves-Dias et al. (2009, p. 3) a "formacao de administradores e um dos campos da educacao nos quais os desafios de mudanca do comportamento ambiental se apresentam de maneira mais decisiva".

De acordo com os mesmos autores, provavelmente muitos egressos de excelentes cursos de graduacao desta area ocuparao cargos estrategicos, podendo influenciar no desenvolvimento de (novos) modelos de gestao. Blau (2011) afirma que gestores que trabalham com questoes relacionadas a sustentabilidade estao sendo cada vez mais importantes na lideranca desse novo processo dentro das organizacoes. Frente a isto, o papel do administrador deve ser repensado. De acordo com Lourenco, Tonelli e Mafra (2010), este repensar envolve dois aspectos: a adocao de uma atitude critica e reflexiva e a consideracao das dimensoes humana e social nas organizacoes.

E importante que todo processo educativo em busca da formacao de uma consciencia mais sustentavel atue tanto em nivel coletivo quanto individual. Ou seja, as atitudes de cada cidadao em relacao a sua vida pessoal sao tao importantes quanto suas acoes que visam o bem-estar coletivo ao tomar decisoes no papel de gestor na empresa em que trabalha, por exemplo. Individualmente, e essencial a conscientizacao da importancia de adquirir novos habitos de consumo, conquistando assim, um estilo de vida mais sustentavel. Neste contexto, destaca-se a importancia das atitudes pessoais estarem de acordo com um comportamento profissional e etico, no qual:

O consumo consciente e responsavel e a principal manifestacao de responsabilidade social do cidadao. A responsabilidade social e uma nova consciencia do contexto social e cultural no qual se inserem as empresas e os cidadaos. Ela pode ser entendida como a contribuicao direta destes para o desenvolvimento social e a criacao de uma sociedade mais justa e igualitaria, por meio da conducao correta de seus negocios e de suas acoes pessoais (GOMES, 2006, p. 26).

Assim, a EpS com enfoque na educacao para o consumo visa constituir uma nova nocao perante o ato de consumir, ao promover a sensibilizacao e a conscientizacao a respeito do problema da degradacao do meio ambiente, alem de poder transformar comportamentos sociais para maior conformidade com os objetivos de construcao de sociedades sustentaveis (MARTIRANI et al., 2006). Dessa forma, a educacao representa a base para mudancas de atitude e, quando se trata de comportamento de consumo, "contribui para o desenvolvimento sustentavel, ao promover o consumo consciente" (GOMES, 2006, p. 29). Com isso, a EpS deve procurar informar e formar ao mesmo tempo em que sensibiliza e motiva.

2.2 A TOMADA DE DECISAO CONSCIENTE E A PRATICA INDIVIDUAL DE CONSUMO

No campo da administracao, como em outras areas, na construcao de seus objetivos, muitas empresas enfatizam o resultado esperado sem considerar os meios que levaram a decisao. Sob essa perspectiva se constroi o argumento de pesquisa, o qual indica ser necessaria, ao longo do processo de formacao, a insercao de valores que devem receber a devida atencao dos profissionais. Para Uyar e Ozer (2011), assim como um contador que tem consciencia da necessidade de uma atuacao etica e responsavel com base no seu processo de formacao, um maior comprometimento em outras areas e possivel se essa ideia for repassada para outros profissionais envolvidos com o processo de tomada de decisao.

A medida que a etica e a consciencia de impacto de sua atividade profissional tornam-se caracteristicas consideradas por um individuo na sociedade, cria-se maior visao de responsabilidade. Como indicam Santos e Montimer (2001, p. 103), "uma pessoa torna-se agente responsavel quando ela aceita o problema social como uma materia de preocupacao pessoal". Isso pode ser visualizado em varios campos de atuacao individual, os quais podem ocorrer em sua pratica pessoal (como no consumo) e profissional (dependendo de sua atuacao na empresa). Para tanto, a decisao que emerge com essa perspectiva etica, necessita de uma consciencia individual do problema (UYAR; OZER, 2011).

Com isso, entende-se que o individuo como cidadao deve ter consciencia de que esta dentro de um todo e que suas acoes influenciam diretamente a coletividade e o meio ambiente (RAMALHO, 2011). Assim, o novo comportamento que se espera de um individuo-cidadao e o de um posicionamento etico que considera sua relacao com o meio, nas diferentes areas possiveis, dentre as quais o consumo. Como discutem Dobson (2003), Seyfang (2006) e Spaargaren e Oosterveer (2010), o consumo consciente pode ser entendido como um ato de cidadania com base em uma pratica de consumo mais responsavel. Sob uma otica mais ampla, o consumo consciente pode ser considerado como:

A pratica humana que leva em consideracao seus impactos sobre o meio, nao por pressoes que possam ocorrer, mas como reflexo de um processo reflexivo e sentimento de pertencimento do ser no meio, onde suas acoes estao direcionadas para a busca por resultados coletivos (SILVA; MENK, 2012, p. 13).

De forma pratica, o consumo consciente pode ser entendido, de acordo com Fabi, Lourenco e Silva (2010, p. 8) como "o ato ou decisao de compra ou uso de servicos, de bens industriais ou naturais, praticado por um individuo levando em conta o equilibrio entre satisfacao pessoal, as possibilidades ambientais e os efeitos sociais de sua decisao". Com essa nocao, Silva e Menk (2012) classificam tres niveis de consumo consciente: o "ser consciente" como a pratica inerente ao ser humano; o "estar consciente" em diferentes praticas pontuais de consumo e resultam de pressoes externas em sua maioria; e "ter consciencia" ao considerar de fato seu papel e os impactos que suas escolhas e decisoes tem sobre o meio.

Segundo estes autores, "fazer o bem para uma pessoa ou para si mesmo e uma forma de contribuir para o bem-estar geral, [assim] adquirimos a consciencia etica, onde o inverso tambem e valido, fazer algo para o bem coletivo e fazer o bem para si mesmo" (SILVA; MENK, 2012, p. 10). Ao assumir novas praticas de consumo e estilo de vida, os consumidores estao envolvidos com o processo de mudanca social e politica em relacao as praticas que sao desenvolvidas (SPAARGAREN; OOSTERVEER, 2010). Isso ocorre, pois para uma decisao mais etica, segundo Ford e Richardson (1994), Selart e Johansen (2011) e Uyar e Ozer (2011), sao muitas as variaveis que influenciam, dentre as quais a educacao.

Com base em pesquisas que consideram trabalhos empiricos realizados, esses autores indicam que o processo de tomada de decisao, alem de um processo racional, tem de considerar variaveis de socializacao (personalidade, valores), bem como caracteristicas que contemplem a consciencia do impacto de sua decisao. Com isso, Santos e Montimer (2001) indicam que uma das possiveis acoes de serem realizadas, que contrastam com o que vem sendo praticado, e estimular a formacao de valores e atitudes para a sustentabilidade. E com base nesse entendimento que se considera a relacao entre consumo consciente e tomada de decisao consciente (etica) de um potencial administrador.

Com comportamentos responsaveis e eticos de consumo, o individuo-cidadao percebe seu impacto sobre o meio ambiente, nao apenas numa perspectiva de natureza, mas de sociedade, ja que todas as acoes e decisoes que sao tomadas influenciam dentro do contexto de complexidade no qual esta inserido. Assim, de acordo com Santos e Montimer (2001) a preparacao do aluno para tomar decisoes propoe o desenvolvimento de um senso de responsabilidade com relacao aos problemas sociais e ambientais, tanto atuais quanto futuros. Salienta-se que o trabalho dos autores enfatiza o ensino basico, no entanto, com a emergencia de tematicas como a EpS, a mesma perspectiva pode ser inserida no ensino superior.

Assim, considerando o contexto da sustentabilidade, nesta pesquisa assume-se que a medida que o comportamento de consumo do aluno de administracao aproximar-se de uma consciencia maior, considerando sua relacao com a responsabilidade, a cidadania e a etica, maior sera a possibilidade de haver um comprometimento profissional em tomar decisoes mais responsaveis, eticas e alinhadas com essa perspectiva emergente. Diante dessa visao, entende-se que a insercao da EpS nas IES pode contribuir, seja por meio da transformacao nos comportamentos atuais ou da intensificacao de uma tendencia pre-existente. A seguir sao apresentados os procedimentos metodologicos desta pesquisa.

3 PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS

Com o objetivo de compreender como a EpS pode contribuir para um processo de tomada de decisao consciente dos alunos de administracao na cidade de Recife-PE, esta pesquisa fez uso de uma abordagem quantitativa, por meio da qual se tornou possivel investigar caracteristicas representativas do objeto de estudo (CRESWELL, 2010; MARTINS; THEOPHILO, 2009; RICHARDSON et al., 2008). Para tanto, optou-se pelo carater de pesquisa exploratoria, ja que se buscou o reconhecimento do contexto argumentativo-teorico e das caracteristicas pertinentes ao comportamento da populacao estudada (COOPER; SCHINDLER, 2003), bem como uma discussao de como a EpS pode ser utilizada para um novo posicionamento individual.

A pesquisa foi realizada com estudantes do curso de administracao de IES de Recife-PE cadastradas no Ministerio da Educacao (MEC). Utilizou-se o questionario como instrumento de coleta de dados, com base em criterios pre-definidos de analise das praticas de consumo. O questionario esta alinhado ao trabalho de Oliveira, Silva e Gomez (2012), que tem como base os estudos realizados pelo Instituto Akatu, Greendex e Ecological Footprint Method, e possibilita medir o grau de impacto dos habitos de consumo no meio ambiente, bem como a percepcao do aluno quanto as suas praticas de consumo. Alem dos indicadores de consumo consciente, buscou-se identificar o perfil socioeconomico dos participantes.

No que se refere a selecao das IES pesquisadas, foram utilizados os seguintes criterios: estar cadastrada no MEC e ter a permissao de seus coordenadores. A pesquisa e classificada como nao probabilistica por acessibilidade, com base em cinco IES de capital privado, o que representa uma amostra de 19,23% da populacao das 26 instituicoes existentes na cidade. Nestas identificou-se 2.922 alunos matriculados no curso de administracao, representados por uma amostra de 188 respondentes. Essa quantidade limitada justifica-se pelo pouco acesso ao campo, com a permissao de pesquisa em, no maximo, duas disciplinas por instituicao. O periodo de coleta dos dados ocorreu entre setembro e dezembro de 2011.

No tratamento do banco de dados identificou-se um respondente com ausencia de resposta em mais de 50% das questoes, o que justificou a sua exclusao. Adicionalmente, este respondente revelou comportamento estatistico de resposta muito diferenciado dos demais--outlier multivariado. Para esta ultima constatacao utilizou-se o calculo da distancia de Mahalanobis (Qui-quadrado: v = 19; [alpha] = 43,820). Considerando a sua interferencia nas analises multivariadas, esta constatacao reforcou a decisao de excluir esse caso. Assim, o banco de dados composto por 187 respondentes atendeu aos criterios minimos recomendados de cinco respondentes para cada variavel (HAIR et al., 2009; DANCEY; REIDY, 2011).

Apos a compreensao sobre o comportamento de consumo da amostra pesquisada, buscou-se identificar como a EpS pode interferir e contribuir para decisoes mais conscientes. Assim, se o comportamento tende a pouca consciencia, a EpS poderia atuar como agente de transformacao dessa situacao. No entanto, se o mesmo tende a uma consciencia mais representativa, a EpS atuaria como intensificadora, permitindo a continuidade desse perfil consciente. Para definir essa questao, levaram-se em consideracao os niveis de consciencia apresentados por Silva e Menk (2012) e que serao aqui operacionalizados de acordo com as informacoes da Tabela 1:
TABLEA 1
VALORACAO DOS NIVEIS DE CONSCIENCIA

NIVEL DE CONSCIENCIA   VALOR DA MEDIA

Ser consciente         De 1,00 a 2,99
Estar consciente       De 3,00 a 3,99
Ter consciencia        De 4,00 a 5,00

Fonte Elaborado pelos autores.


Como se observa na Tabela i, os valores de media foram definidos com base na discussao teorica apresentada. A partir dessa visao, entende-se que existe possibilidade de uma maior contribuicao da EpS para a conscientizacao. Os procedimentos de analise de dados seguem as orientacoes de Hair et al. (2009) e utilizam o foco em estatistica descritiva e inferencial, com base na analise quantitativa dos dados, por meio do software SPSS(r) 17.0. Utilizou-se a analise da confiabilidade e validade dos achados--Alfa de Cronbach--para a verificacao da consistencia interna do conjunto dos itens (CRONBACH, 1951). Assim, apos essas consideracoes, os resultados serao apresentados e discutidos na proxima secao.

4 RESULTADOS E DISCUSSOES

Para o atendimento da proposta de pesquisa, os dados sao apresentados e as discussoes realizadas com base na seguinte divisao: 1. perfil socioeconomico dos respondentes; 2. comportamento de consumo consciente, destacando o nivel de consciencia dos alunos pesquisados; e 3. discussao sobre a contribuicao da EpS para lidar com esse comportamento e estimular a formacao de administradores mais aptos para o processo de tomada de decisao consciente de seus impactos sobre o meio, no contexto da sustentabilidade.

4.1 PERFiL DOS GRADUANDOS EM ADMiNiSTRACAO NA CiDADE DE RECiFE

Foi analisado o perfil dos estudantes de administracao de Recife no que se refere ao genero, idade, estado civil e renda familiar. Foi possivel perceber uma predominancia dos individuos do genero masculino, que correspondem a 61,17% dos respondentes, enquanto apenas 38,83% sao do genero feminino. Desse total, houve grande representatividade de jovens nascidos a partir da decada de 1980, que chegam a 73,94% do total. Esses dados podem possibilitar algum tipo de conclusao entre a relacao da idade e a maneira de se comportar desses alunos perante o consumo. Com base nessas informacoes, e possivel realizar uma discussao mais profunda acerca do seu comportamento consciente.

De forma complementar, identificou-se que a maioria da amostra (85,18%) e composta por estudantes solteiros, ao passo que apenas 10,21% sao casados ou estao em uniao estavel. Essa caracteristica deve ser considerada na analise de determinados aspectos, tendo em vista que promove alteracoes em alguns habitos de consumo. No que se refere a renda familiar, e possivel observar no Grafico 1 que 25,92% dos respondentes possuem renda familiar entre R$

2.550,01 e R$ 5.100,00, e 35,97% superior a R$ 5.100,01. Salienta-se que esta variavel deve ser observada com atencao, uma vez que, segundo Silva e Gomez (2010), o poder aquisitivo e uma das principais variaveis que influenciam no consumo consciente.

Os dados apresentados demonstram que o poder aquisitivo das familias dos pesquisados pode ser utilizado para justificar a realizacao de sua formacao em faculdades privadas. Essa realidade se assemelha aos resultados encontra dos em outros trabalhos sobre a presente tematica na cidade de Recife, os quais foram realizados com toda a populacao e identificaram rendas familiares permeando valores aproximados aos aqui encontrados (GOMEZ et al., 2009; OLIVEIRA; SILVA; GOMEZ, 2012; SILVA et al., 2012). Com base nesse perfil socioeconomico, torna-se possivel identificar o comportamento de consumo quanto aos aspectos de consciencia.

4.2 COMPORTAMENTO DE CONSUMO CONSCIENTE

Com base nos resultados descritos, realizam-se de forma fidedigna as discussoes sobre o comportamento de consumo consciente. Inicialmente realizou-se uma analise de componentes principais nao rotacionada com o objetivo de analisar os padroes de correlacao e identificar a emergencia de fatores que agrupem as variaveis originais em um conjunto menor. Nessa analise alcancou-se o indice KMO de 0,774. Apesar da matriz de correlacao indicar cinco componentes com autovalores superiores a 1,0, a observacao do comportamento da curva apresentada no grafico de raizes latentes em relacao ao numero de fatores--teste scree--recomendou a extracao de ate tres componentes com nivel de variancia valida.

Adicionalmente, foi realizada a analise fatorial com rotacao obliqua. Optou-se pelo metodo Promax, por ser o mais indicado para se alcancar uma analise fatorial com construtos teoricamente significativos, conforme Hair et al. (2009). Assim, a utilizacao e interpretacao da analise de componentes principais e da analise fatorial permitiu a identificacao de tres construtos, com validade fatorial, posteriormente confirmada por validacao do conteudo teorico de cada grupamento que tambem gerou a nomenclatura de cada fator, de acordo com a Tabela 2. Os indices de consistencia interna de cada um dos fatores foram calculados por meio do coeficiente Alfa de Cronbach e podem ser considerados aceitaveis (HAIR et al., 2009).

Alem disso, calculou-se o coeficiente Alfa de Cronbach (a) para o item descartado, e pode-se perceber que mesmo com sua exclusao, a maior parte dos coeficientes permaneceu abaixo do coeficiente calculado para o fator e sempre abaixo do indice calculado para o conjunto de todos os itens do questionario. Desta forma, pode-se afirmar que o questionario aplicado e valido para mensurar o que se propoe.

Alem disso, realizou-se a extracao de medias de cada item dos 3 (tres) fatores identificados (Tabela 3), bem como a correlacao de Pearson (Tabela 4). Essas informacoes dao a base para a classificacao dos niveis de comportamento de consumo voltado para a consciencia individual.

Observando as medias obtidas nos itens pode-se verificar que todas superaram o ponto medio de 2,5 na escala de 5 (cinco) pontos utilizada no questionario. Isso indica um grau de concordancia positivo, com medias variando entre 2,26 (com desvio-padrao de 1,46, no item 20 'A familia separa o lixo para reciclagem (lata, papel, vidro, PET, garrafas)') e 4,22 (com desvio-padrao de 1,1, no item 41 'Mobiliza-se para incentivar as empresas a prevenir ou corrigir os danos ao meio ambiente causados por suas atividades'), apresentando a maior media de concordancia calculada. O fator que possui menor media e 'Economia de recursos', o que pode estar relacionado ao alto poder aquisitivo dos respondentes. Isso pode sugerir que essa situacao financeira nao exige maior preocupacao com gastos e desperdicios.

Esses resultados, de acordo com os niveis da Tabela 1, indicam que para os Fatores 1 e 2, com medias de 3,37 e 3,74 respectivamente, os alunos demonstram 'Estar conscientes' de seus impactos, pelos comportamentos que sao apresentados. Ja quanto ao Fator 3, com media de 2,88, percebe-se que demonstram 'Ser conscientes', o que precisa ser melhor trabalhado para que sua responsabilidade seja repassada para outras acoes cotidianas e profissionais. Essa visao sugere a necessidade de uma intensificacao da EpS para ampliar o escopo dos comportamentos inerentes a esses individuos, ja que os valores apresentados sao positivos e tendem para uma consciencia maior. A Tabela 4 permite a realizacao de novas analises.

A Tabela 4 apresenta a matriz de correlacoes entre os fatores comportamentos e sociedade, engajamento e meio ambiente e economia de recursos, com base nas respostas obtidas. Os coeficientes de correlacao de Pearson indicam que todos os fatores analisados apresentam correlacao moderadamente positiva, bem como que as correlacoes identificadas sao estatisticamente significativas. Com isso, percebe-se maior consistencia nas afirmacoes realizadas anteriormente sobre o comportamento de consumo dos estudantes, os quais tendem a maior consciencia de acordo com as condicoes em que se encontra o meio ambiente.

No entanto, para Goncalves-Dias et al. (2009), existem muitos questionamentos em relacao a mudanca efetiva de comportamento dos individuos, principalmente dos jovens, considerando que a maioria dos respondentes nasceram a partir da decada de 1980. Para alguns autores, essa atual juventude estaria "cada vez mais distante de um comportamento ambientalmente adequado. Ja para outros, essa juventude seria o motor de mudancas socioambientais necessarias na contemporaneidade" (GIDDENS, 1997 apud GONCALVES-DIAS et al., 2009, n.p.). No caso da presente pesquisa, identifica-se que estes jovens estao voltados para uma maior preocupacao com seus impactos.

Apesar dessa nocao, nao se conseguiu identificar ao longo da pesquisa uma posicao dos alunos direcionada para uma consciencia total de seus impactos. Isso pode ser justificado, segundo Silva e Menk (2012), pelo fato de que atualmente nao e possivel "ter consciencia" por completo, uma vez que todo o sistema precisa de modificacoes. Dessa forma, um trabalho de sensibilizacao e incentivo em relacao a um comportamento mais etico e responsavel, por meio da intensificacao da EpS durante o curso de Administracao, pode contribuir para uma transformacao positiva no comportamento dos individuos em se tratando de suas atitudes na vida pessoal e no papel de futuro gestor.

4.3 A CONTRIBUICAO DA EDUCACAO PARA A SUSTENTABILIDADE NAS DECISOES CONSCIENTES

O comportamento que leva em conta as questoes sociais, ambientais e economicas inerentes a sustentabilidade traz consigo a necessidade de uma visao sistemica que considere as consequencias do ato de consumir e da tomada de decisoes. Um individuo consciente faz uso do seu poder de reflexao frente as suas escolhas, podendo minimizar assim os impactos negativos destas. A presente discussao gira em torno da possibilidade de ampliar esta capacidade de reflexao do agente, no papel de cidadao e/ou de tomador de decisao, visto que a EpS tenta promover:

[...] uma mudanca de percepcao e de valores, gerando um pensamento complexo, aberto as indeterminacoes, as mudancas, a diversidade, a possibilidade de construir e reconstruir, em um processo continuo de novas leituras e interpretacoes, configurando novas possibilidades de acao (JACOBI; RAUFFLET; ARRUDA, 2011, p. 28).

Essa ideia esta em consonancia com o que Morin (2003) discute sobre aprendizagem cidada. Segundo o autor, sob a perspectiva de um pensamento complexo, "a educacao deve contribuir para a autoformacao da pessoa (ensinar a assumir a condicao humana, ensinar a viver) e ensinar como se tornar cidadao" (MORIN, 2003, p. 59). Entao, na formacao de um cidadao que se preocupa com a solidariedade e a responsabilidade inerente as suas acoes, torna-se possivel identificar que, a medida que seus comportamentos refletem essa visao consciente de seus valores e responsabilidades, esse cidadao assume o papel como tal, que pode contribuir diretamente em busca da sustentabilidade.

De acordo com Santos e Mortimer (2001, p. 103) "varios autores apontam que para o desenvolvimento da capacidade de tomada de decisao e fundamental que os estudantes discutam problemas da vida real". Assim, para Silva e Correa (2012, p. 103), o foco da EpS deve estar "nos problemas gerados com a producao e o consumo impulsivo para que os alunos adquiram a consciencia necessaria, tanto como administradores de uma organizacao quanto no momento em que forem consumir um produto". Tal afirmacao vai ao encontro da percepcao de Gomes (2006), para quem a educacao para o consumo representa um elemento-chave na conscientizacao da populacao.

No processo de formacao de uma consciencia que prioriza a preservacao do planeta, a educacao do consumidor e essencial, ao despertar para a importancia de adquirir novos habitos de consumo, na medida em que muitos dos problemas ambientais atuais resultam dos padroes impostos pelo sistema economico vigente (GOMES, 2006). Goncalves-Dias et al. (2009) destacam que a institucionalizacao da sustentabilidade nos cursos de administracao tem ocorrido de diversas formas: por meio da introducao progressiva da tematica por alguns professores em suas disciplinas, da criacao de disciplinas especificas, da associacao entre departamentos do curso e da criacao de um programa/nucleo de estudos dedicados ao tema.

Para tanto, essa institucionalizacao deve ser estruturada da forma mais holistica possivel, desenvolvendo os valores e principios da sustentabilidade, assim como o pensamento critico e a habilidade de solucionar problemas; utilizando ampla variedade de metodos; estimulando o processo participativo de tomada de decisao; possibilitando a integracao da aprendizagem com a pratica na vida pessoal e profissional; e abordando tanto os problemas locais quanto os globais (UNESCO, 2005). Apesar dessa nocao, Silva e Correa (2012) identificaram que nas IES em Recife-PE, nos cursos de administracao, ainda e incipiente a importancia dada ao tema sustentabilidade e a EpS, o que foi verificado pelas poucas acoes desenvolvidas, as quais se restringem a algumas disciplinas, palestras, congressos e programas internos.

No ambito das instituicoes estudadas, nao foi foco especifico desta pesquisa realizar a analise de suas praticas, mas considera-se necessario um posicionamento positivo das mesmas com seus alunos. No entanto, sabe-se que uma mudanca que contempla maior insercao da tematica sustentabilidade no curriculo e nas demais atividades perpassa pelo tratamento do tema de forma transversal, alem do envolvimento coletivo da direcao, professores e demais funcionarios neste processo. Atualmente, por exigencia do CNE, conforme ja mencionado, as diretrizes curriculares orientam para a insercao da tematica nos curriculos dos cursos de nivel superior. Assim, a avaliacao do MEC, ao exercer seu papel regulatorio, vai exigir resposta das IES para atendimento das orientacoes.

Esse cenario, favoravel para esta discussao, indica a tendencia a ampliacao desta insercao. Afinal, a capacidade humana de instaurar a sustentabilidade dependera cada vez mais da visao e da consciencia dos futuros profissionais formados no ensino superior (MARCOMIN; SILVA, 2009). No entanto, nao se pode afirmar que havera garantia de uma maior conscientizacao dos alunos, mas que o contexto se tornara mais propicio para tal. Como apresentado por Salgado e Cantarino (2006), esta nas IES o ambiente mais fertil para estimular comportamentos responsaveis na busca por uma sociedade sustentavel.

Dessa forma, a EpS, ao desenvolver valores, tem um papel muito importante no processo de conscientizacao do individuo como cidadao e consumidor consciente, uma vez que procura promover a realizacao de escolhas e tomada de decisoes individuais e coletivas "que levem em consideracao, em longo termo, a igualdade social, viabilidade ecologica e progresso economico" (UNESCO, 2005, p. 102). Essa nocao sugere que pode ser possivel a criacao de uma geracao de pessoas mais qualificadas e voltadas para a perspectiva da sustentabilidade (PALMA; OLIVEIRA; VIACAVA, 2011).

Neste contexto, segundo Amorim e Custodio (2010), e necessario que na academia os jovens empreendedores sejam orientados para rupturas, principalmente daqueles que afirmam ser inconciliavel a relacao entre meio ambiente, empresas e desenvolvimento social. Tal questao podera ser alcancada por meio de uma ruptura paradigmatica maior, que transforme a atual percepcao sobre a atuacao dos administradores, afastando a concepcao que reduz a funcao desse profissional a de um simples gestor. Dessa forma, a EpS pode ser pensada como um movimento de quebra do paradigma dominante ao reconhecer a dependencia mutua existente entre homem e natureza e por promover o desenvolvimento da consciencia individual com foco nos resultados coletivos.

A evolucao do nivel de consciencia de consumo tende a sugerir que o individuo passe a incorporar suas preocupacoes socioambientais em suas atitudes diarias, inclusive nas decisoes gerenciais. Nesse sentido, em funcao dos niveis de consciencia identificados nesta pesquisa, uma evolucao se torna possivel a medida que os niveis estar consciente e ser consciente se direcionam para uma acao responsavel que se efetiva no momento em que o nivel ter consciencia se faz presente. Na construcao desse cenario, a EpS representa um agente de intensificacao do processo de mudanca. Assim, tem-se um ambiente propicio a formacao com base em uma perspectiva critica e reflexiva.

Para tanto, "se desejarmos preparar os alunos para participar ativamente das decisoes da sociedade, precisamos ir alem do ensino conceitual, em direcao a uma educacao voltada para a acao social responsavel, em que haja preocupacao com a formacao de atitudes e valores" (SANTOS; MORTIMER, 2001, p. 107). Neste contexto, considera-se que a EpS, ao fazer parte da formacao profissional do administrador, pode ampliar a conscientizacao dos alunos em seu cotidiano e torna-los aptos para a tomada de decisao consciente no ambito organizacional. Isso porque se as acoes individuais focalizam mais seu impacto sobre o meio, suas decisoes serao os reflexos desse posicionamento.

5 CONSIDERACOES FINAIS

Entende-se que a EpS surge como uma perspectiva educacional que busca estimular o desenvolvimento de uma sociedade mais preocupada com as condicoes do meio ambiente, bem como com os impactos gerados. Sua abordagem em IES demonstra a importancia da EpS na promocao de uma reflexao individual e coletiva quanto as questoes socioambientais e economicas, tanto no cotidiano dos estudantes como no reflexo criado sobre sua vida profissional, uma vez que seus comportamentos influenciam o meio que vivem, com base nos seus habitos de consumo e de suas decisoes. A insercao do tema sustentabilidade na formacao do estudante demonstra um maior compromisso das IES com o conceito.

A preocupacao com as questoes relativas a sustentabilidade aumenta nao apenas devido as pressoes governamentais ou por parte dos consumidores, mas tambem pelo fato de as organizacoes comecarem a perceber que sao parte de um meio e que precisam dele para sobreviver. Para Silva, Reis e Amancio (2011) e papel da organizacao reduzir e compensar todos os danos causados, nao comprometer o uso futuro dos recursos ambientais, assim como gerar resultados positivos nao somente para seus acionistas, mas para a sociedade em geral. Assim, surgem grandes desafios relacionados tanto com o comportamento e construcao de consciencia, quanto com o desenvolvimento de propostas didatico-pedagogicas voltadas ao ensino de administracao (GONCALVES-DIAS et al., 2009).

Desse modo, deve-se considerar a inter-relacao e interdependencia entre os elementos que compoem o processo de conscientizacao para uma melhor tomada de decisao (consumo, cidadania, consciencia, responsabilidade, educacao) na construcao de um circulo virtuoso com base em uma logica recursiva. Assim, a tomada de decisao responsavel (etica) se orienta por uma perspectiva que transcende o individual rumo ao coletivo. Com essa visao, entende-se que o objetivo proposto foi atendido, na medida em que, partindo da identificacao do perfil dos estudantes quanto ao consumo consciente, foi possivel realizar uma discussao sobre como a EpS pode interferir e contribuir para a construcao de uma visao mais consciente.

Com isso, existe grande oportunidade e necessidade de que as Instituicoes de Ensino Superior estimulem ou reforcem a compreensao dos alunos em relacao aos conceitos voltados a esta tematica, criando um compromisso com o desenvolvimento de uma sociedade mais sustentavel. Ao longo da pesquisa, as limitacoes verificadas envolveram essencialmente o processo de coleta de dados, ja que as instituicoes nao se mostraram disponiveis para o acesso a um maior numero de alunos. Diante disso, a quantidade de respondentes, mesmo atendendo aos criterios estatisticos basicos, poderia ser mais representativa.

As futuras pesquisas devem buscar formas mais efetivas de contribuicao da EpS na construcao de um cidadao mais consciente, bem como realizar estudos com publicos e instituicoes de ensino mais diversificadas, alem da associacao entre dados primarios e secundarios, para melhor embasamento das analises. Vale salientar que a maior contribuicao desta pesquisa esta em alinhar a ideia de consciencia a tomada de decisao, com base na EpS. Nesse sentido, metaforicamente, nem sempre se pode contar com a existencia de espelhos planos capazes de refletir imagens simetricas dos 'objetos' observados. Existem momentos em que espelhos curvos sao necessarios. Portanto, ao assumir a EpS como o espelho para novos comportamentos na sociedade, a imagem refletida podera trazer resultados positivos para a coletividade, pois o reflexo de uma imagem depende de como ela e projetada.

Submissao: 1 out. 2012. Aceitacao: 13 mar. 2013.

MINELLE ENEAS DA SILVA

Doutorando em Administracao pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Rua Washington Luiz, 855, Centro, Porto Alegre--RS--Brasil--CEP 90010-460

E-mail: minele.adm@gmail.com

RENATA CZYKIEL

Mestranda em Administracao pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Rua Washington Luiz, 855, Centro, Porto Alegre--RS--Brasil--CEP 90010-460

E-mail: renata.czy@gmail.com

PAOLA SCHMITT FIGUEIRO

Doutoranda em Administracao pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Rua Washington Luiz, 855, Centro, Porto Alegre--RS--Brasil--CEP 90010-460

E-mail: paolaadm@gmail.com

WAGNER SOARES FERNANDES DOS SANTOS

Doutorando em Administracao pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Rua Washington Luiz, 855, Centro, Porto Alegre--RS--Brasil--CEP 90010-460 E-mail: wagnersoaresfernandes@yahoo.com.br

ULYSSES PAIOLA GALVAO

Bacharel em Administracao pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Avenida Professor Moraes Rego, 1235, Cidade Universitaria, Recife--PE--Brasil--CEP 50670-901

E-mail: ulyssespaiola@yahoo.com

REFERENCIAS

AMORIM, R. C. M.; CUSTODIO, L. S. A necessidade de estruturacao dos pressupostos da sustentabilidade e da responsabilidade social empresarial para as realidades do ensino/aprendizagem nos cursos de administracao. Revista Cientifica do Departamento de Ciencias Juridicas, Politicas e Gerenciais da UNI-BH, v. 3, n. 1, jul. 2010.

BARBIERI, J. C.; SILVA, D. Educacao ambiental e gestao ambiental na formacao do administrador: uma visao do quadro regulatorio. In: MORETTI; S. L. A. Ensino e pesquisa em administracao: propostas para capacitacao docente. Sao Paulo: Capes, Otoni, 2010.

BLAU, C. R. O gestor de sustentabilidade: a emergencia de um novo perfil profissional em um ambiente de crescente instabilidade. Business School Sao Paulo, v. 2, n. 1, 2011.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que e--o que nao e. Petropolis: Vozes, 2012.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. Metodos de pesquisa em administracao. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: metodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2010.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika. v. 16, n. 3, P. 297-334 set. 1951.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. Statistics without maths for psychology. Harlow: Pearson, 2011.

DOBSON, A. Citizenship and the Environment. Oxford: Oxford University Press, 2003.

DOU--Diario Oficial da Uniao. Conselho Nacional de Educacao, 18 jun. 2012. Resolucao n. 2 de 15 jun. 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educacao Ambiental.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. Sao Paulo: Makroon Books, 2001.

FABI, M. J. S.; LOURENCO, C. D. S.; SILVA, S. S. Consumo consciente: a atitude do cliente perante o comportamento socioambiental empresarial. In: ENCONTRO DE MARKETING da ANPAD, 4., 2010, Florianopolis. Anais... Florianopolis: ANPAD, 2010.

FERGUS, A. H. T.; ROWNEY, J. I. A. Sustainable Development: Lost Meaning and Opportunity?. Journal of Business Ethics, v. 60, n. 1, p. 17-27, 2005.

FOLADORI, G. Por uma sustentabilidad alternativa. Uruguai: Coleccion Cabichui, 2005.

FORD, R. C.; RICHARDSON, W. D. Ethical Decision Making: A review of the empirical literature, Journal of Business Ethics, v. 13, n. 3, p. 205-221, mar. 1994.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessarios a pratica educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

GADOTTI, M. Reorienting education practices towards sustainability. Journal of Education for Sustainable Development, v. 4, n. 2, p. 203-211, 2010.

GOMES, D. V. Educacao para o consumo etico e sustentavel. Revista Eletronica do Mestrado em Educacao Ambiental, v. 16, 2006.

GOMEZ, C. R. P.; PARISIO, D.; CASTILLO, L. A. G.; SANTOS, J. F. Ecological Footprint Method como ferramenta para avaliar o perfil do consume consciente. Revista Alcance, v. 16, n. 3, p. 321-338, 2009.

GONCALVES-DIAS, S. L. F.; TEODOSIO, A. S. S.; CARVALHO, S.; SILVA, H. M. R. Consciencia ambiental: um estudo exploratorio sobre suas implicacoes para o ensino de Administracao. Revista Administracao de Empresas, v. 8, n. 1, 2009.

GOTTLIEB, D.; VIGODA-GADOT, E.; HAIM, A.; KISSINGER, M. The ecological footprint as an educational tool for sustainability: a case study analysis in an Israeli public high school. International Journal of Educational Development, v. 32, n. 1, 2011.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. Analise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Censo superior 2010. Desenvolvido pelo Ministerio da Educacao (MEC), 2010. Disponivel em: <http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior/censo-da-educacao-superior>. Acesso em: 5 jul. 2012.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Censo superior 2011. Desenvolvido pelo Ministerio da Educacao (MEC), 2011. Disponivel em: <http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior/censo-da-educacao-superior>. Acesso em: 5 jul. 2012.

JACOBI, P. Educar para a sustentabilidade: uma contribuicao a decada da educacao para o desenvolvimento sustentavel. Sao Paulo: Instituto Paulo Freire, 2008.

JACOBI, P. R.; RAUFFLET, E.; ARRUDA, M. P. Educacao para a sustentabilidade nos cursos de administracao: reflexao sobre paradigmas e praticas. Revista de Administracao Mackenzie, v. 12, n. 3, 2011.

KOMIYAMA, H.; TAKEUCHI, K. Sustainability science: building a new discipline. Sustainability Science, n. 1, p. 1-6, 2006.

LELE, S. M. Sustainable development: a critical review. World Development, v. 19, n. 6, p. 607-621, 1991.

LOURENCO, C. D. S.; TONELLI, D. F.; MAFRA, F. L. N. A reconciliacao entre o economico e o social: um desafio para o ensino de administracao. In: MORETTI; S. L. A. Ensino e pesquisa em administracao: propostas para capacitacao docente. Sao Paulo: Capes, Otoni, 2010.

MARCOMIN, F. E.; SILVA, A. D. V. A sustentabilidade no ensino superior brasileiro: alguns elementos a partir da pratica de educacao ambiental na Universidade. Contrapontos, v. 9, n. 2, p. 104-117, 2009.

MARTINS, G. A.; THEOPHILO, C. R. Metodologia da pesquisa cientifica para ciencias sociais aplicadas. Sao Paulo: Atlas, 2009.

MARTIRANI, L. A.; ANDRADE, T. O.; VELASCO, G. D. N.; LIMA, S. T. S. Sociedade de consumo e ambiente: valores sociais, necessidades psicologicas e nova educacao. In: ENCONTRO DA ANPPAS, 3., 2006, Brasilia, Anais... Brasilia: 2006.

MORIN, E. A cabeca bem-feita: repensar a forma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

OLIVEIRA, A. P. M.; SILVA, M. E.; GOMEZ, C. R. P. Indicadores de consumo consciente: uma avaliacao do recifense sob a otica do consumo sustentavel. In: SIMPOSIO DE ADMINISTRACAO DA Producao, LOGISTICA E OPERACOES INTERNACIONAIS (SIMPOI), 15., 2012, Sao Paulo. Anais... Sao Paulo: FGV, 2012.

PALMA, L. C.; OLIVEIRA, L. M.; VIACAVA, K. R. Sustainability in Brazilian Federal Universities. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 12, n. 3, p. 250-258, 2011.

PARDINI, D. J.; SANTOS, R. V. Empreendedorismo e interdisciplinaridade: uma proposta metodologica no ensino de graduacao. Revista de Administracao da FEAD--Minas, v. 5, p. 157-172, 2008.

PEREIRA, C. M. M. C.; MARON, J. R. L.; FREITAS, M. J. C. C.; MAGALHAES, H. G. D. Ecopedagogia: uma nova pedagogia com propostas educacionais para o desenvolvimento sustentavel. Educacao Tecnica Tematica--ETD, v. 8, n. 2, p. 80-89, 2007.

PINHEIRO, L. V. de S.; MONTEIRO, D. L. C.; GUERRA, D. de S.; PENALOZA, V. Transformando o discurso em pratica: uma analise dos motivos e das preocupacoes que influenciam o comportamento pro-ambiental. Revista de Administracao Mackenzie, v. 12, n. 3, 2011.

RAMALHO, A. M. C. A Tessitura da responsabilidade social corporativa: desafios para o consumo e desenvolvimento sustentavel. 256 p. 2011. Tese (Doutorado em Recursos Naturais)-Universidade Federal de Campina Grande, Paraiba, 2011.

RICHARDSON, R. J.; PERES, J. A. S.; WANDERLEY, J. C. V.; CORREIA, L. M.; PERES, M. H. M. Pesquisa Social: metodos e tecnicas. 3. ed. Sao Paulo: Atlas, 2008.

ROBINSON, J. Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, v. 48, n. 4, p. 369-384, 2004.

SALGADO, M. F. M. A.; CANTARINO, A. A. O papel das instituicoes de ensino superior na formacao socioambiental dos futuros profissionais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO, 26., 2006, Fortaleza. Anais... UniFor. Universidade Fortaleza, Fortaleza 2006.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Tomada de decisao para acao social responsavel no ensino de ciencias, Ciencia & Educacao, v. 7, n. 1, p. 95-111, 2001.

SCOTTO, G.; CARVALHO, I. C. M.; GUIMARAES, L. B. Desenvolvimento Sustentavel. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

SELART, M.; JOHANSEN, S. T. Ethical Decision Making in Organizations: The Role of Leadership Stress, Journal of Business Ethics, v. 99, n. 2, p. 129-143, 2011.

SEYFANG, G. Ecological citizenship and sustainable consumption: examining local organic food networks. Journal of Rural Studies, v. 22, n. 4, p. 383-395, 2006.

SILVA, M. E.; CORREA, A. P. M. A pratica responsavel e as estruturas curriculares das Instituicoes de Ensino Superior do Recife/PE no curso de administracao sob a otica da educacao para a sustentabilidade. Revista Administracao: Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 1, p. 77-109, 2012.

SILVA, M. E.; CORREA, A. P. M.; COSTA, A. C. V.; ALBUQUERQUE, A. E. C.; ALMEIDA, J. A. J. Perfil de consumo consciente por meio de atitudes e comportamentos individuais: um estudo com a populacao do Recife/PE. PMKT Ciencia--Revista Brasileira de Pesquisa de Marketing, Opiniao e Midia, v. 10, abr. 2012.

SILVA, M. E.; GOMEZ, C. R. P. Consumo consciente: o papel contributivo da educacao. Revista Reuna, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 43-54, 2010.

SILVA, M. E.; MENK, T. F. A pratica do consumo e os niveis de consciencia: um ensaio sobre consumo consciente sob a perspectiva filosofica de Hegel. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS DO CONSUMO e ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE ESTUDOS DO CONSUMO, 6. e 2., 2012, Recife. Anais... Rio de Janeiro: 2012.

SILVA, S. S.; REIS, R. P.; AMANCIO, R. Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizacoes do setor de energia eletrica. Revista de Administracao Mackenzie, v. 12, n. 3, Edicao Especial, maio-jun. 2011.

SPAARGAREN, G.; OOSTERVEER, P. Citizen-consumers as agents of change in globalizing modernity: the case of sustainable consumption. Sustainability, v. 2, n. 7, p. 1887-1908, 2010.

STUBBS, W.; COCKLIN, C. Teaching sustainability to business students: shifting mindsets. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 9, n. 3, p. 206-221, 2008.

ULSF--Association of University Leader for a Sustainable Future. Publications. Disponivel em: <http://www.ulsf.org>. Acesso em: 24 mai. 2012.

ORGANIZACAO DAS NACOES UNIDAS (ONU). The Future We Want. Rio de Janeiro, 19 jun. 2012. Disponivel em: <http://www.uncsd2012.org/content/documents/727The%20Future%20 We%20Want%20i9%20June%20i230pm.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2012.

UNESCO. Decada da educacao das Nacoes Unidas para um desenvolvimento sustentavel, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementacao. Brasilia: Unesco, 2005. 120p.

UYAR, M.; OZER, G. The ethical orientation and professional commitment: An empirical examination on Turkish accountants, African Journal of Business Management, v. 5, n. 23, p. 10023-10037, 2011.

WCED--World Commission on Environment and Development. Report our common future. Genebra, 1987. Disponivel em: <http://www.un-documents.net/wced-ocf.htm>. Acesso em: 10 abr. 2012.
TABLEA 2
ANALISE FATORIAL, ALFA DE CRONBACH COM
ITEM DESCARTADO E ALFA DE CRONBACH

FATOR              ITENS                      CARGA     [alpha] COM
                                             FATORIAL      ITEM
                                                        DESCARTADO

1 Comportamentos   22 Procura passar ao       0,832        0,671
e Sociedade        maior numero possivel
                   de pessoas as
                   informacoes que aprende
                   sobre empresas e
                   produtos.

                   21 Espera os alimentos     0,593        0,694
                   esfriarem antes de
                   guardar na geladeira.

                   15 Costuma planejar as     0,520        0,692
                   compras de alimentos.

                   43 Leva em conta a
                   proximidade e a            0,482        0,683
                   facilidade de acesso
                   entre os locais de
                   moradia, trabalho e
                   estudo, e procura
                   reduzir meus
                   deslocamentos pela
                   cidade.

                   42 Costuma deixar de       0,463        0,684
                   comprar produtos de
                   empresas como punicao
                   por terem feito algo
                   prejudicial a sociedade
                   ou ao meio ambiente.

                   16 Costuma pedir nota      0,425        0,743
                   fiscal quando faz
                   compras.

                   44 Preocupa-se em usar
                   recursos de modo que       0,340        0,695
                   nao tragam prejuizos
                   para a sociedade e o
                   meio ambiente.

2 Engajamento e    11 Evita deixar            0,748        0,634
Meio Ambiente      lampadas acesas em
                   ambientes desocupados.

                   12 Fecha a torneira        0,697        0,614
                   enquanto escova os
                   dentes.

                   14 Desliga aparelhos       0,563        0,605
                   eletronicos quando nao
                   esta usando.

                   13 Fecha o chuveiro        0,469        0,601
                   enquanto se ensaboa.

                   18 Costuma utilizar o      0,393        0,632
                   verso de folhas de
                   papel ja utilizadas.

                   19 Le o rotulo             0,267        0,652
                   atentamente antes de
                   decidir a compra.

                   39 Lava roupas com agua    0,197        0,667
                   fria para economizar
                   energia.

3 Economia         41 Mobiliza-se para        0,777        0,514
de Recursos        incentivar as empresas
                   a prevenir ou corrigir
                   os danos ao meio
                   ambiente causados por
                   suas atividades.

                   45 Apoia campanhas de      0,730        0,477
                   outras acoes que
                   incentivem as pessoas
                   para a reciclagem dos
                   materiais, reducao do
                   lixo e reutilizacao dos
                   produtos.

                   40 Pratica e incentiva     0,636        0,495
                   o consumo de produtos
                   que apoiem acoes de
                   inclusao social ou de
                   protecao ao meio
                   ambiente.

                   20 A familia separa o      0,406        0,642
                   lixo para reciclagem
                   (lata, papel, vidro,
                   PET, garrafas).

                   17 Costuma planejar        0,182        0,651
                   compra de roupas.

Resultado geral

FATOR              ITENS                     ALFA DE
                                             CRONBACH

1 Comportamentos   22 Procura passar ao
e Sociedade        maior numero possivel
                   de pessoas as
                   informacoes que aprende
                   sobre empresas e
                   produtos.

                   21 Espera os alimentos
                   esfriarem antes de
                   guardar na geladeira.

                   15 Costuma planejar as
                   compras de alimentos.

                   43 Leva em conta a
                   proximidade e a            0,727
                   facilidade de acesso
                   entre os locais de
                   moradia, trabalho e
                   estudo, e procura
                   reduzir meus
                   deslocamentos pela
                   cidade.

                   42 Costuma deixar de
                   comprar produtos de
                   empresas como punicao
                   por terem feito algo
                   prejudicial a sociedade
                   ou ao meio ambiente.

                   16 Costuma pedir nota
                   fiscal quando faz
                   compras.

                   44 Preocupa-se em usar
                   recursos de modo que
                   nao tragam prejuizos
                   para a sociedade e o
                   meio ambiente.

2 Engajamento e    11 Evita deixar            0,665
Meio Ambiente      lampadas acesas em
                   ambientes desocupados.

                   12 Fecha a torneira
                   enquanto escova os
                   dentes.

                   14 Desliga aparelhos
                   eletronicos quando nao
                   esta usando.

                   13 Fecha o chuveiro
                   enquanto se ensaboa.

                   18 Costuma utilizar o
                   verso de folhas de
                   papel ja utilizadas.

                   19 Le o rotulo
                   atentamente antes de
                   decidir a compra.

                   39 Lava roupas com agua
                   fria para economizar
                   energia.

3 Economia         41 Mobiliza-se para
de Recursos        incentivar as empresas
                   a prevenir ou corrigir
                   os danos ao meio
                   ambiente causados por
                   suas atividades.

                   45 Apoia campanhas de
                   outras acoes que           0,615
                   incentivem as pessoas
                   para a reciclagem dos
                   materiais, reducao do
                   lixo e reutilizacao dos
                   produtos.

                   40 Pratica e incentiva
                   o consumo de produtos
                   que apoiem acoes de
                   inclusao social ou de
                   protecao ao meio
                   ambiente.

                   20 A familia separa o
                   lixo para reciclagem
                   (lata, papel, vidro,
                   PET, garrafas).

                   17 Costuma planejar
                   compra de roupas.

Resultado geral                               0,800

Fonte Elaborado pelos autores.

TABELA 3
MEDIAS E DESVIO--PADRAO PARA CADA FATOR ANALISADO

FATOR 1
COMPORTAMENTO
E SOCiEDADE

Variavel      Media   Desvio-Padrao
Analisada *

44            3,61        0,96
21            3,59        1,39
43            3,53        1,27
22            3,42        1,14
16            3,24        1,35
15            3,19        1,31
42            3,01        1,35
Resultado     3,37        0,77
do fator

FATOR 2 ENGAJAMENTO E MEIO AMBIENTE

Variavel      Media   Desvio-Padrao
Analisada *

12            4,22    1,10
11            4,19    1,14
39            3,99    1,44
14            3,74    1,18
18            3,59    1,18
13            3,55    1,50
19            2,95    1,27
Resultado     3,74    0,74
do fator

FATOR 3 ECONOMIA DE RECURSOS

Variavel      Media   Desvio-Padrao
Analisada *

45            3,35    1,20
17            3,35    1,24
40            3,16    1,21
41            2,33    1,25
20            2,26    1,46
--            --      --
--            --      --
Resultado     2,88    0,81
do fator

Fonte Elaborado pelos autores.

TABELA 4
CORRELACAO DE PEARSON
                                           1
                                   COMPORTAMENTOS E
                                   SOCIEDADE (MEDIA)

1 COMPORTAMENTOS    Correlacao           1,000
E SOCIEDADE         de Pearson

                   Significancia          --
                    (bi caudal)

                         N                187

2 ENGAJAMENTO E     Correlacao          0,437**
MEIO AMBIENTE       de Pearson
(MEDIA)
                   Significancia         0,000
                    (bi caudal)

                         N                187

3                   Correlacao          0,452**
ECONOMIA            de Pearson
DE RECURSOS
                   Significancia         0,000
                    (bi caudal)

                         N                187

                                          2
                                   ENGAJAMENTO E MEIO
                                    AMBIENTE (MEDIA)

1 COMPORTAMENTOS    Correlacao          0,437 **
E SOCIEDADE         de Pearson

                   Significancia         0,000
                    (bi caudal)

                         N                187

2 ENGAJAMENTO E     Correlacao           1,000
MEIO AMBIENTE       de Pearson
(MEDIA)
                   Significancia           --
                    (bi caudal)

                         N                187

3                   Correlacao          0,320 **
ECONOMIA            de Pearson
DE RECURSOS
                   Significancia         0,000
                    (bi caudal)

                         N                187

                                          3
                                     ECONOMIA DE
                                   RECURSOS (MEDIA)

1 COMPORTAMENTOS    Correlacao         0,452 **
E SOCIEDADE         de Pearson

                   Significancia        0,000
                    (bi caudal)

                         N               187

2 ENGAJAMENTO E     Correlacao         0,320 **
MEIO AMBIENTE       de Pearson
(MEDIA)
                   Significancia        0,000
                    (bi caudal)

                         N               187

3                   Correlacao          1,000
ECONOMIA            de Pearson
DE RECURSOS
                   Significancia          --
                    (bi caudal)

                         N               187

** Correlacao e significante ao
nivel de 0,01 (p < 0,01; bi caudal).

Fonte Elaborado pelos autores.

GRAFICO 1
RENDA FAMILIAR DOS PESQUISADOS

Ate R$ 510,00                    2,11
Entre R$ 510,01 e R$ 1.020,00    10,58
Entre R$ 1.020,01 e R$ 2550,00   19,04
Entre R$ 2.550,01 e R$ 5100,00   25,92
Mais do que R$ 5.100,01          35,97
Nao sabe/nao respondeu           6,34

Fonte: Elaborado pelos autores.

Note: Table made from pie chart.
COPYRIGHT 2013 Universidade Presbiteriana Mackenzie
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Da Silva, Minelle Eneas; Czykiel, Renata; Figueiro, Paola Schmitt; Dos Santos, Wagner Soares Fernand
Publication:Revista de Administracao Mackenzie
Date:May 1, 2013
Words:10153
Previous Article:Challenges (and dilemmas) to insert "sustainability" in management curricula: a case study/Desafios (e dilemas) para inserir "sustentabilidade" nos...
Next Article:Personal values and social environmental management: a study with management students/Valores pessoais e gestao socioambiental: um estudo com...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters