Printer Friendly

A VIVENCIA DE ATIVIDADES LUDICAS DE SENSIBILIZACAO POR ALUNOS SEM DEFICIENCIA NAS AULAS DE EDUCACAO FISICA: MUDANCAS DE CONCEPCOES E SENTIMENTOS.

Introducao: Varios sentimentos afloram quando uma pessoa se depara com outra que apresenta uma deficiencia. Entre os sentimentos comuns, experienciados pelas pessoas sem deficiencia diante daquelas com deficiencia estao o medo, o desconforto e a comiseracao ou piedade. Assim, tratandose da deficiencia, as relacoes entre as pessoas consideradas deficientes e as "nao-deficientes" sao especialmente afetadas. Diante do desconhecido a pessoa sente a necessidade de se proteger, por representar uma ameaca aos padroes ja estabelecidos, conforme seus valores, crencas e padroes de normalidade. Pressupoe-se que o contato entre criancas e adolescentes sem deficiencia e aqueles com deficiencia fisica ou visual pode modificar as concepcoes e os sentimentos quando nas aulas de educacao Fisica forem proporcionadas atividades ludicas de sensibilizacao, possibilitando a vivencia das dificuldades do cotidiano e que sao decorrentes das limitacoes impostas pela deficiencia qualquer que seja. Materiais e Metodos: A pesquisa teve como objetivo geral analisar as mudancas concepcoes e de sentimentos de criancas e adolescentes de 9 a 15 anos sem deficiencia em relacao a inclusao de alunos com deficiencia fisica ou visual nas aulas de Educacao Fisica das escolas publicas da rede municipal de Sao Luis-Maranhao, apos intervencao com atividades ludicas de sensibilizacao nessas aulas. Tratou-se de uma pesquisa quanti-qualitativa, descritiva, de campo, cujos dados serao coletados nos locais de ocorrencia do fenomeno, ou seja, a escola como ambiente natural de contato e de interacao social entre as criancas e os adolescentes. Realizou-se, tambem, uma pesquisa-acao, utilizando-se sessoes periodicas de intervencao nas aulas de Educacao Fisica. A pesquisa foi realizada em 4 escolas da rede municipal de ensino em Sao Luis-Maranhao, que apresentavam em suas turmas de ensino fundamental, pelo menos dois alunos(as) de 9 a 16 anos com deficiencia fisica ou visual regularmente matriculados(as) e que preferencialmente frequentavam as aulas de Educacao Fisica. A Escala Infantil de Atitudes Sociais em relacao a Inclusao (ELASI) e o Questionario de Atitudes dos Alunos sobre Educacao Fisica Integrada Revisado (ACEFI-R) foram aplicados individualmente em dois momentos com os participantes sem deficiencia: no pre-teste, antes das atividades ludicas de sensibilizacao para registrarem as suas atitudes sociais positivas e negativas, face a inclusao de seus pares com deficiencia fisica ou visual nas aulas de Educacao Fisica e no pos-teste, ao final dessas atividades para verificar as mudancas nas atitudes sociais deles. Resultados: Observaram-se mudancas de atitudes sociais como a quebra da resistencia dos participantes sem deficiencia em concordarem que os alunos com deficiencia fisica ou visual frequentassem as aulas de Educacao Fisica, a adaptacao de regras nos jogos e a participacao desses alunos no mesmo time deles. As atividades ludicas de sensibilizacao promoveram no posteste mudancas de atitudes sociais pelos participantes sem deficiencia em contato com seus pares com deficiencia fisica ou visual, desde que experimentaram colocar-se no lugar deles e vivenciaram suas dificuldades cotidianas. Conclusao: Conclui-se que a pratica de atividades ludicas de sensibilizacao e uma ferramenta eficaz para a promocao de mudancas de atitudes sociais entre criancas e adolescentes sem deficiencia em contato com seus pares com deficiencia fisica ou visual, desde que experimentem colocar-se no lugar do outro e vivenciem suas dificuldades cotidianas.

Palavras-chave: Deficiencia. Educacao fisica adaptada. Mudancas de concepcoes e sentimentos.

Conceicao de Maria Ribeiro Pacheco (1), Fabricia da Hora Marques (1), Thiago Bastos Santos (1) Maria da Piedade Resende da Costa (2), Silvana Maria Moura da Silva (3)

(1) -Academica do Curso de Educacao Fisica

(2) -Docente do Programa de Pos-Graduacao em Educacao Especial da Universidade Federal de Sao Carlos.

(3) -Professora do Departamento de Educacao Fisica/Laboratorio de Estudos e Pesquisas em Educacao Fisica da Universidade Federal do Maranhao.
COPYRIGHT 2014 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Pacheco, Conceicao de Maria Ribeiro; Marques, Fabricia da Hora; Santos, Thiago Bastos; da Costa, Mar
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Jun 1, 2014
Words:722
Previous Article:INTERVENCAO FISIOTERAPEUTICA EM PACIENTE COM SEQUELAS DE ENCEFALITE AUTO-IMUNE DO TIPO ANTICORPO ANTI-NMDA: ESTUDO DE CASO.
Next Article:COMPOSICAO CORPORAL DE HOMENS E MULHERES ADULTOS EM UM BAIRRO DE SAO LUIS DO MARANHAO.

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters