Printer Friendly

A OBESIDADE INFANTIL E O EFEITO DO EXERCICIO AGUDO DA NATACAO E A RESPOSTA DA SUDORESE PARA UM DESENVOLVIMENTO SAUDAVEL.

INTRODUCAO

A obesidade infantil nos ultimos anos vem aumento a cada dia, associado a diversas doencas, como pressao alta, diabetes tipo 2, dislipidemia, e cardiorrespiratorios, e ate a desidratacao, entre outras, mas com atividade fisica regular podemos mudar esse quadro, a natacao por ser uma atividade onde a preconizacao de ingestao de agua, tem a dificuldade de constatar a desidratacao, verificado na forma de sudorese, e dificultada pela termo regulacao que ainda esta imatura, apresentando dificuldade na homeostase do organismo, na frequencia cardiaca e no rendimento do exercicio.

E necessario o equilibrio entre perda e ganho de fluidos, essa perda excessiva e alteracoes do fluidos intracelulares, agua e essencial para a manutencao do organismo e do corpo por ele ser constituido de 70% de liquido, tendo um bom funcionamento das celulas e orgaos.

Durante a natacao a uma grande producao de energia resultando na liberacao de calor, e com a temperatura da agua 31[degrees]graus aumenta e dificulta a dissipacao de calor sobre carregando o organismo, e desidratando as celulas e corpo mesmo o metabolismo acelerado a perda de calorias e minima suas funcoes comprometem a saude.

Algumas variaveis do estudo como peso corporal o IMC muito alto, dobras cutaneas tricipital e subescapular e a perda hidrica por falta de ingerir liquido antes e durante o exercicio, no ambiente desfavoravel para dissipacao de calor pelo suor dificultando a homeostase e a termo regulacao de criancas obesas dificultando assim o organismo das funcoes fisiologicas e ate a perda calorica, pela a intensidade do exercicio agudo e longa execucao pode provocar a desidratacao, o objetivo do estudo foi verificar a perda hidrica na obesidade infantil com exercicio agudo de natacao para um desenvolvimento saudavel, pois como e um exercicio de grande perca calorica seria a indicacao ideal para o emagrecimento, mas como o ambiente e a temperatura elevada e a falta de ingestao de liquido antes, o organismo e as celulas desidratadas dificulta essa perda calorica nesses individuos.

MATERIAIS E METODOS

O estudo foi realizado com 5 criancas do sexo masculino com idade media 10,8 [+ or -] 1,6 de 8 a 12 anos, com obesidade infantil, peso medio entre 49,4 a 77,5kg e estatura de 1,43 a 1,64cm, todos os elementos das amostras participaram livre e espontaneamente do experimento, apos leitura e assinatura dos termos de consentimento livre esclarecido e assinado pelos responsaveis conforme a resolucao no. 196,06-IV, do conselho nacional de saude MS.

O criterio de incluir foi selecionar criancas acima do peso, como IMC alta e obesidade infantil, e condicionadas. Para a classificacao de porcentagem de gordura foi utilizado uma escala basica da Sanny onde se verificou a altura e peso.

Para a procura de artigo foi utilizada base de dados biblioteca digital Estacio de Sa, Scielo, Pubmed, RBPFEX, RBNE, revista brasileira de fisiologia do exercicio. Utilizado as palavras natacao, obesidade infantil, sudorese, exercicio agudo e desenvolvimento saudavel, assuntos relacionados sobre essas palavras chaves, outra forma incluir e que as amostras dominassem o nado Crawl, a forma de exclusao foi estando no peso ideal para idade, e que nao dominassem o nado Crawl ainda, e nao obesos.

Fazendo uma leitura minuciosa, assuntos nao relacionados com obesidade, sudorese, hidratacao, natacao, desenvolvimento saudavel foram retirados, e datas de publicacao muito antigas.

Horario do treino iniciou as 15:30 ate 19:30 da noite no dia 10 e 13 de junho com temperatura ambiente de 21[degrees]a 24[degrees]graus a temperatura da agua foi de 28[degrees] a 31[degrees] graus no exercicio e a ultima amostra realizou o exercicio no dia seguinte na parte da manha as 09:00 horas, com temperatura mais baixa ainda 17[degrees] a 22[degrees] graus ambiente a da agua se mantem o mesmo grau.

Os responsaveis pelas amostras receberam orientacoes de uma alimentacao adequada e procurar uma nutricionista caso seja necessario, antes durante e apos quaisquer exercicios obter uma boa hidratacao.

Foi prescrito um exercicio agudo oxidativo de 70% a 80% da intensidade, com duracao de 60 minutos, numa piscina de 17 metros com quatro raias, totalizando 54 chegadas, obtendo no final do exercicio 1836 metros.

Ha analise da estatistica foi realizada no software baixado na internet chamado Bioestat 5.0, feito pela estatistica descritiva e dados quantitativos que forneceu os dados necessarios para o estudo, desvio padrao valores maximo e minimo, acrescentando tambem a frequencia relativa e absoluta, para o calculo dos dados das amostras analisadas neste estudo.

A forma de coleta de dados foi utilizada Office 2010 no computador Compaq cq50 2 GIGA de memoria, banda larga 10 mega da net, uma balanca de marca g tech pro com funcionalidade de bioimpedancia de ate 150kg peso, porcentagem de agua, e IMC.

A frequencia cardiaca foi aferida pelo monitor cardiaco marca polar ft2, e utilizando a formula padrao da intensidade de treinamento ftreino = fcrep (fcrep + fcmax) / % int + fcrep, a estatura por uma fita antropometrica da marca Sanny com precisao de 0,1cm fixada com fita adesiva na parede sem rodape.

Para dobras foram feitas tres medidas de cada das duas dobras cutaneas tricipetal e subescapular finalizando sempre a ultima marcacao, foi mensurada do lado direito na posicao anatomica, utilizou-se o compasso Sanny, e o protocolo de Slaughter (1988) que e especifico para criancas e adolescentes.

Para a porcentagem de gordura utilizou-se a soma de duas dobras cutaneas, a pressao arterial foi aferida com aneroide e manguito da marca Sanny, e a para identificar o dia e idade correta da amostra foi utilizado o sistema idade milessimal, e reidratacao durante o exercicio para taxa de sudorese, e que urinassem antes da avaliacao para que nao houvesse alteracoes no peso.

Verificamos o peso no inicio da sessao e no final do exercicio, no entanto no termino realizou a ultima pesagem, foram orientados as amostras a secar o corpo e tirar a sunga e torcer para nao influenciar no peso. E durante a execucao do exercicio aferiu a frequencia cardiaca ate o termino. Orientou-se a ingestao de liquido para verificar a perda hidrica pela sudorese induzida pelo exercicio realizado em ambiente quente dificultando a termo regulacao.

As criancas nao possuem esse sistema fisiologico bem desenvolvido ainda, podendo levar a desidratacao mais rapido por causa do equilibrio hidroeletrolitico. Foi realizado em uma unica situacao, orientando os pais que fizessem uma reeducacao nutricional com os filhos, para um desenvolvimento mais saudavel.

Segundo Flecker e Figueira citado por Yurie (2011), para o calculo da taxa de sudorese e porcentagem de perda hidrica utilizamos as seguintes equacoes.

(Pi kg - Pf kg) - ingestao hidrica durante o treino (L)/ Tempo total de atividade fisica (min)

Para perda da porcentagem de agua foi verificada a seguinte formula:

Pi (kg) -- 100% Pi (kg) - Pf (kg) -- X X = % de perda hidrica (% de agua)

Para porcentagem de gordura foi utilizado o protocolo de Slaughter pela equacao para meninos brancos e negros de 8 a 17 anos de idade e maturacao, se a dobras forem maior que (> 35 mm), Cristian e colaboradores (2011).

% G = 0,783 (TR + SE) + 1,6.

RESULTADOS

Foi classificado o sobrepeso de todas as amostras visualizado detalhadamente na (Tabela 2).

Apos serem realizados os exercicios foi verificado peso final, taxa de desidratacao, ml de agua consumida durante os exercicios, frequencia cardiaca maxima, observando um pequeno aumento no peso das amostras, apenas uma amostra teve baixa no peso por consumir uma quantidade menor de liquido que os demais (Tabela 3).

DISCUSSAO

O estudo utilizou-se da dissertativa sistematica, em que os dados das amostras foram coletados antes dos exercicios realizados, obtendo as variaveis: frequencia cardiaca de repouso, peso inicial, estatura, pressao arterial, dobras cutaneas tricipital e escapular.

Calculando porcentagem de gordura com protocolo de slaughter, e indice de massa corporal IMC = massa corporal dividido pela altura2, indicando uma alta no (IMC), classificando sobrepeso de todas as amostras, visualizado detalhadamente na Tabela 2.

Verificamos tambem que na sudorese das amostras tivemos aumento de peso, devido a taxa de hidratacao que ocorreu conforme alguns especialistas recomendaram.

A desidratacao ocorreu de forma insignificante para nao colocarmos em risco as amostras, por esse motivo, tiveram a queda do rendimento no treino, acrescentando em 15 minutos o termino dos exercicios.

Mas o sobrepeso e evidente e a falta de hidratacao prejudica a perda de peso mesmo que seja minima, pois nosso corpo e composto de 70% de agua, e a falta, prejudica o metabolismo que nao exercera suas funcoes perfeitamente.

Para que todas as celulas estejam em perfeita harmonia de funcionamento, e nao comprometendo fatores fisiologicos e a osmolalidade plasmatica e a temperatura corporal.

Com a falta de atividade fisica associado com um habito sedentario, e os aparelhos eletronicos, e o aumento das redes de fast food, e a inatividade fisica levam a obesidade. As criancas e principalmente adolescentes que apresentarem esse quadro de sobrepeso e obesidade na idade adulta pode ocorrer problemas na saude.

Segundo Gabriel e colaboradores (2011) as consequencias de uma vida sedentaria na infancia e adolescencia pode desencadear doencas cronicas e degenerativas, se nao possuirmos bons habitos no inicio da vida.

Para Gabriel e colaboradores (2011), a atividade fisica ajuda no desenvolvimento saudavel, fisico e mental tendo um equilibrio no organismo, e, a obesidade e o sobrepeso sem duvidas nenhuma sao as doencas da vida moderna, sendo detectada com essas condicoes vivem menos e a qualidade de vida diminui, comparando com pessoas magras desde a infancia.

O significado da palavra obesidade na literatura indica excesso de gordura, em relacao ao peso e fatores culturais, geneticos, fisiologicos, psicologicos e nutricionais, endocrinos, hipotalamicos, farmacologicos e claro sedentarismo (Vicensi, Munareto e Liberali, 2008).

A obesidade infantil vem aumentando de forma significativa nos ultimos anos, tornando-se uma epidemia em alguns paises.

A preocupacao e prevenir alguns surgimentos de complicacoes e agravos a saude na infancia.

Relata que afetando caracteristicas fisicas externas, e fatores fisiologicos, desenvolvendo problemas como o diabetes tipo 2, doencas cardiacas, e certos tipos de cancer, complicando tambem a respiracao, e enfraquecimento das articulacoes (Soares e Petroski, 2003).

As consequencias negativas da obesidade infantil e adolescente inclui doencas como a dislipidemias, inflamacoes cronicas, coagulacao sanguinea, endotelial, resistencia insulina, diabetes tipo 2, hipertensao, complicacoes ortopedicas e canceres, fator psicologico conturbado, auto estima baixa e depressao (Vicensi, Fortuna e Liberali, 2008).

Segundo Araujo e Petroski (2001) a obesidade em criancas e adolescentes em fase escolar, dificulta o desenvolvimento fisico e aprendizagem motora na infancia.

Doencas inflamatorias cronicas (DIC) e a sigla utilizado para caracterizar doencas que afetam milhares de pessoas no mundo todo (Magalhaes, e colaboradores 2008).

A DIC apresenta quadro inflamatorio constante conhecido como Inflamacao Cronica e de Baixo Grau (ICBG). Segundo Costa citado por Magalhaes (2014), adponectina e uma proteina secretada pelos adipocitos e que atua em varios processos metabolicos.

Segundo Cianflone citado por Magalhaes e colaboradores (2014), estudos com criancas obesas mostram reducoes nos niveis de adiponectina na ausencia de producao lipidicas, levando a suspeitar que alteracoes dessa proteina precedam os lipidios na obesidade, o que as colocaria no topo da genese da sindrome metabolica.

A obesidade e o aumento no tamanho e na quantidade de adipocitos, o equilibrio entre adipogenese e adiposidade determinada o grau de obesidade do individuo.

Adipocitos secretam mais adipocinas quando estao maduros, como TNF[alpha], IL-6, leptina e adiponectina, e lipocromo, o acido palmitoleico [omega]-7. A maior producao de adipocinas e na obesidade, contribuindo para o estabelecimento de resistencia periferica a insulina (Cezar e colaboradores, 2009).

Os adipocitos tem com funcao de armazenar energia no corpo, secretando compostos proteicos sobre os proprios adipocitos e nos tecidos.

Adiponectina e uma proteina secretada pelos adipocitos e que atua em varios processos metabolicos, agindo como fato e protetor contra doencas cardiovasculares e resistencia a insulina (Hermsdroff e Monteiro, 2004).

Os adipocitos sao celulas onde sua funcao e armazenar lipidios na forma de tricilglicerol--TAG no citoplasma nao sendo nocivo a sua funcionalidade (Fonseca e colaboradores, 2006).

Ja os processos de lipolise, lipogenese, e captacao de acidos graxos livres, contribuem para alterar o volume dos adipocitos. As alteracoes nos numeros e volume das celulas, o papel de regulacao e feito por fatores importantes como a insulina, glicocorticoides, citocinas e catecolaminas, e varios deste processo sendo regulado pelo TNF-[alpha].

TNF-[alpha] age diretamente nos adipocitos, inibindo a apoptose, lipogenese, via inibicao da lipase lipoproteica, do glut-4 e acitil coa sintetase, tendo o aumento da lipolise, sendo um regulador no acumulo de gordura no tecido adiposo (Hermsdorff e colaboradores, 2004).

Alem disso, acidos graxos tem a funcao de sinalizar moleculas nos adipocitos, segundo a diferenciacao ou morte, entao a composicao lipidica da dieta e agonistas de PPARy podendo regular e balancear os adipogenese e morte de adipocitos, e, portanto, a obesidade (Cezar e colaboradores, 2009).

E sugerido que a pratica regular de exercicios fisicos com intervencao nutricional seria uma excelente estrategia para a prevencao do risco de doencas cardiacas e melhora do perfil inflamatorio (Magalhaes e colaboradores, 2014).

O exercicio fisico colabora com a reducao da gordura corporal e do peso, ocasionando manutencao da massa magra, normalizando a pressao arterial, inibidor de apetite, melhora a silhueta, e prevenindo outras doencas cronicas, cardiovascular, trombose e artrite (Maria, 2006).

Durante o exercicio o consumo de O2 aumenta 10 a 20 vezes para a producao de ATP, e aumento a producao das especies reativas de oxigenio-ERRO.

Quando a ERO Chega na capacidade maxima de defesa antioxidante das celulas, podendo causar na estrutura do DNA alguns danos, oxidar proteinas, lipidiosfato e carboidratos, obtendo o estresse oxidativo das celulas (Acordi e colaboradores, 2009).

A natacao e denominada uma atividade ciclica, auxilia na manutencao e reducao de gordura, tendo um gasto energetico maior e uma reducao no impacto articular, e facilitando a dissipacao de calor (Leite e colaboradores, 2009).

Segundo Foss citado por Gimenes, (2011), trata-se de uma modalidade esportiva de alta intensidade, ocorrendo a transferencia de calor do corpo para as moleculas de agua fria, atraves da conducao.

O fator principal da hipertermia e uma ma adaptacao das criancas em temperaturas extremas, comparada com adultos, tendo a area maior de superficie corporal, e uma deficiencia na termorregulacao por evaporacao.

O estresse termico no exercicio eleva a temperatura cutanea, ocasionando a vasodilatacao e aumentando a transpiracao. A dissipacao de calor no ambiente minimizando a temperatura corporal elevada e chamada de termo regulacao (Rossi, Aparecida e Ortiz, 2010).

Mas como o sistema termo regulatorio de pre-puberes esta em fase total de desenvolvimento, pode influenciar na dissipacao e se proteger do calor.

Criancas e adolescentes tem respostas termorregulatorias diferentes no estresse termico no exercicio. Principalmente se e realizado em ambientes muito quentes, e tendo um valor menor na taxa de sudorese devido aos mecanismos sudoriparos subdesenvolvidos (Henrique, Araujo e Carlos, 2013).

O maior fluxo sanguineo para a pele tem melhor controle na homeostase termica de criancas.

Com sensibilidade e tamanho menor da glandula e niveis baixos de catecolaminas circulantes durante o esforco e a ausencia de hormonios androgenicos, ocorre a baixa eliminacao de suor durante exercicios realizados por criancas.

Criancas exibem glandulas sudoriparas imaturas, com atividades em alta temperatura havendo vulnerabilidade as lesoes termicas (Henrique, Araujo e Carlos, 2013).

A elevacao da temperatura da pele ocorre devido ao aumento do fluxo de sanguineo e a vasodilatacao cutanea. A perda de calor pela vasodilatacao cutanea nao compensa a funcao sudoripara subdesenvolvida, tendo consequencia de uma elevacao rapida da temperatura central.

Alem da inervacao simpatica outro sistema e tambem responsavel pela sudorese, e o simpatico colinergico, a acetilcolina a principal substancia neurotransmissora que expulsa o suor (Henrique, Araujo e Carlos, 2013).

O tamanho esta relacionado com a idade e altura da crianca no crescimento e na maturacao das glandulas sudoriparas, o tamanho das glandulas esta associado em um estimulo maior no colinergico e adrenergico (Altmayer e Mayer, 2011).

Com uma difusao passiva de agua pela membrana o suor e formado pela secrecao ativa Na + e CL-. E mais hipotonico em relacao ao plasma do sangue, em criancas e adolescentes e ainda mais hipotonico, perdem menos eletrolitos na transpiracao (Henrique, Araujo e Carlos, 2013).

Durante o exercicio a transpiracao e temperatura elevadas desencadeia rapidamente a desidratacao. Por razoes eticas, em experimento com criancas nao devem exceder 2 a 3% de perda de peso corporal em graus acima disto de desidratacao.

A sede e uma funcao controlado pelos mecanismos homeostaticos aumentando a tonicidade celular tendo uma desidratacao na celula identificada pelos osmorreceptores do sistema nervoso central, reduzindo o volume e a desidratacao extracelular (Rossi, Aparecida e Ortiz, 2010).

Os sinais e sintomas de desidratacao sao reconhecimentos importantes, em atividades leves a moderada, se manifesta como fadiga, perda de apetite e sede, pele vermelha, intolerancia ao calor, tontura, oliguria e aumento da concentracao urinaria (Carvalho e colaboradores, 2003).

No exercicio a hidratacao dependera da taxa de sudorese das criancas, para modalidade esportiva natacao e determinada em 556 [+ or -] 110mL/h para meninos de 11 a 14 anos (Roosi, Aparecida e Ortiz, 2010).

Realizar exercicios em ambientes quentes induz a perda hidrica pela sudorese levando a desidratacao e alterando o equilibrio hidroeletrolitico, dificultando a termo regulacao que representa um risco a saude e uma queda de rendimento no desempenho esportivo. Recomenda-se ingerir 500ml a 600ml de agua duas ou tres horas antes dos exercicios, ou 200ml a 300ml 10 a 20 minutos antes, podendo ser durante tambem, a reposicao deve-se aproximar das perdas pelo suor, recomendado pela National Athletic Trainer's Association (NATA) (Antonio e colaboradores, 2006).

O volume de consumo varia com a taxa de sudorese, entre 500 a 2.000ml/hora, se atividade for de mais de uma hora, ou se intensidade for intermitente com menos de uma hora (Carvalho e colaboradores, 2003).

A sudorese durante o exercicio leva o organismo a desidratacao pela perda hidrica, aumentando a osmolalidade e a concentracao de sodio no plasma e diminuicao no volume plasmatico (Antonio e colaboradores, 2006).

A diminuicao de agua corporal compromete e impossibilita a capacidade do organismo de manter a temperatura interna nos valores compativeis (Gimenes e Bordini, 2011).

Quando a uma desidratacao alta, acontece uma capacidade menor de redistribuicao do fluxo sanguineo para a periferia, tendo uma reducao na sensibilidade hipotalamica na sudorese. Obtendo uma avalicao continua do estado de hidratacao e fundamental para evitar a desidratacao e problemas com a saude (Antonio e colaboradores, 2006).

A taxa de sudorese e a perda hidrica dependera de variaveis como superficie corporal, intensidade do exercicio, temperatura ambiente, umidade e aclimatacao (Mancini e colaboradores, 2010).

O estresse do exercicio e a desidratacao elevam a temperatura corporal, prejudicando o rendimento e reacoes fisiologicas, sendo leve ou moderada, ate tendo 2% de perda corporal (Menezes e colaboradores, 2009).

Durante o exercicio a producao de energia e aumentada no organismo devido a producao de calor metabolico. Produzindo mais calor por unidade de peso corporal as criancas tem essas funcoes diferentes de adultos, o suor e uma forma de dissipar e evaporar o calor produzido pelo organismo (Alice e colaboradores, 2007).

O corpo humano pode tolerar uma temperatura interna cerca de 4[degrees]C sem prejudicar os sistemas fisicos e mentais. Ocorrendo uma temperatura corporal muito elevada pode afetar as estruturas celulares e enzimaticas, e numerosos processos fisicos e quimicos dependendo da temperatura. O exercicio intenso e longo pode aumentar a taxa metabolica em ate 20 a 25 vezes do nivel basal, aumentando a temperatura corporal em 1[degrees]c a cada 5 minutos (Dossena e colaboradores, 2007).

Numa situacao maxima o adulto produz mais de 0,5 l/h de suor, isso se for bem treinado, sendo bem efetivo a sudorese pelo seu processo de perda de calor por causa da elevacao do calor latente de evaporacao da agua (Reinaldo, 2005).

A taxa de sudorese em pre-puberes raramente excede 400ml/h durante o esforco (Henrique e colaboradores, 2013).

Criancas apresentam taxa de sudorese menor comparada com adulto, com ambiente intensidade e duracao e condicoes termicas identicas, em ambientes laboratoriais. Mas se desidratam igual a adultos. Mas influencias de desidratacao no desempenho fisico nao estao bem esclarecidos (Jose e Munir, 2009).

Nao estando totalmente desenvolvida nos meninos pre-puberes a sudorese possivelmente devido a ausencia de maturacao, com a funcao na falta de secrecao dos hormonios masculinos, e as habilidades das glandulas sudoriparas nao se desenvolvem de forma uniforme no corpo, durante o crescimento e a maturacao (Altmayer e Mayer, 2011).

A sudorese pode dissipar facilmente o calor especialmente se o ambiente estiver seco, por que a eficiencia e aumentada pela vasodilatacao pre-capilar termorreguladora regulada pela bradicina e o oxido nitrico, e cada grama evaporada do suor que se evapora absorve 584 calorias (Reinaldo, 2005).

A natacao proporciona varios beneficios ao organismo por ser uma atividade completa trabalhando todas as funcoes do corpo, como capacidade respiratoria, circulacao sanguinea, fortalecendo os musculos, e melhorando o sono. Por ser um esporte aquatico os praticantes de natacao nao dao a merecida importancia ao consumo de liquidos, dando uma falsa sensacao de hidratacao e nao percebendo a transpiracao. Tendo um diferencial comparado a outras modalidades de longa duracao a natacao apresenta condicoes perfeitas que modificam a relacao termogenese corporal, e que influencia na hidratacao (Menezes e colaboradores, 2009).

Tendo a responsabilidade de inumeras atividades no organismo a agua se torna um principal componente do sangue, ajudando no transporte de oxigenio, nutrientes e hormonios, protege e hidrata os tecidos corporais eliminando toxinas regula a temperatura e funcoes intestinais. A agua sendo insuficientes, a um desequilibrio no organismo e no sistema natural de limpeza e desintoxicacao fica prejudicada (Castro e colaboradores, 2009).

O consumo de oxigenio devido aos exercicios fisicos aguda ou cronica pode gerar lesoes oxidativas as celulas. As modalidades de esporte algumas apresentam demanda diferentes de oxigenio e o metabolismo oxidativo se comportam de maneiras distintas.

Devido a resistencia da agua a demanda e maior e elevada capacidade aerobia, traduzindo em maiores captacao, transporte e utilizacao do oxigenio (Sarah, Azevedo e Simone, 2014).

A natacao e um dos esportes mais completos, foi adotado como exercicio para soldados, logo foram mudados e chegou ao que e hoje, recomendado por profissionais da area da saude sendo inumeros seus beneficios. Melhora captacao de oxigenio pelos pulmoes, melhora a circulacao do sangue no coracao dentre outras (Baeta e colaboradores, 2007).

A natacao e uma modalidade que vem adquirindo mais adeptos cada dia, tanto competitivos e terapeuticos, buscando qualidade de vida. As respostas fisiologicas e rendimento relacionado a natacao sao diferentes de acordo com o tipo de treino, intensidade, duracao, profundidade da piscina, temperatura corporal e da agua. Os efeitos positivos da natacao destacam-se as alteracoes fisiologicas, como reducao da gordura corporal, aumento do metabolismo de repouso, prevencao de doencas como a obesidade e no sistema cardiovascular (Benedito e colaboradores, 2012).

O crawl modalidade de nado em decubito ventral, com batimentos de pernas alternados, com forcas das pernas e de cima para baixo, e os bracos se alternam simultaneamente. A respiracao ocorre de acordo com abracada (Baeta e colaboradores, 2007).

A natacao modifica a termogenese corporal, influenciando na hidratacao, sendo essencial para um bom desempenho esportivo, e a porcentagem de perda hidrica e taxa de sudorese sao metodos eficientes para avaliar o estado de hidratacao.

Normalmente, sao selecionados ambientes que favorecem a evaporacao de suor avaliando as respostas fisiologicas antes e apos os exercicios realizados no calor. Sabe-se que durante a imersao perde-se mais calor pela conducao e conveccao, atraves destes mecanismos o corpo perde calor mais rapido do que em terra.

Quanto mais ingestao de liquidos se aproximarem da sudorese, menores serao os efeitos da desidratacao sobre as funcoes fisiologicas e sobre o desempenho esportivo (Mancini e colaboradores, 2010).

Para prevenir a desidratacao durante uma atividade fisica, os individuos nao ingerem agua suficiente. A desidratacao e considerado o principal fator que afeta a termo regulacao e a capacidade de realizar exercicio fisico em ambientes quentes. Quando se inicia um exercicio em desidratacao compromete as funcoes fisiologicas, e o rendimento e comprometido se nao houver uma hidratacao desejada (Mancini e colaboradores, 2010).

O aumento de peso apos o treinamento em atletas pode estar relacionado a ingestao nao intencional da agua da piscina, a pele tendo baixa permeabilidade, um pouco de liquido pode ter sido absorvido pela pele durante a imersao, que contribui no aumento do peso, sabendo-se na natacao a producao de suor e limitada, por perda de calor obtida por meio da conducao e conveccao (Heitzman e colaboradores, 2011).

Podemos concluir que atividade fisica proporciona um desenvolvimento importante tanto mental e um equilibrio fundamental dentro do organismo, melhorando toda a aptidao fica no individuo.

Segundo Tavares citado por Gimenes. (2011) torna-se necessario o conhecimento do estado de hidratacao do individuo, a sua avaliacao antes, durante e depois do exercicio fisico de longa duracao e condicoes climaticas desfavoraveis a termo regulacao.

Os beneficios sao inumeros quando conciliamos atividade fisica com exercicio bem orientada e adequada, com estimulos distintos e incentivando a socializacao, ajudando na sua formacao da personalidade.

Segundo Maglischio citado por Bernardi e Rossi (2003) um dos treinos mais desgastantes na natacao consiste em repeticoes de 75 a 200 metros, com intervalos de 4 a 10 minutos, com intensidade muito alta, resultando numa acidose severa, e um treino de tolerancia ao lactato.

O exercicio fisico agudo promove um processo inflamatorio agudo que envolve um influxo de leucocitos, anticorpos e outras proteinas plasmaticas, sejam diretamente na musculatura lisa e arteriolas alterando o fluxo sanguineo. Atuando tambem nas venulas com contracoes das celulas endotelios, as juncoes inter-endoteliais abre de forma transitoria com consequencia do extravasamento do plasma (Maria, 2006)

Os lipideos por serem insoluvel em agua, dispensa a agua como solvente, e contem por unidade de massa, e armazenado em grandes quantidades, tendo o dobro de energia armazenada, fornecendo energia metabolica quando oxidados (Fonseca e colaboradores, 2006).

A desidratacao provoca alteracoes na frequencia cardiaca tendo uma diminuicao significativa, quando a diminuicao na perda de peso corporal (Bernardi e Rossi, 2003)

O exercicio intenso causa o acumulo do piruvato e o NADH no musculo, o que resulta numa relacao elevada NADH/NAD+ ocorrendo a reducao do piruvato pelo lactato desidrogenase formando o lactato (Luiz e colaboradores, 2003).

O exercicio fisico intenso ativa tres vias principais de especies reativas de oxigenio, producao mitocondrial e citoplasmatica favorecida por ions ferro e cobre (Correa e Marino, 2003)

A reacao das enzimas e regulada nas concentracoes intracelulares do piruvato, lactato e a relacao NADH/NAD. Quanto mais especifico for o programa de treinamento para as intensidades deste esporte, melhores serao o resultado no desempenho esportivo (Luiz e colaboradores, 2003).

O aumento da osmolaridade do plasma induz a deplecao de agua intracelular e encolhimento celular em seguida a ativacao e aumento do volume de regulamentacao (Zanou e colaboradores, 2015)

A oxidacao de acidos graxos no decorrer do exercicio de baixa intensidade prolonga a atividade por mais tempo, retardando a deplecao de glicogenio. Mas nao utiliza toda a energia derivada da oxidacao sem depletar algum glicogenio (Barbosa, 2014).

Os radicais oxidantes atacam os acidos graxos poli-insaturados nas membranas celulares, e a destruicao oxidativa da peroxidacao lipidica, por ter uma autopropagacao por ser bastante lesiva na membrana. Para prevenir ou ate mesmo reduzir o estresse oxidativo obtido pelo exercicio intenso, o organismo esta equipado como mecanismo de defesa antioxidante (Correa, Marino, 2003).

Obtendo um programa de treinamento especifico para as intensidades deste esporte, melhor sera o desempenho esportivo (Luiz, 2003).

CONCLUSAO

A obesidade infantil na pre-puberes pode ocasionar diversas doencas, por obter a termo regulacao imatura, a desidratacao do organismo pode ocorrer por falta de hidratacao adequada, o efeito agudo do exercicio de natacao, verificou a sudorese desse fato para evitar complicacoes fisiologicas, so a boa alimentacao e atividade fisica nao e suficiente para um desenvolvimento saudavel e dificultando a perca calorica.

REFERENCIAS

(1)--Acordi, L.; Gustavo, L.; Scherffer, D.; Shrveizer, F.; Aurino, C.; Adriano, B.; Cezar, P.; Aurino, R. Resposta de Duas Sessoes de Natacao Sobre Parametros de Estresse Oxidativo em Nadadores, Revista Brasileira de Cineantropometria Desempenho Humano. Vol. 11. Num. 12. p.161. 2009.

(2)--Alice M.; Andrade M.; Furlan R.; Araujo M. Recomendacoes Nutricionais para Criancas Praticantes de Atividade Fisica, Buenos Aires, Revista Digital Efdesporte.com. Vol. 12. Num. 110. p.78. 2007.

(3)--Altmayer C.; Mayer F. Avaliacao do Estado Hidroeletrolitico de Criancas Praticantes de Exercicio Fisico e Recomendacao de Hidratacao, Revista brasileira de Ciencias e Esporte. Vol. 33. Num. 3. p.775-776. 2011.

(4)--Antonio, C.; Carolina, A.; Silami, E.; Oswaldo L. Hidratacao Durante o Exercicio: A sede e Suficiente? Revista Brasileira de Medicina Esporte. Vol. 12. Num. 6. p.405-407. 2006.

(5)--Araujo, E. D. S.; Petroski, E. L. Estado Nutricional e Adiposidade de Escolares de 7 a 14 anos das Cidades de Florianopolis; SC E Pelotas; RS--Brasil, Revista de Educacao Fisica--UEM. Vol. 13. Num. 2. p.47-53. 2001.

(6)--Baeta, P.; Molinari, M.; Melo, M.; Zanuto, R. Analise da Composicao Corporal de Atletas de Natacao da Categoria Infantil do Genero Masculino. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 1. Num. 2. p.2. 2007. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/12/11 >

(7)--Barbosa, P. Efeito dos Exercicios de Alta Intensidade Aerobios e Anaerobios na Oxidacao de Gordura Corporal: Uma Revisao Sistematica. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 8. Num. 43. p.52. 2014. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/art icle/view/586/546>

(9)--Benedito, J.; Gustavo, R.; Aparecido, R.; Souza, B. Estudo Piloto Sobre a Avaliacao do Rendimento de Praticantes de Natacao Previamente Submersos em Agua a Diferentes Temperaturas. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 6. Num. 34. p.373-376. 2012. Disponivel em: < http://www.rbpfex.com.br/index.php/rb pfex/art icle/view/429/421 >

(10)--Bernardi, D. I. C.; Rossi M. Efeitos da Ingestao da Bebidas Isoenergeticas Durante o Treinamento de Natacao. Revista de Educacao Fisica/UEM. Vol. 14. Num. 2. p.34. 2003.

(11)--Carvalho T. Modificacoes Dieteticas, Reposicao Hidrica, Suplementos Alimentares e Drogas: Comprovacao de acao Ergogenicas e Potenciais Ricos para a Saude, Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 9. Num. 2. 2003.

(12)--Castro, J.; Lima, K.; Aparecida, S. Avaliacao do Consumo de Oleo e Ingestao Hidrica Diaria em Praticantes de Atividade Fisica. Passos, Revista da Sociedade Brasileira de Alimentacao e Nutricao. p.443. 2009.

(13)--Cezar, J.; Isabel, I.; Curi, R.; Bessa F. Controle de Adipogenese por Acidos Graxos, Arq. Brasileira Endocrinol Metabolica. Sao Paulo. Vol. 53. Num. 2. 2009.

(14)--Correa J.; Marino C. Zinco Estresse Oxidativo e Atividade Fisica, Revista de Nutricao, Campinas. Vol. 16. Num. 4. p.435. 2003.

(15)--Cristian, D. Relacao entre Composicao Corporal, Somatotipo e Maturacao Sexual dos Nadadores 13 a 17 anos da Unidade Sesi de Guaxupe-MG, Muzambinho. TCC Graduacao Bacharelada em Educacao Fisica. p.44. 2011. http://docplayer.com.br/3605389-Institutofederal-de-educacao-ciencia-e-tecnologia-do- sul-de-minas-gerais-cecaes-bacharelado-emeducacao-fisica.html

(16)--Dossena, S. Respostas de Sudorese de Nadadores, Corredores, e Individuos nao Treinados Apos Exercicio no Calor, Porto Alegre. Dissertacao de Mestrado. 2007. http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13801? locale=pt_BR

(17)--Fonseca, H.; Miriam, T. J.; Isabel, M.; Bessa, F. O Tecido Adiposo como Centro Regulador de Metabolismo, ARQ. Brasileira Endocrinal Metabolica. Vol. 50. p.216-218. 2006.

(18)--Gabriel, F. Associacao Entre o Nivel de Atividade Fisica, Sobrepeso e Obesidade em Adolescentes entre 14 e 16 anos de um Estabelecimento Particular de Ensino da Cidade de Curitiba, PR. 2011. http://oasis.ibict.br/vufind/Record/UTFP_d48b8 bb0d8b4626599f7a02be30df9ae/Details

(19)--Gimenes, N.; Bordini, R. Avaliacao da Perda Hidrica em Atletas de Natacao em uma Sessao de Treinamento. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 5. Num. 28. p.318. 2011. Disponivel em: < http://www.rbpfex.com.br/index.php/rb pfex/art icle/view/347/334>

(20)--Heitzman, F.; Borguezan, S.; Golanda, D.; Bernardo, M.; Bello, M. Estado de Hidratacao de Nadadores com Deficiencia Intelectual de uma Associacao Paradesportiva de Sao Paulo, Revista Mackenzie de Educacao Fisica e Esporte. Vol. 10. Num. 1. 2011.

(21)--Henrique, L.; Araujo, M.; Carlos, J. Respostas Termorregulatorias de Criancas no Exercicio em Ambiente de Calor. Revista Paul Pedriatria. p.106-108. 2013.

(22)--Hermsdorff, H. Gordura Visceral, Subcutanea ou Intramuscular: Onde esta o Problema? Arq. Brasileira Endocrinol Metabolica. Vol. 48. Num. 6. 2004.

(23)--Jose, A.; Munir, R. Modificacoes Dieteticas, Reposicao Hidrica, Suplementos Alimentares e Drogas: Comprovacao Ergogenica e Potenciais Ricos para a Saude. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 3. 2009.

(24)--Leite, N.; Lazarotto, L.; Fuzetti, J.; Fatima, M.; Cezar, P.; Torres, R.; Emilia, M.; Cieslak, F.; Eisfeld, G. Efeito do Exercicios Aquaticos e Orientacao Nutricional na Composicao Corporal de Criancas e Adolescentes Obesos, Revista Brasileira Cineantropom Desempenho Humano. Vol. 12. p.233. 2010.

(25)--Luiz, A.; Henrique, E.; Cameron, L. C. Resposta Fisiologicas e Mecanicas do Treinamento Intervalado, de Alta Intensidade, de Distancias Curta a Longas em Atletas de Natacao. Fitiness & Performance Journal. Vol. 2. Num. 2. p.76. 2003.

(26)--Magalhaes, J.; Lacerda, E.; Martins, F.; Silva, R.; Ribeiro, G. Marcadores Inflamatorios, Exercicio Fisico e Obesidade Infantil: Uma Revisao. Revista brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 8. p.227-230. 2014. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/art icle/view/603/567>

(27)--Mancini, R.; Pamela, D.; Ribeiro, A.; Silva, L.; Eugenia, T. Analise dos Niveis de Perda Hidrica e Porcentagem da Taxa de Sudorese em Atletas Nadadores de Competicao da Cidade de Sao Caetano do Sul-SP. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 4. Num. 19. p.30-33. 2010. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/161/159>

(28)--Maria, E. O Exercicio Aerobio Agudo (Natacao) Estimula a Funcionalidade Imunologica e Inflamatoria de Monocitos Circulantes em Ratos. Dissertacao de Mestrado. UFRGS. 2006. http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/6165

(29)--Menezes, A.; Braga, A.; Regina, M.; Dasdores, M.; Aparecida, O.; Kherlakian, R.; Lindenberg, M. Perfil Taxa de Sudorese e Condicoes Hidricas em Atletas de Natacao Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 9. Num. 51. p.252. 2014.

(30)--Reinaldo, J. Fisiologia da Termorregulacao Normal, Revista Neurociencias Sao Paulo. Vol. 13. Num. 3. p.14-15. 2005.

(31)--Rossi, L.; Aparecida, V.; Ortiz, C. Desidratacao e Recomendacoes para Reposicao Hidrica em Criancas Fisicamente Ativas. Revista Paul Pedriatra. 2010.

(32)--Sarah, D.; Azevedo, F.; Simone, K. Verificacao de um Biomarcador de Estresse Oxidativo em Atletas de Natacao em Periodo Especifico de Treinamento Fisico. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 9. Num. 51. p.98. 2014. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/art icle/view/746/678>

(33)--Soares, L. D.; Petroskl, E. L. Prevalencia, Fatores Etiologicos e Tratamento da Obesidade Infantil. Revista Brasileira de Cineatroppometria e Desempenho Humano. Num. 1. p.63-74. 2003.

(34)--Vicensi, B.; Fortuna, V.; Liberali, R. Percentual de Gordura de Criancas com Idade 6 a 10 anos de Duas Escolas do Ensino Fundamental de Marau-RS. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 2. Num. 9. p.370. 2008. Disponivel em: < http://www.rbpfex.com.br/index.php/rb pfex/art icle/view/97/101>

(35)--Yurie, L.; Eugenia, T.; Silva, L. Taxa de Sudorese e Perfil Antropometrico de Atletas do Genero Feminino de uma Equipe de Natacao, Revista Brasileira de Fisiologia do Exercicio. Vol. 10. Num. 3. p.152. 2011.

(36)--Zanou, N.; Mondin, L.; Fuster, C.; Seghers, F.; Dufour, I.; Clippele, M.; Schakman, O.; Tajeddine, N.; Iwata, Y.; Wakabayashi, S.; Voets, T.; Allard, B.; Gailly, P. Osmosensation in TRPV2 Dominant Negative Expressing Skeletal Muscle Fibres. Laboratory of Cell Physiology, PUBMED 2015.

Ricardo Alexandre de Miranda [1] Antonio Coppi Navarro [1]

[1]--Programa de Pos-Graduacao Lato Sensu da Universidade Estacio de Sa em Fisiologia do Exercicio: Prescricao do Exercicio.

E-mail dos autores: ricardoa_miranda@hotmail.com ac-navarro@uol.com.br

Endereco para correspondencia:

Rua Antenor de Souza Melo no. 700, Apto 33, Bloco Colibri.

Condominio Passaredo do Ytapeti. Jardim Marica, Mogi das Cruzes, Sao Paulo. CEP: 08775-370.

Recebido para publicacao em 22/07/2015

Aceito em 27/07/2015
Tabela 1--Exercicios realizados pelas amostras, com os
respectivos objetivos e classificados pelas

Chegadas                 Objetivo          Fisiologico        FC MAX.

8 X 34 Crawl           Aquecimento          Oxidativo         100 a
[20.sup...]                                  Aerobio          140

8 x 34 Braco de          Tecnicas            Aerobio          100
crawl pull Boy
[20.sup...]

9 x 34 crawl            Velocidade           ATP-CP           180
[30.sup...]

14 X 34 Crawl livre    Resistencia      Aerobio de media      160
45                        geral       Intensidade oxidativa
                                           glicolitico

9 x 34 perna de        Tecnicas de           Aerobio          140
crawl com nadadeira       pernas
[30.sup...]

6 x 34 crawl vai       Regenerativo          Aerobio          100 a
rapido e volta                                                120
devagar [30.sup...]

Tabela 2--Caracteristicas das amostras de criancas obesas do
genero masculino de natacao na Oasis Esporte.

Amostras   Idade    Peso   Estatura    FC      PA      % G     IMC
                     kg

A1         8,767    49,4     1,43      90    120/80   44,66   24,21
B2         11,197   77,5     1,64      72    120/70   50,14   28,91
C3         11,107   62,1     1,54      99    110/60   33,70   26,20
D4         12,022   54,2     1,47      88    110/60   43,10   25,09
E5         12,93    67,7     1,54      88    120/80   40,75   28,56
MEDIA       10,8    61,8     1,0      87,4   116,0    42,0    26,2
DP          1,6     11,0     0,0      9.7     5,5      6,2     1,8
MINIMO      8,0     49,0     1,0      72,0   110/60   33,0    24,0
MAXIMO      12,0    77,0     1,0      99,0   120/80   50,0    28,0

Amostras   DCT    DCSE

A1          24     31
B2          27     35
C3          20     21
D4          25     28
E5          23     27
MEDIA      23,8   28,4
DP         2,6    5,2
MINIMO     20,0    21
MAXIMO     27,0    35

Legenda: FC = Frequencia cardiaca, PA = Pressao arterial, %G =
Porcentagem de gordura, DCT = dobra cutanea tricipital,
DCSE = dobra cutanea subescapular.

Tabela 3--Resultado final das amostras peso corporal inicial
e final, porcentagem de agua, frequencia cardiaca final,
taxa de sudorese, ganho e perda de peso, agua ingerida
durante exercicio de natacao realizado na Oasis Esporte em
2015.

Amostras   PCI     PCF       %      FC (F)   Taxa de     Ganho e
           (KG)   (KG)    de Agua            Sudorese   perda peso
A1.        49,4   50,5    - 2,22    178bpm    - 0,02      1,100g
B2.        77,5   77,1    - 0,51    152bpm      0          400g
C3.        62,1   62,6    - 0,80    166bpm    - 0,01       500g
D4.        54,2   54,4    - 0,36    172bpm    - 0,01       200g
E5.        67,7   68,4    - 1,03    162bpm    - 0,02       700g
MEDIA      61,8   62,0    - 0,60    166,0      0,0        360,2
DP         11,0   10,83    0,89      9,90       0         269,82
Minimo     49,0   50,0      - 2      152       0,0         1.10
Maximo     77,0   77,0      0,0      178       0,0         700

Amostras     Agua
           Ingerida
A1.         200ml
B2.         400ml
C3.         400ml
D4.         400ml
E5.         600ml
MEDIA       400,0
DP          141,42
Minimo       200
Maximo       600

Legenda: PCI=Peso inicial, PCF=Peso Final.

Tabela 4--Frequencia Absoluta e relativa das amostras do
resultado de sudorese.

Taxa de sudorese   Frequencia Absoluta   Frequencia Relativa

0                  1                     20%
-0,01              2                     40%
-0,02              2                     40%
Total              5                     100%
COPYRIGHT 2016 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Miranda, Ricardo Alexandre; Navarro, Antonio Coppi
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Date:Mar 1, 2016
Words:6476
Previous Article:OS TRACOS DE PERSONALIDADE ASSOCIADOS NO DESENVOLVIMENTO DA OBESIDADE.
Next Article:IMPACTOS NUTRICIONAIS DA INGESTAO ALIMENTAR DOS ACIDOS GRAXOS OMEGA 3 E OLEO DE PALMA: UMA REVISAO.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters