Printer Friendly

300 anos de Lomonosov.

Introducao

O Ano Internacional da Quimica em 2011 e, antes de tudo, um periodo de reflexao sobre o papel desta Ciencia na construcao de um mundo melhor--seja na producao de conhecimento e tecnologia, seja na educacao em todos os niveis: algumas das palavras-chave neste contexto sao "sustentabilidade", "quimica verde" e "nanotecnologia". Nao obstante, ao olhar para o presente (e celebrarmos as conquistas ja alcancadas) e para o futuro (delineando estrategias para novas conquistas), inevitavelmente desviamos tambem nosso olhar para o passado, procurando entender como atingimos nosso atual estagio de desenvolvimento cientifico, principalmente na intencao de evitar os muitos erros que ja cometemos.

Neste olhar ao passado, muitas sao as personalidades em que podemos nos basear para construir gradativamente nosso conhecimento sobre a evolucao da Quimica ao longo do tempo. Por exemplo: no ano de 2011 celebra-se igualmente o centenario do Premio Nobel de Quimica atribuido a Marie Curie (que ja havia recebido o Premio de Fisica em 1903)--ao lado de uma analise criteriosa sobre a sua impactante contribuicao cientifica, nao poderiamos deixar de refletir nao somente sobre a sua condicao de mulher em um ambiente predominantemente masculino e adverso, mas tambem sobre a causa de sua morte, leucemia, provocada pela extensa exposicao aos materiais radioativos que eram objeto de sua pesquisa. Discorrer aqui sobre todas estas referencias nao e a intencao desta reflexao--muito embora o assunto seja extremamente atraente, e extremamente extenso.

Contudo, 2011 tambem e o ano do tricentenario do nascimento de um personagem assaz intrigante na Historia da Quimica: o russo Mikhail Vasilievich Lomonosov (1711-1765). Fisico, quimico, por vezes considerado o primeiro fisico-quimico da historia, geologo, astronomo, filologo, artista plastico e poeta, Lomonosov permanece praticamente desconhecido no meio cientifico do Brasil, embora seja bastante reverenciado na Russia onde e considerado o fundador da ciencia naquele pais--em algumas situacoes, denominam-no o "Leonardo (da Vinci) da Russia" [1], tendo o seu nome em universidade (M. V. Lomonosov Moscow State University) [2], com direito ate a minisserie biografica de TV, lancada em 1984 e dirigida por Aleksandr Proshkin [3, 4], quando ainda existia a Uniao das Republicas Socialistas Sovieticas; em adicao, o "Museu Lomonosov" localiza-se em Sao Petersburgo. Mais ao oeste, podemos encontrar referencias sobre Lomonosov em enciclopedias, eletronicas [5] ou nao [6], livros de Historia da Quimica [7-10], alem do trabalho biografico mais importante, desenvolvido pelo quimico historiador russo Boris Nikolayevich Menshutkin [11] e traduzido para o ingles em 1952 [12]. Menshutkin foi o primeiro pesquisador a chamar a atencao aos escritos cientificos de Lomonosov [11]. Alem de um artigo de 1912 escrito por Alexander Smith e publicado no Journal of the American Chemical Society [13], outros dois textos ja foram publicados no Journal of Chemical Education [14, 15]; no mesmo jornal podemos ainda encontrar um artigo de 1969 lidando com a manufatura de vidros e mosaicos, desenvolvida por Lomonosov [16]. Contudo, nao e comum encontrar em livros texto alguma citacao a este multifacetado cientista, e, quando presente, frequentemente esta citacao refere-se tao somente ao fato de ser considerado o precursor das ideias de Lavoisier com relacao a conservacao da massa em sistemas quimicos [17,18]. Considerando que a vida de Lomonosov, cientifica ou nao, e demasiado rica para permanecer praticamente nao divulgada, este artigo procura resgatar nao somente a importancia de seu trabalho, mas tambem alguns fatos ou situacoes que possam justificar, pelo menos parcialmente, o seu quase anonimato no Brasil.

UMA BIOGRAFIA RESUMIDA

O inicio da vida de Lomonosov nao indicava nada que favorecesse o desenvolvimento de um "universal scholar", como a ele se referiram Kauffman e Miller [15]: nasceu em novembro de 1711, no extremo noroeste da Russia (numa regiao muito proxima ao Circulo Polar Artico), em um vilarejo chamado entao de Mishaninskaia (que posteriormente fundiu-se a outra vila, Denisovka atualmente Lomonosovo), distante algumas dezenas de quilometros da referencia local mais significativa--Archangelsk, cidade do porto maritimo russo mais importante da epoca. Esta cidade e situada no delta do Rio Dvina que desagua no Mar Branco (um braco do Mar de Barentz, no Oceano Glacial Artico). Archangelsk e atualmente o ponto final de uma estrada de ferro de 1133 km que se inicia em Moscou. Em resumo: geografica e intelectualmente, Lomonosov nascia em um meio muito distante das ideias iluministas que inundaram a Europa Ocidental durante o seculo XVIII.

[FIGURE 1 OMITTED]

Por outro lado, se o local de nascimento nao o favoreceu, os lacos familiares tambem nao estimulariam o seu desenvolvimento intelectual. Filho de um iletrado, embora razoavelmente bem sucedido "pomor" (homem que fazia do mar o seu meio de vida, atraves da pesca e do comercio) [14], teria aprendido a ler em livros de oracoes com a ajuda de um vizinho (um sacerdote, segundo alguns biografos). Ainda crianca, acompanhou o pai nas muitas viagens que este fazia--a intencao era preparar Lomonosov para assumir os negocios da familia. Contudo, o constante relacionamento com outros comerciantes, com estrangeiros (principalmente da Inglaterra e da Alemanha) e com funcionarios de alfandega, despertou o seu interesse por uma educacao que nao estava disponivel na regiao natal: passou a ler qualquer livro que encontrava. Com 14 anos de idade ja havia lido "Gramatica Eslavonica" de Smotritskii, e "Aritmetica" de Magnitskii [15]. Enquanto o pai tentava encaminha-lo aos negocios, conquistou a antipatia de sua madrasta, que o acusava de desperdicar tempo com a leitura.

Contudo, se no ambiente familiar nao havia apoio ao seu grande interesse pelo estudo, fora dele as coisas seguiam outro rumo. O seculo XVIII ficou marcado na Historia Russa como um seculo de profundas mudancas na sociedade, cultura e tecnologia. Estas mudancas tiveram inicio com o Czar Pedro, o Grande (1672-1725), que dirigiu seus esforcos para a modernizacao e "ocidentalizacao" de uma nacao ate entao de tradicao cultural essencialmente oral e religiosa, onde o ensino era reservado aos membros da aristocracia e do clero: Pedro (e a Russia) comecava a sentir a influencia do pensamento iluminista. Esta obsessao de Pedro pela modernizacao/ocidentalizacao pode ser encarada como resultado de uma expedicao diplomatica russa a Europa Ocidental que durou 18 meses (1697-1698), da qual participou secretamente--um dos objetivos era a busca de maiores conhecimentos tecnicos, militares e de navegacao. O Czar acreditou encontrar nos paises do ocidente os exemplos do que julgava ser a civilizacao moderna, imaginando que seu povo pudesse se tornar comparavel ao daqueles paises: educado, bem vestido (e mais apresentavel aos olhos ocidentais: e famosa a taxacao das longas barbas, imposta por Pedro), alem de tecnicamente mais produtivo e competitivo. Enfim, o Czar conclamava seus suditos a transformar a Russia em uma nacao mais moderna e pensante, procurando retira-la da estagnacao nao somente cultural e cientifica, mas tambem militar. Esta influencia de Pedro, o Grande, nao terminou com a sua morte em 1725, mas refletiu-se tambem nos governos posteriores.

Neste contexto, em que o anseio pela intelectualidade e incompreendido pelo pai e pela madrasta, mas fomentado pelo poder czarista, Lomonosov toma a decisao mais importante da sua vida: em dezembro de 1730, sozinho e sem dinheiro, parte para Moscou, em busca de instrucao.

Apos semanas de marcha, e na intencao de esconder suas origens camponesas (pelas quais seria impedido de estudar), apresentou-se na Academia Slavo-Greco-Latina de Moscou como filho de um nobre, segundo Menshutkin [14], enquanto Kaufmann e Miller [15] afirmam que Lomonosov fingiu ser filho de um padre. Independente da mentira especifica utilizada, o embuste foi descoberto posteriormente e sua permanencia na Academia foi tolerada devido ao seu aproveitamento notavel nos estudos, principalmente em linguas, destacando-se em latim e sendo autodidata em grego, o que lhe permitiu estudar filosofos da antiguidade. Sustentando-se com uma bolsa de valor infimo, suficiente apenas para sobreviver, teve de suportar o desprezo dos demais alunos devido a sua idade e sua condicao de aldeao. Como o seu progresso foi muito rapido, concluiu seus estudos em cinco anos, tres a menos do que o inicialmente previsto.

Em 1703, Pedro, o Grande, havia edificado Sao Petersburgo--um projeto urbanistico de influencia ocidental--e em 1724 la estabeleceu a Academia de Ciencias, onde foi designado um grande numero de especialistas estrangeiros, principalmente de origem alema. Em 1735, devido a falta de alunos, foi solicitado a Academia Slavo-GrecoLatina de Moscou que enviasse a Sao Petersburgo 20 de seus melhores alunos. Contudo, naquele momento, existiam apenas 12 estudantes aptos em Moscou--e Lomonosov estava entre eles. Comecava ai a sua carreira academica, apos uma breve passagem pela Academia de Kiev onde procurou, sem sucesso, expandir seus conhecimentos nas ciencias naturais.

Se Lomonosov foi proeminente em Moscou, tambem se sobressaiu em Sao Petersburgo. Nesta epoca, o governo planejava expedicoes de repertoriamento mineral e prospeccao da Siberia, mas faltavam especialistas em mineralogia, mineracao e metalurgia, de nacionalidade russa, o que era bastante preocupante uma vez que tratava-se de assunto estrategico. Em adicao, nao havia na Russia educacao avancada em ciencia e tecnologia--a solucao encontrada foi enviar os melhores alunos de Sao Petersburgo para estudar na Alemanha, de modo a suprir estas deficiencias. Entre os tres estudantes agraciados, la estava novamente Lomonosov. As coisas melhoravam--a bolsa do governo russo era, agora, substancial.

Enviado a Universidade de Marburgo, aprendeu rapidamente a lingua alema e, sob orientacao de ninguem menos do que o filosofo racionalista Christian Wolff, durante tres anos (1736-1739) recebeu um forte embasamento em ciencias teoricas--filosofia, matematica, fisica (com o proprio Wolff) e quimica (com Julius Duising)--alem de desenho e lingua francesa. E deste periodo sua intencao de utilizar algebra para solucionar problemas em quimica. Desenvolveu, ainda, estudos em mineracao, historia natural, logica, hidraulica e hidrotecnia, levando a vida de forma impetuosa, como era tipico de estudantes germanicos da epoca. Infelizmente, a ligacao de Lomonosov com Wolff e pouco explorada na maioria das notas biograficas disponiveis pelo que nos permitimos aqui algumas breves consideracoes a respeito.

Christian Wolff (1679-1754) fez parte do Iluminismo Alemao, contribuindo principalmente nas areas de matematica e filosofia, sendo considerado figura historica central entre os sistemas filosoficos de Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716) e Imannuel Kant (1724-1804). No prefacio de "Critica da Razao Pura" em sua segunda edicao (1787), Kant afirmou que Wolff e o maior entre os filosofos dogmaticos, acrescentando que o seu metodo cientifico e baseado na determinacao correta de principios, na definicao clara de conceitos, na atencao a exatidao ou rigor das experiencias ou provas, e no cuidado que se deve ter nas inferencias [19]. Esta abordagem cientifica foi adotada por Lomonosov e utilizada pelo resto de sua vida; embora suas respectivas perspectivas sobre a ciencia fossem diferentes, respeitavam-se quanto as habilidades de cada um [15]. A este respeito, o biografo Menshutkin e incisivo: "as aulas de Wolf tiveram uma enorme influencia sobre Lomonosov e, sem duvida, determinaram o seu futuro cientifico" [12].

Outro ponto interessante entre orientador e orientado: ambos preocuparam-se muito com a linguagem--enquanto a Wolff e atribuido o credito de ser o primeiro filosofo a suprir os alemaes com um sistema filosofico completo em sua propria lingua, por muitos anos Lomonosov foi conhecido principalmente por sua contribuicao no estudo do idioma russo; seus estudos filologicos marcaram toda a sua vida intelectual e foram, de certa forma, tao importantes quanto seus trabalhos cientificos--em 1845, o renomado critico literario V. G. Bielinski (1811-1848) chegou a sauda-lo como "Pedro, o Grande da literatura russa", e o poeta e romancista Alexander Pushkin (1799-1837), considerado por muitos o fundador da literatura russa moderna, teria escrito: "... Ele (Lomonosov) criou a primeira universidade; na verdade, ele proprio foi a primeira universidade" [1].

A orientacao de Lomonosov nao foi o primeiro contato de Wolff com a nascente ciencia russa: ele havia sido conselheiro cientifico de Pedro, o Grande, entre 1716 e 1725, ajudando inclusive na fundacao na Academia Imperial de Ciencias de Sao Petersburgo. Encontrava-se em Marburgo na epoca da chegada de Lomonosov por ter sido banido da Universidade de Halle (hoje Universidade Martin Luther de HalleWittenberg), devido a oposicao dos adeptos do Pietismo a sua abordagem racionalista em, por exemplo, teologia e moralidade (o Pietismo, movimento surgido no final do seculo XVII dentro da Igreja Luterana, enfatizava a renovacao da piedade--o amor e respeito as coisas religiosas). Ao longo do tempo, os pietistas foram convencendo Frederico Guilherme I, rei da Prussia entre 1713 e 1740, da inadequacao das ideias de Wolff, o que culminou com a sua saida em 1723, apos 16 anos lecionando na Universidade. Em 1740, agora com Frederico II no poder, Wolff foi convidado a dirigir a reorganizada Academia de Berlim e era a sua intencao dividir o encargo com FrancoisMarie d'Arouet (Voltaire), mas como este declinou a oferta, retornou a Halle para ficar ate 1754, ano de sua morte.

Apos sua passagem por Marburgo, em 1739 Lomonosov dirigiu-se a Freiberg, para estudar mineralogia e metalurgia com o notorio Johann Friedrich Henckel (1679-1744). Freiberg era uma cidade mineira onde, anos mais tarde (em 1765), seria fundada a primeira Academia voltada para a pesquisa em mineracao--atualmente a Technische Universitat Bergakademie Freiberg. A boa relacao inicial entre Lomonosov e Henckel deteriorou-se rapidamente, provavelmente por uma serie de motivos, como aqueles indicados por Menshutkin [12]--as reclamacoes de Henckel com as bebedeiras de Lomonosov de um lado, e as acusacoes do russo com a cupidez e inabilidade do mentor de outro, sao um exemplo. Mas, o que chama a atencao e a postura filosofica antagonica de Henckel quando comparada a de Wolff, seu antecessor na orientacao de Lomonosov: aristoteliano, criado como luterano (seu pai presumivelmente era pietista), Henckel teve parte de sua formacao desenvolvida tambem dentro da Universidade de Halle que, como frisado anteriormente, era um centro de difusao do Pietismo. Ao contrario de Wolff, que fora banido de Halle, Henckel intercalou atividades de medicina com as de fisico e chegou a ser nomeado Conselheiro de Minas em 1732, estabelecendo em Freiberg um laboratorio para conduzir suas atividades oficiais em metalurgia e mineracao. Portanto, em sendo aristoteliano, nao e de se estranhar as possiveis desavencas com Lomonosov no que diz respeito, por exemplo, a interpretacao mecanistica da Quimica que este ultimo procurava desenvolver (como haveremos de ver mais adiante, Lomonosov questionou profundamente a teoria do flogisto, proposta no inicio daquele seculo--observe-se que, quando em Halle, Henckel foi orientado pelo medico e quimico alemao Georg Ernst Stahl, a quem e atribuido o desenvolvimento da ideia flogistica, inicialmente abordada em 1669 pelo alquimista Johann Joachim Becher, tambem alemao) [20].

As desavencas com Henckel culminaram com o retorno de Lomonosov a Marburgo ainda em 1739, onde se casou com Elizabeth Christine Zilch. Interessante notar que enquanto Menshutkin afirma que Elizabeth era a filha de um religioso local [12], e possivel encontrar uma outra versao [5]: ela, na verdade, teria sido filha de uma viuva, dona de uma hospedaria onde Lomonosov morou quando chegou a Marburgo. De qualquer forma, a primeira filha de Lomonosov, Ekaterina Elizaveta, nasceu ainda em 1739, segundo Kaufmann e Miller [15]. Lomonosov ainda teve mais dois filhos: Ivan, que nascido em 1741 morreu com apenas um mes de idade, e Elena, nascida em 1749. Uma neta sua portando um dote substancial, Sophia Konstantinova, casou com o heroi das Guerras Napoleonicas Nikolay Raevsky. Deste casamento, a filha mais nova, Mariya Raevskaya, se uniu a Sergei Volkonsky em janeiro de 1825; com a revolta em dezembro do mesmo ano (Sergei estava entre os revoltosos "dezembristas") e a vitoria do governo, Mariya acompanhou o seu marido para o exilio na Siberia, onde ficou conhecida como a "Princesa da Siberia" por sua filantropia e apoio a atividades artistico-culturais.

Antes de voltar a Sao Petersburgo em 1741, onde ficaria ate a sua morte, Lomonosov ainda visitou muitas minas na Alemanha e Holanda, finalizando a sua "formacao estrangeira". Todavia, o retorno a Russia nao foi tao tranquilo quanto se poderia esperar. Encontrou a Academia ainda nas maos dos alemaes e de incompetentes membros da nobreza russa, que haviam sido designados provisoriamente por Pedro, o Grande. Na concepcao de Lomonosov, que muito provavelmente deveria ser a mesma do Czar, estes dirigentes da Academia no periodo inicial deveriam ser substituidos por cientistas russos assim que estes estivessem qualificados. Alinhou-se a ala dos cientistas progressistas russos, que sonhavam a Academia de Sao Petersburgo transformada em um centro de excelencia independente. Este foi um dos motivos das muitas desavencas e inimizades que Lomonosov conquistou desde seu regresso a Russia.

Sua corpulencia e seu temperamento irascivel o levaram muitas vezes as vias de fato, o que lhe trouxe serios problemas. Em maio de 1743 foi detido e preso apos um violento confronto com o Secretario da Assembleia da Academia, C. N. Winsheim. Depois de oito meses de prisao, de uma retratacao publica, de uma diminuicao de 50% de seu salario por um ano, e de duas odes a filha de Pedro, Czarina Elizaveta Petrovna, finalmente foi solto em 19 de janeiro do ano seguinte, ano em que sua esposa e filha chegariam da Alemanha (Lomonosov manteve seu casamento em segredo por varios anos). Apesar deste seu temperamento, a partir de 1745 ocupou diversos cargos importantes na Academia, usufruindo de imensa popularidade como poeta.

A sua independencia e seu anti-autoritarismo, conflitantes nao somente com os colegas academicos, mas tambem com o governo czarista, acompanharam-no durante o restante de sua trajetoria em Sao Petersburgo, mas o convivio ficou ainda mais dificil apos a morte da Czarina Elizaveta Petrovna em 1761. Sua saude comecou a declinar em 1762, agravada pelo vicio do alcool. Finalmente, em 4 de abril de 1765 morria Mikhail Vasilevich Lomonosov, vitima de influenza. Logo apos o enterro, realizado com grande cerimonia, a entao Czarina Catarina II, a Grande, confiscou todas as suas notas lidando com ideias humanitarias e suas publicacoes foram purgadas de todo material progressista e humanitario, na tentativa de retrata-lo mais como um poeta da corte e um apoiador da monarquia e da religiao, do que um vencedor na educacao, oriundo do povo e nao da aristocracia ou do clero.

INTERVENCOES CIENTIFICAS

O trabalho cientifico de Lomonosov pode ser conhecido gracas ao trabalho de B. N. Menshutkin, quimico e historiador que, a partir de 1901, comecou a explorar os arquivos da Academia de Sao Petersburgo e redescobriu os seus manuscritos e dissertacoes, alem de suas cartas pessoais a ninguem menos do que o amigo proeminente Leonhard Paul Euler, matematico e fisico suico que trabalhou na Academia Russa entre 1727 e 1741, e entre 1766 e 1783 (ano de sua morte). Normalmente, este trabalho e dividido em duas fases: na primeira, entre 1741 e 1748, Lomonosov ocupouse quase exclusivamente com estudos em fisica teorica; a partir de 1748, as investigacoes quimicas (ou fisico-quimicas) foram o principal objeto de seu interesse. Esta segunda fase iniciou-se quando conseguiu receber verbas para a construcao de um laboratorio de quimica, o primeiro da Russia e, ao que consta, o primeiro no mundo a receber regularmente alunos para a realizacao de aulas praticas (somente em 1825 Justus Von Liebig estabeleceria em Giessen, na Alemanha, o seu laboratorio e o "modelo de Giessen" para o estudo da quimica) [21]. Sua solicitacao inicial de verbas a Academia para o estabelecimento deste tipo de laboratorio havia ocorrido seis anos antes, em 1742 [15].

Primeira fase

Toda a fisica teorica de Lomonosov possui a sua propria teoria molecular como alicerce, desenvolvida principalmente entre 1741 e 1743, numa epoca em que o modelo do atomo indivisivel dos filosofos gregos da Antiguidade ainda era, basicamente, o modo comum de se abordar a questao da composicao da materia. Discutia-se muito, tambem, a definicao do que era um elemento quimico [22-24] e, como bem apontado por Kauffman e Miller [15], a quimica e a fisica ainda estavam muito envolvidas com ideias misticas. Por outro lado, muitas explicacoes a fenomenos observados eram fornecidas atraves de misteriosos e delicados fluidos, que eram invisiveis e indistinguiveis: calor, luz, gravidade, eletricidade etc [12].

A teoria molecular de Lomonosov teve como inspiracao os trabalhos do filosofo natural irlandes Robert Boyle (1627-1691) e, segundo Menshutkin, Lomonosov deixou isso bem claro em alguns de seus memorandos. Em um deles, datado de 1756, escreve Lomonosov [12]: "Apos eu ler Boyle, um desejo apaixonado de investigar as diminutas particulas das substancias tomou conta de mim. Por dezoito anos eu tenho pensado sobre elas; nao e o meu habito comecar a pensar em algo somente quando o tempo de explica-las chegou". Portanto, foi a partir dos trabalhos de Boyle que Lomonosov abracou a ideia de que era necessario estudar as diminutas particulas com o auxilio da matematica, da fisica e da quimica.

A teoria de Lomonosov baseia-se na hipotese de que as substancias sao formadas a partir de particulas elementares, e as propriedades destas particulas determinam as propriedades das substancias que elas formam. De acordo com esta visao, cada corpo fisico consiste de corpos de materia extremamente pequenos (corpusculos) que nao podem ser mais fisicamente subdivididos, sendo capazes de mutua coesao. A estas particulas (ou corpusculos) Lomonosov denominou "particulas fisicas insensiveis" (insensiveis no sentido de que seria impossivel observa-las diretamente, mesmo com a ajuda de um microscopio ou outro dispositivo qualquer).

Para Lomonosov, cada "particula insensivel" representa uma substancia, possuindo dimensoes definidas, embora extremamente pequena, massa e, em geral, todas as propriedades dos corpos fisicos acessiveis aos nossos sentidos, podendo moverse segundo as leis da mecanica. Em adicao, as propriedades de todos os corpos, como calor, frio, peso e mutua coesao entre as suas partes, modificam-se como resultado da uniao, divisao, ou transferencia de "particulas insensiveis"; assim, as causas das qualidades das particulas consistem em suas dimensoes, em sua forma e em seus movimentos. Com relacao a forma das particulas elementares, Lomonosov considerou-as esfericas, muito duras, com irregularidades insignificantes e nao sujeitas a qualquer tipo de mudanca fisica. Embora estas consideracoes possam parecer simplistas demais atualmente, e preciso ter em mente que Dalton sugeriu o seu modelo atomico somente no inicio do seculo XIX.

Lomonosov continua: corpos quimicamente diferentes tambem possuem particulas insensiveis que diferem em suas composicoes quimicas. Na analise quimica, apenas um numero relativamente pequeno de componentes e obtido, e estes nao podem ser quimicamente decompostos--estes sao os "fundamentais" ou "primitivos" na terminologia de Lomonosov, e que corresponderiam hoje aos elementos quimicos. Cada particula elementar de uma substancia composta contem primitivos nas mesmas proporcoes que a propria substancia considerada como corpo fisico [12]. Em outras palavras: "o corpo combinado e algo que consiste de dois ou mais primitivos, combinados de tal maneira que cada corpusculo possui a mesma relacao com os seus constituintes primitivos, assim como o corpo combinado, considerado no todo, possui com todos os primitivos separados" [15] (aproximadamente seis decadas mais tarde, Proust e Dalton anunciariam suas respectivas leis estequiometricas experimentais). Portanto, as correlacoes particula insensivel ou corpusculo/molecula e primitivo/elemento quimico, quando se compara a teoria de Lomonosov e a teoria atual, sao diretas.

Ainda com relacao a estequiometria, um registro muito interessante e datado de 1748--em uma carta ao amigo Euler [15] escreve: "Toda mudanca que tem lugar na natureza ocorre de tal maneira que se algo e adicionado a uma coisa, este algo e subtraido de outro corpo. Entao, materia adicionada a um corpo e perdida por outro corpo ..." Este e o carater precursor de Lomonosov com relacao a Lavoisier, quando a ele nos referimos anteriormente no que diz respeito a conservacao de massa em sistemas quimicos (algumas decadas mais tarde, Lavoisier iria revolucionar a quimica) [23, 24]. Para esta proposicao de conservacao da massa, em 1756 Lomonosov iria obter evidencias experimentais (discutiremos este fato no proximo item, a segunda fase de sua contribuicao cientifica).

Assim, de particular interesse e a maneira como Lomonosov distinguiu dois tipos de particulas elementares: o primeiro tipo seria de particulas menores, que ele denominou de primitivos, e um segundo tipo, de particulas maiores compostas de primitivos, entao designados como corpusculos ou particulas insensiveis, que corresponderiam ao que chamamos de moleculas atualmente. Em "Elementos de Matematica Quimica" [15] ou "Os principios da Quimica Matematica" [12], escrito em 1741, sugere ainda que a partir de um mesmo numero de elementos, diferentes corpusculos deveriam resultar se os elementos fossem combinados de forma diferente [14]--esta e uma deducao teorica dos isomeros aos quais iria se referir J. J. Berzelius, quase 90 anos depois, ja de posse da ideia de John Dalton para o atomo. Importante lembrar que os conceitos exatos de molecula e atomo foram estabelecidos apenas um seculo mais tarde, no primeiro congresso internacional de quimica em Karlsruhe, na Alemanha, em 1860. Infelizmente, as ideias contidas na teoria molecular de Lomonosov nao contribuiram para as proposicoes entao levantadas simplesmente porque permaneceram nao-publicadas ate 1904, quando entao o biografo Menshutkin as divulgou [12]. Torna-se dificil imaginar qual seria o impacto destas ideias se estas tivessem sido amplamente divulgadas e discutidas em centros de efervescencia iluminista durante o seculo XVIII, como a Franca ou a Alemanha, por exemplo.

Lomonosov realizou duas importantes aplicacoes desta teoria, que em cartas a Euler batizou como "Teoria Corpuscular". A primeira foi escrita em 1744 e apresentada a Academia de Ciencias de Sao Petersburgo em 1745, tendo sido publicada em 1747. Trata-se de uma dissertacao em latim, cujo titulo poderia ser traduzido como "Reflexoes sobre a causa do calor e do frio (Meditationes de Caloris et Frigoris Causa)" [14, 15, 25], concebida numa epoca em que as discussoes cientificas ocorriam de forma generalizada em torno do conceito do flogisto como o fogo elementar, o principio material responsavel pela combustibilidade das substancias, e a nocao do calorico como substancia material do calor [20], nocao esta que se opunha a ideia do calor como efeito do movimento de particulas de materia, defendida por parte dos fisicos da epoca. Lomonosov se opos tanto ao flogisto quanto ao calorico, baseando os seus argumentos em sua teoria corpuscular, o que, na epoca, poderia ser considerado como um posicionamento algo radical. Por exemplo: posteriormente, Lavoisier iria repudiar contundentemente o flogisto de Stahl, mas seria seduzido pela ideia do calorico, embora em suas memorias de seu trabalho sobre o calor com Pierre Simon Laplace, expostas em 1783, tenha hesitado entre o calor como material fluido e o calor como resultado da agitacao das particulas da materia [20, 23, 24, 26, 27]. No que diz respeito a contestacao de Lomonosov ao flogisto, discutiremos este assunto em particular mais adiante, no que se considera a segunda fase de sua producao cientifica. Aqui nos preocuparemos com a interpretacao de Lomonosov quanto a natureza do calor.

Ainda em suas "Meditationes de caloris et frigoris causa" procurava deixar evidente que o aquecimento dos corpos era resultado do movimento, nao do corpo em si, mas sim das "particulas insensiveis" da substancia. Os movimentos possiveis seriam progressivo (quando as particulas trocam de lugar), vibratorio ou oscilatorio (aproximacao e afastamento entre as particulas) e rotatorio (rotacao sobre o proprio eixo da particula). Aplicando este principio a um solido, considerou que apenas a rotacao deveria ser possivel face a estabilidade das interconexoes das particulas que as impediria dos movimentos progressivo e vibratorio. Portanto, concluiu que uma vez que a rotacao e permitida tanto para solidos como para liquidos e gases, este tipo de movimento deve ser a causa primaria do calor [12].

Seguindo esta ideia, Lomonosov foi alem, prenunciando a condicao de zero absoluto: nao se poderia conceber a maior velocidade de movimento e, portanto, nao haveria como estabelecer o maior grau possivel de calor; no entanto, poder-se-ia imaginar facilmente o cessamento total de qualquer movimento das particulas, o que corresponderia a produzir a situacao mais fria possivel [12, 15].

Se Lomonosov antecipou-se a ideia do zero absoluto, tambem o fez com relacao ao segundo principio da termodinamica, como salientado por Shneiderov em uma carta a revista Science em 1946 [25]. Aqui traduzimos um trecho desta carta, atribuido a Lomonosov por Menshutkin: "Um corpo A que atua sobre um corpo B nao pode adicionar a este ultimo uma velocidade maior que aquela que ele mesmo possui. Se, portanto, o corpo B esta frio e imerso em um corpo A gasoso e quente, o movimento que produz calor das particulas do corpo A induz as particulas do corpo B a movimentos que produzem calor, mas nao podem induzir nas particulas do corpo B uma velocidade maior do que aquelas que estao presentes nas particulas do corpo A. Logo, o corpo frio B, estando imerso no corpo A, nao pode sentir um grau de calor maior do que aquele que o corpo A possui". Esta sua concepcao de transferencia de calor de um corpo quente para um corpo frio e seus estudos sobre gases e a "forca elastica do ar" (a ser discutido a seguir) foram inspirados nas pesquisas de Daniel Bernoulli enquanto membro da Academia de Ciencias de Sao Petersburgo, e publicados em 1738 ("Hydrodynamics") [12].

A segunda aplicacao importante da "Teoria Corpuscular" das particulas insensiveis foi realizada no intuito de compreender a estrutura de substancias gasosas e a "forca elastica do ar", isto e, a capacidade do ar de expandir-se quando a pressao e reduzida, e contrair-se quando a pressao e aumentada. Para desenvolver esta aplicacao, Lomonosov foi fortemente influencido pela "Hydrodynamica" de Bernoulli, cujas pesquisas lidavam com as leis de movimento de fluidos inelasticos (liquidos) e fluidos elasticos (gases). A teoria de Bernoulli para fluidos elasticos, que procurava explicar as suas principais propriedades (ponderabilidade, capacidade de expandir-se em todas as direcoes e contrair-se quando a pressao e aumentada), consiste em assumir que um fluido elastico e constituido de pequenos corpusculos que movem-se com altas velocidades e que mantem uma pressao interna como resultado dos choques contra as paredes do recipiente que contem o fluido. Observe-se que a teoria cinetica dos gases foi estabelecida somente no seculo seguinte. Estas ideias eram muito avancadas para a epoca, e Bernoulli nada deixou registrado sobre como e por que meios as particulas do ar mantinham-se em movimento. Lomonosov concentrou-se sobre este particular [12].

Para Lomonosov, a capacidade elastica do ar e resultado da tendencia das particulas insensiveis de separarem-se umas das outras quando a pressao e diminuida. As particulas de ar sao consideradas como sendo muito duras, elasticas, esfericas e com irregularidades infinitamente pequenas. A experiencia mostrava que o ar poderia ser comprimido ate um trigesimo do seu volume a pressoes ordinarias, ou seja, as particulas de ar mantinham-se bastante separadas. Por outro lado, o contato entre as particulas era necessario para que atuassem umas sobre as outras. Estas conclusoes aparentemente contraditorias poderiam ser conciliadas somente se assumir-se que nem todos os atomos encontram-se nesta condicao em um dado momento. Alem disso, o estado de particulas individuais ocorre somente em curtissimos intervalos de tempo. Na verdade, algumas particulas estao colidindo entre si a grande velocidade, enquanto outras estao, ao mesmo tempo repelindo-se mutuamente, mas colidindo com particulas proximas--em resumo: as particulas estao dispersando-se em todas as direcoes para evitar frequentes colisoes umas com as outras.

Lomonosov continua: as particulas de ar possuem massa e estao sujeitas a acao da gravidade. Isto faz com que as que estao mais acima caem sobre aquelas mais abaixo, empurrando-as. Porem, em vista do seu grande numero, seria impossivel a queda vertical da particula (isto deveria ocorrer apenas raramente). Mais frequente deveria ser a queda em direcao diagonal em funcao da repulsao das particulas que estao mais abaixo--portanto, a elasticidade do ar deveria manifestar-se em todas as direcoes. Em adicao, quanto mais quente o ar, maior seria a velocidade de movimento rotatorio das particulas, mais forte seria a repulsao entre elas e maior seria a elasticidade do ar.

Estas ideias estao descritas em dissertacao de Lomonosov de 1748, intitulada "Ensaio de uma Teoria sobre a Forca Elastica do Ar (Tentamen Theoriae de vis Aeris Elastica)" [12, 15]. Posteriormente ele escreveu um suplemento a esta teoria baseandose em experimentos de Bernoulli, que havia concluido em 1738 que o ar sujeito a grandes pressoes nao se contrai na exata proporcao inversa a pressao devido, por exemplo, a formacao de ar comprimido quando da explosao de polvora em arma de fogo [12]. Lomonosov considerou que a alta temperatura durante a explosao teria papel importante no aumento da pressao dos gases oriundos da polvora. Em adicao, explicou que o volume real de um gas a alta pressao e maior do que aquele calculado pela lei de Boyle porque as proprias particulas insensiveis do gas ocupam determinado volume. Mais de um seculo mais tarde, van der Waals iria considerar este fator na obtencao de sua equacao de estado para gases reais, alem do fator atrativo entre as moleculas dos gases.

Com relacao a esta teoria do ar, pode-se afirmar que, indubitavelmente, Lomonosov estava muito bem inteirado nao so do trabalho de Bernoulli como tambem da fisica de Isaac Newton para o ar, e e bastante provavel que tambem tenha se interessado pelo trabalho de Voltaire em 1738, quando este defendeu, entre outras coisas, que o ar era uma colecao de pequenas esferas elasticas que ricocheteavam entre si e de tal maneira que exerceriam pressao sobre todos os obstaculos que se colocassem em seu caminho. Estas esferas seriam colocadas em movimento por acao do "fogo material" [12]. Lomonosov, portanto, desenvolveu a sua teoria para o ar baseando-se, principalmente, em sua propria teoria corpuscular aliada a relacao que estabeleceu entre calor e movimento.

Alem destas duas contribuicoes baseadas na teoria corpuscular, Lomonosov desenvolveu outros trabalhos cientificos no periodo 1741-1748: a descricao de um cometa; observacoes do movimento ondulatorio do ar no interior de minas; experimentos com a eletricidade e com as descargas eletricas em tempestades; um metodo para se medir temperaturas no fundo de mares congelados; analises quimicas de sais, minerios e rochas etc. Digna de nota e a sua visao teorica do processo de formacao de uma solucao, diferenciando experimentalmente a dissolucao com evolucao de calor (como um metal em acido, por exemplo) da dissolucao com absorcao de calor (a maioria dos sais em agua), uma diferenciacao creditada geralmente a Lavoisier em 1789 [15].

Segunda fase

Com o inicio das atividades em seu laboratorio em outubro de 1748, Lomonosov dirigiu seu principal interesse para a quimica experimental, embora nunca interrompesse completamente o seu trabalho em fisica teorica. A partir de entao, tendo balancas a sua disposicao, pode introduzir metodos quantitativos na quimica e confirmar sua lei da conservacao da materia [15], como veremos a seguir--como salientado por Menshutkin, o progresso real da quimica comecou apenas quando estes metodos quantitativos foram aplicados [12], e o exemplo mais conhecido para esta afirmacao e o trabalho de Lavoisier [23, 24, 26].

Lomonosov entendia a quimica como uma ciencia que procurava unificar os fatos quimicos atraves de metodos matematicos incorporados em um sistema baseado na teoria da estrutura da materia, e a fisica deveria ser utilizada para definir e unificar os dados quimicos. Com isto em mente, planejou nao somente o seu proprio laboratorio como tambem as aulas que ali seriam ministradas a seus alunos [12], procurando aplicar sua teoria corpuscular tambem na quimica--toda esta abordagem resultou em "sua" fisico-quimica.

Um ponto importante deste periodo e o estabelecimento do curso de fisicoquimica: entre 1752 e 1754 ministrou uma serie de aulas a seus alunos compiladas como "Uma Introducao a Fisico-Quimica Verdadeira" [15] ou "Curso da Fisico-Quimica Verdadeira" [14]. Definia Lomonosov: "Fisico-quimica e a ciencia que explica as causas do que ocorre em substancias compostas atraves de operacoes quimicas, por meio de leis fisicas e experimentos ... Nos chamamos este trabalho de fisico-quimica porque decidimos incluir apenas o que conduz a uma explicacao cientifica da composicao das substancias" [12, 14].

[FIGURE 2 OMITTED]

Tambem de relevancia e a sua atuacao como professor de fisico-quimica, atuacao esta baseada na sua visao particular do que deveria ser um quimico: nao so teorico, mas tambem com dominio pratico/experimental [15]. Assim, inicialmente ministrava aulas teoricas com experimentos e demonstracoes; seguia-se, entao, um curso pratico no laboratorio onde os temas das aulas teoricas eram reforcados; finalmente, o dominio pelo estudante dos temas desenvolvidos nas aulas e seu desempenho nas atividades praticas eram avaliados atraves de sua habilidade em realizar investigacoes independentes. As semelhancas entre esta conduta de Lomonosov [12] e o "metodo de Giessen" aplicado por Liebig a partir de 1825 [21] sao muitas, mas a continuidade de seu trabalho por provaveis discipulos foi prejudicada: o primeiro laboratorio russo foi demolido ja em 1783, dezessete anos apos sua morte, para dar lugar a um predio da entao recem fundada Academia Imperial Russa [12].

Durante o curso de fisico-quimica, Lomonosov propos numerosas experiencias em solucao aquosa que, por falta de equipamento, nao foram possiveis de realizar em sua totalidade. Apesar de planejar muitos dos metodos e aparelhos necessarios, apenas alguns destes foram por ele construidos. Menshutkin distingue-o como o primeiro fisicoquimico da historia [12, 14]: usualmente considera-se Wilhelm Ostwald (1853-1932) o fundador da fisico-quimica [15], tendo este recebido o Premio Nobel de Quimica em 1909 por suas pesquisas em catalise, equilibrio quimico e cinetica quimica.

Outro trabalho importante deste periodo sao suas investigacoes sobre os experimentos de Boyle, investigacoes estas que produziram um duplo resultado: (i) evidencias experimentais a favor da lei da conservacao da materia e (ii) evidencias experimentais contra a existencia do flogisto. Para entender o impacto destes resultados, e preciso situar-se nas interpretacoes cientificas da epoca para alguns fatos relacionados.

Anteriormente nos referimos a uma carta de 1748 destinada a Euler, onde Lomonosov comentava sobre a conservacao da materia. Aqui e preciso ter em mente que esta proposicao nao era inedita, uma vez que filosofos dos seculos XVII e XVIII ja haviam se manifestado a favor da materia que nao poderia ser criada nem destruida. Contudo, esta proposicao era entao considerada como evidente por si mesma, nao necessitando de quaisquer provas. Este seria um dos motivos pelos quais Lomonosov nao se sentiu estimulado a publicar suas proprias ideias. O outro motivo seria que o proprio Lomonosov nao tinha uma clara nocao da importancia da conservacao da materia em transformacoes quimicas. No entanto, nos anos de 1752 e 1753, ja dispondo de balancas adequadas, ele conduziu uma serie de experimentos que o levaram a crer estar diante de uma lei que poderia ser experimentalmente provada [12].

Outras questoes intimamente relacionadas com a anterior eram a natureza do fogo, do processo de queima e da calcinacao de metais. Estas questoes eram fundamentais, uma vez que naquele periodo o fogo, sob qualquer forma, era visto como o agente ativo basico em operacoes quimicas, sendo considerado uma substancia por muitos cientistas. Das transformacoes quimicas produzidas com o auxilio do fogo, a calcinacao de metais atraia muita atencao, sendo de extrema importancia na epoca a experiencia de Boyle, realizada em 1673: apos calcinar chumbo em uma retorta fechada, Boyle abriu a retorta e verificou que a massa do material apos o aquecimento era maior do que a massa do metal original--concluiu que corpusculos de fogo haviam atravessado as paredes de vidro da retorta, sendo entao absorvidos pelo metal [15]. Posteriormente, Stahl e seus muitos seguidores procuraram adaptar as observacoes experimentais a respectiva teoria de varias formas, inclusive atribuindo uma massa negativa ao flogisto uma vez que este deveria abandonar a materia quando de sua queima [20].

Lomonosov repetiu os experimentos de Boyle, mas introduziu uma modificacao: nao abriu a retorta apos a calcinacao do metal--como resultado, a massa do metal antes e apos o aquecimento era a mesma. Refutou nao somente a interpretacao de Boyle, mas tambem a do flogisto, tendo em mente a sua concepcao de calor como movimento da materia [15] e acrescentou: "o aumento de peso do metal apos a calcinacao e ocasionado pela sua combinacao com o ar". Em 1773, Lavoisier iria mais alem. Tambem repetindo os experimentos de Boyle, obteria basicamente os mesmos resultados, mas com uma nova e importante observacao: apenas uma parte do ar dentro da retorta fechada era capaz de unir-se ao metal [12, 14]. Registre-se: enquanto Menshutkin afirma que Lavoisier nao teria conhecimento dos resultados de Lomonosov [14], J. H. Maar sugere que o cientista frances deveria ter conhecimento, pelo menos parcial, dos trabalhos desenvolvidos pelo russo, uma vez que citara em algumas ocasioes as "Memorias da Academia de Sao Petersburgo" [10].

Outras atividades desenvolvidas neste periodo incluem: a combinacao de resultados experimentais com especulacoes teoricas sobre a natureza de compostos quimicos e sua afinidades quimicas, baseadas em sua interpretacao cinetica do calor; exposicoes publicas em que apresentava a quimica como uma ciencia nao apenas experimental mas tambem, e mais importante, como uma ciencia teorica; discussoes sobre os problemas da quimica e de seu ensino; mais de 4000 experimentos sobre a manufatura de vidros coloridos; e a continuacao de seus estudos sobre fenomenos atmosfericos relacionados a eletricidade [15].

[FIGURE 3 OMITTED]

GEOCIENCIAS E ASTRONOMIA

Lomonossov tambem deixou marcas importantes nas geociencias, especialmente em astronomia, geofisica, geologia e mineralogia. Nestes campos, suas principais obras foram certamente "Uma palavra sobre a formacao dos metais pelos tremores da Terra" (1757) e "Sobre as camadas da Terra" (1763), onde sustenta a hipotese da continua renovacao da superficie terrestre, o que viria a ser conhecido posteriormente como o ciclo genetico das rochas. Neste sentido ainda, foi o primeiro a distinguir processos geologicos endogenos como tectonismo e vulcanismo, e exogenos como intemperismo. Introduziu o conceito de epirogenese e orogenese contestando o pensamento da epoca que considerava o planeta uma entidade totalmente estatica do ponto de vista geologico. Na mesma obra inclui como apendice um estudo sobre as florestas e da qualidade do solo e sua relacao com a vegetacao, no que viria a ser a pedologia no futuro [28]. Seus estudos em mineralogia nao foram menos importantes, uma vez que observou que diversos minerais ocorriam sempre juntos na natureza, sendo que sua presenca ou ausencia permitia especular sobre a existencia de outros minerais de interesse associados em uma mesma regiao geologica. Este fenomeno e conhecido atualmente como paragenese, e e uma importante ferramenta de prospeccao mineral. Ao longo de seus estudos com minerais, por meio de analises quimicas, provou pela primeira vez a origem organica do solo, do carvao, do petroleo, da turfa e do ambar [29]. De maneira independente, Wollaston, Hooke, Huygens, e Lomonosov introduziram a nocao de cristal e edificios moleculares. Ao longo de seus estudos sobre as propriedades das solucoes, interessou-se particularmente pelos fenomenos da cristalizacao e da dissolucao dos sais, elaborando um estudo sistematico dos cristais minerais. Em sua "Dissertacao sobre a Geracao e a Natureza dos Salitres (Dissertatio de generatione et natura nitri)" (1749) e suas "Meditacoes Sobre os Solidos e Liquidos (Meditationes de Solido et Fluido)" (1760), procura explicar o processo de cristalizacao utilizando a teoria corpuscular e da origem aos primeiros argumentos para a existencia de empacotamentos compactos como os conhecemos hoje: "Se assumirmos que as particulas de salitre organizadas possuem o formato esferico, ao qual os mais perfeitos corpos naturais tendem na maioria da vezes ao empilharem-se, e muito facil explicar o porque de o salitre crescer em cristais hexagonais" [30, 31].

Seus trabalhos de geografia como a "Discussao Sobre a Grande Precisao Das Rotas Maritimas" (1759), a "Discussao Sobre a Formacao dos Icebergs nos mares do Norte" (1760) e seu "Breve Ensaio Sobre as Varias Viagens Aos Mares do Norte e uma Indicacao de uma possivel Passagem pelo Oceano da Siberia para o Leste da India" (1763), contribuiram muito para a navegacao nos mares gelados alem de oferecerem o primeiro estudo sobre auroras boreais que se conheca.

Lomonosov estudou com afinco as propriedades da luz (suas mais importantes obras sao "Discurso Sobre A Propagacao da Luz e Sobre" e "A Origem da Luz e das Cores", ambas de 1756), e construira diversos instrumentos oticos. A sua observacao de Venus, "A passagem de Venus em 26 de maio de 1761", o levou a deduzir que este possuia atmosfera, e que a possibilidade de existiram outros planetas habitados era real. Afirmava que o Universo era infinito e que os corpos celestes como o sol e os planetas possuiam uma natureza fisica e concreta [21].

UM HOMEM DA ARTE, HISTORIA E DAS LETRAS

Mikhail Lomonosov acompanhou de perto a construcao da Universidade Estadual de Moscou, (atualmente a Universidade Estatal de Moscou M. V. Lomonosov) da qual desenhou as plantas originais. Passou a ser conselheiro da mesma a partir de 1757 promovendo profundas reformas na entidade e e considerado hoje a personagem principal de sua fundacao [32].

[FIGURE 4 OMITTED]

Durante toda sua vida, Lomonosov dedicou-se nao somente as ciencias, mas tambem a Arte e, sobretudo, as Letras. Por muitos anos e ate bem recentemente, foi conhecido principalmente por sua contribuicao no estudo do Idioma Russo, e algumas enciclopedias do comeco do seculo 20 erroneamente apresentavam este personagem como sendo duas pessoas distintas e homonimas, uma linguista e outra cientista. Seus estudos linguisticos e filologicos sempre acompanharam seus trabalhos cientificos, com a mesma dimensao e importancia. Estes estudos foram tao colossais que Lomonosov foi considerado por V. G. Bielinski em 1845 o "fundador da Literatura Russa". A diversidade de sua obra literaria nao era menor e muitas vezes seu talento com as letras foi utilizado com propositos politicos ja que escreveu algumas de suas principais obras a pedido da Czarina Elizaveta, filha de Pedro, o Grande, como e o caso da "Gramatica Russa (Rossiyskaya grammatika, 1755)" e a sua "Pequena Cronica Russa (Kratkoy rossiyskoy letopisets, 1760)". Suas odes nao eram menos famosas e sao consideradas por muitos como as mais sonoras e brilhantes ja escritas no idioma russo, tanto que aquelas dedicadas a Czarina ajudaram-no a livrar-se da prisao. Desde muito jovem ja escrevia odes triunfais ("Para a retomada de Khotin", 1739), religiosas (imitando salmos) e satiricas ("Hino a barba", dirigida contra o arcebispo Setchonov, 1757), cancoes, poemas didaticos ("Epistola sobre a utilidade do vidro", 1752), alem de pecas de teatro ("Tamira e Selim", 1750; "Demofonte", 1752). Em uma de suas odes mais famosas ("Meditacoes da noite e da manha sobre a grandeza de Deus", 1743) [33] revela sua obsessao pela ordem e harmonia do universo imposta pelo Todo Poderoso. Sua relacao de amor com o idioma russo era tao forte que certa vez escreveu: "Carlos V, Imperador, aconselhava a falar: com Deus em espanhol, com os amigos em frances, com os inimigos em alemao e com as damas em italiano. Mas se Carlos V conhecesse a lingua russa, diria, certamente, que em russo se pode falar com todos: com Deus, com os amigos, com os inimigos e com as damas, porque a lingua russa tem a majestade do espanhol, a vivacidade do frances, a forca do alemao, a leveza do italiano e, alem disso, a riqueza, a expressividade e a concisao do latim e do grego" [34].

O trabalho de Lomonosov, alem de original, era sempre muito oportuno, pois era necessario na epoca condensar todo conhecimento dos principais teoricos e gramatologos classicos e ilustra-lo com exemplos nacionais, estabelecendo novas bases para a literatura russa. Sua obra teorica foi de suma importancia: em sua "Carta sobre as regras da prosodia russa", 1739, ele preconiza o sistema silabo-tonico, que se tornaria a base da prosodia russa. A "Retorica" e o "Guia breve de eloquencia" (1748) formulam claramente as principais regras do discurso em prosa e em verso, preocupado tambem com os problemas da criacao poetica. Cria subsequentemente, a primeira crestomatia russa. Enfim, em "Sobre a utilidade dos livros eclesiasticos para o Idioma russo" (1757) ressalta a importancia do eslavao como manancial lexicologico para o idioma russo, e elabora uma distincao entre estilos literarios (elevado, medio e baixo), fundados numa proporcao variavel das palavras comuns ao eslavao e ao russo moderno, das palavras proprias ao eslavao, e das palavras exclusivamente russas [35-37].

No entanto, sua incursao pela Historia talvez tenha sido seu unico fracasso intelectual. Publicada depois de sua morte e traduzida para o frances em 1769, a "Historia Antiga da Russia" (1766) retratou o periodo que abrangeu desde a origem da nacao russa ate a morte do Grao-duque Iaroslav I (1054), nao sendo bem recebida pelos intelectuais da epoca que a julgaram superficial e com enfase desnecessaria em certos pontos [36, 38].

UMA "SPIN-OFF" ...

Lomonosov tinha plena consciencia do valor de sua ciencia e das consequencias tecnologicas que acarretaria. Seus trabalhos com o vidro nao permaneceram somente no papel. A partir de 1752, o laboratorio havia se tornado pequeno demais para a producao em larga escala daqueles vidros e esmaltes que faziam tanto sucesso no Pais. Lomonosov e seus alunos montaram, entao, uma manufatura de vidro em Ust Ruditsy, proxima a Sao Petersburgo, com terreno, mao de obra (40 artistas e aprendizes, alem de 20 operarios) e dinheiro cedidos pelo Governo Imperial. Dentro da fabrica mandou construir um laboratorio de pesquisa e desenvolvimento, coisa bem incomum para a epoca. Tres anos mais tarde, a fabrica comecava a produzir contas de vidro e material para mosaicos, sob a direcao de seu cunhado Ivan Zilch e dois de seus alunos: Vasil'ev e Mel'nikov. Visando acelerar e otimizar os processos da fabricacao do vidro, Lomonosov enveredou-se em projetos de engenharia e tecnologia quimica. A demanda por estes objetos, que agora incluiam pratos, copos e botoes, entre outros, era muito baixa para garantir a sustentabilidade da empresa. Pensando nisto, Lomonosov tentou abrir uma loja de fabrica, para facilitar o escoamento de suas mercadorias, mas nao pode faze-lo devido a entraves legais e burocraticos. Deste modo, foi forcado a contrair dividas crescentes para manter a manufatura, chegando ao ponto de morrer sem possuir dinheiro suficiente para seu sepultamento, que foi financiado pela Coroa Russa. Apesar destes reveses, existe ate um tipo bem caracteristico de porcelana russa chamada Lomonosov [15, 39].

[FIGURA 5 OMITTED]

Consideracoes Finais

O primeiro ponto interessante ao se estudar o trabalho de Lomonosov e procurar entender o seu quase anonimato fora de seu pais de origem. Se antes da Revolucao Russa de 1917 e compreensivel que parte de seu trabalho fosse mantido sob censura pelo poder czarista, em vista de seu carater humanitario e progressista, apos a instalacao do regime socialista e igualmente compreensivel especular que a figura do cientista vindo do povo, nao da aristocracia ou do clero, pudesse se tornar um emblema muito adequado para a propaganda sovietica. Um exemplo disso pode ser encontrado no prefacio da biografia de Lomonosov escrita por Menshutkin [12], onde o autor cita um artigo publicado em 1937 no jornal Pravda, entao o principal jornal da Uniao Sovietica e um orgao oficial do Comite Central do Partido Comunista. Neste artigo sobre o cientista e que tinha como titulo "O Talentoso Filho do Grande Povo Russo", pode-se encontrar a seguinte passagem: "... A juventude sovietica deveria estar bem informada com a vida de Lomonosov devido ao seu grande entusiasmo cientifico. O seu empenho e auto-sacrificio em favor da ciencia e uma das manifestacoes do carater heroico do grande povo russo ..." Em adicao, no primeiro paragrafo do mesmo prefacio, o autor compara as comemoracoes em 1911 (200[degrees]. aniversario do nascimento de Lomonosov) e em 1936 (225[degrees].): nesta ultima, as honrarias, discussoes e informacoes sobre o cientista foram tantas que as prestadas em 1911 pareceram negligenciaveis. Assim, pode-se presumir que exageros possam ter sido cometidos por historiadores russos ou simpatizantes do comunismo, e a uma descricao fiel do trabalho de Lomonosov possam ter sido adicionadas interpretacoes contaminadas por um ufanismo exacerbado. Em contrapartida, deve-se considerar que em outros paises que se opunham ao regime comunista, com maior ou menor intensidade, as ideias e o ufanismo sovieticos seriam contra-atacados de diversas formas e, no caso particular de Lomonosov, poderia ter sido utilizado simplesmente a estrategia da nao-divulgacao: simplesmente ignorar o que se afirmava a respeito do cientista. E razoavel presumir, por exemplo, que qualquer referencia favoravel a Lomonosov seria combatida ferozmente nos Estados Unidos durante o Macartismo (final da decada de 1940 ate meados da decada de 1950).

Do exposto no paragrafo anterior, surge entao o questionamento: quais sao as fontes mais confiaveis a respeito do trabalho de Lomonosov? Obviamente que a biografia escrita por Menshutkin e texto historico indispensavel, mas e preciso uma leitura cuidadosa, tendo em vista a epoca em que foi publicado (1937 no idioma russo, 1952 no ingles). Assim, por exemplo, na preparacao deste artigo teve-se o cuidado de reunir as informacoes mais importantes nas diversas biografias e que, de certa forma, concordavam entre si. Neste sentido, o artigo de Kauffman e Miller, publicado no Journal of Chemical Education em 1988 [15], e particularmente interessante uma vez que reune, alem de trabalhos de historiografos como H. M. Leicester e Menshutkin, textos em latim do proprio Lomonosov.

Outro fato interessante a considerar e o carater quase contemporaneo entre os seus trabalhos cientificos e os de Lavoisier, que nasceria em 1743, concluiria seu curso de Direito em 1764, entraria para a Academia Real de Ciencias da Franca em 1768 e, vinte e um anos mais tarde, veria publicada a primeira edicao do seu "Tratado Elementar de Quimica" [26]. Paralelamente a isso, poder-se-ia questionar: por que o trabalho de Lomonosov nao repercutiu no mundo cientifico da epoca? Segundo Maar [10], este e um dos grandes problemas que a Historia da Quimica ainda deve resolver, uma vez que afirmar que seus escritos nao eram conhecidos e resposta facil, mas esta em contradicao com alguns fatos: como afirmado anteriormente, muito provavelmente Lavoisier conhecia, pelo menos em parte, as atividades da Academia Russa de Ciencias onde Lomonosov era figura proeminente e, em adicao, este havia sido eleito para a Academia Sueca de Ciencias (1760) e para a Academia de Ciencias de Bolonha (1764). Maar continua: o argumento de sugerir que a chamada Ciencia periferica teria tido pouca influencia na divulgacao de seu trabalho, nao poderia ser aplicado a Euler e Bernoulli, que produziram boa parte de seu trabalho em Sao Petersburgo e nao foram ignorados. A hipotese mais provavel, ainda segundo Maar, e que a comunidade cientifica ainda nao estava pronta para uma visao mais matematica e mais fisica da quimica, ate entao regida por observacoes qualitativas.

Agradecimentos

Os autores agradecem os professores doutores Iouri e Galina Borissevitch pelo auxilio com o idioma russo e pelo incentivo. Agradecem igualmente a Serge Lachinov, que autorizou gentilmente a utilizacao de suas fotografias.

Referencias e Notas

[1] Disponivel em: http://www.imdb.com/title/tt0266767, acesso em Outubro 2010.

[2] Disponivel em: http://www.msu.ru/en/, acesso em Novembro 2010.

[3] Disponivel em: http://www.rusfilm.pitt.edu/2010/themiracle.php, acesso em Outubro 2010.

[4] Disponivel em: http://www.un.int/russia/new/azbuka/l/Lomonosov en.pdf, acesso em Outubro 2010.

[5] Disponivel em: http://plato.stanford.edu/archives/fall2010/entries/wolff-christian, acesso em Novembro 2010.

[6] Disponivel em: http://en.wikipedia.org/wiki/Mikhail Lomonosov, acesso em Novembro 2010.

[7] Enciclopedia Universal Ilustrada Europeu-Americana; Espasa-Calpe S.A.: Madrid, 1934.

[8] Brito, A. A. S. Cien. Tecn. Mat. 2008, 20, 51.

[9] Davis, T. L. J. Chem. Educ. 1938, 15, 203.

[10] Fauque, D. Quim. Nova 1995, 18, 567.

[11] Filgueiras, C. A. L. Quim. Nova 1995, 18, 219.

[12] Garritz, A.; Chamizo, J. A. Quimica; Pearson Education do Brasil: Sao Paulo, 2003.

[13] Jaffe, B. The history of chemistry, from ancient alchemy to nuclear fission; 4a. ed.; Dover Pub.: Nova Iorque, 1976.

[14] Kauffman, G. B.; Miller, F. A. J. Chem. Educ. 1988, 65, 953.

[15] Leicester, H. M. J. Chem. Educ. 1969, 46, 295.

[16] Leicester, H. M. The historical background of Chemistry; 2a. ed.; Dover Pub.: Nova Iorque, 1971.

[17] Maar, J. H. Pequena Historia da Quimica, parte I; Papa Livros: Florianopolis, 1999.

[18] Maar, J. H. Quim. Nova 2006, 29, 1129.

[19] Menshutkin, B. N. J. Chem. Educ. 1927, 4, 1079.

[20] Menshutkin, B. N. J. Chem. Educ. 1937, 14, 59.

[21] Menshutkin, B. N.; Russia's Lomonosov, Chemist--Courtier--Physicist--Poet; Princeton University Press: Princeton, 1952.

[22] Moore, F. J. Historia de la Quimica; 1a ed.; Salvat, 1953.

[23] Rozemberg, I. M. Quimica Geral; 1a ed.; Editora Edgard Blucher Ltda.: Sao Paulo, 2002.

[24] Shneiderov, A. J. Science 1946, 103, 487.

[25] Smith, A. J. Am. Chem. Soc. 1912, 34, 109.

[26] Tavares, G. W.; Prado, A. G. S. Quim. Nova 2010, 33, 1987.

[27] Tosi, L. Quim. Nova 1989, 12, 33.

[28] Disponivel em: http://www.forest.ru/eng/publications/history/04.html, acesso em Abril 2011.

[29] Betekhtin, A.; A Course of Mineralogy; 1a ed.; Peace Publishers: Mouscou, 1970.

[30] Vainshtein, B. K.; Modern Crystallography: Fundamentals of crystals, symmetry and methods of Structural Crystallography; 2a ed.;Springer-Verlag: Berlin Heidelberg 1994.

[31] James S. AberMikhail Vasil'evich Lomonosov History of Geology, Disponivel em: http://academic.emporia.edu/aberjame/histgeol/lomonos/lomonos.htm, acesso em Marco 2011.

[32] Disponivel em: http://www.hist.msu.ru/English/Admin/founding1.htm, acesso em Marco 2010.

[33] Nota: na verdade sao duas escritas no mesmo ano "Meditacoes da noite (...)" e "Meditacao da manha sobre a grandeza de Deus".

[34] Johnson, C. A. Slavic Rev. 1964, 23, 328.

[35] Bucsela, J. The Slavic and East Europ. J. 1967, 11, 405.

[36] Disponivel em: http://histoirechimie.free.fr/Lien/LOMONOSSOV.htm, acesso em Agosto 2006.

[37] Grande Enciclopedia Sovietica (em russo), Disponivel em: http://slovari.yandex.ru/%D0%BB%D0%BE%D0%BC%D0%BE%D0%BD%D0%BE %D1%81%D0%BE%D0%B2/%D0%91%D0%A1%D0%AD/%D0%9B%D0%BE%D0 %BC%D0%BE%D0%BD%D0%BE%D1%81%D0%BE%D0%B2%20%D0%9C%D0 %B8%D1%85%D0%B0%D0%B8%D0%BB%20%D0%92%D0%B0%D1%81%D0% B8%D0%BB%D1%8C%D0%B5%D0%B2%D0%B8%D1%87, acesso em Abril 2011.

[38] Disponivel em: http://ru.wikipedia.org/wiki/%CC.%C2. %CB%EE%EC%EE%ED%EE%F1%EE%E2, acesso em Abril 2011.

[39] Disponivel em: http://www.ekaterinas.com/AboutPorcelain.htm, acesso em Abril 2011.

Sergio Dovidauskas (a) * and Gregoire Jean-Francois Demets (b) *

(a) Nucleo de Ciencias Quimicas e Bromatologicas; Centro de Laboratorios Regionais Instituto Adolfo Lutz. Rua Minas, 877. CEP 14085-410--Ribeirao Preto, SP, Brasil

(b) Depto de Quimica, Faculdade de Filosofia Ciencias e Letras de Ribeirao Preto, Universidade de Sao Paulo. Av Bandeirantes, 3900. CEP 14040-901, Ribeirao Preto, SP, Brasil

Received: 28 September 2011; accepted: 29 September 2011. Available online: 27 December 2011.

* Corresponding author. E-mail: sdovidauskas@ial.sp.gov.br and greg@usp.br
COPYRIGHT 2011 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2011 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:History of Chemistry
Author:Dovidauskas, Sergio; Demets, Gregoire Jean-Francois
Publication:Orbital: The Electronic Journal of Chemistry
Date:Jul 1, 2011
Words:9628
Previous Article:Half a century of the chemiosmotic hypothesis and the practice of science.
Next Article:2-methoxyethanol as an alternative reaction solvent for the synthesis of 1,5-benzodiazepines under microwave irradiation.

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters