Printer Friendly

Structure and dynamics of the phytoplankton community and its relationship with environmental variables at the Mae-Ba lagoon, Espirito Santo State, Brazil/Estrutura e dinamica da comunidade fitoplanctonica e sua relacao com as variaveis ambientais na lagoa Mae-Ba, Estado do Espirito Santo, Brasil.

Introducao

As lagoas costeiras se constituem em interfaces entre zonas costeiras, aguas interiores e aguas costeiras marinhas e contribuem diretamente para a manutencao do lencol freatico e para a estabilidade climatica local e regional. Diversas pesquisas demonstram que estes ecossistemas sao considerados importantes depositarios da biodiversidade, tanto aquatica quanto terrestre, bem como apresentam elevada produtividade primaria, contribuindo para a manutencao das cadeias alimentares aquaticas (ESTEVES, 1998a). Alem da importancia ecologica, as lagoas costeiras tem grande importancia economica, por serem utilizadas para multiplos fins, como pesca, lazer, harmonia paisagistica e abastecimento publico. No entanto, nas ultimas decadas, esses ecossistemas vem sofrendo profundas alteracoes nas suas condicoes naturais, como resultado de diversas atividades antropicas.

Dentre as comunidades aquaticas, o fitoplancton tem sido amplamente utilizado em estudos de monitoramento dos corpos d'agua, pelas rapidas respostas as modificacoes ambientais e por exercer papel determinante na producao de materia organica e de oxigenio (ODUM, 1983). Por ser um dos principais componentes da cadeia alimentar, o fitoplancton e importante na manutencao e no desenvolvimento da vida aquatica, e diferentes atributos como a estrutura e a distribuicao espaco-temporal desta comunidade sao determinantes para a ecologia de cada ecossistema (MELO; SUZUKI, 1998).

Numerosos estudos tem demonstrado a heterogeneidade na distribuicao espacial e/ou sazonal de populacoes fitoplanctonicas em ambientes tropicais (BRANCO; SENNA, 1996; PINTO-COELHO et al., 1999; HUSZAR; GIANI, 2004; PIVATO et al., 2006; entre outros). Geralmente, trabalhos que enfocam a variacao temporal visam compreender as variacoes na biomassa e a composicao do fitoplancton, incluindo os fatores que regulam essa variabilidade. Ja a variacao espacial pode abranger dimensoes verticais, em que e preciso conhecer o grau de estruturacao vertical da massa d'agua, bem como a natureza dos componentes fitoplanctonicos quanto a sua capacidade de deslocamento ativo, e dimensoes horizontais, que estao frequentemente relacionadas a variabilidade ambiental e as taxas de crescimento das algas (HUSZAR; GIANI, 2004).

A distribuicao das populacoes fitoplanctonicas nas massas d'agua pode ser influenciada tanto por processos fisicos de circulacao de agua--adveccao, conveccao, turbulencia e ondas internas--quanto por processos biologicos--taxas de crescimento, herbivoria, mecanismos de flutuacao das algas etc. (HUSZAR; GIANI, 2004). Alem desses, fatores como profundidade, associados a temperatura, vento e radiacao, sao alguns exemplos de variaveis ambientais que podem modelar a estrutura da comunidade fitoplanctonica e sua dinamica espaco-temporal (REYNOLDS, 1984). Diante disso, pesquisas sobre a estrutura e funcao das comunidades fitoplanctonicas assumem papel importante em estudos sobre a dinamica de ecossistemas lacustres (HUSZAR et al., 1990).

O presente estudo objetivou avaliar a estrutura e dinamica da comunidade fitoplanctonica e sua relacao com as variaveis ambientais na lagoa Mae-Ba, Espirito Santo, Brasil.

Material e metodos

A lagoa Mae-Ba (20[degrees]45'19''W e 46[degrees]34'29''S) localiza-se entre os municipios de Guarapari e Anchieta, no litoral Sul do Estado do Espirito Santo (Figura 1). E um ecossistema costeiro, com area de aproximadamente 4,9 [km.sup.2], perimetro de 41.841 m, volume medio de 9,5 [km.sup.3] e profundidade media de 1,9 m. Os principais afluentes sao os corregos Loyola, Belo Horizonte e Santa Catarina. O clima da regiao caracteriza-se como tropical quente e umido, com temperaturas medias anuais em torno de 25[degrees]C e predominancia de ventos Nordeste. O inverno e ameno e seco, e o verao quente e chuvoso, caracterizando, portanto, duas estacoes bem definidas ao longo do ano (CEPEMAR, 2004). Apesar de representar a segunda maior lagoa do Espirito Santo em termos de extensao e volume de agua, poucos estudos foram realizados neste ambiente, especialmente com enfoque ecologico e que abordem a comunidade fitoplanctonica.

[FIGURA 1 OMITTED]

Foram determinados dois pontos de amostragem, um situado proximo a empresa Samarco Mineracao S.A. e ao aglomerado urbano Mae-Ba (P1) e outro afastado dos aglomerados urbanos e, portanto, considerado menos impactado (P2). As amostragens foram realizadas em intervalos de 15 dias nas estacoes seca (ago./2006 e set./2006) e chuvosa (dez./2006, jan./2007 e fev./2007), compreendendo um total de quatro amostragens por estacao. Para a analise qualitativa do fitoplancton, as amostras foram coletadas com rede de plancton de abertura de malha de 20 |mm e fixadas com solucao formalina 4% (BICUDO; MENEZES, 2005). Para analise quantitativa, as amostras foram coletadas com garrafa de van Dorn e fixadas com solucao de lugol acetico 5% (UTERMOHL, 1958). A estrutura da comunidade foi avaliada pela riqueza especifica, densidade total,

abundancia e dominancia (LOBO; LEIGHTON, 1986), diversidade (SHANNON; WEANNER, 1963) e equitabilidade (PIELOU, 1984). A densidade fitoplanctonica foi estimada segundo o metodo de Utermohl (1958), e o procedimento de contagem foi o de campos aleatorios descrito por Uehlinger (1964). Os resultados foram expressos em individuos [mL.sup.-1] e calculados de acordo com Weber (1973).

As variaveis estudadas foram: temperatura do ar (temometro de bulbo), temperatura da agua e oxigenio dissolvido a cada 30 cm (termistoroximetro digital); transparencia (disco de Secchi); zona eufotica (multiplicando-se a profundidade do disco de Secchi pelo fator 3,0); profundidade (profundimetro); pH (potenciometro digital); condutividade eletrica e solidos totais dissolvidos (medidor multiparametros); turbidez (turbidimetro digital); solidos totais em suspensao (APHA, 1992); nitrogenio amoniacal, ortofosfato e fosforo total (CARMOUZE, 1994); nitrogenio total (APHA, 1992); nitrato e nitrito (ZAGATTO et al., 1981). Os dados de precipitacao (total mensal) e temperatura do ar (media mensal) foram obtidos na estacao meteorologica da Samarco Mineracao S.A. A estatistica descritiva foi calculada para avaliar o conjunto de dados abioticos e bioticos, obtidos durante o periodo de amostragem, por meio da determinacao dos valores minimo e maximo, media, desvio-padrao e coeficiente de variacao. Para verificar possiveis relacoes entre as variaveis ambientais e biologicas do fitoplancton, foi realizada a correlacao de Spearman.

Resultados

Dos meses amostrados, agosto e setembro/2006 apresentaram os menores indices pluviometricos e as menores temperaturas medias do ar, representando a estacao seca. De outubro/2006 a janeiro/2007, foram registrados os maiores indices pluviometricos e elevacao da temperatura media mensal, com os meses de dezembro, janeiro e fevereiro caracterizando a estacao chuvosa (Figura 2).

[FIGURA 2 OMITTED]

Conforme ilustra a Figura 3, a lagoa Mae-Ba se apresentou desestratificada, termica e quimicamente, durante o periodo de estudo. O oxigenio dissolvido apresentou diferencas temporais e entre os pontos amostrais, com menores concentracoes sendo registradas na estacao chuvosa e no Ponto 2. A temperatura da agua apresentou variacao temporal, com maiores valores durante a estacao chuvosa.

As variaveis ambientais analisadas estao apresentadas na Tabela 1. Apesar da reducao dos valores de transparencia da agua na estacao chuvosa, a zona eufotica abrangeu toda a coluna d'agua, nos dois pontos estudados. Os valores medios de condutividade eletrica, solidos totais dissolvidos e solidos totais em suspensao foram maiores no Ponto 1. Com excecao dos solidos suspensos, estas variaveis, associadas ao pH e a transparencia, apresentaram diferencas temporais, com reducao dos valores durante a estacao chuvosa. No geral, os nutrientes nao apresentaram variacoes temporais e entre os pontos amostrais, e as concentracoes de nitrato e nitrito sempre estiveram abaixo do limite de deteccao (14 [micro]g [L.sup.-1]).

[FIGURA 3 OMITTED]

A comunidade fitoplanctonica da lagoa Mae-Ba esteve composta por 138 taxons, distribuidos em nove Classes (Figura 4), sendo a Classe Cyanophyceae a mais representativa em termos de riqueza de taxons.

A densidade total do fitoplancton variou de 34.699 a 70.067 ind. [mL.sup.-1] no Ponto 1 e de 14.093 a 48.278 ind. [mL.sup.-1] no Ponto 2, apresentando variacao temporal e entre os pontos de amostragem, com maiores valores no Ponto 1 e durante a estacao seca (Figura 5).

[FIGURA 5 OMITTED]

Quanto a contribuicao relativa de cada Classe na densidade total, Cyanophyceae e Chlorophyceae apresentaram maiores contribuicoes nos dois pontos de amostragem. As demais Classes registradas nao chegaram a contribuir com 10% em todo o periodo estudado (Figura 6).

[FIGURA 6 OMITTED]

A composicao da comunidade fitoplanctonica nao apresentou grandes alteracoes ao longo do tempo. Especies das Classes Cyanophyceae e Chlorophyceae, apesar de nao terem sido dominantes, foram abundantes em todos os meses amostrados, como Synechocystis aquatilis e Synechocystis sp. (Cyanophyceae), Koliella longiseta f. variabilis e Koliella longiseta f. tenues (Chlorophyceae). Outras especies que apresentaram abundancia em varios meses, nos dois pontos amostrados, foram Pseudanabaena papillaterminata, Limnotrix redekei e Synechococcus sp., pertencentes a Classe Cyanophyceae.

Na Tabela 2 observa-se que a precipitacao (Ppt) e a temperatura da agua (Tag) apresentaram correlacao negativa com a densidade total (DsT) e com a densidade de Chlorophyceae. As variaveis oxigenio dissolvido (OD), pH, condutividade eletrica (CE) e solidos totais dissolvidos (STD) mostraram-se positivamente correlacionadas com a densidade total e com a densidade das Classes Chlorophyceae e Cyanophyceae.

Os indices de diversidade especifica (Div) e equitabilidade (Equ) apresentaram certa homogeneidade temporal em ambos os pontos de amostragem (Figura 7).

[FIGURA 7 OMITTED]

No Ponto 1, os valores de diversidade e equitabilidade variaram de 2,58 a 3,15 bits ind.-1 e de 0,36 e 0,63, respectivamente. No Ponto 2, a diversidade especifica oscilou entre 2,55 e 2,93 bits ind.-1 e a equitabilidade esteve entre 0,44 e 0,58.

Discussao

As lagoas costeiras tem sua dinamica intimamente ligada aos fatores climaticos, como temperatura, ventos e precipitacao, que sao decisivos para o estabelecimento do padrao de funcionamento destes ecossistemas (KJERFVE, 1994). De acordo com os perfis termico e quimico analisados, os pontos de amostragem caracterizaram-se pela isotermia da coluna d'agua e perfil ortogrado de oxigenio, devido a pequena profundidade da lagoa e exposicao continua a acao de ventos. Segundo Petrucio (1998), perfis ortogrados sao frequentemente registrados em lagoas costeiras, pela baixa profundidade e pela exposicao aos ventos, permitindo maior circulacao e, consequentemente, maior oxigenacao da coluna d'agua. O mesmo padrao de distribuicao vertical do oxigenio dissolvido foi registrado, por Bozelli et al. (1992), em varias lagoas da regiao do baixo rio Doce, em Linhares, Estado do Espirito Santo; por Leite e Fonseca (2002), na lagoa do Caconde, Estado do Rio Grande do Sul; e por Enrich-Prast et al. (2004), em diversas lagoas da restinga de Jurubatiba, em Macae, Estado do Rio de Janeiro.

De modo geral, a lagoa Mae-Ba apresentou elevadas concentracoes de oxigenio dissolvido, as quais apresentaram variacoes temporais e entre os pontos de amostragem. No Ponto 1, os elevados valores de oxigenio dissolvido podem estar relacionados a dois fatores: influencia dos ventos, por ser uma das regioes da lagoa de maior proximidade com o mar; e maior densidade de organismos fitoplanctonicos, que, por meio da fotossintese, contribuem para elevar a oxigenacao da agua. Em relacao a variacao temporal, os menores valores de oxigenio dissolvido registrados na estacao chuvosa concordaram com elevados valores de temperatura da agua, que influencia a solubilidade deste gas, alem de terem sido registradas menores densidades fitoplanctonicas nesse periodo.

Na estacao chuvosa, foram registrados maiores valores de turbidez e de solidos totais em suspensao, resultando em reducao da transparencia decorrente do carreamento de material aloctone para dentro do sistema, aliado a ressuspensao mais frequente do sedimento, devido a turbulencia promovida pelas chuvas. Alem disso, a precipitacao pode ter promovido diluicao dos sais e ions presentes na agua, contribuindo para a reducao acentuada da condutividade eletrica e dos solidos totais dissolvidos verificada nesse periodo. Cavati e Fernandes (2008) tambem registraram menores valores de condutividade eletrica e de solidos totais dissolvidos na lagoa Juparana, Estado do Espirito Santo, durante a estacao chuvosa. Apesar da reducao da transparencia observada nos periodos de maior pluviosidade, a zona eufotica abrangeu toda a coluna d'agua em todos os meses amostrados, evidenciando, portanto, que a luz nao se constitui em um fator limitante para a produtividade fitoplanctonica no ecossistema estudado.

Na lagoa Mae-Ba, foram baixas as concentracoes de nitrogenio amoniacal, nitrato e ortofosfato, que sao as formas preferencialmente assimilaveis pelo fitoplancton, denotando consideravel consumo nao apenas por esta comunidade, mas pelas macrofitas aquaticas e pelo perifiton. Araujo et al. (2000) registraram baixas concentracoes de fosfato na lagoa de Extremoz, Estado do Rio Grande do Norte, e atribuiram os reduzidos valores a intensa assimilacao pelo fitoplancton. Alem disso, Esteves (1998b) cita que varios fatores fisicos e quimicos interferem na precipitacao dos ions fosfato no ambiente aquatico, e o ferro e o ion de maior importancia nessa imobilizacao. A proximidade da Samarco Mineracao S.A. e, consequentemente, a carga de ferro advinda da usina de pelotizacao da empresa, podem favorecer a precipitacao do fosfato no sedimento da lagoa Mae-Ba, contribuindo para que este nutriente se apresente em baixas concentracoes. Apesar disso, os valores medios de ortofosfato estiveram acima de 5,0 [micro]g [L.sup.-1], considerado por Reynolds (1997) como sendo o valor limitante para a comunidade fitoplanctonica. Ainda, segundo este mesmo autor, um ambiente limitado por nitrogenio deve apresentar valores de DIN menores que 80 [micro]g [L.sup.-1]. Na lagoa Mae-Ba, as concentracoes de nitrato e nitrito estiveram sempre abaixo do limite de deteccao do metodo (14 [micro]g [L.sup.-1]) e as concentracoes medias de nitrogenio amoniacal foram respectivamente, de 38,6 e 42,6 [micro]g [L.sup.-1] nos Pontos 1 e 2, demonstrando possivel limitacao por nitrogenio ao fitoplancton deste ambiente.

Os valores de nitrogenio total da lagoa Mae-Ba foram elevados, se comparados aos valores de fosforo total. Neste ecossistema, as fontes de nitrogenio podem ser: a chuva e os materiais organico e inorganico de origem aloctone (ESTEVES, 1998b). Alem desses, o despejo de efluente industrial na lagoa Mae-Ba, previamente tratado pela Samarco Mineracao S.A., que possivelmente utiliza amina em uma etapa do processo industrial, pode ser outro fator que contribui para elevar as concentracoes de nitrogenio no local de estudo. Compreender o funcionamento dos ambientes aquaticos requer, primeiramente, adequado conhecimento taxonomico e dos padroes espacial e temporal das populacoes fitoplanctonicas (MELO; SUZUKI, 1998), os quais podem funcionar como bons indicadores do estado trofico de tais ecossistemas. Nas composicoes qualitativa e quantitativa da comunidade fitoplanctonica da lagoa Mae-Ba, houve predominio das Classes Chlorophyceae e Cyanophyceae. Estas Classes foram representadas por algas de pequeno tamanho, como Synechocystis (Cyanophyceae) e Koliella (Chlorophyceae), que foram abundantes em todos os meses amostrados. Segundo Happey-Wood (1988), celulas pequenas e com grande relacao superficie/volume possuem grande capacidade para absorcao de nutrientes dissolvidos e elevada taxa de difusao de gases, alem de apresentarem baixa taxa de sedimentacao, minimizando as perdas por afundamento.

Na lagoa Mae-Ba, a densidade total foi elevada, variando de 14.093 a 70.067 ind. [mL.sup.-1] (considerando os pontos P1 e P2), apresentando-se maior que a registrada por Huszar et al. (1990), em 18 lagoas da regiao de Linhares, Estado do Espirito Santo, cujos valores variaram de 674 a 18.674 ind. [mL.sup.-1], considerando todos os ecossistemas estudados; e por Melo e Suzuki (1998), na lagoa Cabiunas, Estado do Rio de Janeiro, onde as densidades variaram entre 2.300 e 4.700 ind. [mL.sup.-1].

Quanto a variacao temporal, os valores de densidade total foram maiores na estacao seca, nos dois pontos de amostragem. A menor densidade registrada no periodo de chuvas pode ser explicada, entre outros fatores, pela diluicao e limitacao do crescimento fitoplanctonico por um maior estresse mecanico sobre a comunidade (BICUDO et al., 1999). Esse mesmo padrao de variacao temporal com reducao da densidade total fitoplanctonica na estacao chuvosa foi registrado por Nogueira (2000), por Bicudo et al. (1999) e por Giani e Figueiredo (1999), estudando reservatorios brasileiros. Na lagoa MaeBa, o coeficiente de correlacao de Spearman indicou que a temperatura da agua e a precipitacao apresentaram correlacao negativa com a densidade total, corroborando os dados acima.

Com relacao a variacao entre os pontos amostrais, em todas as amostragens, o Ponto 1 apresentou maiores valores de densidade total fitoplanctonica, se comparado ao Ponto 2. Apesar de nao terem sido registradas grandes diferencas nas concentracoes de nutrientes entre os pontos amostrados, alguns picos de fosforo total foram observados no Ponto 1, decorrentes dos aportes de nutrientes de origem domestica e industrial. Sendo assim, este ponto de amostragem apresentaria condicoes mais propicias ao desenvolvimento da comunidade fitoplanctonica, resultando em valores mais elevados de pH e oxigenio dissolvido, em funcao do processo fotossintetico.

Os indices de diversidade e equitabilidade nao apresentaram variacao temporal e entre os pontos de amostragem. A diversidade media (P1 = 2,9 e P2 = 2,8 bits [ind..sup.-1]) foi semelhante a registrada por Martins e Fernandes (2006), na lagoa da Universidade Federal do Espirito Santo (2,3 bits [ind..sup.-1]), e superior a registrada por Huszar et al. (1990), nas lagoas Nova e Parda (1,7 bits [ind..sup.-1] em ambas), tambem localizadas no Estado do Espirito Santo. Os dados medios de equitabilidade (P1 e P2 = 0,5) foram proximos aos obtidos por Henry et al. (2006), nas lagoas do Camargo (0,6), dos Cavalos (0,6) e do Coqueiral (0,5), em Sao Paulo. Os valores de diversidade e equitabilidade registrados na lagoa Mae-Ba resultaram da ausencia de dominancia de especies neste ecossistema, alem do registro de poucas especies abundantes durante todo o periodo estudado.

Sendo assim, na lagoa Mae-Ba, as variaveis limnologicas e o fitoplancton sao afetados pelo ciclo climatologico; sao, portanto, influenciados por alteracoes na precipitacao e temperatura do ar. Neste ecossistema, a constante circulacao da coluna d'agua favorece a ciclagem dos nutrientes, que, associados a intensa disponibilidade de luz, propiciam o desenvolvimento da comunidade fitoplanctonica. No entanto, os baixos valores de nitrato e de nitrogenio amoniacal podem funcionar como fatores controladores e ate limitantes desta comunidade.

DOI: 10.4025/actascibiolsci.v31i3.1266

Agradecimentos

A Samarco Mineracao S.A., pelo apoio logistico; ao Laboratorio de Limnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e ao Laboratorio de Quimica da Aracruz Celulose, pela determinacao dos nutrientes; a UENF, pela bolsa de Mestrado concedida a primeira autora.

Received on March 18, 2008.

Accepted on September 5, 2008.

Referencias

APHA-American Publication Health Association. Standars methods for the examination of water and wastewater. 18. ed. Washington, D.C., 1992.

ARAUJO, M. F. F.; COSTA, I. A. S.; CHELLAPPA, N. T. Comunidade fitoplanctonica e variaveis ambientais na lagoa de Extremoz, Natal - RN, Brasil. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 12, n. 1, p. 127-140, 2000.

BICUDO, C. E. M.; MENEZES, M. Generos de algas de aguas continentais do Brasil: chave para identificacao e descricoes. Sao Carlos: Rima, 2005.

BICUDO, C. E. M.; RAMIREZ, R. J. J.; TUCCI, A.; BICUDO, D. C. Dinamica de populacoes fitoplanctonicas em ambiente eutrofizado: o Lago das Garcas, Sao Paulo. In: HENRY, R. (Ed.). Ecologia de reservatorios: estrutura, funcao e aspectos sociais. Botucatu: Fundibio/Fapesp, 1999. cap. 15, p. 449-507.

BRANCO, C. W. C.; SENNA, P. A. C. Phytoplankton composition, community structure and seasonal changes in a tropical reservoir (Parana Reservoir, Brazil). Algological Studies, v. 81, n. 1, p. 69-84, 1996.

BOZELLI, R. L.; ESTEVES, F. A.; ROLAND, F.; SUZUKI, M. S. Padroes de funcionamento das lagoas do Baixo Rio Doce: variaveis abioticas e clorofila a (Espirito Santo - Brasil). Acta Limnologica Brasiliensia, v. 3, n. 1, p. 13-31, 1992.

CARMOUZE J. O metabolismo dos ecossistemas aquaticos: fundamentos teoricos, metodos de estudo e analises quimicas. Sao Paulo: Edgard Blucher, 1994.

CAVATI, B.; FERNANDES, V. O. F. Algas perifiticas em dois ambientes do baixo rio Doce (lagoa Juparana e rio Pequeno--Linhares, Estado do Espirito Santo, Brasil): variacao espacial e temporal. Acta Scientiarum. Biological Sciences, v. 30, n. 4, p. 439-448, 2008.

CEPEMAR-Servicos de Consultoria em Meio Ambiente. Relatorio tecnico dos estudos de impacto ambiental da terceira pelotizacao da Samarco em Ponta UBU. Vitoria, 2004.

ENRICH-PRAST, A.; BOZELLI, R. L.; ESTEVES, F. A.; MEIRELLES, F. P. Lagoas costeiras da restinga de Jurubatiba: descricao de suas variaveis limnologicas. In: ROCHA, C. F.; ESTEVES, F. A.; SCARANO, F. R. (Org.). Pesquisas de longa duracao na restinga de Jurubatiba: ecologia, historia natural e conservacao. Sao Carlos: Rima, 2004. cap. 14, p. 245-253.

ESTEVES, F. A. Lagoas costeiras: origem, funcionamento e possibilidades de manejo. In: ESTEVES, F. A. (Ed.). Ecologia das lagoas costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Municipio de Macae (RJ). Rio de Janeiro: Nupem/UFRJ, 1998a. cap. 2, p. 63-87.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciencia, 1998b.

GIANI, A.; FIGUEIREDO, C. C. Recorrencia de padroes sazonais do fitoplancton num reservatorio eutrofico (reservatorio da Pampulha, MG). In: HENRY, R. (Ed.). Ecologia de reservatorios: estrutura, funcao e aspectos socais. Botucatu: Fundibio/Fapesp, 1999. cap. 17, p. 531-549.

HAPPEY-WOOD, C. M. Ecology of freshwater plantonic green algae. In: SANDGREW, C. D. (Ed.). Growth and reproduction strategies of freshwater phytoplankton. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

HENRY, R.; USHINOHAMA, E.; FERREIRA, R. M. R. Fitoplancton em tres lagoas marginais ao rio Paranapanema e em sua desembocadura no reservatorio Jurumirim (Sao Paulo, Brasil) durante um periodo prolongado de seca. Revista Brasileira de Botanica, v. 29, n. 3, p. 399-414, 2006.

HUSZAR, V. L. M.; GIANI, A. Amostragem da comunidade fitoplanctonica em aguas continentais: reconhecimento de padroes espaciais e temporais. In: BICUDO, C. E. M.; BICUDO, D. C. (Org.). Amostragem em limnologia. Sao Carlos: Rima, 2004. cap. 8, p. 133-147.

HUSZAR, V. L. M.; SAMPAIO, L. H. S.; ESTEVES, F. A. Estrutura das comunidades fitoplanctonicas de 18 lagoas da regiao do Baixo Rio Doce, Linhares, Espirito Santo, Brasil. Revista Brasileira de Biologia, v. 50, n. 3, p. 585-598, 1990.

KJERFVE, B. Coastal lagoon processes. In: KJERFVE, B. (Ed.). Coastal lagoon processes. Amsterdam: Elsevier Oceanography Series, 1994.

LEITE, E. P. N.; FONSECA, O. J. M. Variacao espacial e temporal de parametros ambientais da lagoa Caconde, Osorio, RS. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 14, n. 2, p. 39-50, 2002.

LOBO, E.; LEIGHTON, G. Estruturas comunitarias de las fitocenozes plakctonicas de los sistemas de desembocaduras y esteros de rios de la zona central de Chile. Revista de Biologia Marina, v. 22, n. 1, p. 1- 29, 1986.

MARTINS, F. C. O.; FERNANDES, V. O. Fitoplancton da lagoa do campus universitario da UFES (Vitoria, ES): estrutura da comunidade e consideracoes ecologicas. Neotropical Biology and Conservation, v. 1, n. 1, p. 101-109, 2006.

MELO, S.; SUZUKI, M. S. Variacoes temporais e espaciais do fitoplancton das lagoas Imboassica, Cabiunas e Comprida. In: ESTEVES, F. A. (Ed.). Ecologia de lagoas costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Municipio de Macae (RJ). Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. cap. 4, p. 177-203.

NOGUEIRA, M. G. Phytoplankton composition, dominance and abundance as indicators of environmental compartimentalization in Jurumirim Reservoir (Paranapanema River), Sao Paulo, Brazil. Hydrobiologia, v. 431, n. 2-3, p. 115-128, 2000.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1983. PETRUCIO, M. M. Caracterizacao das lagoas Imboassica, Cabiunas, Comprida e Carapebus a partir da temperatura, salinidade, condutividade, alcalinidade, O2 dissolvido, pH, transparencia e material em suspensao. In: ESTEVES, F. A. (Ed.). Ecologia de lagoas costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Municipio de Macae (RJ). Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. cap. 3, p. 91-105.

PIELOU, E. C. The interpretation of ecological data. New York: John Wiley and Sons, 1984.

PINTO-COELHO, R. M.; COELHO, M. M.; ESPIRITO SANTO, M. M.; CORNELISSEN, T. G. Efeitos da eutrofizacao na estrutura da comunidade planctonica na lagoa da Pampulha, Belo Horizonte, MG. In: HENRY, R. (Ed.). Ecologia de reservatorios: estrutura, funcao e aspectos sociais. Botucatu: Fundibio, 1999. cap. 18, p. 551-572.

PIVATO, B. M.; TRAIN, S.; RODRIGUES, L. Dinamica nictemeral das assembleias fitoplanctonicas em um reservatorio tropical (reservatorio Corumba, Estado de Goias, Brasil), em dois periodos do ciclo hidrologico. Acta Scientiarum. Biological Sciences, v. 28, n. 1, p. 19-29, 2006.

REYNOLDS, C. S. The ecology of freshwater phytoplankton. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

REYNOLDS, C. S. Vegetation process in the pelagic: a model for ecosystem theory. In: KINNE, O. (Ed.). Excellence in ecology. Oldenford: ECI, 1997.

SHANNON, C. E.; WEANNER, W. The matematical theory of communication. Urbana: University of Illinois Press, 1963.

UEHLINGER, V. Etude statistique des methods de denobrement planctoniqe. Archives des Sciences, v. 17, n. 2, p. 121-123, 1964.

UTERMOHL, H. Zur vervolkommung der quantitativen phytoplankton: methodik. Verhandlungen der Internationalen Vereinigung fur Theoretische und Angewandte Limnologie, v. 9, p. 1-38, 1958.

ZAGATTO, E. A. G.; JACINTHO, A. O.; REIS, B. F.; KRUG, F.; BERGAMIN FILHO, H.; PESSENDA, R. C. L.; MORTATTI, J.; GINE, M. F. Manual de analises de plantas e aguas empregando sistema de injecao em fluxo. Piracicaba: USP/CENA, 1981.

WEBER, C. I. Plankton. In: WEBER, C. I. (Ed.). Biological field and laboratory methods for measuring the quality surface water and effluents. Cincinnati: Environmental Protection Agency, 1973.

Bruna D'Angela de Souza (1) * e Valeria de Oliveira Fernandes (2)

(1) Programa de Pos-graduacao em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, 2000, 28013-602, Parque California, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil. (2) Laboratorio de Taxonomia e Ecologia de Algas Continentais, Setor Botanica, Universidade Federal do Espirito Santo, Vitoria, Espirito Santo, Brasil. * Autor para correspondencia. E-mail: brunadangela@yahoo.com.br
Tabela 1. Estatistica descritiva das variaveis ambientais avaliadas no
periodo de ago-set/2006 e jan-fev/2007, na lagoa Mae-Ba.

                                      Ponto 1
Variaveis                          Min.-Max.      Media

Profundidade (m)                     1,1-1,3        1,3
Transparencia (m)                    0,7-1,3        1,1
Zona Euforica (m)                    1,1-1,3        1,3
Temperatura do ar ([degrees]C)      20,5-30,0      27,0
Temperatura da agua ([degrees]C)    23,0-29,4      26,0
Oxigenio dissolvido (% Sat.)        72,3-92,0      82,5
Condutividade eletrica             550,0-1062,0    782,0
([micro]S [cm.sup.-1])
Solitos totais dissolvidos         208,0-1088,0    757,0
(mg [L.sup.-1])
Solitos totais suspensos            5,0-11,0        7,1
(mg [L.sup.-1])
pH                                   6,7-8,6        8,0
Turbidez (NTU)                      5,3-17,8       10,4
Fosforo total                       10,9-19,0      14,5
([micro]g [L.sup.-1])
Ortofosfato ([micro]g               4,3-17,8        8,1
[L.sup.-1])
Nitrogenio Total                   832,0-1560,0   1125,4
([micro]g [L.sup.-1])
Nitrogenio amoniacal                2,7-162,0      38,6
([micro]g [L.sup.-1])

                                       Ponto 1            Ponto 2
Variaveis                          Desv. Pad.   CV (%)    Min.-Max.

Profundidade (m)                      0,1       7,7         1,1-1,4
Transparencia (m)                     0,2       18,2        0,8-1,4
Zona Euforica (m)                     0,1       7,7         1,1-1,4
Temperatura do ar ([degrees]C)        3,0       11,1       20,0-29,8
Temperatura da agua ([degrees]C)      2,2       8,6        23,5-30,7
Oxigenio dissolvido (% Sat.)          6,4       7,7        47,0-87,6
Condutividade eletrica               178,2      22,8      318,0-726,0
([micro]S [cm.sup.-1])
Solitos totais dissolvidos           295,8      39,1      119,0-722,0
(mg [L.sup.-1])
Solitos totais suspensos              2,1       29,6        2,0-6,3
(mg [L.sup.-1])
pH                                    0,6       7,5         5,6-8,4
Turbidez (NTU)                        3,8       36,5       5,1-11,5
Fosforo total                         2,9       20,0       10,0-15,0
([micro]g [L.sup.-1])
Ortofosfato ([micro]g                 4,5       55,6       3,8-11,6
[L.sup.-1])
Nitrogenio Total                     261,8      23,3      776,0-1660,0
([micro]g [L.sup.-1])
Nitrogenio amoniacal                  57,4      148,7     10,6-106,6
([micro]g [L.sup.-1])

                                            Ponto 2
Variaveis                          Media    Desv. Pad.   CV (%)

Profundidade (m)                    1,3        0,1        7,7
Transparencia (m)                   1,1        0,2        18,2
Zona Euforica (m)                   1,3        0,1        7,7
Temperatura do ar ([degrees]C)      26,4       3,4        12,9
Temperatura da agua ([degrees]C)    26,3       2,4        9,2
Oxigenio dissolvido (% Sat.)        70,9       12,2       17,2
Condutividade eletrica             572,0      151,6       26,4
([micro]S [cm.sup.-1])
Solitos totais dissolvidos         537,0      226,5       42,2
(mg [L.sup.-1])
Solitos totais suspensos            4,3        1,3        30,2
(mg [L.sup.-1])
pH                                  7,1        1,0        14,1
Turbidez (NTU)                      9,3        2,3        24,7
Fosforo total                       12,2       1,5        12,3
([micro]g [L.sup.-1])
Ortofosfato ([micro]g               7,4        3,0        40,5
[L.sup.-1])
Nitrogenio Total                   1124,3     341,3       30,4
([micro]g [L.sup.-1])
Nitrogenio amoniacal                42,6       31,7       74,4
([micro]g [L.sup.-1])

Tabela 2. Matriz de correlacao de Spearman entre as variaveis
ambientais e biologicas do fitoplancton da lagoa Mae-Ba. Estao
apresentados os resultados estatisticamente significativos
(p < 0,05).

                         Densidade   Densidade de    Densidade de
Variaveis                  Total     Chlorophyceae   Cyanophyceae

Temperatura da agua       -0,7411       -0,7088           --
Precipitacao              -0,5573       -0,5754           --
Oxigenio dissolvido        0,8852        0,8029         0,8794
pH                         0,7776        0,7893         0,7555
Condutividade eletrica     0,8352        0,7088         0,8235
Solidos totais             0,8617        0,697          0,8205
dissolvidos

Figura 4. Contribuicao percentual das Classes do fitoplancton,
quanto a riqueza de taxons, na lagoa Mae-Ba, no periodo de ago.set./2006
e jan.-fev./2007.

Cyanophyceae        33%
Chlorophyceae       26%
Zygnemaphyceae      14%
Euglenophyceae       9%
Bacillariophyceae    9%
Dinophyceae          6%
Xanthophyceae        1%
Cryptophyceae        1%
Xanthophyceae        1%
COPYRIGHT 2009 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2009 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 Reader Opinion

Title:

Comment:



 

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Souza, Bruna D'Angela; Fernandes, Valeria de Oliveira
Publication:Acta Scientiarum Biological Sciences (UEM)
Article Type:Report
Date:Jul 1, 2009
Words:4746
Previous Article:Annual and interannual fluctuation of desmids species in a black water Amazon floodplain lake (Lago Cutiuau, Amazonas State, Brazil)/Flutuacao anual...
Next Article:Phytosociological structure in a cerradao area in Canarana, Mato Grosso State, Brazil/Estrutura fitossociologica de uma area de cerradao em Canarana,...
Topics:

Terms of use | Copyright © 2014 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters