Printer Friendly

Efeito de simbiotico na racao inicial de frangos de corte sobre o desempenho, qualidade de carcaca e carne.

Effect of symbiotics in the initial feed of broilers on the performance, carcass and meat quality.

Introdução

Aves recém-nascidas são facilmente infectadas por microrganismos enteropatogênicos, devido a pouca diversidade da microbiota intestinal (Maiorka et al., 2001). Assim, muitas pesquisas são realizadas na intenção de prevenir a colonização de microrganismos enteropatogênicos. Os aditivos como probióticos e prebióticos têm sido testados como alternativa ao uso de quimioterápicos, uma vez que o mercado externo impõe, cada vez mais, limitações para o comércio de alimentos de origem animal, produzidos pela utilização de antibióticos. Os probióticos são suplementos microbianos vivos (bactérias ou fungos específicos), capazes de melhorar o equilíbrio microbiano no intestino, uma vez que promovem a redução de agentes patogênicos e estimulam o sistema imune do hospedeiro (Andreatti Filho e Sampaio, 1999).

Estes microrganismos, presentes nos probióticos, ocasionam um ambiente desfavorável para aqueles enteropatogênicos devido à disputa pelos sítios de adesão, competição de nutrientes (Silva et al., 2000), estimulação da imunidade da mucosa intestinal (Tannock 1998; Andreatti Filho e Sampaio, 1999) e redução do pH intestinal, o que prejudica a colonização de microrganismos enteropatogênicos (Ouwehand et al., 1999). Os probióticos, na avicultura de corte, já apresentaram bons resultados como maior ganho de peso, melhoria da conversão alimentar, maior rendimento de carcaça e melhor palatabilidade da carne (Jesen e Jesen, 1992; Bertechini e Hossain, 1993; Wolke et al., 1996). No entanto, outros pesquisadores, como Henrique et al. (1997), não observaram eficiência significativa nestes aspectos.

Alguns microrganismos dos probióticos, como Lactobacillus e Enterococcus, quando associadas às substâncias não-digeríveis, também chamados de prebióticos, tais como os mananoligossacarídeos (MOS) na ração de frangos de corte, proporcionam um maior ganho de peso (Menten, 2001) e melhor conversão alimentar das aves (Spring, 2000). Os prebióticos são considerados aqueles ingredientes não-digestíveis que estimulam o crescimento e/ou a atividade de um limitado número de microrganismos capazes de proporcionar um ambiente intestinal saudável ao hospedeiro (microrganismo componente do probiótico) (Gibson e Roberfroid, 1995; Caramori Júnior, 2001). Carboidratos não-digestíveis, como a parede celular de plantas e leveduras, são exemplos de prebióticos. Em particular, os MOS funcionam como nutrientes para as bactérias probióticas (Bradley e Savage, 1994; Onifade et al., 1999).

Geralmente, estas pesquisas são realizadas com estes produtos separados ou associados no momento da administração da ração. A combinação de probiótico e prebiótico é denominada de simbiótico e constitui um novo conceito na utilização de aditivos em dietas para aves (Maiorka et al., 2001).

O presente estudo teve como objetivo verificar o efeito da utilização de simbiótico, na alimentação de frangos de corte, na fase inicial (1-21 dias), sobre o desempenho produtivo, rendimento de carcaça e qualidade da carne.

Material e métodos

Este estudo foi realizado em dois experimentos e em épocas diferentes (fevereiro e setembro) na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (FMVZ -- Unesp, Botucatu, São Paulo, Brasil). Foram utilizadas 800 aves sexadas de uma mesma linhagem em cada experimento, com um dia de idade. Foi utilizado o delineamento em blocos casualizados, com quatro tratamentos, sendo a unidade experimental constituída por um box com 50 aves (densidade de 10,6 aves [m.sup.-2]). Os tratamentos foram os seguintes: machos suplementados com simbiótico (grupo MC); machos sem suplementação de simbiótico (MS); fêmeas suplementadas com simbiótico (FC) e fêmeas sem esta suplementação (FS).

As aves dos grupos MC e FC receberam dois tipos de produtos. O primeiro, o peletiz colostrum [avis.sup.R1], foi fornecido isoladamente à razão de 2 g [ave.sup.-1], no momento de seu alojamento. Até terminar o consumo do peletiz colostrum [avis.sup.R], as aves nãosuplementadas (MS e FS) ficaram em jejum (aproximadamente 30 min.). Após o consumo de colostrum [avis.sup.R], todas as aves receberam ração inicial (Tabela 1) à vontade, e para aquelas suplementadas foi adicionado o produto Simbiótico [plus.sup.R2] à dieta, na proporção de 2 kg [t.sup.-1] de ração. Este tratamento foi até os 21 dias de experimento (fase inicial). Na fase de crescimento e terminação, todas aves receberam as mesmas dietas, isentas do aditivo.

Na entrada de cada boxe, foi providenciado um pedilúvio com cal virgem para evitar a contaminação cruzada e o carreamento do microrganismo componente dos produtos (Enterococcus sp.) para os lotes-controle. Este pedilúvio foi trocado a cada dez dias. O manejo das aves, a lavagem de bebedouro, a troca de ração e pesagem sempre foram realizados, inicialmente, nos lotes sem suplementação e, posteriormente, naqueles suplementados. No 10 dia de experimento, as aves foram vacinadas contra a doença de Newcastle. A temperatura ambiente foi monitorada durante os dois experimentos, obtendo médias de mínimas e máximas de 18,53 [+ ou -] 0,64 e 27,52[degré]C [+ ou -] 1,57, respectivamente, no primeiro experimento; e 19,51 [+ ou -] 0,85 e 28,55[degré]C [+ ou -] 1,54, respectivamente no segundo experimento.

Durante os experimentos, foram avaliados: o consumo de ração (total e médio), o ganho de peso (total e médio), a conversão alimentar (CA), o peso médio e a mortalidade. Foram calculadas as médias de cada tratamento em cada momento de avaliação (intervalos: 1-21, 22-35 e 36-42 dias de idade).

No final de cada experimento (42 dia), foram sorteadas cinco aves por boxe, correspondendo a um total de 80 aves. Estas foram identificadas, submetidas de jejum de 8h e processadas (procedimentos normais: atordoamento, sangria, depenagem e evisceração). As carcaças com pés e cabeça foram pesadas antes do resfriamento em chiller.

Após o resfriamento em chiller, as carcaças sem pés e cabeça foram armazenadas em congelamento e descongeladas, antes da realização dos cortes primários: peito, pernas, asas e dorso. Estes cortes foram pesados para o cálculo de rendimento dos mesmos. De maneira análoga, foi calculado o rendimento de peito, dorso e asa.

As avaliações da composição centesimal e dos parâmetros sensoriais da carne foram realizadas utilizando somente amostras do segundo experimento.

Para a avaliação da composição centesimal e pH da carne de coxa e peito "in natura", foram utilizadas duas aves por repetição, totalizando oito aves por tratamento. Foram empregados os seguintes métodos: umidade, realizada seguindo o método 24.003 da AOAC (1990); proteína; foi empregado o método de Kjeldahl-micro para determinação do nitrogênio total, multiplicado pelo fator 6,25; extrato etéreo, determinado segundo a norma 4.10 do Instituto Adolfo Lutz (IAL, 1976); resíduo mineral fixo, foi realizado, segundo o método recomendado pela AOAC (1990), item 24.009; e pH da carne, foi realizado, segundo a norma 4.7.2. do Instituto Adolfo Lutz (IAL, 1976).

As amostras (peito desossado) foram submetidas em salga com salmoura a 10% por 20 min. a 5[degré]C, na proporção 1:1. Depois estas foram acondicionas em papel alumínio e submetidas ao aquecimento em chapa de ferro elétrica a 200[degré]C por 6 min. Após estes procedimentos, oito provadores treinados receberam as amostras aquecidas a uma temperatura de 45 a 50[degré]C e as avaliações sensoriais foram conduzidas, conforme Roça et al. (1988).

Os dados foram submetidos à análise de variância, com posterior comparação das médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade (SAS, 1989).

Resultados e discussão

Os resultados de desempenho das aves do presente estudo estão descritos na Tabela 2. Tanto no primeiro como no segundo experimento e em todas as fases (iniciais -- 1 a 21 dias, crescimento - 22 a 35 dias e finais 36 a 42 dias), independente da suplementação dietética, os machos apresentaram maior consumo médio de ração em comparação com as fêmeas (p < 0,05). Semelhantes resultados foram encontrados por Loddi et al. (2000) com aves sexadas e tratadas com probióticos e antibióticos. Na fase final do primeiro experimento, os machos suplementados com simbiótico apresentaram maior consumo médio de ração (p < 0,05) quando comparados aos machos não-suplementados com este produto. A suplementação de simbótico também aumentou o consumo médio de ração das fêmeas na fase de crescimento do segundo experimento (p < 0,05) (Tabela 2). Porém nesta mesma fase deste mesmo experimento, os machos não-suplementados apresentaram maior consumo médio de ração (p < 0,05) em comparação com aqueles que receberam ração com adição de simbiótico (Tabela 2).

Com isso o presente estudo demonstra variações do consumo médio de ração em aves tratadas com simbiótico (probióticos e prebióticos compostos em um só produto). Estas variações podem estar associadas também com as variações climáticas. Iji e Tivey (1998), citados por Menten (2001), também relatam que, em suas pesquisas, depararam com um aumento de 17% do consumo de ração das aves suplementadas com mananoligossacarídeo ressaltando o efeito palatável do prebiótico. No entanto, as pesquisas de Takahashi et al. (2005), já indicaram maior consumo significativo das aves do grupo-controle em comparação com aquelas suplementadas com prebióticos e probióticos. Silva et al. (2000), realizando pesquisas com frangos de corte alimentados com rações suplementadas com probióticos, antibióticos e duas fontes fósforos, também verificaram o menor consumo de ração no lote tratado com probiótico. Estes resultados podem estar associados com uma palatabilidade da ração suplementada com esse aditivo, o que pode ser interferida pelo tipo de bactérias probióticas utilizadas, além de outras variáveis ambientais.

A Tabela 2 indica que, em todas as fases dos dois experimentos realizados, o ganho médio de peso das aves, não foi influenciado pela suplementação de simbiótico na ração (p > 0,05), diferenciando dos resultados de Takahashi et al. (2005), os quais obtiveram resultados mostrando aumento do ganho médio de peso na faixa de 36 a 63 dias de idade de aves suplementadas com probióticos e prebióticos. Talvez a espécie de bactéria componente do probiótico e o ingrediente do prebiótico apresentem diferentes resultados.

Na fase inicial do primeiro experimento (Tabela 2), os machos e fêmeas suplementados com simbiótico mostraram melhores resultados quanto à conversão alimentar (p < 0,05). É importante lembrar que no primeiro dia de experimento, as aves suplementadas com simbiótico receberam uma dieta prévia de mananoligossacarídeo, fato este que pode explicar essa melhora da conversão alimentar na primeira fase de crescimento. Takahashi et al. (2005) também relatam melhora da conversão alimentar, porém na fase final (36 a 63 dias) de seu experimento com aves suplementadas por probióticos e prebióticos. Talvez, o ambiente diferente entre estas pesquisas com simbiótico, expliquem dados de melhores em conversão alimentar em momentos diferentes. Spring (2000) também encontrou melhor conversão alimentar de aves suplementadas com mananoligossacarídeo, no entanto, este autor utilizou apenas este suplemento com a função de prebiótico, o que induz a pensar que pode haver diferentes resultados quando utilizamos probióticos e prebióticos separadamente, diferentemente do presente estudo, o qual o simbiótico contém esses dois produtos em só.

A Tabela 2 indica que em todas as fases do segundo experimento não houve diferença significativa quanto à conversão alimentar das aves, quando comparados os grupos de machos (suplementados e não-suplementados com simbiótico), assim como os de fêmeas. Uma explicação para o fato de haver uma melhor conversão alimentar, no primeiro experimento, nos lotes de aves tratados com simbiótico, pode ser atribuída à temperatura em elevação que se encontra nos meses de setembro e outubro, quando foi realizado o segundo experimento. E também a melhor conversão alimentar foi evidenciada na fase inicial, quando o estresse calórico geralmente não ocorre. Os resultados do segundo experimento diferenciaram das pesquisas realizadas por Silva et al. (2000), pois estes pesquisadores observaram uma melhor conversão alimentar das aves suplementadas com probióticos e antibióticos na fase inicial. No entanto, estes mesmos autores comentam que houve uma melhora da conversão alimentar das aves não-suplementadas com probióticos na fase final. Pode ser considerado também de que Silva et al. (2000) utilizaram apenas a suplementação de probióticos e antibióticos o que demonstra diferença de resultados quando se utilizam apenas um só produto (probiótico ou prebiótico). Não somente na fase inicial, mas em todas as fases do experimento, os ensaios de Jin et al. (1998), os resultados indicamque os lotes tratados com probióticos (cultura de Lactobacillus) e demonstram melhor conversão alimentar, demonstrando com isso a hipótese de que há diferentes resultados entre os tipos de bactérias componentes do probiótico utilizadas.

Os resultados sobre peso e rendimento de carcaças estão apresentados na Tabela 3. Tanto no primeiro quanto no segundo experimento, a suplementação com simbiótico, não influenciou os resultados quanto ao rendimento de carcaças das aves (p > 0,05) (Tabela 3). Essa ausência de influência quanto ao rendimento de carcaça pode estar associada com a pequena influência nos parâmetros de desempenho. Também pode ser considerado o fato de utilizar apenas o simbiótico como suplemento, pois Loddi et al. (2000), quando associaram a utilização de probióticos com antibióticos, observaram maior rendimento de carcaça das aves tratadas com esta associação. A Tabela 3, ainda, mostra que no primeiro e segundo experimento, os machos suplementados com simbiótico apresentaram maiores peso de peito (p < 0,05) quando comparados com o grupo machos sem este suplemento na ração inicial. As fêmeas suplementadas com simbiótico apresentaram maior rendimento de peito (p < 0,05) em comparação com as fêmeas sem esta suplementação (Tabela 3). Pelicano (2002), utilizando probióticos na ração das aves, observou efeito significativo aos rendimentos de pernas, demonstrando com isso, que há ocorrência de diferentes resultados de rendimentos entre os diversos tipos de corte quando utilizados estes aditivos.

A Tabela 4 ilustra os resultados da composição centesimal e pH da carne de peito e coxa. Estes resultados mostram que a composição química e pH da carne não diferenciaram significativamente entre os grupos de tratamentos: macho e fêmeas com suplemento de simbióticos na ração inicial (MC e FC) e machos e fêmeas sem esta suplementação (MS e FS).

A Tabela 5 apresenta os resultados da análise sensorial da carne de peito dos frangos de corte. Não foi observado efeito da inclusão de simbiótico sobre estas variáveis.

Autores como Loddi et al. (2000) e Almeida et al. (2002), trabalhando, respectivamente, com a adição de probióticos e níveis diferentes de lisina na ração de frangos de corte, também não verificaram diferenças significativas quanto às características químicas e sensoriais.

Os resultados da presente pesquisa indicam a necessidade de novos estudos testando tipos e períodos de fornecimento do produto.

Conclusão

A adição de simbiótico, na ração inicial de frangos de corte, influencia parcialmente o desempenho independente do sexo, aumentando o consumo e melhorando a conversão alimentar, sem alterar ganho de peso, características de carcaça e químicas sensoriais da carne.

Received on February 28, 2007. Accepted on February 22, 2008.

Referências

ALMEIDA, I.C.L. et al. Efeito de dois níveis de lisina e do sexo sobre o rendimento e qualidade da carne de frangos de corte. Rev. Bras. Zootec., Viçosa, v. 32, n. 4, p. 1744-1752, 2002.

ANDREATTI FILHO, R.L.; SAMPAIO, H.M. Probióticos e prebióticos: realidade na avicultura industrial moderna. Rev. Educ. Contin. CRMV-SP, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 59-71, 1999.

AOAC-Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis. 15. ed. Arlington: Virginia, 1990.

BERTECHINI, A.G.; HOSSAIN, S.M. Utilização de um tipo de probiótico como promotor de crescimento em rações de frangos de corte. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1993, Santos. Anais... Campinas: Fundação Apinco de Ciência e Tecnologia Avícolas, 1993. p. 1.

BRADLEY, G.T.; SAVAGE, T.F. Enhanced utilization of dietary calcium, phosphorus, nitrogen and metabolizable energy in poults feed diet containing a yeast culture. Poult. Sci., Champaign, n. 73, p. 124, 1994.

CARAMORI JÚNIOR, J.G. Efeito de probióticos e prebióticos na ração de frangos de corte sobre o desempenho, rendimento de carcaças, composição química e presença de Samonella spp. na carne. 2001. Tese (Doutorado em Zootecnia)--Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2001.

GIBSON, G.R.; ROBERFROID, M.B. Dietary modulation of the human colonic microbiota: introducing the concept of prebiotics. J. Nutr., Baltimore, v. 125, p. 1401-1412, 1995.

HENRIQUE, A.P.F. et al. Uso de probióticos e antibióticos como promotores de crescimento para frangos de corte. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1997, São Paulo. Anais ... Campinas: Fundação Apinco de Ciências e Tecnologia Avícolas, 1997. p. 27.

IJI, P.A.; TIVEY, D.R. Natural and synthetic oligosacarides in broiler chicken diets. World's Poult. Sci. J., Cambridge, v. 54, p. 129-143, 1998.

IAL-Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo, 1976. v. 1, p. 19-36.

JESEN, J.F.; JESEN, M.M. The effect of using growth promoting Bacillus strains in poultry feed. In: WORLD'S POULTRY CONGRESS, 18., 1992, Amsterdam. Proceedings ... Amsterdam: World's Poultry Science Association, 1992. p. 398-402.

JIN, L.Z. et al. Growth performance, intestinal microbial populations, and serum cholesterol of broilers fed diets containing Lactobacillus cultures. Poult. Sci., Champaign, v. 77, p. 1259-1265, 1998.

LODDI, M.M. et al. Uso de prebiótico e antibiótico sobre o desempenho, o rendimento e a qualidade de carcaça de frangos de corte. Rev. Bras. Zootec., Viçosa, v. 29, n. 4, p. 1124-1131, 2000.

MAIORKA, A. et al. Utilização de prebióticos, probióticos ou simbióticos em dietas para frangos. Brazil J. Poult. Sci., Campinas, v. 3, p. 71-75, 2001.

MENTEN, J.F.M. Aditivos alternativos na nutrição de aves: probióticos e prebióticos. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 38., 2001, Piracicaba. Anais ... Piracicaba: Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2001. p. 148-157.

ONIFADE, A.A. et al. Assessment of the effect of supplementing rabbit diet with a culture of Saccharomyces cerevisiae using growth performance, blood composition and clinical enzyme activities. Anim. Feed Sci. Technol., Amsterdam, n. 77, p. 25-32, 1999.

OUWEHAND, A.C. et al. Probiotics: mechanisms and established effects. Int. Dairy J., Edmonton, v. 9, p. 43-52, 1999.

PELICANO, E.R.L. Desempenho, qualidade de carcaça e de carne e morfologia intestinal de frangos de corte com dietas contendo diferentes probióticos. 2002. Dissertação (Mestrado Zootecnia)-Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2002.

ROÇA, R.O et al. Utilização de toucinho na elaboração de fiambres com carne de frango. Cienc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 8, n. 1, p. 67-76, 1988.

SAS-Statistical Analysis System. User's procedures guide: version 6. 4. ed. Cary: SAS Institute, 1989. v. 1-2.

SILVA, E.N. et al. Desempenho de frangos de corte alimentados com rações contendo probióticos, antibióticos e duas fontes de fósforo. Cienc. Agrotec., Lavras, v. 24, p. 225-232, 2000.

SPRING, P. Yeast's secret weapon aids animal production. In: SIMPÓSIO SOBRE ADITIVOS ALTERNATIVOS NA NUTRIÇÃO ANIMAL, 2000, Campinas. Anais ... Campinas: Colégio Brasileiro de Nutrição Animal, 2000. p. 41-50.

TAKAHASHI, S.E et al. Efficiency of prebiotics and probiotics on the performance, yield, meat quality and presence of Salmonella spp in carcasses of free-range broiler chickens. Rev. Bras. Cienc. Avic., Campinas, v. 7, p. 151-157, 2005.

TANNOCK, G.W. Studies of the intestinal microflora: a prerequisite for the development of probiotics. Int. Dairy J., Edmonton, v. 8, p. 527-533, 1998.

WOLKE, L.F. et al. Utilização do probiótico Bacillus natto como promotor de crescimento na alimentação de frango de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 23., 1996, Fortaleza. Anais ... Fortaleza: Sociedade Brasileira de Zootecnia, 1996. p. 36-38.

(1) BioCamp -- Laboratórios Ltda. Contém [10.sup.6] UFC de Enterococcus sp. [g.sup.-1] e 15% de mananoligossacarídeos.

(2) Bio Camp Laboratórios Ltda contendo [10.sup.UFC] Enterococcus sp. [g.sup.-1] produto e 85% de mananoligossacarídeo.

João Garcia Caramori Júnior [1] *, Roberto de Oliveira Roça [2], Alessandro Luís Fraga [3], Flávio de Medeiros Vieites [4], Lilian Morcelli [5] e Marcelo Augusto Gonçalves [6]

[1] Departamento de Ciências Básicas e Produção Animal, Universidade Federal do Mato Grosso, Avenida Fernando Corrêa, s/n, 78060-900, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. [2] Departamento da Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Botucatu, São Paulo, Brasil. [3] Departamento de Biologia, Universidade Federal do Mato Grosso, Rondonópolis, Mato Grosso, Brasil. [4] Departamento de Produção e Exploração Animal, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Botucatu, São Paulo, Brasil. [5] Programa de Pós-graduação em Medicina Veterinária, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Botucatu, São Paulo, Brasil. [6] Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. * Autor para correspondência: E-mail: caramori@ufmt.br
Tabela 1. Composiçóes percentual e calculada da raçáo utilizada na
fase inicial (1-21 dias de idade).

Table 1. Percentage and calculated composition of diet utilized in
the initial stage (1-21 days-old).

Ingredientes
Ingredients                                  %

Milho moído                                56,96
Ground roasted corn
Farelo de Soja                             36,51
Soybean meal
Óleo de soja                                2,28
Soybean oil
DL - Metionina                              0,19
DL-Methionine
L - Lisina HCl                              0,10
L-Lysine HCl
Fosfato bicálcio                            1,96
Dicalcium phosphate
Calcário calcítico                          0,85
Limestone
Suplemento vitamínico (1)                   0,30
Vitamin supplement
Suplemento mineral (2)                      0,30
Mineral supplement
Sal comum                                   0,35
Salt
Inerte                                      0,20
Inert
Total                                     100,00
Total

Composição calculada
Calculated composition
Energia Metabolizável, kcal [kg.sup.-1]        3.050
Metabolizable energy
Proteína bruta, %                           21,0
Crude protein,
Metionina, %                                 0,57
Methionine,
Metionina + cistina, %                       0,93
Methionine + cystine
Lisina, %                                    1,20
Lysine
Cálcio, %                                    0,96
Calcium 0,96
Fósforo, %                                   0,46
Phosphorus,

(1) Polinutri Alimentos Ltda. Níveis de garantia kg-1 de produto:
Vit. A - 7.500.000 UI; Vit. D3 - 2.500.000 UI; Vit. E - 18.000 mg;
Vit. K3 - 12.000 mg; Tiamina - 1.500 mg; Riboflavina - 500 mg;
Piridoxina - 1.000 mg; Vit. B12 - 2.500 mg; Niacina - 35.000 mg;
Pantotenato de Cálcio - 10.000mg; Biotina - 67 mg;
Antioxidante - 5.000 mg. (2) Polinutri Alimentos Ltda. Níveis de
garantia [kg.sup.-1] de produto: ferro - 50.000 mg; cobre - 70.000;
manganês: 60.000 mg; zinco - 50.000 mg; iodo -1.250 mg;
selênio - 200 mg.

(1) Polinutri Alimentos Ltda. Guarantee levels kg-1 of product:
Vit. A - 7.500.000 UI; Vit. D3 - 2.500.000 UI; Vit. E - 18.000 mg;
Vit. K3 - 12.000 mg; Thiamin - 1.500 mg; Riboflavin - 500 mg;
Piridoxin - 1.000 mg; Vit. B12 - 2.500 mg; Niacin - 35.000mg;
Calcium pantothenate - 10.000 mg; Biotin - 67 mg;
Antioxidant - 5.000 mg. (2) Polinutri Alimentos Ltda. Guarantee
levels [kg.sup.-1] of product; iron - 50.000 mg; copper - 70.000;
manganese: 60.000 mg; zinc - 50.000 mg; iodine - 1.250 mg;
selenium -200 mg.

Tabela 2. Desempenho das aves alimentadas corn raçóes corn e sem
simbiótico no primeiro e segundo experimento.

Table 2. Performance of chickens fed diet with or without symbiotic
in the first and the second experiment.

               Consumo médio de ração - primeiro experimento
                   Average feed intake-first experiment

Tratamentos            1-21 dias               22-35 dias
Treatments               days                    days
               macho         fêmea       macho       fêmea
CS **          1,26 (a) *    1,19 (b)    2,11 (a)    1,78 (b)
SS ***         1,24 (a)      1,12 (b)    2,12 (a)    1,77 (b)

               Consumo médio de ração - segundo experimento
                   Average feed intake-second experiment

                       1-21 dias               22-35 dias
               macho         fêmea       macho       fêmea
CS             1,12 (a)      1,07 (b)    2,08 (b)    1,90 (c)
SS             1,19 (a)      1,08 (b)    2,15 (a)    1,81 (d)

               Ganho médio de peso - primeiro experimento
                   Average weight gain-first experiment

                       1-21 dias               22-35 dias
               macho         fêmea       macho       fêmea
               0,89 (a)      0,79 (a)    1,13 (a)    0,93 (b)
               0,91 (a)      0,81 (a)    1,11 (a)    0,92 (b)

               Ganho médio de peso - segundo experimento
                   Average weight gain-second experiment

                       1-21 dias               22-35 dias
               macho         fêmea       macho       fêmea
CS             0,74 (a)      0,69 (b)    1,18 (a)    1,04 (b)
SS             0,74 (a)      0,68 (b)    1,17 (a)    1,01 (b)

               Conversão Alimentar - primeiro experimento
                   Feed conversion-first experiment

                       1-21 dias               22-35 dias
               macho         femea       macho       fêmea
CS             1,35 (c)      1,38 (b)    1,86 (a)    1,91 (a)
SS             1,39 (b)      1,41 (a)    1,89 (a)    1,92 (a)

               Conversão Alimentar- segundo experimento
                   Feed conversion-second experiment

                       1-21 dias               22-35 dias
               macho         fêmea       macho       fêmea
CS             1,54 (a)      1,57 (a)    1,76 (a)    1,83 (a)
SS             1,64 (a)      1,61 (a)    1,75 (a)    1,81 (a)

               Consumo médio de ração - primeiro experimento
                   Average feed intake-first experiment

Tratamentos                    36-42 dias
Treatments                       days
                         macho       fêmea
CS **                    1,28 (a)    1,04 (c)
SS ***                   1,17 (b)    1,05 (c)

               Consumo médio de ração - segundo experimento
                   Average feed intake-second experiment

                               36-42 dias
                         macho       fêmea
CS                       1,37 (a)    1,14 (b)
SS                       1,32 (a)    1,14 (b)

               Ganho médio de peso - primeiro experimento
                   Average weight gain-first experiment

                               36-42 dias
                         macho       fêmea
CS                       0,55 (a)    0,41 (b)
SS                       0,50 (a)    0,41 (b)

               Ganho médio de peso - segundo experimento
                   Average weight gain-second experiment

                               36-42 dias
                         macho       fêmea
CS                       0,62 (a)    0,47 (b)
SS                       0,58 (a)    0,46 (b)

               Conversão Alimentar - primeiro experimento
                   Feed conversion-first experiment

                               36-42 dias
                         macho       fêmea
                         2,29 (a)    2,54 (a)
                         2,36 (a)    2,50 (a)

               Conversão Alimentar - segundo experimento
                   Feed conversion-second experiment

                               36-42 dias
                         macho       fêmea
CS                       2,21 (b)    2,42 (a)
SS                       2,29 (b)    2,47 (a)

* Letras iguais, na mesma coluna, indicam não haver diferença
estatística significativa (p > 0,05) entre os tratamentos, pelo
teste de Tukey; ** CS: Tratamento com simbiótico. *** SS: Tratamento
sem simbiótico.

* Equal letters, in the same row, indicate non-significant statistical
difference among treatments (p > 0.05), by Tukey test; ** CS:
Treatment with symbiotic; *** SS: Treatment without symbiotic.

Tabela 3. Valores médios referentes ao peso e rendimento de
partes da carcaça de frangos de corte, machos e fêmeas,
alimentados com rações suplementadas ou não com simbiótico,
no primeiro e segundo experimento.

Table 3. Weight and yield of parts of broiler chicken carcass, males
and females, fed with diets supplemented or not with symbiotic, in
the first and second experiments.

                                Experimento I
                                 Experiment I
                                   Peso (g)
                                    Weight

T            vivo                 Carcaça                   Pés e
                                Total cacass               cabeça
                                                       Feet and head

        M          F          M            F          M          F

CS    2633 (a)   2118 (a)    2194 (a)    1698 (a)    248 (a)    183 (a)
SS    2560 (a)   2117 (a)    2138 (a)    1721 (a)    241 (a)    185 (a)

T            Peito                 Coxa                     Asa
             reast                 Thigh                    Wing

        M          F           M           F          M          F

CS     637 (a)    521 (a)     588 (a)     432 (a)    222 (a)    176 (a)
SS     580 (b)    477 (a)     562 (a)     438 (a)    218 (a)    181 (a)

T            Dorso
              Back

        M          F

CS     484 (a)    395 (a)
SS     525 (a)    432 (a)

                        Rendimento %
                           Yield

T               Carcaça             Pés e cabeça
                Carcass            Feet and head

             M           F           M           F

CS        83,3 (a)    80,3(a)    9,45 (a)    8,66 (a)
SS        83,5 (a)    81,2(a)    9,45 (a)    8,76 (a)

T                Peito                  Coxa
                 Breast                Thigh

             M          F            M           F

CS        33,0 (a)   33,78 (a)    30,4(a)     28,1(a)
SS        30,8 (a)   31,1 (b)     29,8 (a)    28,7(a)

T                Asa
                Wing

             M          F

CS        11,5 (a)   11,5 (a)
SS        11,6 (a)   11,8 (a)

                     Experimento II
                     Experiment II
                       Peso (g)
                        Weight

T                vivo                   Carcaça
                                        Carcass

            M          F            M            F

CS        2612 (a)    2109 (a)    2160 (a)     1630 (a)
SS        2538 (a)    2101 (a)    2104 (a)     1655 (a)

T              Carcaça                   Pés e
               Carcass                  cabeça
                                     Feet and head

            M          F           M            F

CS        235 (a)     183 (a)     626 (a)      511 (a)
SS        229 (a)     185 (a)     571 (b)      462 (a)

T               Peito                     Coxa
                Breast                    Thigh

           M           F           M            F

CS        566 (a)     418 (a)     209 (a)      168 (a)
SS        557 (a)     407 (a)     203 (a)      173 (a)

T                Asa
                 Wing

           M          F

CS        468 (a)     389 (a)
SS        515 (a)     425 (a)

                         Rendimento %
                            Yield

T            Carcaça                  Pés e cabeça
            Total Carcass             Feet and head

            M          F            M            F

CS        82,2 (a)    80,3 (a)    9,38 (a)     8,66 (a)
SS        82,0 (a)    81,2 (a)    9,42 (a)     8,76 (a)

T             Peito                      Coxa
              Breast                     Thigh

1           M          F            M            F

CS       32,6 (a)    33,0 (a)    30,1 (a)     27,6 (a)
SS       30,5 (a)    30,0 (b)    29,9 (a)     27,5 (a)

T               Asa
                Wing

           M          F

CS       10,9 (a)    11,4 (a)
SS       11,9 (a)    11,7 (a)

T: Tratamentos; M: machos; F: fêmeas; CS: com simbiótico;
SS: sem simbiótico; * Letras iguais, na mesma coluna de um mesmo
parâmetro, indicam não haver diferença estatística significativa
(p > 0,05) entre os tratamentos, pelo teste de Tukey.

T: Treatments; M: males; F: females; CS: with symbiotic;
SS: without symbiotic.; *Equal letters in the same row indicate
non-significant statistical difference among treatments
(p > 0.05), by Tukey test.

Tabela 4. Composição centesimal (g 100 mL-1) e valores de pH
das carnes de peito e coxa de frangos de corte alimentados com
rações suplementadas ou não com simbiótico.

Table 4. Centesimal composition (g 100 mL-1) and pH values of breast
and thigh meats of broiler chicken fed diets added or not with
symbiotic.

                  Came de Peito
                    Bwae meat

T            Umidade,            Residuo
                %             mineral fixo,
             Moistuw                 %
                            Fired mined residue

           M          F        M             F
CS       75,72      75,17    1,18           1,35
SS       75,44      75,48    1,18           1,19

T        Extrato etéreo,        Proteína,
               %                    %
         Ether extract           Protein

           M         F        M             F

CS       0,81       0,80    21,92         22,28
SS       1,18       0,74    21,96         21,40

T              pH

           M         F
CS       5,89       5,83
SS       5,92       5,82

                  Came de Coxa
                   Thigh Meat

T          Umidade, %            Residuo
            Moisture          mineral fixo,
                                    %
                           Fired mined residue

           M          F       M              F

CS       76,20      76,03    1,04           1,03
SS       76,57      76,69    1,02           1,05

T        Extrato etéreo,        Proteína
               %                    %
         Ether extract          Protein,

          M          F       M             F

CS       3,45       3,23   18,58         18,91
SS       3,03       2,75   18,13         18,64

T              pH

          M          F

CS       6,30       6,27
SS       6,29       6,20

T: Tratamentos; M: machos; F: fêmeas; CS: com simbiótico; SS: sem
simbiótico; * Não houve diferença estatística significativa entre os
tratamentos (p > 0,05), pelo teste de Tukey; ** Não foram avaliadas as
amostras obtidas no primeiro experimento.

T: Treatments; M: males; F: females; CS: with symbiotic; SS: without
symbiotic; * T there was no statistically significant difference among
the treatments (p > 0.05), by Tukey test); **The samples obtained in
the first experiment were not evaluated.

Tabela 5. Avaliação sensorial da carne de peito de frangos de
corte machos e fêmeas, alimentados com rações suplementadas
ou não com simbiótico.

Table 5. Sensory evaluation of breast meat of broiler chicken, fed
with diets added or not with symbiotic.

T       Ar     Ar E    Sab     Sab E     Mac

MC     7,04    1,50    7,38     1,31    3,56
MS     6,62    1,37    6,98     1,25    3,56
FC     7,52    1,50    7,17     1,37    3,50
FS     7,08    1,56    7,27     1,43    3,25

T       Suc    Mast     Cor     Ap G

MC     5,94    6,87    7,71     7,76
MS     5,94    6,95    7,65     7,37
FC     4,37    6,71    7,46     7,31
FS     4,75    6,92    7,47     7,24

Ar: Aroma 1; Ar E: Ar Estranho; Sab: Sabor; Sab E: Sabor Estranho;
Mac: Maciez; Suc: Suculência; Mast: Mastigabilidade; Cor: Cor;
Ap G: Aparência Geral; T: Tratamentos; MC: Macho suplementado com
simbiótico; MS: Macho sem simbiótico; FC: Fêmea com simbiótico;
FS: Fêmea sem simbiótico; * Não houve diferença estatística
significativa entre os tratamentos (P>0,05), pelo teste de Tukey;
** Não foram avaliadas as amostras obtidas no primeiro experimento.

Ar: Flavor; Ar E: Strange Flavor; Sab: Taste; Sab E: Strange Taste;
Mac: Tenderness; Suc: Juiciness; Mast: chewiness; Cor: color;
Ap G: general aparence ; T: Treatments; MC: Male with symbiotic;
MS: Male without symbiotic; FC: Female with symbiotic; FS: Female
without symbiotic; * There was no statistically significant difference
among treatments (p > 0.05), by Tukey test; ** The samples obtained
in the first experiment were not evaluated.
COPYRIGHT 2008 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2008 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 Reader Opinion

Title:

Comment:



 

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugués
Author:Garcia Caramori, João, Jr.; De Oliveira Roça, Roberto; Luis Fraga, Alessandro; De Medeiros Vieites,
Publication:Acta Scientiarum Animal Sciences (UEM)
Date:Jan 1, 2008
Words:5787
Previous Article:Producao animal e estrutura de uma pastagem natural submetida a diferentes sistemas de manejo.
Next Article:Qualidade de ovos, parametros bioquimicos sanguineos e desenvolvimento do aparelho reprodutor de poedeiras comerciais Lohmann LSL alimentadas com...
Topics:

Terms of use | Copyright © 2014 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters